A minha Lista de blogues

sábado, 26 de março de 2022

PORTO ALEGRE FAZ 250 ANOS

Moro numa cidade velha,
que às vezes  parece nova,
outras vezes parece outra.
Às vezes parece antiga
menos antigas que outras
que se tornaram velhas,
mas querem ser modernas,
entretanto minha cidade,
que  um dia foi província
tem um jeito diferente
das cidades que eu conheço.
Ela mora lado  ao do rio,
o  qual dizem  que um lago,
composto por quatro braços;
que eu chamo de estuário,
e o seria  se não houvesse
uma lagoa entre o lago e o mar,
entre o rio e o mar para quem
ainda não assimilou a ideia
e reitera que o nosso lago é um rio.
Este rio, este lago, este processo
de água doce, trouxe os açorianos,
lá no século dezoito,
para o entorno do Gasometro
onde engendraram a Porto Alegre.
Então ela desceu as curvas do rio
para o lado do sul,  para o lado norte,

 depois desgarrou para os lados de Viamão... 

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

VERÃO TROPICAL EM PORTO ALEGRE

 Estou velho e rabugento,

sobretudo, nestes dias atípicos

de um verão canicular...


Quem não é daqui do paralelo trinta

imagina que o frio é o nosso cartão postal...

De fato o frio, cá, impera no inverno,

entretanto, alguns verões saem da curva

ao ponto de que o visitante desavisado

de passagem por aqui, agora,  se vê no Senegal...

sexta-feira, 31 de dezembro de 2021

ANO NOVO

 Ano novo, vida nova

palavras da boca do povo

quem sabe a gente pega o mote

e reinventa tudo outra vez?


Que tal resgatarmos a simplicidade

daquelas coisas já esquecidas

justamente por serem simples?


Que tal reinventarmos o sorriso

sem medo de sermos felizes

ainda que a prática pareça difícil

de repente o esforço valerá a pena!


Acho que é tempo de plantar árvores

cultivar mais flores,

contemplar os arco-íris,

 sonhar que o bem há de vencer!


É hora de aprender filosofi9a 

com os doidos que andam pelas ruas...

É hora de viajar no tapete mágico

É hora de catar conchas na areia...


É ano novo, minha gente:

vamos falar bem dos malvados,

vamos jogar conversa fora,

vamos sentir prazer dizendo bobagens,

vamos pensar que a censura acabou

e que ainda existe liberdade de expressão.

Vamos fingir que somos poetas.





segunda-feira, 11 de outubro de 2021

NÃO HÁ ESPERANÇAS, MAS É PRIMAVERA

    Minhas retinas levarão,

por onde eu ande,

a delicadeza desta tarde.

A suavidade do azul tocando,

 com dedos de veludo,

a porcelana da terra.


A dádiva da luz esparramada

sobre a aquarela da natureza

lembra aos sentidos embriagados

a fusão do fogo cósmico

com os matizes da terra.

A musicalidade dos anjos

na transmutação das cores.

sábado, 26 de junho de 2021

 


O PAÍS DOS HOMENS TRANQUILOS

A vocês, meus amigos
que falaram tantas vezes:
não suportamos mais a vida deste país,
queremos ir embora para um lugar melhor,
eu pergunto, o que fizeram ou o que podem fazer
a fim de melhorar a conjuntura geral.

Pois é, eu sei, já tentaram isso
e ficaram com a  sensação
de um jogador de bilhar
diante de uma sinuca de bico.

A notícia de que existe
um mundo ideal,
trás-nos o conforto equivalente
à duração de um relâmpago,
porque ainda não temos acesso
a esse paraíso, além das utopias:
o país dos homens tranquilos.

No país dos homens tranquilos
nãos existem tribunais
nem prisões
nem policiais
e a lei, é uma mera formalidade,
pois  inexistem demandas.
No país dos homens tranquilos,
as palavras governo, poder e autoridade
ficaram esquecidas no léxico.
No país dos homens tranquilos
não existe vaidade, inveja, cobiça
e a consciência é o parâmetro
das relações interpessoais.

Agora, já ouço vossas vozes:
iremos para o país dos homens tranquilos,
porém, preciso lhes falar de um detalhe,
e diz o adágio: Deus mora nos detalhes;
ainda não estamos aptos à conexão
com o país dos homens tranquilos;
pois não basta apenas sair do país dos homens renegados,
teremos de passar primeiro pelo país dos homens exaltados,
cruzar pelo país dos homens eufóricos,
atravessar o deserto do país dos homens afoitos
para, finalmente, desembarcar no país dos homens tranquilos...

sexta-feira, 12 de março de 2021

ESTAMOS ACOMODADOS

 Naquele tempo bebemos do remédio amargo

à época  do contragolpe dos  anos  sessenta,

mas   afirma  um  adágio  de  remotas eras

que água mole na superfície da pedra dura

bate, bate, bate, até que um dia a  perfura...

Pois de repente  a pedra de Drummond

foi retirada de vez do meio do caminho...

e os próceres daquela época gritaram:

ditadura aqui no trópico nunca mais,

porque agora temos a carta cidadã!

E muita gente acreditou naquilo...

As forças armadas saíram do palco

e retornaram às lides das casernas

Os verdes-oliva  pairam tranquilos

mas onze canetas afiadas e inquietas

estão a reeditar uma ditadura escabrosa





sábado, 13 de fevereiro de 2021

SOMOS CHATOS!

 À medida que envelheço vou ficando chato,

porque o mundo parece-me fora dos eixos.

Antigamente quando ouvia os reclames

de  pessoas  inseridas  na  faixa etária

em que  me encontro agora, pensava:

quando ficar maduro serei diferente!

Foi engano. Estou igual àquela gente

que eu criticava por excesso de zelo.

Pior de tudo é que é tempo perdido

querer mudar o mundo através

de palavras, teorias, pensamentos..