sábado, 16 de março de 2013

MESMICE PADRONIZADA

Ligo o aparelho de tv no canal ibópico,
vou engolindo as beberagens destiladas,
derramadas sobre minha garganta
até a náusea embaçar o meu estômago.

Não me refiro, aqui, aos raríssimos
programas culturais e edificantes,
mas à media da grade de entretenimento
por onde desfilam as vaidades globais.

Enojado com a mesmice massificada
retrocedo mentalmente à infância televisiva
quando ainda não existia a técnica e o brilho,
mas havia a graça dos programas artesanais.

Eu gostaria de assistir neste momento
a ingenuidade do Vigilante Rodoviário
ao invés das bobagens padronizadas,
levadas ao ar em horário nobre.

7 comentários:

  1. O Vigilante Rodoviário deixou saudade.

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Amigo querido Dilmar, concordo plenamente contigo, a televisão está mesmo assim como dissestes aqui, "mesmice padronizada", mas quem é culpado? A maioria que gosta, pois o que mais dá ibope é mesmo isso!
    Lamentável!
    Ainda bem que tem raríssimos programas culturais, mas são exibidos em horários que não condiz com os que o povo que trabalha e precisa acordar cedo possa ver, é isso, grande abraço!

    ResponderEliminar
  3. se tiver sorte e paciencia
    ainda encontra alguns programas
    bons na tv por assinatura.

    beijo

    ResponderEliminar
  4. Eu também gostaria de assistir mil coisas antigas, culturais, entre outros programas tão bons, filmes, series, qualquer coisa talvez fosse melhor do que o que se passa hoje em dia. Nunca fui muito de assistir TV, o máximo que fazia era assistir desenhos quando pequena, Tim-Tim, Doug Funny, etc... Big B., Novela, nada é agradável. Muito boa escrita, Dilmar. Mil beijos, até mais! ;*

    ResponderEliminar
  5. Parabéns pelo texto! Disseste tudo, meu amigo!
    É a pura verdade. Saudade dos bons programas de TV!
    Obrigada pelo carinho.
    Beijos e uma ótima semana querido Dilmar.

    ResponderEliminar
  6. Noticiário, e só. Às vezes um filme de madrugada. De ontem pra hoje, a entrevista de Leonardo Boff. É muito pouco...
    Abraços.

    ResponderEliminar