A minha Lista de blogues

terça-feira, 17 de julho de 2018

A SANTIDADE AINDA ESTÁ DISTANTE

Quando, há uns quarenta anos,
 parei de beber refrigerante,
disseram-me: não sejas bobo.
Há uns vinte anos, parei de fumar,
falaram: estás com medo da esposa!
Há pouco tempo parei de comer carne.
Então vaticinaram: queres virar santo!

quinta-feira, 12 de julho de 2018

TOMATES

Ia passar na tv "Tomates Verdes Fritos"
- Será que o filme é poético?
Talvez o título original seja outra coisa!
-Ah, de repente o tradutor é poeta.
Falando em poesia, pensamentos encadeados...
Deixei o filme gravando e fui jantar
e o que vejo sobre a mesa:
um tomate. Nem verde. Nem frito.
Mas um lindo tomate maduro,
espargindo o aroma da espécie.
Jantei e o tomate continuou sobre a mesa.
Aprecio, sobremaneira, essas frutas,
mas aquele tomate era belo demais
para ser devorado num jantar!

segunda-feira, 9 de julho de 2018

VÍCIOS

Lembro de  quando me obrigaram
ao primeiro gole de Coca-Cola
Era ruim, mas disseram que era chique,
charmoso e gerava status;
quando eu ainda não sabia
o significado de  status.
E o  primeiro gole de cerveja
foi  pegajoso e rascante,
mas falaram: seja homem.
E  o primeiro cigarro, um  horror,
mas naquele tempo fumar era bonito.
A gente começa cedo no vício lícito
e depois briga com o mundo
para se livrar dessas porcarias...



quinta-feira, 5 de julho de 2018

POIS ENTÃO!

Passei muito tempo sonhando
com o elixir da rima perfeita,
guardado em algum baú
sob à guarda das musas.

Trancado nas cavernas da psique,
eu consultava os compêndios antigos,
esperando encontrar a pista
que levasse à chave da inspiração.

Um dia, distraído, abri a janela
e deparei-me com a vida,
 acenando-me da esquina,
com o  cardápio do mundo.

domingo, 1 de julho de 2018

A CANÇÃO DO SER

Outro dia, ouvindo a canção do Raul
voltei a pensar aquele verso
que muitas vezes
não quis ouvi-lo.
"Eu tinha medo de sentir a beleza da simplicidade"

Foi um convite para revisão
das tralas interiores:
o momento de rasgar o script
atrelado ao mundo das  aparências.
Hora de trilhar a senda do crescimento.
O objetivo que faz sentido:
o jeito autêntico de ser.

sábado, 23 de junho de 2018

AS ANDORINHAS

Ainda lembro de mim à janela
esperando as andorinhas.
De repente o céu ficava escuro,
o vento, forte, soprava do sul,
as andorinhas voavam para o leste
e eu antegozava o cheiro da chuva.
Era questão de tempo e a água descia.
Eu de alma lavada esquecia do mundo.

Outras vezes, nas manhãs  ensolaradas,
as andorinhas faziam o ensaio da chuva.
Então, a gente sabia que iria chover,
e ainda que a meteorologia dissesse o  oposto
naqueles dias sempre acabava chovendo.

Hoje, descendo a ladeira da vida,
ouvindo as previsões anunciar
que uma frente fria trará chuva,
debruçado em outra janela,
lembro do passado e falo
com a criança que eu fui:
são as  andorinhas que trazem chuva!

terça-feira, 19 de junho de 2018

AÇÃO E INAÇÃO

Quando eu contornava
o fim do parque,
onde começava a floresta,
praticando meu cooper,
via um homem parado,
olhando na minha direção.

O sujeito me impressionava,
porque naquela época,
eu era um jovem inquieto,
andando de um lugar a outro,
abduzido pelo movimento.

Quando eu passava por ali,
via o homem inerte, feito estátua.
De início aquilo não me incomodava,
mas depois de algum tempo,
veio-me um estado de angústia.

Curioso, um dia abordei o homem
e perguntei-lhe o que ele pensava
sobre o meu  exercício
Daí, ele perguntou que atividade eu praticava
- então perguntei: não me vês passando por aqui,
sempre aos finais de tarde?
- Ora, nunca havia percebido, pois cuido do meu mister.
- Mas o que tu fazes aí parado, sem ver as coisas à tua volta?
-  Bem, depois do trabalho, eu exercito, por algum tempo, a arte de ouvir o silêncio