quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

REMINISCÊNCIAS

Sabe aqueles dias em que estamos a divagar
e de repente vêm à tona reminiscências
relacionadas à nossa remota infância,
eventos pitorescos, hilários, folclóricos;
instantâneos privados do cotidiano familiar.
Tais fragmentos, pequenos flocos de algodão
deslizando no céu azul da lembrança,
formando o tecido da colcha memorial,
levando-me a relatar de imediato, sem constrangimento,
ao primeiro transeunte que encontro pela frente:
Minha mãe em consulta com o oftalmologista,
pergunta, sem preâmbulos, ao especialista dos olhos:
querido, por que sinto dor no meu pé esquerdo?
 E o oculista recomenda-lhe um ortopedista,
mas minha mãe inconformada, rebate de pronto,
ué, então o Senhor não é médico?
Minha vó, certa feita, comendo um sanduíche caseiro
 na calçada, à porta de um restaurante,
quando surpreendida pelo gerente da casa:
a Senhora não pode ingerir alimentos particulares,
à entrada do meu estabelecimento!
E ela, sem pestanejar, com  o dedo na cara do rapaz:
estou usufruindo do meu direito cidadão
de ir e vir, pela via pública, com meus pertences!
Meu primo Zé, que tinha leves distúrbios,
chegando esbaforido, na minha casa:
Tio, tem um homem enforcado ali na esquina.
Então, meu pai vai até a bifurcação da rua
e não percebe nenhuma anormalidade,
mas Zézinho justifica-se, sem perturbação:
o homem ao qual me refiro, morreu enforcado
na esquina  do livro que estou lendo!

Bem, pessoal, por hoje chega de anedotas!





segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

OSCAR

Coisa de que há algumas décadas,
eu aguardava com bastante  ansiedade
o desenrolar da ciranda do Oscar
carrossel de glamour à antiga;
evento de valorização da arte, entre aspas,
entremeado à pirotecnia e às beldades
com seus modelitos ditando moda...
À medida da passagem do tempo,
fui perdendo o interesse pela festa
em consequência da banalização
e da repetição das piadas sem graça...
Já não lembrava do tal de "Oscar",
mas ontem à noite, distraído",
acabei me deparando com a chatice
transmitida através de um canal de tv:
a vulgarização da feira das vaidades,
a entronização das futilidades...



sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

NÃO SOMOS RESPONSÁVEIS

Somos os Joãozinhos  do passo  certo
e em nenhuma hipótese erramos na vida,
portanto se há situações erradas no mundo
não somos nós os mentores de tais situações.

E assim vamos transferindo responsabilidades
qual Macartistas procurando bodes expiatórios,
exigimos que os outros transformem o mundo
porque este foi já foi estragado por eles.

Pensamos de fato que a perfeição está conosco,
entretanto, parados, não pomos a mão na massa;
somos os personagens em carne e osso do Poema Reto,
mesmo que Fernando Pessoa ria da nossa pavonice.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

ENFIM, COMEÇO DE ANO.

Saúdo hoje, 17 de fevereiro, o povo em geral
desejando a todos, de coração, um bom ano;
muita saúde e  sucesso no trabalho e na vida
e paz de espírito para agora e todo o sempre.

Muitos certamente dirão que perdi o juízo
pois aonde que se viu ano novo em fevereiro,
se dois mil e quinze foi parido há mais de mês,
ou seja, lá no dia primeiro de janeiro?

Pois é, mas é que existe o rito da tradição,
a velha síndrome do país do carnaval.
Aqui somente após a folia de momo
começa de fato o ano comercial!

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

O TEMPO DO CORPO

Lamentei a morte dos meus avós;
ah, coitados, tinham que ficar aqui,
pois àquela época eu era imortal.

Os idosos da minha rua partiam,
mas aquilo parecia coisa surrealista,
algo que nunca aconteceria comigo.

Os cléricos que eu conhecia falavam
da necessidade de preparar a alma
porque desconhecemos a nossa hora H.

Quando meus pais embarcaram para o segundo andar
me dei conta da minha transitoriedade,
da minha finitude existencial

Quando meu filho partiu para o mundo espiritual
ative-me àquele preceito que tentava ignorar:
quando nascemos começa nossa contagem regressiva.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

FORNO ALEGRE

"Pois já vai terminando o verão"
cantava o saudoso mestre Cartola,
em alusão à estação do corpo
ante o inverno da existência...
Pois aqui vai findado o verão
que fez meu corpo transpirar
como se eu estivesse lá no trópico,
entretanto vivo em Porto Alegre
onde o verão vem radicalizando
nas últimas temporadas...
Sob a canícula do verão intenso
meus amigos estão brincando,
dizendo que a nossa cidade
deveria trocar o nome
para Forno Alegre.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

O EQUILIBRIO

Pudesse o homem ao fim da jornada
ao analisar seus passos pretéritos
através das veredas da vida
constatar que empregou os dias
consubstanciados no equilíbrio,
concluiria então, por certo,
haver tirado bom proveito da existência...
Entretanto, sabemos que não é fácil
adotar a cartilha da sensatez
e trilhar o caminho retilíneo
proposto pela lúcida consciência,
pois as tentações mundanas
induzem o ser amolecido
a compartilhar as ditas  conveniências
viciadas, distorcidas e oportunistas,
porque ainda somos estagiários,
aliás; com fracos desempenhos,
na universidade deste mundo...

domingo, 8 de fevereiro de 2015

INSPIRAÇÃO

Houve um tempo
em que eu acreditei
que Morfeu sugestionava
versos durante a viagem
do espírito pelo espaço,
mas quando desperto
eu esquecia do ditado.
Determinado a aproveitar
as dicas transmitidas
pelo Senhor do sono
coloquei caneta e papel
ao lado do travesseiro
para anotar as estrofes
recém saídas do forno.
Esperei dias, semanas;
não sei quanto tempo,
mas nada acontecia
 até que enfim, uma manhã,
ao acordar, minha mão
escreveu, teleguiada:
inspiração também tira férias!

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

A NATUREZA

Via de regra, temos dito,
que a natureza é complexa
e ao mesmo tempo fascinante
hajam vistas os quadros incríveis
que ela nos apresenta,
nos maravilhando a todo o instante...
A imprevisibilidade  por vezes espanta,
quando por exemplo, em um dia de sol,
que a meteorologia previa tempo bom,
aparece uma nuvenzinha do nada
e cresce em velocidade impressionante
 se transformando  numa enxurrada atípica.
Ou, então, em meio a um temporal,
eis que de repente, surge o sol enxotando a chuva,
limpando o céu em poucos minutos,
como se há tempo não houvesse chovido...
Ou ainda, naqueles dias de nebulosidade
quando vamos andando, secos,  por um sentido da rua
e a chuva nos acompanha pela outra calçada...







terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

INTERNET

De repente fomos presenteados
com uma ferramenta fabulosa
para além  da nossa expectativa.
Nunca antes imaginávamos
que o futuro viria a nós
trazendo a revolução digital.
Um achado valioso, a Internet,
capaz de conectar o mundo inteiro,
conduzindo a paz, a amizade e o bem;
sem falar na gama de operacionalidades
otimizadora da lide cotidiana,
quando operada racionalmente,
entretanto, pessoas inescrupulosas,
usam-na, muitas vezes, em prol
de seus caprichos, de suas taras,
disseminando o mal em torno delas

domingo, 1 de fevereiro de 2015

A VORACIDADE

Eu era jovem quando disse  em um poema:
"Minha geração passará, assim como
passam os dias, os meses, os anos..."
Hoje, tantos anos depois, estou pensado nisso;
estou pensando naquele chavão tão surrado,
dito a toda a hora, mas tão real:
tudo passa. E nada pode ser feito
para mudar o paradigma.
Somos passageiros da caravana do tempo,
adaptados  ou não à inexorabilidade da existência.