sábado, 30 de março de 2013

TRINTA E UM DE MARÇO DE 1964

É trinta e um de março outra vez,
dia de lembrar das vidas ceifadas precocemente
pela força bruta, durante os anos de chumbo
Dia de rezar pela alma dos covardes
que ditavam a norma, segurando fuzis.
Dia de exaltar a memória daqueles que travaram
o bom combate no tabuleiros dos ideais;
quando perseguidos, execrados, torturados,
não desistiram da dignidade.
Dia de reverenciar o espírito
dos que morreram no exílio, longe
do carinho da mãe Pátria.

Trinta e um de março,
dia de agradecer aos céus
pelo atual estado de direito;
dia de orar a Deus pela saúde
da jovem democracia brasileira;
dia de pedir a Jesus, governador da terra,
para que a intolerância política,
suporte de todas as ditaduras,
de direita ou de esquerda, não importa,
desapareça para sempre do mundo.

terça-feira, 26 de março de 2013

241 anos de Porto Alegre

É aniversário de Porto Alegre outra vez
e eu fico a relembrar os versos
do poeta guasca, Victor Matheus Teixeira:
"Porto Alegre na História,
já foi Porto dos Casais..."
Também lembro de Kleiton e Kledir:
"Quando eu fico assim meio down,
vou pra Porto e bah, tri legal!
Coisas de magia, sei lá..."
Penso ainda em Elaine Geisller:
"Pelas ruas de um Porto não muito alegre
e que no entanto, me traz encantos..."
Nesta semana de aniversário de Porto Alegre
ainda vou lembrar de outros poetas
que cantaram a cidade,
que cresceu olhando o sol se pôr
sobre as águas do velho Guaíba
e também de figuras especiais,
que marcaram as ruas de Porto Alegre,
sobretudo, as vias do Centro Histórico,
na segunda metade do século passado,
como, por exemplo:
o lendário Bataclan,
propagandista de rua;
o Gurizada Medonha,
vendedor de bilhete lotérico;
a Teresinha Morango,
torcedora fanática do inter
e o inesquecível Mario Quintana
surgindo, de repente, na Rua da Praia,
com seus passinhos de anjo...
Ah, dirão aqueles que ainda
não se apaixonaram por Porto Alegre,
é uma cidade velha, comum, igual a tantas outras...,
mas eu os replicarei:
não é não!
Existe algo mais nesta cidade,
uma espécie de magia no ar,
mistério que os olhos não veem,
mas a alma detecta.

domingo, 24 de março de 2013

A SAÚDE

No último fim de semana.
meu amigo Cristiano morreu,
aos trinta e cinco anos de idade,
consequência de infarto no miocardio.

A passagem de Cristiano
é mais uma morte anunciada
em virtude da negligência do estado,
que não prioriza a saúde da população.

Cristiano tinha uma enfermidade grave
e aguardava há dois anos
na fila de espera  do Sistema de Saúde
por uma cirurgia  de coração.

Eu tenho a impressão de que
os governantes deste país
vivem no mundo da lua
ou são mestres em cinismo,
porque nas últimas décadas,
prefeitos, governadores, presidentes
dizem que estamos avançando em todos os níveis,
que os problemas crônicos estão sendo solucionados.
Propalam isso através de discursos coloridos...,
entretanto, qualquer cidadão necessitado
de cirurgia por conta do SUS
poderá ficar anos na fila de espera
senão morrer antes do procedimento chegar!


quarta-feira, 20 de março de 2013

BOM DIA OUTONO

Acordei com uma sensação diferente
em relação àquilo que sentia até ontem,
quando despertava pela manhã,
cansado e com o raciocínio lento.

Imaginei que havia uma brisa fresca na rua
Pensei que caia uma neblina leve,
prenúncio de um dia suave e ameno,
geratriz de satisfação do espírito.

Abri minha janela de frente pro mundo
para observar as nunces da natureza
e o outono me saudou com um Bom Dia!

Agora, quando a torridêz do verão
cedeu lugar à estação mais civilizada,
minha alma fica de bem com a vida!

sábado, 16 de março de 2013

MESMICE PADRONIZADA

Ligo o aparelho de tv no canal ibópico,
vou engolindo as beberagens destiladas,
derramadas sobre minha garganta
até a náusea embaçar o meu estômago.

Não me refiro, aqui, aos raríssimos
programas culturais e edificantes,
mas à media da grade de entretenimento
por onde desfilam as vaidades globais.

Enojado com a mesmice massificada
retrocedo mentalmente à infância televisiva
quando ainda não existia a técnica e o brilho,
mas havia a graça dos programas artesanais.

Eu gostaria de assistir neste momento
a ingenuidade do Vigilante Rodoviário
ao invés das bobagens padronizadas,
levadas ao ar em horário nobre.

terça-feira, 12 de março de 2013

ANTEGOZOS

Quem nunca antegozou
o gole de café
a ser sorvido,
mas no instante
de pegar a xícara
o telefone tocou
e a confusão dos objetos
distraiu a atenção
provocando um acidente de percurso...
então, naquele lapso de segundos,
o líquido precioso,
contido no recipiente,
acabou encharcando
os papeis sobre a mesa.

E quando a maçã vistosa
fazia a boca salivar
produzindo um desejo intenso,
ativando a pilha líbidica
do jovem de lábios febris...
O campo de ação preparado
para o orgasmo palatal...
mas à primeira mordida, a decepção;
o conteúdo além da casca
estava bichado...


quinta-feira, 7 de março de 2013

CONCLAVE

À medida que se aproxima
a reunião do conclave
o mundo católico aguarda
ansioso, o veredito do evento.

Eu, mais um ignorante
em relação aos critérios utilizados
na eleição do pontífice,
torço pela ruptura da norma.
Gostaria de que o vigário de Cristo
saísse de fora do continente europeu.
Sei que as coisas do mundo laico
são diversas dos temas do "religare"
e comparações geralmente são mal interpretadas.
Quando digo que o poder político
foi arejado por uma brisa democrática
com as eleições de um negro na América
e de uma mulher no Brasil e na Argentina;
que a igreja cristã deveria
despojar-se da aura imperial,
ânimos exaltados rotulam-me de hereje.

Xinguem-me, não ouçam minhas arengas,
porque desejo de fato
uma revolução no vaticano,
uma vassourada capaz de varrer
a poeira de dezoito séculos.
Está na hora de acontecer
um papa africano, asiático,
brasileiro, ameríndio...
pode ser um papa pentecostal,
budista, católico ou espírita...

sexta-feira, 1 de março de 2013

MARÇO

Fevereiro acabou
e eu fico lembrando
de Tom Jobim
e de Elis Regina
cantando Águas de março.

Março vem chegando
com jeito de menino velho.
O verão vai terminar
nas folhas do calendário.
Não sei se o calor vai acabar...
Eu espero a brisa do outono,
ouvindo o poeta Antonio Brasileiro.

Eu sonho com um pouco de frio,
estou cansado do clima tropical.
Se a temperatura continuar elevada,
acho que irei embora pra fronteira.

Eu espero o vento gaúcho,
vindo da banda oriental,
atravessando os campos do pampa...
Eu quero o velho minuano
soprando aqui na capital.