A minha Lista de blogues

domingo, 29 de dezembro de 2013

MEU HERÓI

À  noite passada sonhei com o meu ídolo,
Ser que partiu deste plano
há bastante tempo.
E por conta do sonho
revi minhas primeiras páginas
num instante refletidas
no espelho da existência.
Eu observava as impressões fisionômicas
produzidas por um livro qualquer,
que nunca era qualquer livro,
geralmente uma obra importante,
que aquele homem de gosto refinando,
que pouco sentara nos bancos escolares,
absorvia; e entre uma pausa e outra,
dizia, olhando nos meus olhos:
filho, este é um ócio que vale a pena!

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

ERICO

Hoje parece mais um dia
igual aos outros dias,
entretanto é dezessete de dezembro,
um dia especial, porque
data natalícia de Erico Verissimo,
nascido em mil novecentos e cinco.

A data traz-me recordações
das viagens feitas à época adolescente
através da galeria de personagens
do autor vindo de Cruz Alta.
São tantos tipos marcantes
que ficaram no meu coração...
a doce Clarissa,
o enigmático Dr. Seixas,
o atrapalhado Eugênio,
o indeciso Vasco,
a mística Ana Terra,
o aventureiro Rodrigo Cambará...

Várias obras do Erico
ainda soam musicalmente aos meus ouvidos:
Um lugar ao sol,
Caminhos cruzados,
Incidente em Antares,
O Tempo e o vento,
Olhai os lírios do campo,
Viagem à aurora do mundo,
Gato preto em campo de neve...

Na minha quase longa existência
já li autores clássicos, universais,
mais profundos e mais técnicos,
mas em nenhum deles encontrei
o tete-a-tete tal qual nos livros do Erico.
Erico foi mais que um escritor.
Foi um contador de histórias,
conforme se autodenominava.
De belas histórias, sem dúvida!

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

MEU TIO AMAVA A CHUVA

A fisionomia do meu tio se transformava
à medida que o tempo ia fechando;
 e  nós, incautos, imberbes, fícávamos
com a impressão de que seu espírito
planava em estado sublimado
através das planícies siderais.
Meu tio era apaixonado
pelos dias chuvosos
Ele falava que a mente expandia
à medida que as gotas translúcidas
se desprendiam das nuvens
e limpavam a atmosfera conspurcada
pela energia negativa, evolada dos cérebros pervertidos,
jogada, diariamente, no espaço...

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

VALTER MANDELA

A mal informada mídia mundial
anunciou que Valter Mandela morreu.
Tudo bem, Mandela partiu do plano terrestre,
entretanto, ele será uma referência eterna.

Mandela foi mais um luminar,
que desce, de tempos em tempos,
à terra intercalada de misérias morais,
e fez ecoar um grito de amor
diante dos ghetos do mundo.

Certamente, agora, enquanto
os homens conscienciosos lamentam
o desencarne do ícone sul africano,
ele está penetrando na galeria
de outros espíritos nobres ,
que já passaram por aqui,
tais como Mahatma Ghandi,
Martin Luter King,
Madre Teresa,
Chico Xavier...

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

PASSAGENS

Já habitei
tantas casas
de endereços esquecidos.
Já usei tantas vestes,
mas não lembro dos fios
que compunham o tecido...
Um dia terei acesso
à grade de registro
da minha peregrinação
pelas jornadas pregressas..

domingo, 1 de dezembro de 2013

SERÁ, BELCHIOR ?

Depois da chuva
daquela tarde,
de temperatura agradável,
ao fim da primavera
vieram os pingos de sol
que se desprenderam
do rosto do arco-íris...

Lembrei-me do paraíso,
do tempo de criança,
mas uma voz se intrometeu
e disse um verso de Belchior:
"O paraíso é a palavra paraíso"...

Ainda que a construção
poético-filosófica
do compositor cearense
traga intrínseca
fundamento racional
naquele instante soou
inútil, deslocada, inverossímel...

terça-feira, 26 de novembro de 2013

LÁ E CÁ, CÁ E LÁ...

Eu, leitor preguiçoso
das manchetes dos jornais,
anestesiado pelo bombardeio
de informações ruins,
surpreendi-me outro dia
por uma notícia
vinda da fria Suécia:
quatro presídios serão fechados
por falta de usuários...
Só pensar no contraponto brasileiro
e ficar de boca aberta...
Nos presídios suecos não têm
residentes oriundos da política.
As prisões brasileiras não tinham clientes políticos
porque as nossas leis não mandavam
colarinhos brancos para trás das grades.
Mas na Suécia os políticos são conscienciosos.
Para eles cargos políticos são ferramentas
de controle da manutenção do bem comum.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

O QUE É O TEMPO?

Enquanto alguns
dizem que o tempo
corre a seu favor
 outros reclamam
do  peso do tempo
sobre às costas.
A toda hora
tem alguém
dissertando
sobre
a brevidade do tempo.
ou sobre a elasticidade
do mesmo.
Apesar do tempo,
conceito matemático,
medido por números,
há quem diga
que este senhor
não é tão matemático assim,
que é um efeito ilusório
criado pelo homem
para dimensionar
a ansiedade humana
durante nossa passagem
por aqui.





terça-feira, 19 de novembro de 2013

SOMOS DOIS EM UM

Hoje,
perto do fim
da curva,
venho agradecer
os serviços
de um velho amigo,
companheiro
de tanto tempo,
tão pouco
valorizado
por mim.

Este fiel escudeiro,
que me conduz
pra todo  lado,
vida afora,
nem sequer
tem ouvido
um "obrigado".

Tenho sido,
nesta existência,
no mais das vezes,
um hospedeiro
pretensioso,
autoritário,
cruel
para com
meu servidor.

Meu condutor
tem suportado
os desmandos,
os deslises,
os excessos;
sem queixas,
sem melindres,
sem mágoas.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

A GENTE SEMPRE LEMBRA DO MALUCO BELEZA

Hoje lembrei-me
de um mendigo,
velho conhecido,
que muitas vezes
parava nas esquinas
falando aos ventos;
Se eu fosse Raul Seixas
teria feito estes versos:
Eu sou o portal
de acesso
ao conjunto vazio
de todas as ideias
Eu sou a incerteza
respirando na encruzilhada
da política do nosso país
Eu caminho submerso
sob a multidão
de homens inteligentes
e mulheres interessantes
que não me veem
porque eu sou
a tangente das metáforas.
Eu sou a certeza dos tolos
armazenada no bau corroído
pela poeira do tempo.
Eu sou as notas no rodapés
dos compêndios que trazem guardados
as arestas dos conhecimentos fúteis
Em suma, eu sou aquele que não vê.
Eu sou aquele que não foi.
Quando a gente pensava
que o cara já havia
cantarolado todo o embróglio,
ele subia no degrau do paralepípedo,
arrematava com a voz metálica:
Eu sou a linha torta
do poema Reto de Fernando Pessoa.
Eu sou o painel de Kafka,
o caos,. a neurose, o processo.
Eu sou o tempo perdido de Proust,
o sonho, a memória, a lembrança
Eu sou a Náusea de Sarte,
o Ser, o Nada, a Angustia
Eu sou a dor de Nietzche,
a corda suspensa no abismo.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

A VELHA FEIRA DO LIVRO

Ontem à tarde
quando visitava
a nossa Feira do Livro
de Porto Alegre,
senti saudade
da Antiga Feira
dos anos sessenta,
época das barracas
- hoje são stands -,
umas vinte e poucas,
talvez trinta,
se a memória
não me falha.
Agora são quase duzentas...
Naqueles dias,
a cidade
era bem menor.
 Ainda havia
aquele ar de província
e menos pessoas
desfilando
por entre os livros.
A gente podia
se demorar
o tempo que quisesse
a folhear as obras expostas...
De repente surgia
Mario Quintana,
Erico Verissimo,
Dionélio Machado
ou qualquer outro
autor local
menos renomado
e a gente nem respirava
observando aqueles seres
vindos de outro mundo,
mas para nossa surpresa
eles também folheavam
os escritos de seus confrades...
Aquilo era uma festa
na velha Praça da Alfândega


terça-feira, 5 de novembro de 2013

SE TODOS GOSTASSEM DE OUVIR A MÚSICA GENUÍNA...

Somos surpreendidos
quase todos os dias
por ocorrências
à nossa volta
indo de encontro
à nossa visão
de mundo.

Às vezes,
são afirmações
resultantes
de comportamentos
estranhos
à nossa compreensão,
tipo o depoimento
de um camarada,
que me disse
com todas as letras,
que pretendia
mudar de bairro
porque já não aguentava
ouvir
o canto dos pássaros
todas as manhãs.

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

PRECISAMOS CRESCER

No momento em que o país
está sob às circunstâncias
de uma guerra civil,
qualquer coisa aleatória
é motivo de estímulo
ao recrudescimento da violência.
E a criminalidade campeia
como nunca se viu por aqui.
São os rebeldes sem causa
associados aos criminosos,
infiltrados nos movimentos reivindicatórios,
destruindo a propriedade alheia,
atentando contra a vida
do cidadão comum encurralado.
Estamos vivendo um tempo de purgação
às expensas de uma legião
de espíritos perturbados
ainda sem noção
do despertar da consciência.

sábado, 26 de outubro de 2013

JOGO SUJO

Faz muito tempo,
que os ianques monitoram
os países periféricos
Enquanto o achincalhe
ocorria com os pequenos,
o mundo inteiro
fazia vistas grossas.
Mas agora,
os americanos do norte
não respeitam mais ninguém.
O colonialista moderno
mudou o alvo,
entrou com tudo
na espionagem industrial
Querem saber agora
quantos barris de petróleo
o Brasil vai produzir.
Mas o Brasil, talvez digam
os próprios brasileiros,
sempre foi tipo terra de ninguém.
Tudo bem, pode ter sido,
entretanto, temos nossa soberania,
respeitamos todos os povos.
reconhecemos o sagrado direito
de autogestão de qualquer nação,
mas repudiamos toda e qualquer
intromissão indevida na nossa pátria.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

MELHOR SERIA SE NÃO FOSSE VERDADE

Chegaram os médicos de fora
vindos da Ilha de Cuba,
porque a saúde está doente,
justificou a nossa mandante.
Até parece que ela não conhecia
as mazelas do quadro social.

Chegaram os médicos de fora
para cuidar da vida do povo,
mas esqueceram de avisá-los
que não existe espaço físico
para a prática do ofício a contento.

As emergência estão atulhadas,
a falta de de hospitais é gritante
A população aumenta a todo ano,
o crescimento da demanda é latente,
entretanto, nos últimos trinta anos
não construíram, praticamente, nada de novo.

Chegaram os médicos estrangeiros
para aprender nossa língua,
durante o estágio no trópico.
Será que engordarão seus currículos?

Ao cabo desta cronica fica a pergunta:
os doentes daqui continuarão morrendo,
enquanto aguardam por consulta na fila de espera?
Sim! Mas só aqueles que não podem
pagar os médicos particulares...
Ãhãm. Urrum. Ahrra.

A realidade, às vezes, parece ficção!




terça-feira, 15 de outubro de 2013

AO MESTE COM CARINHO

Quando eu entrei na escola,
no finalzinho da década de cinquenta,
o professor era o cara.
Acho que tal como acontece hoje,
o salário do educador era baixo,
mas nós, educandos, respeitávamos o mestre.
Bons tempos aqueles quando o professor
tinha autoridade na sala de aula;
quando os pais cobravam dedicação plena
dos filhos nas coisas do aprendizado.
Naquele tempo, os pais não trocavam
os filhos reprovados de colégio,
mas exigiam esforço redobrado deles
para o ano seguinte...


   DESABAFO

Por que será que se investe tão pouco
em educação neste país?
Por que será que o tema vem à tona somente
alguns meses antes das eleições majoritárias,
mas passado o evento não se toca mais no assunto?
Por que será que é inserida na mídia
propagandas falaciosas  relativas
a um avanço inexistente na educação?
Será os mentores do nosso Pa-tro-pi imaginam
que pensar faz mal à saúde e por isso não permitem
que a cadeira de Filosofia seja administrada
no currículo das escola pública?
Será que os nossos políticos acham bonito
milhões de tupiniquins bitolados e despreparados
para a vida por falta de um ensino de qualidade?
Por que será que os projetos educacionais
adequados à nossa realidade
como o projeto CIEPS do saudoso Darci Ribeiro
não saiu do papel, ou por outra, foi abortado
logo nos primeiros anos?
Minha gente, quando vai mudar o panorama?


sábado, 12 de outubro de 2013

CRIANÇA

Lembro-me que antigamente
as crianças brincavam.
Era o jogo de bola de gude,
lançamento de pandorga,
o lance da cabra-cega...
Na época do meu doce alvorecer
a gente também inventava alguns brinquedos
Sei que no meu tempo infante
fui extremamente feliz.
Já meus filhos cresceram
correndo atrás do pacman,
do Super Mario e de outras ficções
videogeimistas...
Hoje, sob a invasão digital
parece que as crianças
 perderam a infância;
elas crescem conectadas
através do mundo virtual.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

SAUDOSISTA

Dizem que todo saudosista
é um chato de galochas,
que sonha com o retorno
da camisa volta ao mundo,
o sapato plataforma
e a calça Lee, azul e desbotada.

Dizem que o saudosista
 não bebe refrigerante
porque a gasosa acabou,
não existe mais Grapete
nem Mirinda nem Guarinda
nem Guaraná Frisante...

Dizem que o saudosista
deixou de lado as biritas;
hoje é um careta
de cara limpa,
que por vezes ainda sonha
com a Cuba Libre,
com o Vermute Sinzano
e o velho sambinha
de conhaque com Coca-Cola...

Dizem que o saudosista nacional
suspira, assistindo teipes enrugados
do nosso escrete na copa de 70,
porque depois daquele evento
nosso futebol perdeu a graça...

Quando surgiu a Internet
nosso saudosista,
que cresceu com o radinho de pilhas
e a tv valvulada, em preto e branco,
torceu a cara diante da novidade,
mas por pouco tempo,
porque graças à nova ferramenta,
revive as coisas  da juventude
junto aos vídeos do Youtube.



terça-feira, 1 de outubro de 2013

CORREIO DO POVO

Deixo aqui minha minha singela homenagem ao Correio do Povo,
por ocasião do aniversário deste jornal  fundado em 01 de outubro
de 1895.




Cresci lendo o Correio do Povo,
jornal fundado no final
do século dezenove.
Panteão comunicativo e cultural,
paradigma da informação isenta,
sinônimo de credibilidade.
Eu também lia as filhas do Correio:
A Folha da Manhã e a Folha da Tarde.
Minha satisfação dobrava aos finais de semana,
pois o Correio trazia encartado
o suplemento literário Caderno de Sábado,
por onde desfilavam cronistas, contistas, poetas...
No Correio de Sábado também havia o Caderno H,
página assinada pelo meu ídolo maior, Mario Quintana.
Naqueles tempos de sonhos,
eu começava minha contagem regressiva no domingo,
esperando ansioso o sábado seguinte...


sexta-feira, 27 de setembro de 2013

PRIMAVERA

Eu amo o inverno, o frio
e as circunstâncias adjacentes.
Lá pelo meio do outono
minha alma espera ansiosa
a visita das temperaturas baixas,
mas meu sentimento cósmico
pela estação do minuano
não veda aos meus olhos
os encantos primaveris.

Primavera, tu és védica,
idilíca, mística, feminina...
tu reges a sinfonia mágica
do aroma, da luz, das cores...
Primavera tu és mulher...

domingo, 22 de setembro de 2013

AS CRIANÇAS SÍRIAS

As crianças sírias foram assassinadas
pelo gás das armas químicas.
Enquanto os indivíduos sensíveis
lametam esses episódios bárbaros
a cúpula da política internacional
se reune para nomear os culpados,
que certamente não aparecerão,
porque já virou lugar comum
repassar a autoria de crimes insanos
para o outro, para aquele, para os outros...
Provavelmente mais crianças irão morrer,
porque o síndico do mundo
quer a autorização do congresso
para invadir a Síria...


sexta-feira, 20 de setembro de 2013

ÓDIO

Acompanhamos com a alma partida
os eventos dos últimos dias
ocorridos na Síria.
Infelizmente, o homem ainda carrega
arraigada em suas entranhas
quantidade letal de maldade.
Dirão os analistas da notícia:
são os desdobramentos do poder,
da política, dos interesses internacionais...
Entretanto, no cerne da questão
reside o elemento desencadeador das contendas,
que precisa ser extirpado,
o ÓDIO.
Enquanto o homem alimentar esta praga
não haverá paz no mundo.
Pensem nisso!

terça-feira, 17 de setembro de 2013

? ! ?

Naquela manhã chuvosa,
sob o abrigo de uma marquise,
o simplório perguntou àquele filósofo,
ateu convicto de longa data:
meu sábio, acho que o Senhor não professa
nenhuma doutrina religiosa
- Graças a Deus não creio nele
- Nele quem, iluminado mestre?
- Naquele que vocês, sonhadores,
chamam de arquiqueto do mundo
- Mas homem sábio, diga-me
quem criou tudo o que existe?
- Ó homem de escassos conhecimentos,
não sabes que o mundo surgiu por acaso?
- ..................................................
- ..................................................

À medida que a manhã avançava,
a chuva ia ficando mais forte,
 o céu ganhava nuvens tormentosas,
o professor começava a gaguejar,
pois  tinha medo de raios,
- muito medo para dizer a verdade -
As questões do homem iletrado
iam ficando sem respostas...
De repente, o sábio muito assustado
debaixo dos coriscos do temporal
implora ao homem hulmilde:
por favor, reze para Deus!




terça-feira, 10 de setembro de 2013

A PROCURA

Hoje, passei a manhã inteira
caminhando inquieto pela urbe
procurando algum motivo oculto
para ingressar na corrente da vaidade.

À porta da uma livraria de um shopping
ao ver exposto um livro de poemas
estiquei a mão para tocá-lo,
entretanto, na metade do caminho
o cérebro abortou o desejo de abri-lo,
porque a capa do livro era cinza.

À medida que perambulava desconfiado
pelas galerias do Centro Histórico
via as coisas deslocadas de eixo,
tudo tão descartável, insosso, estilizado,
material, pós-moderno...
ou quem sabe estou vendo o novo
com  minha lupa de velho?

À tarde, quando as pernas conduziam
o corpo vagaroso ao ponto de partida
a vista entregue ao pessimismo foi premiada
pela sublime esperança do arco-íris
ao contemplar uma criança de colo
junto ao regaço da mãe,
sorrindo para o nada...

sábado, 7 de setembro de 2013

Afonso e Roberta
trocam figurinhas
 pelas redes sociais, há anos.
Eles se conheceram no Emeesseene.
Naquele tempo, cumpriam as obrigações pessoais,
voltavam correndo às suas casas,
sentavam atrás dos pcs e se conectavam...
O tempo passa,
surge o Orkut
e a mobilidade do Notbook
e eles babam, trocando scraps...
Agora, ele vivem plugados
através do sistema Android.
Possuem a pretensão de saber tudo do outro,
mas ainda não tiveram um tete-a-tete...
Ontem pela manhã,
sentada na poltrona dupla
do táxi lotação, indo do sentido zona sul
para o centro histórico,
Roberta digita no face:
Afô, tá muito frio aqui em Poa;
fazendo dois graus centígrados de temperatura.
Ele responde: aqui em São Paulo também faz dois graus.
Afô, o sul é gelado no inverno.
Rô, São Paulo, vez que outra, também gela.
Afô, aqui está chovendo
Rô, aqui também chove.
Afô, aqui parece noite.
Roberta olha para o rapaz sentado ao seu lado
e vê o cara escrevendo na tela do tablet:
Rô, aqui na Marginal do Tiête também parece noite...


terça-feira, 3 de setembro de 2013

MARTINS O LIVREIRO

Há algum tempo
que eu não caminhava
pela Riachuelo,
rua das minhas lembranças.

Riachuelo antiga,
tradiocional point
dos velhos sebos,
arquétipos sagrados
dos amantes da leitura.

Ontem à tarde,
enquanto eu andava
pela calçada direita,
no sentido da Biblioteca Pública,
meu espírito retrocedeu ao tempo
dos meus quinze anos,
e eu me vi folheando novamente
as páginas amareladas
de Victor Hugo, Balzac,
Eça de Queiróz, Machado de Assis...
Em estado sonambúlico,
entrei na Martins o Livreiro,
mas não encontrei Machado
nem Eça nem Balzac...
Em meio a um que outro
clássico do meu tempo,
vi muito alfarrabio de auto ajuda,
bíblias de informática,
compêndios de jardinagem...
Também não avistei o velho Martins.
Talvez haja morrido...
Aliás, a casa agora pertence
a outro mecenas...


domingo, 1 de setembro de 2013

O FIM DO INVERNO

Com uma sensação dorida,
estou guardando as tralhas,
que me aqueceram nestes dias
de temperaturas baixas, aqui nos sul.

Curto as últimas situações
proporcionadas pelo clima
desta quase página virada,
pois setembro está chegando.

A estação da primavera é linda
com a natureza pintada de cores
e uma explosão de vida no ar,
mas este velho rabujento ama o inverno.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

AGOSTO

Caiu uma chuva gelada,
no fim de semana,
aqui no velho Rio Grande.
Agosto não quis ir embora
sem deixar a marca
de mês maldito
para quem não gosta do frio.

Agora, quando parou a chuva,
estamos recebendo uma visitinha
vinda da velha Europa;
está nevando há algumas horas
em várias cidades gaúchas.
Enfim, mais um espetáculo inesquecível
aqui no sul.
Este inverno vai ser completo.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

E A NOSSA MÚSICA

Cresci ouvindo a música
da Bossa Nova
intercalada com a melodia
da Jovem Guarda.
Era o trabalho de qualidade
de João Gilberto, Tom Jobim,
Vinicius de Morais,
mesclado com o balanço cor de rosa
da turma do Iê-Iê-Iê.
Depois vieram Elis Regina, Caetano Veloso,
Gilberto Gil, Chico Buarque, Milton Nascimento...
Depois deles?
Bem, agora, vez que outra,
aparece alguém cantarolando um refrão...

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

AQUELE CARA ERA DOIDO?

Tive dificuldade com matemática e física
durante o curso secundario.
Números e cálculos, naquele tempo,
foram meus algozes.

Nas proximidades do final
de cada ano letivo,
angústia e medo
eram minhas parceiras
e a certeza de recuperação,
mais provas de segunda época.

Entretanto, no terceiro ano,
conclui o curso com tranquilidade.
Mas a reversão da expectativa
aconteceu graças à ajuda externa,
vinda de onde eu não imaginava.

Justo, naqueles dias,
ao finalzinho das tardes,
aparecia um andarilho lá em  casa
e ficava tomando chimarrão conosco.
Éramos os únicos que o  acolhíamos.
A rua inteira tinha medo do cara.
 Diziam  que ele poderia ser perigoso.

Uma ocasião, o cara percebeu
minha incompatibilidade com os cálculos
e para o meu espanto ofereceu assistência.
Vendo minha cara de desconfiança,
o rapaz falou que a dificuldade de compreensão
existia em virtude da sistemática ortodoxa do ensino.
Disse que faltava aos professores,
versatilidade de método.
Com o passar dos dias percebi,
que o cara improvisava, destrinchava conceitos,
aparava arestas...Era um enciclopédia ambulante!
Sob a orientação daquele "elemento perigoso"
era impossível não assimilar os contéudos
que antes foram-me tão espinhosos...

No final daquele ano,
o cara passou lá em casa,
antes de prosseguir seu destino
de peregrino do mundo.
Foi quando a polícia  apareceu
atrás do nosso amigo.
A lei vinha a pedido dos vizinhos.
Menos mal que tudo foi esclarecido:
o jovem era formado em nível superior
por universidades americanas
e procedia de familia digna.
Nós ainda insistimos para ele ficar
em nossa cidade,
que iríamos tentar colocá-lo no mercado de trabalho,
mas ele agradeceu e justificou,
que não passaria em qualquer teste psicologico,
pois tinha problemas mentais...fora considerado
pela ciência, um inútil!








quarta-feira, 14 de agosto de 2013

FOI ASSIM

O ser vivencia situações interessantes
nas extremidades da existência...
Lembro que a gente queria queimar etapas
lá atrás, nos dias incadescentes da infância;
quando ansiávamos, inquietos, pelo depois.
Queríamos empurrar a roda do tempo,
porque imaginávamos que a felicidade
morava na casa dos adultos.

Não demorou muito e veio o "depois"
destituído daquela suntuosidade
que a gente o havia revestido
e foi passando com tal voracidade
que um dia  a velhice bateu na nossa porta...

Agora, quando a gente acena
para o  menino que habitou a nossa pele
ele olha incrédulo a paisagem...



sábado, 10 de agosto de 2013

MEU PAI

Meu pai nunca disse
para eu ler.
Meu pai lia
e de vê-lo lendo,
peguei gosto pela leitura,
antes de conhecer o alfabeto.

Lembro-me de quando
sentava ao lado dele
e  ficava lendo no seu rosto
a emoção extraída das páginas
daquele mundo misterioso
que eu queria conhecer.

Quando eu perguntava
o que havia dentro
dos livros lidos,
ele resumia os conteúdos
no nível da minha compreensão.

Anos mais tarde, já na adolescência,
quando eu ficava desapontado,
porque o livro que acabara de ler
não continha a história maravilhosa,
meu pai vinha me consolar:
filho, não encontrarás o mundo perfeito
através da leitura, mas não desanimes,
 porque a literatura, via de regra,
é construída com os fragmentos da realidade.


sexta-feira, 9 de agosto de 2013

A FAMÍLIA REUNIDA

No século passado
a família Silveira
era bem falante.
Os membros do clã
dissertavam sobre tudo
a qualquer hora.

Os jantares extensos
eram acompanhados
por debates intermináveis,
quando tergiversavam
a respeito de tantas coisas...

Mas com o andar da carruagem do tempo,
aquelas querelas de outrora
ficaram restritas aos intervalos
das novelas televisivas
ou quando a bola ficava fora de jogo
durante as partidas de futebol,
transmitidas pela tv a cabo...

Atualmente, os Silveiras
usam menos a boca
e mais as mãos para a comunicação diária.
Durante os  comerciais da tv
eles trocam   ideias virtuais
através dos seus androids...

terça-feira, 6 de agosto de 2013

A META

O homem é um animal social
que ainda não aprendeu
a viver em sociedade.

No futuro - talvez distante -
o homem haverá de compreender
que o ego é a doença
que corrói suas entranhas.

O mundo será perfeito
quando o homem assumir o papel
que lhe cabe no projeto divino.

E o mundo ideal surgirá
quando não houver necessidade
da presença das autoridades,
da cartilha dos tribunais,
do aparato do estado,
porque a lei do amor
haverá de delinear
as relações humanas.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

CAMINHEMOS

Meus camaradas,
amigos e inimigos meus,
adeptos de todos os cleros,
sectários de todas as ideologias,
companheiros, enfim, de jornada,
caminhemos na direção da mudança
do nosso comportamento
diante do eventos
que fogem do nosso controle!

É necessário sublimarmos
nossas fraquezas,
nossos medos.
É tempo de aprendermos
com a lágrima teimosa
diante dos eventos imutáveis!


quarta-feira, 31 de julho de 2013

QUÃO GRANDE É O NOSSO POTENCIAL DE MALDADE

Não me canso de repetir
que necessitamos crescer,
aprender, praticar, evoluir,
visto nos encontrarmos
numa faixa vibratória
densa, escura, pesada;
entretanto, muitas vezes,
quase me surpreendo
diante das mazelas diárias.

Mesmo tendo consciência
de que as turbulências cotidianas
são consequências do nosso mérito,
tenho dificuldade para aceitar
com tranquilidade
tanto descalabro,
tanta mentira,
tanta grosseria,
tanto desgoverno,
tanta pobreza de espírito.
Ainda fico chocado
com as atrocidades
produzidas por meu irmão,
o ser humano.
Dentre tantas ignomínias,
ocorridas no último fim de semana,
três estão corroendo o meu estômago:
1 - policial batendo num aleijado
2 - homem morrendo porque o motorista
da ambulância da Samu não pode resgatar
o paciente por motivos burocráticos
3 - corpo de homem queimando na calçada.

Precisamos crescer,
precisamos aprender,
precisamos evoluir...




quarta-feira, 24 de julho de 2013

O FRIO DO SUL

Nesta semana,
no sul do Brasil,
estamos saboreando
clima polar.

Algumas cidades
da nossa região
estão sendo contempladas
com temperaturas europeias.

É frio que não acaba;
o sol escondido,
o minuano soprando,
o apetite aguçado.

Hajam cachecóis,
hajam luvas,
hajam chapéus,
hajam ponchos,
haja churrasco,
haja sopão,
haja cafezinho,
haja chimarrão
Assim é o inverno
neste pedaço
do Brasil continente.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

A CAMINHO DO HOMEM

O autor do Tempo e o Vento
falava do Homem Total,
o Ser liberto das amarras
do estado e da ignorância.

Friederich Nietzsch
anunciava o Super Homem;
o homem do futuro,
forte,destemido, positivo
em oposição ao homem
fraco, anêmico, massificado,
enfim, um homem virtuoso,
mas neurotizado pelo orgulho.

Minha professora primária
não tinha faculdade,
conhecia poucos autores literários,
mas acreditava na necessidade
do homem solidário;
indivíduo desprendido, magnânimo, holístico...

quarta-feira, 17 de julho de 2013

CANETAÇO

No meu tempo de criança
quando via os adultos
sérios, compenetrados, diferentes
do jeito de todo dia,
falando sobre o poder da caneta,
ficava pensando,
que coisa misteriosa será essa?

Mais tarde  aprendi
com a escola e a rua
aquilo que todo mundo aprende,
que por trás da caneta
pessoas decidem a sorte
de outras pessoas,
e que um maluco qualquer,
num simples canetaço,
pode mandar pôr
fogo no mundo

domingo, 14 de julho de 2013

BRAZUCAS

Durante séculos
nós, tupiniquins,
comemos nas mãos alheias,
bebemos das pipas importadas
e depreciamos o nosso nome,
ignorando a nossa força
como se fôssemos uma gente incapaz
de gravar a nossa marca.

Agora, sabemos do nosso valor:
não somos piores nem melhores
que nenhum outro povo,
mas apenas diferentes;
temos a nossa identidade.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

MEU MEDO DE MIM

Eu tinha medo
da noite escura,
dos temporais de inverno,
da mula sem cabeça
e do fim do mundo.

Eu tive medo
da carga alegórica
de algumas palavras,
causa de angústia
quando havia necessidade
de pronuncia-las.

Eu tenho medo da língua
distribuindo pólvora rascante
e da lábia lisonjeira
por trás dos interesses escusos.
Eu tenho medo de mim
que ainda não sei me portar
de forma correta no mundo.


sábado, 6 de julho de 2013

SERÁ QUE A FELICIDADE ESTÁ DO LADO DE FORA?

Acordei pensando naquele velho amigo
que andou pelo mundo na juventude.
Lembrei daquele tempo em que a gente
tinha enorme inveja da sua sorte.

Nós queríamos fazer
aquilo que ele fazia naquela época,
mas não tínhamos os recursos necessários
para viajar mundo a fora.

Algumas vezes, quando nosso amigo partia
para mais uma jornada no planeta,
ficávamos com sensação de vislumbrar
uma faixa de tristeza em seus olhos.

Quando o dinheiro acabou,
o rapaz se preparou para envelhecer no seu canto
e nós pensamos que o cara seria sufocado pelo tédio,
entretanto, para nossa surpresa, ele disse:
gente, a felicidade sempre esteve aqui,
mas tive de percorrer o mundo para saber disso.


segunda-feira, 1 de julho de 2013

Mario Quintana

É julho outra vez,
tempo de relembrar
mais um aniversário
do nosso anjo-poeta
que deve estar olhando a gente
lá do outro lado.

Penso que quando ele tira folga
da tarefa de plasmar sorrisos
no perispírito dos desiludidos,
desce aqui na Rua da Praia
para cutucar os transeuntes,
que andam apressados e distantes
da beleza que ainda existe
no rosto das meninas que passam
enfeitando nosso ar de província.

Acho que ele fala baixinho aos ouvidos
dos homens entediados, carrancudos;
 com caras de segundas-feiras:
Ei, acorda, entra na corrente da vida,
que vibra no ar, no som, na cor...

segunda-feira, 24 de junho de 2013

SEGUNDA-FEIRA

Dizem que foi sugerido
pelo padroeiro daqueles
menos afeitos ao trabalho
que oficializassem segunda-feira
Dia Nacional da Preguiça.

Os menos afoitos às lides trabalhosas
não me queira mal
por esta brincadeira irônica,
que eu faço para aliviar
o ar soturno desta manhã de segunda-feira.

Quem sabe este chiste
sirva de combustível
para conversa jogada fora
em meio aos cafés bebidos
pelos botequins da cidade...

quarta-feira, 19 de junho de 2013

DAQUI A 30 ANOS...

O discípulo pediu para o mestre analisar
os fatos do tempo presente
O aluno queria entender os eventos
que aconteciam naquele momento.

O mestre apontou a dificuldade
de dissertar em cima das ocorrências.
Sugeriu a necessidade de um tempo
para fugir da influência dos fatos em foco.

O mestre disse: a história difere
de uma equação matemática
pela variedade de incógnitas
entrelaçadas às questões
a ser analisadas pelo especialista
isento em relação ao resultado.

Entre outras coisas,
o mestre ainda disse:
os políticos, a imprensa e os apaixonados
são maus analistas,
porque à luz dos interesses,
arrastam a roda da história
sob o ponto de vista compatível
à venda dos próprios peixes.

Decorridos trinta anos, o discípulo
foi ter novamente com o mestre:
sábio, hoje distante dos fatos,
gostaria que o Senhor dissecasse
os acontecimentos do passado,
que me angustiavam tanto
- Meu pupilo, em outra época eu faria
uma analise crítica segundo minha consciência,
mas agora estou convicto de que é difícil
falar com segurança sobre temas
associados às frágeis paixões humanas.




sexta-feira, 14 de junho de 2013

RETORNO À BARBÁRIE

Meus amigos me chamam de ranzinza
quando digo que ainda estamos
engatinhando no processo civilizatório,
que apesar de toda a parafernália
desenvolvida no campo das comunicações
é necessário assimilarmos as regras básicas
de convivência urbana,
haja vista, por exemplo
a esbórnia verificada nos últimos dias
em algumas capitais do país,
em virtude do protesto contra
as tarifas dos transportes coletivos.
Sou favorável ao protesto pacífico,
natural nos regimes democráticos,
entretanto, os eventos das últimas horas
desviou do padrão aceitável
Os propalados direitos questionados pela turba
foram exigidos através de ferramentas retrógradas,
mais condizentes com a barbárie.
Precisamos aprender,
precisamos evoluir,
precisamos crescer...


terça-feira, 11 de junho de 2013

CRONICA ESPORTIVA

Vendo a nossa seleção
jogar contra a França,
aqui no Arena Soccer,
no último domingo,
percebi que nos reencontramos
com algumas coisas pretéritas.
Primeiro ponto positivo
foi a recepção calorosa
para Luis Felipe Scolari.
Num país onde, via de regra,
os treinadores são execrados,
foi bonito ver Felipão
ovacionado com carinho.
Depois o jogo. Ah, o jogo..
não ia bem, mas de repente
achamos aquele gol!
Gol, o orgasmo do futebol
segundo os locutores esportivos.
Acho que até os indiferentes ao futebol
vibram quando acontece o gol.
Depois o jogo melhorou para nós.
Vieram mais gols.
Eu disse no início
que havíamos reencontrado
algumas coisas do passado,
mas na verdade, nos reencontramos
com a alegria de vencer,
entretanto ainda estamos distantes
da nossa marca registrada:
aquele balet mágico,
que já encantou o mundo!

sexta-feira, 7 de junho de 2013

DA CANETA-TINTEIRO AO iBABEL

Por boa parte da minha vida
me comuniquei com o mundo
através dos serviços do correio,
quando a carta escrita a mão
era a ferramenta mais utilizada.
Com o advento da internet,
as cartas impressas ficaram de lado,
porque o e-mail virou moda,
mas logo o e-mail foi substituído
pelo orkut, my space, msn, twitter...
que foram trocados pelos facebook, instagram,
wakoopa, ibabel...
que logo serão atropelados pelos...

terça-feira, 4 de junho de 2013

TRALHAS

Quando substituímos
a maquina de datilografar
pelo microcomputador da IBM,
pensamos conosco:
o futuro chegou.
Esta ferramenta, certamente,
vai longe;
só necessita de alguns retoques.
Entretanto, aquele aparelho maravilhoso
foi engolido pelo tempo.
Naquela altura,
a gente não imaginava
que viriam os celulares,
os notbooks, os smartphones,
os ipods, os megapods...
Se um espião interplanetário
houvesse descido aqui,
para avaliar nossos passos,
quando Steves Jobs e Bil Gates
frequentavam os bancos escolares,
hoje diria : os terráqueos andaram bastante.
Pena que a moral humana
não evoluiu qualitativamente
na proporção do avanço tecnológico!

sexta-feira, 31 de maio de 2013

JUNHO

Enquanto meus camaradas
recebem amuados
o mês do inverno,
eu digo bom dia
Junho amigo.
Sei que nome de mês
se escreve com letra minúscula,
mas eu não concordo com a norma,
portanto, te escrevo com J grande,
velho amigo, de tantas parcerias.
Junho, tu és bemvindo!
Gosto das tuas fogueiras,
dos teus bailados,
do teus pinhões
e principalmente
do teu friozinho
tão gostoso
aqui no sul,
que nós esquentamos
com o nosso chimarrão.


sexta-feira, 24 de maio de 2013

CELULAR

Quem não lembra
do primeiro celular
posto no mercado.
Tijolão esquisito
de quase um quilo,
sonho de consumo
de muita gente fissurada
naquela engenhoca feia,
escassa e cara.
O aparelho primitivo
perdeu o peso,
fixou enxuto,
ganhou funções,
viciou as mentes,
transformou-se num órgão
do corpo do homem.

domingo, 19 de maio de 2013

INSATISFAÇÃO

Pessoas realizadas não criam.
Elas vivem arrotando contentamento
e morrem estagnadas em consequência da ingestão
do gás venenoso oriundo da própria felicidade.
Pessoas realizadas não contribuem
com o avanço do planeta,
sobretudo aquelas satisfeitas consigo mesmas,
que constroem muros de proteção
em torno das próprias cabeças
e encarceradas dentro de seus castelos,
gritam para o mundo: somos felizes!
Mas esquecem dos desafortunados
que passam em frente às suas portas.
Muitos hão de perguntar, que mal  há
em viver a vida regalado e satisfeito.
Não existe nenhum mal,
mas também não existe bem.
Homens e mulheres
que marcaram o mundo
de forma positiva,
deixaram seus legados
porque estavam insatisfeitos
com a miséria ao derredor.
Por isso, seres como Mahatma Gandhi,
Martin Luter King, Teresa de Calcutá,
Valter Mandela, Chico Xavier
são espelhos para a humanidade.

terça-feira, 14 de maio de 2013

ÀS VEZES O PASSADO E O FUTURO PARECEM REAIS...

O aqui e o agora se assemelha
a um sanduiche prensado
entre às expecativas ao futuro
e as paredes do passado.

Exilado da pátria do pretérito,
a ambição do ser pensante,
aquém da contingência do futuro
acorrentado à substância do passado.

A película tempo deslisando para trás,
a impossibilidade de romper o tecido
que envolve o futuro;
o ser condicionado pela contingência da matéria.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

PICUÍNHAS

Maria tentou quebrar a tv de led
porque não gostou do final da novela.
João jogou o radinho de pilhas no fosso
porque o atacante perdeu o gol feito.
Antonio esteve sisudo por uma semana
porque seu time perdeu o campeonato.
Alice deixou de ir à escola
porque Marcos a trocou por Paula.
Paulo parou de ir a Argentina
porque os hermanos consideram
Maradona melhor que Pelé.
Não escrevi poemas durante muitos anos
porque não havia ninguém para lê-los.
Ah, se a gente deixasse de lado as picuínhas
e seguisse o percurso natural da vida...

segunda-feira, 29 de abril de 2013

VELHA GUAÍBA

Eu era  criança
em 30 de abril de 1957,
quando nasceu a Rádio Guaíba.
Naquele tempo, as rádios
daqui de Porto Alegre
faziam uma programação bem popular
e o ponto alto era o rádio-teatro,
ou seja, a novela no radio.
A programação da Guaíba
era diferente:
cultural, eclética, acima da média.
A Rádio Guaíba foi escola
de formação de profissionais talentosos;
estágio para muita gente boa
que foi para outros veículos
do centro do país ou migrou
para os canais de tv locais.
A Guaíba foi referência do rádio gaúcho
até a década de oitenta,
época em que as metamorfoses temporais
a transformaram em uma rádio comum,
igual as outras rádios.
Então, cansado da mesmice, parei de ouvir rádio!

sexta-feira, 26 de abril de 2013

ETERNA JUVENTUDE

Sinto saudade de uma época
soterrada pela poeira do tempo;
memoráveis anos cinquenta e sessenta
quando no divertíamos  com as nuvens
e brincávamos  com o vento.
Encarnávamos as personagens
de Robinson Crusoé
e buscávamos  nossa ilha deserta
em meio as árvores dos quintais.
Mas a carruagem da pureza
armazenou  nossas pipas
no bau da lembrança.
E dizer que a gente pensava
que Peter Pan jamais envelheceria!

segunda-feira, 22 de abril de 2013

22 DE ABRIL

Cresci sentindo vergonha de ser brasileiro.
Era os anos de chumbo
e todo o apego ufanista
parecia aos olhos de quem discordava
daquele sistema,
alta traição.
O tempo passou
- aliás, nos passamos, o tempo é imutável em si mesmo -,
a ditadura acabou.
Senti correr pelas veias
o sangue verde-amarelo.
Até senti orgulho;
esse sentimento inerente a nós,
seres poucos evoluídos.
Voltei a sentir vergonha da brasilidade:
sou constrangido diante do Tribunal da consciência
pelas atitudes mesquinhas que cometemos amiúde
contra os nossos semelhantes,
sobretudo àqueles necessitados de amparo
e os deixamos abandonados a própria sorte:
pela nossa conivência com os políticos calhordas
eleitos por nós mesmos:
pela nossa passividade diante dos crimes
cometidas contra a mãe natureza...
pelo...
Ah, seja com for, hoje é 22 de abril...
Brasil,..meu Brasil brasileiro...

segunda-feira, 15 de abril de 2013

O VÍCIO DO MEU AVÔ

Meu avô foi um um tomador de vinho
durante a vida inteira.
Dir-se-ia que o velho era viciado
na bebida oriunda da videira
justo pela continuidade daquele mister,
haja vista desde a juventude
jamais ter passado um dia sem molhar o bico.
Meu avô tentou por diversas vezes abandonar o hábito,
entretanto nunca obteve sucesso.
Já no fim da vida, meio sem graça,
às vezes dizia:
passarei por esta existência dependente da droga.
Nós, que conhecíamos sua história de vida,
achávamos aquele desabafo engraçado:
meu avô bebia apenas um pequeno  gole
diário de vinho!

quinta-feira, 11 de abril de 2013

PARA NÃO ESQUECER

Há poucos dias,
mais precisamente,
trinta e um de março
ocorreu o aniversário
da malfada revolução
de 1964.
Eu, particularmente,
sigo a linha daqueles
que preferem dizer golpe,
pois a palavra revolução
significa, genericamente,.
avanço, van guarda
ao passo de que o triste evento
ocorrido aqui em terras cabralinas
representou o atraso, o retrocesso,
o passadismo; quando os direitos mínimos
foram esmagados pelas patas dos fuzis.
Na praxe do estado ilegítimo
todo cidadão conspira, então
a suspeita e a desconfiança
é a regra geral, porque
a palavra independente incomoda
e os não manipuláveis são perseguidos,
por isso Vandré, Chico, Caetano...
foram amaldiçoados;
eles eram muito perigosos...


segunda-feira, 8 de abril de 2013

2ª FEIRA

Quando criança
eu ficava confuso
em relação à grade
dos dias da  semana.
Achava estranho
o embróglio contraditório
e especialíssimo sobre o domingo,
inserido ao cabo
sem ser o último,
pois primeiro dia
da nova semana.
Cheguei a pensar
que não deveria
existir segunda-feira,
que a semana útil
deveria começar na terça
e terminar na quinta.
Mais tarde entendi,
que a curtição do fim de semana
tem uma conexão direta
com a maneira que assimilamos
as segundas-feiras.

sexta-feira, 5 de abril de 2013

ENQUANTO O FRIO NÃO VEM

Nós, que gostamos das temperaturas menores
aguardamos ansiosos a chegada do inverno.
Enquanto a temporada do frio não chega,
bebemos o néctar das noites outonais.
Pena que as tardes deste período ainda são quentes!

terça-feira, 2 de abril de 2013

ABRIL

Abril, a musicalidade
do teu nome
convida-me à poesia.

Abril, teu nome lembra
as naus de Cabral
aportando por aqui
naquela tarde primitiva
de mil e quinhentos.

Abril, teu nome
rima com Brasil,
com a cor azul,
com céu de anil,
com sabor de mel.

sábado, 30 de março de 2013

TRINTA E UM DE MARÇO DE 1964

É trinta e um de março outra vez,
dia de lembrar das vidas ceifadas precocemente
pela força bruta, durante os anos de chumbo
Dia de rezar pela alma dos covardes
que ditavam a norma, segurando fuzis.
Dia de exaltar a memória daqueles que travaram
o bom combate no tabuleiros dos ideais;
quando perseguidos, execrados, torturados,
não desistiram da dignidade.
Dia de reverenciar o espírito
dos que morreram no exílio, longe
do carinho da mãe Pátria.

Trinta e um de março,
dia de agradecer aos céus
pelo atual estado de direito;
dia de orar a Deus pela saúde
da jovem democracia brasileira;
dia de pedir a Jesus, governador da terra,
para que a intolerância política,
suporte de todas as ditaduras,
de direita ou de esquerda, não importa,
desapareça para sempre do mundo.

terça-feira, 26 de março de 2013

241 anos de Porto Alegre

É aniversário de Porto Alegre outra vez
e eu fico a relembrar os versos
do poeta guasca, Victor Matheus Teixeira:
"Porto Alegre na História,
já foi Porto dos Casais..."
Também lembro de Kleiton e Kledir:
"Quando eu fico assim meio down,
vou pra Porto e bah, tri legal!
Coisas de magia, sei lá..."
Penso ainda em Elaine Geisller:
"Pelas ruas de um Porto não muito alegre
e que no entanto, me traz encantos..."
Nesta semana de aniversário de Porto Alegre
ainda vou lembrar de outros poetas
que cantaram a cidade,
que cresceu olhando o sol se pôr
sobre as águas do velho Guaíba
e também de figuras especiais,
que marcaram as ruas de Porto Alegre,
sobretudo, as vias do Centro Histórico,
na segunda metade do século passado,
como, por exemplo:
o lendário Bataclan,
propagandista de rua;
o Gurizada Medonha,
vendedor de bilhete lotérico;
a Teresinha Morango,
torcedora fanática do inter
e o inesquecível Mario Quintana
surgindo, de repente, na Rua da Praia,
com seus passinhos de anjo...
Ah, dirão aqueles que ainda
não se apaixonaram por Porto Alegre,
é uma cidade velha, comum, igual a tantas outras...,
mas eu os replicarei:
não é não!
Existe algo mais nesta cidade,
uma espécie de magia no ar,
mistério que os olhos não veem,
mas a alma detecta.

domingo, 24 de março de 2013

A SAÚDE

No último fim de semana.
meu amigo Cristiano morreu,
aos trinta e cinco anos de idade,
consequência de infarto no miocardio.

A passagem de Cristiano
é mais uma morte anunciada
em virtude da negligência do estado,
que não prioriza a saúde da população.

Cristiano tinha uma enfermidade grave
e aguardava há dois anos
na fila de espera  do Sistema de Saúde
por uma cirurgia  de coração.

Eu tenho a impressão de que
os governantes deste país
vivem no mundo da lua
ou são mestres em cinismo,
porque nas últimas décadas,
prefeitos, governadores, presidentes
dizem que estamos avançando em todos os níveis,
que os problemas crônicos estão sendo solucionados.
Propalam isso através de discursos coloridos...,
entretanto, qualquer cidadão necessitado
de cirurgia por conta do SUS
poderá ficar anos na fila de espera
senão morrer antes do procedimento chegar!


quarta-feira, 20 de março de 2013

BOM DIA OUTONO

Acordei com uma sensação diferente
em relação àquilo que sentia até ontem,
quando despertava pela manhã,
cansado e com o raciocínio lento.

Imaginei que havia uma brisa fresca na rua
Pensei que caia uma neblina leve,
prenúncio de um dia suave e ameno,
geratriz de satisfação do espírito.

Abri minha janela de frente pro mundo
para observar as nunces da natureza
e o outono me saudou com um Bom Dia!

Agora, quando a torridêz do verão
cedeu lugar à estação mais civilizada,
minha alma fica de bem com a vida!

sábado, 16 de março de 2013

MESMICE PADRONIZADA

Ligo o aparelho de tv no canal ibópico,
vou engolindo as beberagens destiladas,
derramadas sobre minha garganta
até a náusea embaçar o meu estômago.

Não me refiro, aqui, aos raríssimos
programas culturais e edificantes,
mas à media da grade de entretenimento
por onde desfilam as vaidades globais.

Enojado com a mesmice massificada
retrocedo mentalmente à infância televisiva
quando ainda não existia a técnica e o brilho,
mas havia a graça dos programas artesanais.

Eu gostaria de assistir neste momento
a ingenuidade do Vigilante Rodoviário
ao invés das bobagens padronizadas,
levadas ao ar em horário nobre.

terça-feira, 12 de março de 2013

ANTEGOZOS

Quem nunca antegozou
o gole de café
a ser sorvido,
mas no instante
de pegar a xícara
o telefone tocou
e a confusão dos objetos
distraiu a atenção
provocando um acidente de percurso...
então, naquele lapso de segundos,
o líquido precioso,
contido no recipiente,
acabou encharcando
os papeis sobre a mesa.

E quando a maçã vistosa
fazia a boca salivar
produzindo um desejo intenso,
ativando a pilha líbidica
do jovem de lábios febris...
O campo de ação preparado
para o orgasmo palatal...
mas à primeira mordida, a decepção;
o conteúdo além da casca
estava bichado...


quinta-feira, 7 de março de 2013

CONCLAVE

À medida que se aproxima
a reunião do conclave
o mundo católico aguarda
ansioso, o veredito do evento.

Eu, mais um ignorante
em relação aos critérios utilizados
na eleição do pontífice,
torço pela ruptura da norma.
Gostaria de que o vigário de Cristo
saísse de fora do continente europeu.
Sei que as coisas do mundo laico
são diversas dos temas do "religare"
e comparações geralmente são mal interpretadas.
Quando digo que o poder político
foi arejado por uma brisa democrática
com as eleições de um negro na América
e de uma mulher no Brasil e na Argentina;
que a igreja cristã deveria
despojar-se da aura imperial,
ânimos exaltados rotulam-me de hereje.

Xinguem-me, não ouçam minhas arengas,
porque desejo de fato
uma revolução no vaticano,
uma vassourada capaz de varrer
a poeira de dezoito séculos.
Está na hora de acontecer
um papa africano, asiático,
brasileiro, ameríndio...
pode ser um papa pentecostal,
budista, católico ou espírita...

sexta-feira, 1 de março de 2013

MARÇO

Fevereiro acabou
e eu fico lembrando
de Tom Jobim
e de Elis Regina
cantando Águas de março.

Março vem chegando
com jeito de menino velho.
O verão vai terminar
nas folhas do calendário.
Não sei se o calor vai acabar...
Eu espero a brisa do outono,
ouvindo o poeta Antonio Brasileiro.

Eu sonho com um pouco de frio,
estou cansado do clima tropical.
Se a temperatura continuar elevada,
acho que irei embora pra fronteira.

Eu espero o vento gaúcho,
vindo da banda oriental,
atravessando os campos do pampa...
Eu quero o velho minuano
soprando aqui na capital.

domingo, 24 de fevereiro de 2013

TATIRA

Hoje vou falar de Tatira,
da alegria proporcionada
por aquele ser em minha vida.

A primeira vez que o vi
achei que fosse um ente desgarrado,
desses que estão em extinção

Vendo o pássaro colorido,
batendo asas, parado no ar,
pensei em conquistar sua amizade.

Então, coloquei água açucarada no alpendre
e fiquei esperando ele voltar.

Ele voltou no dia seguinte
trazendo a beleza da espécie
e a musicalidade do seu canto.

No transcorrer dos dias,
Tatira me apresentou os irmãos,
os parentes e os amigos.

Agora, meus dias são especiais.
As horas são preenchidas
pela sinfonia daqueles bichinhos.

Pretendo ampliar minha felicidade.
Vou construir um jardim florido
e o meu quintal vai ser a casa dos beija-flores


quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

EQUÍVOCO

E o mestre falou,
Pedro, apascenta minhas ovelhas!

.........................................................

Muitos séculos depois,
Max, cofiando as barbas, prometia:
meus discípulos conduzirão o rebanho
pelo deserto teórico
e o instalarão na casa da utopia.

domingo, 17 de fevereiro de 2013

O HOMEM, O TEMPO, O ESPAÇO

Neutralidade é a marca registrada do tempo
É equivocado pensar que o tempo exerce influência
sobre o nosso destino.
A função do tempo é fluir sobre a espiral da relatividade.
O tempo não pára, não avança, não retrocede, não dorme...
O tempo é a fita métrica utilizada
para medir a trajetória humana no planeta.
A ficção tempo foi incorporada
ao estado de espírito do homem.
A falsa impressão de que o tempo
às vezes gira em maior ou menor velocidade
está associada à nossa maneira de reagir no espaço;
com o nosso jeito de interagir com o mundo.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

CARNIS VALLES

Cada povo e suas circunstâncias,
seus hábitos, suas indiossincrasias.
Sobretudo na era da aldeia globalizada,
a diferença está nas peculiaridades...

Nós, tupiniquins, nos acostumamos
com a ideia de que somente após o carnaval,
o país sai do marasmo de início de ano,
quando  liga os motores de funcionamento das cidades.

Entretanto, este ano, em pleno fevereiro, observo
dois dias após a festa de carnis valles,
que apenas os supermercados estão a todo o vapor
visto que a qualquer tempo as bocas não param.

As variações de paradigmas, no transcorrer do tempo,
induziram-me à revisão das teses conceituais,
logo, concluo, que o ano comercial no Brasil começa de fato
após o carnaval se este evento ocorrer no mês de março.






segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

POR FAVOR, OS COMERCIAIS

Hoje estou lembrando dos antigos comerciais
que a gente assistia na tv valvulada.
Tinha um que eu nunca esqueci:
"A liberdade é uma calça azul e desbotada"
- Paradoxal conceito de liberdade -
Talvez por ser dito numa época de repressão,
aquilo soava como música aos nossos ouvidos.
Antes do comercial da calça desbotada
 passava outro na tv em preto e branco,
que eu também achava interessante:
"Vestindo a calça de nicron da marca Camelo,
você se senta e levanta, se levanta e se senta
e ela continua impecável, não amassa nem amarrota"
Mais tarde surgiram aqueles comerciais perniciosos,
mas muito bem elaborados,
que propagandeavam marcas de cigarros.
Eles procuravam vender a ideia de que veneno
era o elixir da felicidade.
Ainda bem que os comerciais de cigarros foram proibidos!
Em meios às minhas lembranças, ligo a tv de plasma
e qual o comercial que aparece?
Um comercial recheado de atores, atrizes, cantores
envolvidos em uma orgia de bebida alcoólica!

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

RÉU

Hoje acordei um pouco cansado
com uma discreta dor de cabeça,
um tanto de febre no corpo
e um leve tic-e-tac nas mãos.

Acordei, tossi, fiquei pensando
por onde tinha andado no sono,
lembrei que havia participado
de um debate na inquisição.

Era um forum de análise da arte,
um julgamento do fazer literário,
uma avaliação do labor estético.

Fui reprovado no quesito métrico,
condenado no gabarito artístico
e proibido de fuçar na escrita.

domingo, 3 de fevereiro de 2013

POR QUE TANTAS QUEIXAS?

Lembram do parágrafo daquela súplica:
Senhor, dá-me entendimento para aceitar
as coisas que não posso modificar!

Entretanto, é muito comum ouvirmos:
Nasci sob o peso de um fardo cruel.
Parece que o mundo conspira contra mim
e nada nesta vida vem ao meu favor?

Quantos exageros por toda a parte!
Sabem daquela música antiga cantada pelos The Fivers:
"Nem todo o dia o sol brilha,
também há dias em que a chuva cai"?
Entretanto chuva é algo  necessário.
Ainda escapa da nossa compreensão,
que muitas das coisas que ocorrem em nossa vida,
acontecem por conta do nosso merecimento,
que vários eventos por quais passamos
são lições inerentes às nossas necessidades,
etapas da nossa programação evolutiva.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

VILANIA

Eu que procurava convencer a mim mesmo
que havia corrigido minha parte ruim,
mas ontem à tarde tive uma recaída
ao cometer um ato de pusilanimidade.

Atitude reflexiva, infeliz, deplorável;
equação analisada pela consciência
evidenciou a dureza do meu coração
quando era necessário a prática da caridade.

Eu me encontrava absorto em meus pensamentos,
quando apareceu uma senhora pedindo auxilio monetário,
porque devido a um incêndio na casa perdera tudo o que possuía.

Cheguei a pôr a mão no bolso para alcançar algum trocado,
mas o advogado do diabo surgiiu nas minhas entranhas,
bloqueando minha vontade frouxa, dizendo que a mulher mentia.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

A GRANDE DOR

Os temporais, via de regra,
são passageiros,
mas geralmente deixam
cicatrizes abertas.

As grandes tempestades
deixam rastros,
marcas de sangue,
as artérias partidas.

Os grandes temporais provocam
 as tempestades interiores,
 que arrasam o espírito
de maneira indelével.

Impossível dimensionar
a tragédia de Santa Maria;
não existe parâmetros
para medir a desgraça.

O dinamismo do tempo
irá conduzir as horas, os dias;
minimizará lentamente o sofrimento,
mas não há de curar a alma,
por que não existe remédio
para a grande dor!
Passarão os meses, os anos
para as mães e os pais enlutados
e eles carregarão nos seus corações
os filhos mortos na flor da idade.








domingo, 27 de janeiro de 2013

TRAGÉDIA EM SANTA MARIA

Estamos de luto em consequência da tragédia ocorrida em uma boate  superlotada em Santa Maria, distante 300 kilometros daqui de Porto Alegre. Sabemos que essas tragédias não acontecem por acaso,  que tais eventos são  regastes coletivos. Mesmo que saibamos que as vidas ceifadas estão dentro de uma programação, que ainda escapa da nossa compreensão, é impossível ficar indiferente à dor das pessoas enlutadas, à grande dor, por exemplo, dos pais e das mães que perdem seus filhos ainda bem jovens.
Nossa solidariedade a todas as famílias enlutadas.

Ah, nesse momento, às 23 horas, está ocorrendo um incêndio de grandes proporções  na Vila Liberdade, próximo ao estádio Arena Grêmio, aqui em Porto Alegre.

sábado, 26 de janeiro de 2013

FÉRIAS SÃO PASSAGEIRAS

Pior que as férias
do meu time acabaram
Eu era feliz naquele período.
Assistia pela tv aos jogos
dos campeonatos europeus,
sem envolvimento emocional.
Legal ver a ARTE desfilando nos estadios
pelos pés de Messi, Iniesta, Van Persie...
a mesma ARTE  que nos encantou no passado,
através de Pelé, Garrincha, Jairzinho, Rivelino,
Airton Ferreira da Silva...
Pena que as férias do meu time
duraram apenas um mês!

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

LEONEL BRIZOLA

Em 22 de janeiro de 1922 nascia um menino
em Carazinho, interior do Rio Grande do Sul,
que iria marcar de forma indelével
a história do nosso estado.

 Não gosto de falar de política,
 por que este quesito, por vezes,
pode ferir suscetibilidades.
Também não costumo cantar loas
a nenhum político de carreira.
Não tenho preferência partidária.
Inclusive me recuso a votar
nesse jogo de cartas marcadas,
enfim, política não mesmo minha praia.

Mas por necessidade da minha consciência,
hoje reporto-me à memória
de um nacionalista, de um patriota,
que conduziu por toda a vida
a bandeira das causas populares,
que acima de tudo, brigou
por um Brasil para os brasileiros.

Tio Briza, como é chamado aqui no sul,
foi deputado estadual,
prefeito de Porto Alegre,
governador do estado,
viveu duas décadas no exílio
e foi governador do Rio de Janeiro.

Trabalho era o seu lema.
Pioneiro da Reforma Agrária no Brasil,
criou o primeiro assentamento de terras,
loteamento do Banhado do Colégio,
produtivo até hoje, cinquenta anos, após a fundação.
Construiu quatro mil escolas populares,
que o povo as chamavam de Brizoletas.
Antes das Brizoletas, no interior do nosso estado,
os estudantes das primeiras classes, às vezes caminhavam
de cinco a dez  kilometros até a sala de aula,
então, Brizola levou a escola aos alunos.
Nacionalizou as companhias
de energia elétrica e de telefonia,
empresas americanas sucateadas,
e as preparou para atender as demandas
daquela época.
Comandou, em 61, a Campanha da Legalidade,
suporte para a posse de Jango.
Construiu o Sambódromo no Rio de Janeiro.
Resgatou o projeto do nobre baiano, Anísio Teixeira,
educação de turno integral, com a criação dos Cieps.

Nós, que crescemos acompanhando
a trajetória deste líder nato,
possivelmente, escapamos, às vezes, à razão
e acabamos navegando nas águas
do lago emotivo, mas não tem jeito,
preciso dizer: obrigado Leonel de Moura Brizola!


sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

RODRIGO, SAUDADE ETERNA

         Ontem à noite, deitado, enquanto esperava o sono, passava na minha mente o filme da vida do meu filho Rodrigo, de curta duração neste plano.
         A película reportava-me ao ano de 1986, 18 de janeiro, um sábado,às 15 horas e 18 minutos, quando o sistema de som do Hospital Fêmina anunciou: familiares de Sheila, Rodrigo nasceu...
        Acordo, o filme continua rodando... choro de emoção... de alegria... de saudade...
        Nossos entes queridos, amados, que partem antes de nós não morrem, eles vivem nos nossos corações!.


Ontem à noite
dormi pensando:
que bom seria
se eu pudesse
estar com meu filho
no seu aniversário.

Querer não é poder,
mas agradeço a Deus
pela graça concedida,
pois estive com ele,
no mundo espiritual,
enquanto dormia.

Dentre as coisas que falamos,
guardei este lembrete:
para eu não lamentar
sua curta passagem pela terra,
porque mais importante,
que a extensão de um existência
é a intensidade do amor compartilhado.



  

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

O QUE ME IMPORTA

Mesmo não sendo um cultor do estilo romântico,  acho que não há nenhum mal, vez por outra, escrever um poema nesse segmento. Então ai vai este poeminha modesto.


O que me importa
o Farol da Alexandria,
se o brilho dos teus olhos
refletem as sete cores
do arco-íris?

O que me importa
Marília, Margarida, Beatriz,
as musas eternas
dos poetas inesquecíveis,
se tu preenches
meu universo onírico?

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

OS POETAS...

Um poeta, meu amigo
disse-me outro dia,
que andava angustiado
com a instabilidade criativa,
que ainda não havia encontrado,
a satisfação imaginada
nos poemas que fazia..
Disse  que até diversificara o foco,
investindo algum tempo
na arte dos pincéis,
mas o prazer que sentia
quando nasciam as aquarelas
se esvaia enquanto a tinta secava.
Também havia procurado a realização
através dos acordes musicais,
entretanto, extinto o som da última nota
voltava a inquietude na alma.

Ah,meu amigo, os poetas
não são indivíduos  eleitos
nem nascem herdeiros
da felicidade universal.
Somos apenas criaturas
com um maior grau de exigência
no resultado das nossas invenções.


segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

JAIME

Na semana passada
vivi a emoção do reencontro
com um amigo de infância
pelo qual procurei
durante várias décadas.

Jaeme morava na minha rua.
Era filho de um casal lusitano.
A mãe dizia o nome do menino
colocando a força tônica no "e" do meio
assim de jeito: Ja-ê-me.

A vida cedo nos conduziu
por caminhos diferentes
e por mais que eu procurasse
não conseguia encontrá-lo.

Por diversas vezes
estivemos muito próximos,
mas separados pelo som
de um carácter da língua.

No momento do reencontro, a surpresa;
a explicação para a dificuldade da busca,
eu procurei a vida inteira, outra pessoa.
O nome do meu amigo é Jaime.

sábado, 5 de janeiro de 2013

É FÁCIL DIZER

O professor empolgado com o som
das palavras que saiam da sua boca,
discorria sobre a importância
da transmissão de hábitos alavancadores
na formação do caráter humano:
Caros discípulos,  já há algum tempo
vem ocorrendo uma permuta
por conta do afrouxamento disciplinar,
numa época de sedução tecnológica,
pais e educadores acomodados
pecam pela ausência de exemplos salutares.
É tempo de reeducar os pais,
é tempo de adotar posturas
condizentes as necessidades atuais.
Está na hora de alcançar às crianças
paradigmas estruturados no bom senso.
A aula acabou.
O mestre embebido nas próprias palavras,
demorou para perceber que estava sozinho na sala.
Foi embora falando consigo.
Andou pela rua pisando no vento.
Entrou dentro de casa em estado de graça.
Chamou pela mulher e pelos filhos:
Família, cadê a recepção para o cérebro?
Quero aplausos para o professor do ano!
Acho que estarei na listas dos dez mais.
Enquanto isso, a mulher e os filhos pensavam,
esse cara endoidou!
O professor, eufórico qual deputado de 1ª eleição,
falava sem parar sobre  sua capacidade retórica,
mas o filho menor cansado da ladainha,
queria brincar com o pai, ali no tapete da sala.
O homem nervoso com o pedido da criança,
zanzou pela casa à procura de algum brinquedo.
Mas por ironia do destino, o pequeno cobrava
aquelas coisas que ele falara na aula
Paiê, vem plantar bananeira comigo!
Mas o cara, desconversava... não sabia o que fazer...
Àquela altura, a mãe, irritada, interveio:
Mestre, chegou a hora de pôr na prática
tuas brilhantes teorias.
O pai, vermelho, irritado, vociferou:
Tenha paciência, um intelectual da minha estatura
não vai rolar pelo chão feito um bobo.
Mulher, entenda; estamos no Brasil
onde é permitido dizer coisas
que nem passa por nossa cabeça executar,
pois caso contrário, grande parcela da classe política
estaria na cadeia...


terça-feira, 1 de janeiro de 2013

SAUDADES DAQUELE TIO DOIDÃO!

Ao rememorar velhas coisas, neste dia primeiro do ano,
senti saudade daquele andarilho
que conheci lá nos anos sessenta;
sujeito diferente de todo o mundo,
quando perto dele, eu ficava com a impressão
de que seu cérebro nunca parava de funcionar,
porque toda a vez a gente olhava no seu olho,
ele perguntava coisas que soavam
tão fora do nosso contexto...
Lembro-me especialmente de uma pergunta que ele gostava de repetir:
"Já bebeste hoje teu caldo de filosofia?"
Da primeira vez que ouvi aquilo
fiquei boquiaberto, abobalhado, tonto!
Diante do impasse, o cara retirou de dentro de uma mochila velha,
que trazia presa às costas, o livro Assim Falou Zaratrusta,
alcançou-me e disse, leia e devolva-me para eu repassar
a qualquer outro menino assustado,
porque o conhecimento não deve ficar retido
dentro de uma mochila sebosa, e, além disso,
todo o homem deve ter acesso ao voo da imaginação...
Graças àquele tio doido, de mente brilhante, tive meu primeiro contato
com Nieztsche, Hermmann Hesse, André Gidé, Albert Camus,
Charles Baudelaire, Samuel Becket, Jorge Luis Borges, Fernando Pessoa,
Julio Cortazar, Franz Kafka, Julio Cortazar...
Um dia, para minha imensa surpresa,
aquele querido tio esquisitão sumiu do meu caminho.
Soube que a Ditadura o havia retirado de circulação,
porque ele era muito perigoso...
Faz tanto tempo, mas a saudade ainda é grande!