sábado, 31 de dezembro de 2016

O TEMPO, AH, O TEMPO!


Se o  o tempo
é um corte na  eternidade,
um ano de nossa existência
é um  piscar de olhos do criador.
O Supremo,
que não teve início
nem terá fim,
não sabe o que é o tempo.
Portanto, tantas coisas
caras a nós, seres transicionais,
não têm nexo para o Altíssimo.
As passagens, as celebrações
são indiferentes à divindade,
porque o tempo
 é uma necessidade humana.



quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

A VOZ DO SER

Quando lhe perguntaram
o tempo de permanência
pelos caminhos da vida
disse com naturalidade;
tenho a idade necessária
agora, nesta existência.

Quando lhe perguntaram
porque não juntou dinheiro
trabalhando todos os dias
durante a longa jornada
respondeu que a riqueza
se examinada à luz da  LEI
é um mero ponto de vista.


terça-feira, 27 de dezembro de 2016

FASES

Quando fiz vinte anos
 perguntaram-me como sentia
Lembro-me que disse:
 Encantado!
Aos trinta, falei:
um touro!
Aos quarenta,
nem sei.
Aos cinquenta,
algo estranho.
Aos sessenta,
dei-me  conta
de que  o tempo passou rápido.
É provável que aos cem,
se chegar lá,diga:
 estou velho!

domingo, 25 de dezembro de 2016

CHUVAS DE VERÃO

Do que eu mais gosto nesta estação
são daquelas pancadas de chuva
que acontecem na instantaneidade.
Num dia abafado, de calor intenso,
de repente, uma nuvem generosa
carregada de gotas maduras
vem refrescar   a nossa pele.
Nesses momentos hídricos,
minha alma se expande
com a dádiva refrescante,
cheirando à terra molhada.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

É NATAL!

Parece que na semana de Natal
o mundo perde o juízo.
As pessoas correm, automatas,
de um lado para outro
buscando alguma coisa,
impulsionadas pelo inconsciente coletivo.
É como  se após o disparo do chip
embutido na criatura, todos os caminhos
desembocassem no paraíso do consumo.



segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

COMO FICAR DE PÉ


Ainda somos bípedes
movidos pela psique.
Não por acaso  que
mantras e mudras
ganharam espaço
até no ocidente.
Os condutores
dos rebanhos
se equilibram
na cantilena
que produz
adeptos,
porque
somos
crianças
grandinhas
que procuram
um farol no vazio
criado pelo poder oculto
para manobrar vidas incautas.

sábado, 17 de dezembro de 2016

TRANSMUTAÇÃO

Naqueles dias sombrios
buscava um resto
de primavera,
que guardara
nos olhos.
Naquelas
horas vibrantes,
um leve sobressalto
ameaçava o horizonte,
porque aprendera,
que a felicidade é fugaz.
Naqueles momentos
em que a angústia descia
de alguma nuvem,
contava até dez,
até cem, até mil...
até dar-se conta,
que muita vezes,
a dor é gestação
da própria alma.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

BOM DIA

Pois ora,
eis-me de volta.
Não viajei,
não cacei
nem pesquei.
Não adoeci,
nem fui detido
pela Lava Jato.
Estive ausente
porque catava
subsídios
para compor
este poema.
Mas as palavras
escapavam-me
entre os dedos...
Então,
escrevi frases
fáceis, curtinhas,
para não me apresentar
de mãos vazias
diante dos convidados.


quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

E O SUPREMO?

Na minha visão limitada do mundo,
digo do modus operandi Brasil,
pensava que as leis existiam
para todos debaixo deste céu,
entretanto, há poréns
e poréns gordos...
Pois algumas criaturas
estão   acima da Carta
aqui no pa-tro-pi,
haja vista o Sr. Renan
 cag... e andando
para o Supremo...
Só está faltando
este lunático dizer,
com todas as letras:
Sou INTOCÁVEL!

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

POSSIBILIDADE E OPORTUNIDADE

Li em algum lugar:
"A vida não oferece
   promessas
nem garantias
    apenas
possibilidades
e oportunidades"

Não viemos aqui
    a passeio,
mas a trabalho.
Somos reeducandos
na escola mundo
com a possibilidade
  de evoluirmos,
portanto, bom seria,
não desperdiçarmos
esta oportunidade.



sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

NÃO EXISTE MAIS PUDOR

Alguns adágios são palavras soltas,
mas este encaixa com propriedade
no contexto do atual momento:
"a corja age na calada da noite".
Refiro-me ao conchavo no Congresso,
nas horas mortas do dia primeiro
do mês que termina o ano.
Sabem aquela jogada de volei,
"tirar o peso da bola"?
Pois é! Ontem esvaziaram o pacote
de medidas anticorruptivas, na cara dura.
Procedimento natural da casta política!
Tenho a impressão de que no andar do faz-de-conta,
mudarão a cor das portas escancaradas dos interesses,
mas tudo permanecerá incerto quanto ao necessário
basta à falta de vergonha dos saqueadores da nação.


quarta-feira, 30 de novembro de 2016

VAI CHAPE!

Vai Chape!
Era um mantra
de uma nação verde.
Vai Chape!
Era o sonho de um povo.
Vai Chape!
Era a força de uma egrégora.
Vai Chape!
Era um conto de fadas moderno.
Vai Chape!
Era o arco-íris de uma comunidade feliz
Vai Chape!
É o grito desesperado diante do incomensurável
Vai Chape!
É a homenagem do mundo a uma cidade enlutada
Vai Chape!
É a  memoria da tragédia registrada nos livros de Akasha
Vai Chape!
É o grito que ficará trancado por muito  tempo
Vai Chape!
É a lágrima presa nos  olhos do Brasil.
Vai Chape!
È a dor que será atenuada pelo tempo
Vai Chape!
É o mantra da saudade eterna.
Vai Chape!
Vai Chape!
Vai Chape!

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

DO CAOS AO CAOS



Após o caos primitivo,
época dos cataclismos,
de confusão dos elementos;
terra, água e fogo,
 abalos de toda ordem
convulsionaram o planeta.

Na proporção em que
as forças que atuavam
de forma  violenta
foram estabilizando
surgiram  condições
de vida na terra.

De repente as convulsões 
se deslocaram para dentro 
do homem, e, enquanto
essas forças estiverem
atuando em nosso âmago,
por certo há de faltar
a serenidade necessária
para entendermos
o que estamos fazendo aqui.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

TUBO DE ENSAIO

Disserem que eu desidratava a palavra
retirando a pureza dos vocábulos
quando os colocava no papel.

Mas eu continuei rascunhando
com as palavras submissas
em momentos distraídos.

Voltaram à carga e disseram
que eu fazia o papel do esnobe
procurando janelas pra pôr a cara.

Então, parei, respirei, pensei,
decidi:se na natureza nada se perde,
porque não prosseguir meus ensaio inofensivos?

terça-feira, 15 de novembro de 2016

DITOS

Eu e muita gente pensamos
que  nos induziram  a crer
durante     muito    tempo
que somos um povo bom.

Diz o adágio que um mentira
repetida   sistematicamente
adquire   foro de verdade
no transcorrer do tempo.

Mensagens à margem do equívoco
nem sempre foram  analisadas
à priori, quando    vendidas
no balcão da maldade.

Pois muitas vezes, o desejo
das almas boas  de  transmutar
o lixo que paira sobre as cabeças,
o joga  sob  o  tapete da realidade.

Fôssemos um povo  bom,
as estatísticas brasileiras
não seriam recheadas
de tanta perversidade.

Fôssemos de fato um povo bom
não haveria tanta desonestidade,
tanto crime, tanto roubo,
nem tanta corrupção







sexta-feira, 11 de novembro de 2016

EU SOU

Eis uma manhã amena
repleta de quase,
sob o império
do meio termo;
cheia de significados,
reféns da   linguagem.
Porém, tudo que eu disser
perderá o sentido
fora do nosso contexto,
ainda bem limitado.
Daí a necessidade
de tantos vocábulos
para que ocorra
a comunicação
entre as criaturas.
Quando ouvimos
a expressão "eu sou"
pensamos, equivocadamente,
no Cristo, porque ignoramos
a amplidão do termo.
Não sabemos o significado
de consciência cósmica.
um nível onde a palavra
é aleatória.
Quando atingirmos
o patamar do "Eu Sou"
estaremos integrados no bem,
leremos o pensamento do outro
e estaremos em todos os lugares
ao mesmo tempo.
Mas o tempo terá
aspecto de espaço.








quarta-feira, 9 de novembro de 2016

O AÇÚCAR, A VIDA, A POLÊMICA...

Outro dia, ao pegar um cafezinho
sem açúcar, provocaram-me:
- É loucura beber café amargo!
Para não perder a glosa, brinquei:
- A vida é doce o suficiente!
E a tréplica veio de imediato:
- A vida é uma droga!
E prosseguimos tipo papo de futebol,
onde coisas são ditas assim a esmo,
para saciar o deleite de tergiversar.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

NÃO SOMOS ILHAS

Hoje pela manhã
falei com uma cara
que não conheço
Mas a conversa
fluiu tão natural
como se fôssemos
velhos conhecidos.
Fiquei pensando,
porque a gente
cria barreiras
e se comunica
tão pouco?
Quando iremos perceber,
que nosso semelhante
é mais um irmão
da  grande família
da qual todos
somos parte.
E não importa
que digamos
o contrário,
porque é
fato real.



sexta-feira, 4 de novembro de 2016

ACHO QUE ESTOU RABUGENTO

Depois de muito anos
sem ouvir rádio
senti vontade
de conectar
as ondas.
Retirei
um aparelho
do bau
e confesso:
soou estranho,
fora de foco
Acostumado,
antigamente,
com a velha
Rádio Guaíba,
AM, 720;
agora só encontrei
estações FMs
irradiando
futilidades,
asneiras,
bobagens...
Será que as rádios
perderam a qualidade
ou eu mudei para pior,
ficando chato, ranzinza
e rabugento?


segunda-feira, 31 de outubro de 2016

VOZ E VEZ

Se existe o eterno derrotado
nesta existência
esse ente, com certeza,
é o voto  branco.
Maquiavel disse, há quinhentos anos:
"Política é a arte de enganar"
por consequência, numa eleição
o vencedor do pleito, certamente,
é aquele que mente melhor.
Já o voto branco, coitado,
decente, sincero por natureza,
não possui moeda de troca,
não sabe mentir!
No dia da enganação,
aquele quadradinho branco da urna,
solicita com humildade:
vota em mim!
Entretanto, poucos houvem-no.
Ah, certa feita, criticaram
o grande Lupicínio Rodrigues:
- "Você não tem voz!"
Mas o autor do hino do "Imortal"
não se deu por vencido e retrucou:
- "Não tenho voz, mas tenho vez"...
Já o voto  branco nem isso!


domingo, 30 de outubro de 2016

MUDANÇAS? HUM!

A mudança proposta pelos candidatos
 à prefeitura desta cidade,
tal como ocorre em tais demandas
equivale à história da Carochinha.
As parábolas ditas em alto e bom som
foram elaboradas por marqueteiros
visando apenas o acesso ao poder.
As estratégias foram traçadas
por profissionais conhecedores
da necessidade da criatura
 de crer em alguma coisa.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

ETA, FRIOZINHO BOM!

Cadê o chimarrão para aquecer
a garganta da gente, agora,
nesta manhã de inverno,
justo em fim de outubro?

Parece que os bons tempos voltaram
de frio estendido por mais tempo,
quando a primavera trazia no bojo
resquícios do inverno do sul!

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

JÁ É TEMPO

Li  ontem em algum lugar:
Somos milhões de Cunhas
Comentei com conhecidos
e alguns    riram bastante,
mas confesso: me senti mal,
constrangido e  sem   graça
porque a frase faz sentido,
porque já passou  da   hora
de pormos vergonha na cara,
porque já passou da  hora
de andar   na    contramão
porque já   passou da hora
de pôr a mão na consciência
porque já passou  da   hora
da conivência com  o roubo
Passou da hora, mas ainda
é tempo de limpar a casa.
Se adicionarmos uma grama
de honestidade, regularmente,
no   nosso  cardápio    diário,
ela, por   certo, irá   adquirir
anticorpos ao canto da sereias,
se transformará com o tempo
numa     árvore      imponente,
irredutível aos ventos corruptos.






segunda-feira, 24 de outubro de 2016

MEU PAÍS É O MUNDO

Já disse, meu país é o sul.
Mas isso faz muito tempo.
Era quando eu acreditava
nas fronteiras que dividem,
nas ideologias que separam,
nas ideias que isolam, enfim,
demandas que levam à discórdia.
Com o tempo a gente aprende,
quero dizer, a gente tenta
assimilar as leis básicas
de suporte à fraternidade.
Fraternidade, palavra linda,
ainda divorciada da prática,
porque parece que passamos
procuração firmada em cartório
ao Sr. Ego, dando-lhe o direito
de comandar nossas vidas
enquanto lhe aprouver...

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

DIVAGANDO

Antes de eu usar óculos
achava assaz interessante
a exposição do artefato
nos olhos das criaturas
Quando passei a usá-los
ficava com a impressão
   de que todo mundo
andava usando aquilo.
Perguntava para mim,
que sentimento é este
que governa   o jeito
de eu ver as coisas
tal  como não acontecia
antes da vista curta?
Pois o pensamento serve
para algumas conclusões
ou então para produzir
conceitos esteriotipados
que morrem à luz da razão
ou se perpetuam no tempo
apesar da inconsistência.
Mas o que isso tem a ver
com o fato em si em mesmo;
Talvez divagações. Talvez!
E divagando eu elocubro:
miro-me no espelho alheio
porque não conheço a medida
daquilo que sou ou o que  posso ser.
Quem sabe é por isso que a gente
repara tanto nos defeitos dos outros,
mas carregamos  os mesmos conosco,
entretanto  pensamos que somos melhores.





quarta-feira, 19 de outubro de 2016

COMECE HOJE

Vai retirando  uma grama
de açúcar do teu cafezinho,
diariamente,   sem   culpa,
no período de uma semana
e depois de alguns meses
não   consumirás  açúcar
Ao  natural parece  difícil
e realmente    não é    fácil,
entretanto não é impossível
Velhos hábitos arraigados
são difíceis de extirpá-los
porque foram alimentados
durante   muito      tempo,
mas nos  fundo   sabemos
que não nasceram conosco.
Ninguém nasceu comendo
balas e  tomando  guaraná,
mas sempre tem uma mãe,
um pai, uma tia,  um avô
dizendo,  criança  precisa
conhecer os doces da vida.,.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

DIA DE CHUVA

É segunda-feira, chove
e as pessoas reclamam
porque esqueceram,
que chuva está inserida
no nosso cardápio.
É um lindo dia,
de segunda-feira, chuvoso.
A vegetação agradece
a dádiva liquida.
Os rios secos exultam
aos acordes melódicos
da sinfonia restauradora,
mas as buzinas dos carros
berram nas avenidas
e os condutores coçam cabeças,
irritados, porque o trânsito não flui.
 Outros me falam da angústia
que sentem às segundas-feiras
chuvosas e eu não entendo
tanta azuretação.
Mas é um lindo dia chuvoso
assim como são lindos
os dias ensolarados,
os dias azulados,
os dias nublados...



quinta-feira, 13 de outubro de 2016

COMO VEMOS O MUNDO

Temos três possibilidades
básicas diante do universo:
O mundo é cor de rosa.
A vida é dura, mas vale a pena.
A existência é uma droga.
Independente de tudo
que ocorre conosco
ou daquilo que gostaríamos
que ocorresse e não acontece;
alegria, compreensão
ou ressentimento
comporá nossa bagagem.
Ah, mas ver o mundo assim
é de uma simplicidade franciscana,
visão por demais simplista
dirão os doutos!
É. pode ser. Porque não complicar!


segunda-feira, 10 de outubro de 2016

MEU PAÍS É O MUNDO

Já disse, meu país é o sul.
Mas isso faz muito tempo
Era quando eu acreditava
nas fronteiras que dividem,
nas ideologias que separam,
nas ideias que isolam; enfim,
coisas  que levam à discórdia.
mas com o tempo a gente aprende
já dizia o grande Shakespeare,
pelo menos a gente tenta
assimilar as leis básicas
de suporte à fraternidade.
Fraternidade, palavra linda
cantada em versos e reversos
e um pouco distante da prática
porque parece que passamos
uma procuração cartorial
ao Sr. Ego, dando-lhe o direito
de comandar nossas vidas,
enquanto lhe aprouver...



SERIA SEMPRE PRIMAVERA

Há pouco ouvia Flávio Venturini:
"Seria primavera feliz
Se a voz dos homens entoassem a paz
Se o dom dos homens fosse a arte de amar"

Algumas músicas são setas,
trilhas, veredas, portais...
São lembretes de que na curva
dos dias sombrios
o maestro do arco-íris
rege a sinfonia da primavera.





sexta-feira, 7 de outubro de 2016

BOBAGENS CONTINUAM SENDO DITAS

Na campanha de caça de votos
dos candidatos a prefeito
nesta capital,
TODOS
possuíam soluções
para todos os problemas,
inclusive para a violência.
Segundo esses sapientíssimos,
a população sofria as consequências
dos graves desvios comportamentais
porque  até então faltara vontade política...
Chego a pensar com meus botões,
que esses caras são de outro planeta
ou imaginam que somos mais bobos que os bobos...

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

SERÁ QUE HOUVE TRUTA ?!

Tenho dito; às vezes meio sério,
outras vezes meio às brincas,
que passaram a mão na gente,
porque a minha chapa política
- coligação brancos e nulos -
obteve apenas 22  por   cento
do universo de votos de POA,
não obstante muita gente
jurar-me de mãos postas
que cravou na plataforma.

terça-feira, 4 de outubro de 2016

FRANCISCA 04-10-1954 A 09-05-1960

 Francisca,
tua passagem
por     aqui
foi rápida.
Tua existência
foi um sopro,
um suspiro,
uma lembrança
de não existir
agora conosco.
Flor da manhã
que partiu cedo,
 mas teu perfume
o tempo não apaga.
Mana, tu és
a eterna saudade
em nossos corações.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

AQUELE MENINO

Estou procurando
o cara forte e atlético
que habitava meu corpo.
Cadê aquele moço vibrante,
repleto de juventude eterna?
Quando procuro o menino que fui
encontro uma criança velha!

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

TEMPORADA DE CAÇA

Ainda bem que essa temporada
de caça ao pato, digo de votos,
transcorre com menos agressões;
até que enfim, poucos abusos,
com menos poluição visual
e o espaço das promessas
dos disputantes aos cargos
no  horário político gratuito
foi reduzido graças a Deus...
Mas em compensação,
os debates políticos
entre os concorrentes
às cadeiras ofertadas
é de inutilidade
pública...

terça-feira, 27 de setembro de 2016

SERÁ?

Por vezes fico a me perguntar
se inúmeras   ações    diárias
são  de fato   imprescindíveis
ou as executamos por hábito,
porque algumas ferramentas
estão  à  disposição da criatura.

Será que a oferta não propicia
mudança na estrutura dos neurônios
ao ponto do incauto mirar sua imagem
no  espelho do   consumidor   satisfeito;
ser pigmaleão que altera a rotina de vida,
mas parece importante aos olhos do mundo


quinta-feira, 22 de setembro de 2016

VENTO, VENTO, VENTO

Não sei se em existências passadas
vivi em países ventosos
mas nesta,  minha alma se encanta
quando a brisa beija meu rosto
Não falo de ventania
mas daquele ventinho suave
que balança as folhas de leve
das árvores das alamedas
e mexe com os fios de cabelos
da mulheres que os conduzem soltos
Vento que vem do pampa,
do mar, da serra, do mato
renova o ar das cidades
corrompido pelos monóxidos,
refrigera os seres  aflitos,
melhora o humor dos chatos
Mas muita gente reclama
das variações do ar e do tempo
do calor, do frio e da chuva.
Eu, por vezes, também resmungo:
Ah, esse calor eu não aguento!
mas, de repente, tudo muda
quando recebo uma dose de vento!




segunda-feira, 19 de setembro de 2016

A VELHO MARTINS

 Tenho a impressão de que a primeira vez que entrei na Martins o Livreiro
era mês de setembro. Ainda lembro que chovia e era uma tarde meio
nublada, pouca fria, mas, que se transformou em pura magia, à medida
que eu viajava pelo universo encantado de livros que eu sabia apenas
o nome, mas nunca os vira antes na minha frente. Eu já era frequentador
da Livraria do Globo, visitante da Feira do Livro, mas nesses locais, naquele
tempo, não era comum  a disposição de livros usados e velhos.



Hoje estou com a sensação
de mergulho às tardes juvenis;
das antigas horas passadas
no  sebo da Rua Riachuelo,
" a Martins o Livreiro",
ao lado da Biblioteca Pública,
acho que a pioneira
no comercio de livros usados
e raros em Porto Alegre.
Lembranças de prazeres
gravados na alma...
o tatear de velhas páginas
e o cheiro emanado das folhas
dos alfarrábios...
algo que palavras não traduzem.








sexta-feira, 16 de setembro de 2016

A PRAXIS

A ferramenta de trabalho
do caçador de votos
se expressa no macro
haja vista o discurso
de uma raposa mineira,
Sua Excelência, JK:
"farei o país avançar
50 anos em cinco"
O cara até fez pirotecnia
para inglês ver:
Brasília foi construída
a toque de caixa.
Os tijolos usados nos prédios
foram conduzidos de avião.
São patentes registradas
do grupo corporativista.
Já gostei da fase
de captação de votos.
Era uma época de sonho,
de céu limpo,
das questões solucionadas
no discurso...
Mesmo que saibamos
que não há solução
a curto prazo para
as mazelas brazilis
por vezes damos ouvidos
a fanfarronices tipo:
"tenho a solução
para a segurança"!
"tenho a solução
para a saúde"!
"vou caçar os corruptos"
ou então,
"somos um partido novo
que governará diferente
porque somos povo",
Enfim, palavras vazias
jogadas ao vento.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

VELHOS SETEMBROS

Ando meio assustado
com a voracidade
do tempo.
Setembro entrou
na semana passada
e hoje já é dia treze.
Se continuar assim
semana que vem
vai ser outubro.
Saudade de quando
setembro era do tamanho
de um latifúndio.
Naquele tempo
o nono mês do ano
durava  sessenta dias.
Naquela época
SETEMBRO
nunca terminava...

sábado, 10 de setembro de 2016

SONHO, FICÇÃO, FANTASIA?

As palavras espaço e tempo
mais que melodiosas e musicais
também dão panos para mangas...

Sem esse binômio não teríamos
os minutos, os dias, as horas,
os anos, os séculos, os milênios...

Na ausência dessas medidas
andaríamos em círculos cegos
fluindo à margem da História.

Sem calendário,  sem idade
sem tempo, que diferença faria
o passado, o presente, o futuro?


quarta-feira, 7 de setembro de 2016

SE FOSSE DIFERENTE!

Num certo país
da América do Sul
todos os problemas
são solucionados
através do discurso
durante a temporada
de caça ao voto.

Ainda que vivamos
na esbórnia generalizada
onde quase nada
haverá de mudar
se não sublimarmos
nossos maus instintos.
Ainda acreditamos
ou fingimos acreditar
nos fanfarrões dos palanques.

As beberagens estão
nas ruas outra vez,
as promessas nas bocas
dos labiosos,
porque nós possuímos
algo que interessa
ao segmento que controla
o jogo de cartas marcadas.

domingo, 4 de setembro de 2016

NAQUELE TEMPO!

Eu gostava da introdução
das prédicas dominicais
que começava assim:
"Naquele tempo...
A gente nem respirava
ansioso pela história
que seria contada...
Mas, por vezes
ficava desapontado
porque em meio à leitura
havia algum recheio,
proibição ou alerta,
que gerava culpa
a alguma atitude
do dia-a-dia,
assim, por exemplo,
ler o velho Machado
era desaconselhável,
pois o pai da Academia
era zombeteiro, sacrílego,
um homem sem religião...
Os poetas, uns exagerados
quase todos imorais,
Augusto dos Anjos,
então, pactado com o Demo...
O bom homem de Deus
queria saber das nossas leituras,
mas leituras piedosas...
Uma ocasião, copiei
o poema, Dorme Ruazinha,
e mostrei ao pároco
cheio de expectativa,
mas grande foi a  decepção
diante da reprimenda:
"O Quintana é louco
pois rua não dorme!"


sexta-feira, 2 de setembro de 2016

SETEMBRO OUTRA VEZ

Ontem acordei cantarolando
esta singela canção:
Há um clima todo diferente, que aquece,
 mexe com o coração da gente...
Cantarolava sentindo
uma vibração apaziguadora
acariciando as fibras do ser.
Era uma conexão sutil, agradável,
que não importava a origem,
queria mesmo permanecer vibrando
naquela onda...,
Eis que de repente vi grafado
na capa do jornal impresso
a data do dia e tudo ficou claro,
era MANHÃ DE SETEMBRO

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

SOL DE AGOSTO

Houve uns agostos
que o sol acordava
com outra cara.
Aparecia pra gente
meio cor de laranja.
Naquele tempo
eu ficava pensando
que o astro-rei
dormia na Escócia
porque eu vira
o céu escocês,
num prospecto
de viagem,
com aquela mescla
ruivo alaranjado
que precede à chuva
no pequeno país
da Bretanha.


segunda-feira, 29 de agosto de 2016

POIS ENTÃO!

Naquele tempo
saí à rua pedindo
eleições diretas:
gritando por direito
de votar em alguém.
Meu pai olhava
aquilo de longe,
dizendo:
Queres engordar
as demandas
dos oportunistas,
pensado que fazes
grande coisa.
Eu retrucava
meu pai,  falando:
a coisa está errada,
é necessário mudar
a estupidez regimentar,
que não permite
o eco da minha voz.
O velho treplicava:
se queres mudar algo
não delegues nada a ninguém.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

BOLA NO PÉ, BOLA NA MÃO

O pais do futebol
ganha mais um título
na quadra de volei.
Enquanto nossa mídia
enfatiza as bobagens
ditas por algumas
figuras carimbadas
do esporte bretão,
nossos guerreiros,
pupilos do Bernardinho,
dão aula de sensatez;
gigantes na quadra,
ponderados na fala,
educados, modestos,
cidadãos exemplares.


quarta-feira, 17 de agosto de 2016

ERA UMA TARDE

Era uma tarde de agosto e rolava
um vento macio ao encontro
da minha pele hibernada,
e eu era outra vez um neófito
catando lembranças na relva.

Era uma tarde calma e amena
dessas que a gente esquece
do ruido que vem da rua,
quando o silêncio da alma
nos leva lá  para o  oriente.

Era uma tarde de azul celeste
tipo aquelas que guardamos
no rol das boas lembranças
e as coisas esquecidas voltam
como se a gente fosse criança

Era uma linda tarde  dourada
daquelas que a gente esquece
que o mal ainda existe,
porque o mundo pode ser bom,
e só depende de nós, seres errantes.









segunda-feira, 15 de agosto de 2016

"PENSAMENTOS"

Já babei de gozo por frases feitas
e   as   destaquei   nas     páginas
dos   velhos    livros   prediletos
Também as escrevi em cadernos
perdidos por lugares que habitei.
Já   recitei   frases  selecionadas
como quem  salmodia a   Bíblia,
como quem   recita  um mantra,
como  quem reza  uma novena,
como   quem   repete    a    fala
dos atores da novela das  nove,
como  os  eleitores (fanáticos)
veneram  seus (santos) eleitos.




quinta-feira, 11 de agosto de 2016

CAÇANDO O BICHO

O demiurgo, contemplando
o vazio das almas, disse:
Enquanto Platão dorme,
oferecerei uma chupeta;
que cairá nas graças
daqueles terráqueos
que plugaram a vida
às telinhas de mão...
Eles foram caçadores
no tempo da caverna,
porque não incitá-los
a perseguir a esmo
os bichinhos virtuais?
Eles se divertirão
acumulando pontos inúteis.
Eles se fartarão por algum tempo
tal como no jardim da infância...
Mas em troca, eu coletarei
informes...dados...fotos...
abrirei inocentemente
o banco de dados
dos incautos...




segunda-feira, 8 de agosto de 2016

IUESSEI

Existe uma nação que se arvora campeã da verdade
e espelho da conduta disciplinada  no planeta
entretanto,  nos períodos eleitorais
monta o circo e desfila bobagens...
Nós somos campeões democráticos
Nós metemos o bedelho em toda parte
Nós somos o síndico do mundo
Nós somos o demiurgo...
Eis a balada do nosso  irmão, rico, do Norte...


sexta-feira, 5 de agosto de 2016

SAMSARA

Já disseram:
o homem é bom,
nasce puro
mas o meio o corrompe.
O homem é mau
e está condenado
à danação eterna.
Achamos que o ser
nasce com tendências
positivas e negativas,
mas está no comando,
e será um homem
ou um repolho
disse um ateu.
Mas nós sabemos
que a nossa meta
é a santidade,
que será alcançada,
após muitas voltas
na roda de Samsara.





segunda-feira, 1 de agosto de 2016

AGOSTO, AUGUSTUS

Se nós  disséssemos
que hoje entrou
o mês sestilis
soaria engraçado.
No calendário romano
era assim mesmo,
porque o ano começava
no mês de março.
Entretanto, o imperador
(humilde) César Augusto
mandou retirar o nome antigo
e colocar o próprio no lugar
para que o ocidente o reverencie
enquanto existir o calendário gregoriano.



sábado, 30 de julho de 2016

FELIZ ANIVERSÁRIO, MARIO QUINTANA!

O anjo de asas ocultas
 partiu desta em 1994
e está fazendo hoje cento
e dez anos
Mas a presença do poeta
para nós que o amávamos
ainda é muito nítida
Mario tão identificado
com as ruas centrais
desta cidade,
deve estar contrafeito
com a violência
que persegue
seus passos leves
pela ruazinha escura
onde até o vento
com medo da turba
já não dorme
na calçada...

quarta-feira, 27 de julho de 2016

A LUA

A Lua, quando jovem, vivia encantada
com a veneração devotada pelos casais,
enamorados, contemplando sua luz...
Mas até a  felicidade neste mundo
tem suas crises, seus altos e baixos...
e a Lua despida de gente e de tudo,
e distante   de   um ombro   amigo
entrava em depressão profunda
à medida que ninguém a ouvia...
Mas, de repente, com seus botões:
Vingarei-me de vocês, humanos,
passarei  por metamorfoses,
murchando, escondendo-me
 reaparecendo em fatias,
mostrando-me menos,
por inteira...
e se não gostarem,
se mudem...





segunda-feira, 25 de julho de 2016

SABEMOS QUASE NADA

O poeta falou que os sonhos não envelhecem
e a  eterna juventude um estado de espírito,
designar alguém de velho pode ser exagero
ainda que as aparências sejam concludentes.
Quando alguém te chamar de jurássico
diga que velho, com certeza, é o mundo
e este não se cansa de trazer novidades.
A nossa idade pode ser apenas um detalhe,
uma etiqueta pregada na parede do tempo
ou um carimbo discriminante ao portador;
uma letra de câmbio olvidada pelo pregão...
Falar de idade, tempo, destino, existências
ainda mexe conosco porque desconhecemos
os mecanismos reguladores do sistema;
 matemáticos, racionais, eternos, perfeitos,
pois nada no mundo acontece por acaso.


sexta-feira, 22 de julho de 2016

PREFERIA O MEDO ESTÉTICO

Li um livro nos anos setenta,
"A Cara Engraçada do Medo"
de um repórter-jornalista,
Murilo Carvalho.
Um bom livro, mas o medo
não era assim tão engraçado.
Era o medo rural. O medo
dos poucos afortunados.
Para nós que líamos, de longe
(e egoístas que somos),
era o medo dos outros,
era o medo fictício.
Era o medo da chuva,
dizia  Raul...
Até dá um pontinha de saudade
do velho medo estético,
porque hoje o medo é real
e está nas nossas entranhas...


quarta-feira, 20 de julho de 2016

REPETIMOS MILTON: PAI AFASTA ESTE CÁLICE!

O planeta Terra passa  por momentos  difíceis
por conta exclusiva  da  deformação  humana
O Ser afastou-se sobremaneira da boa conduta
e acabou espalhando  o terror por toda a parte.

Antigamente os trevosos agiam por escala
nas regiões mais periféricas dos continentes,
mas,  hoje,  ousados,  kamikases,  suicidas,
sugam o sangue dos corações nas metrópoles.

Ninguém desce aqui compromissado com o mal
mas alguns espíritos se afastam tanto do caminho
que acabam perdendo o senso de qualquer medida
e se transformam em seres perversos e sanguinários

segunda-feira, 18 de julho de 2016

POR QUE NÃO CAI NEVE AQUI?

Deixo no ar a pergunta
que meus filhos fizeram
lá atrás, quando pequenos.
Por que não cai neve
aqui em Porto Alegre?
Indagação semelhante
eu lembro que fiz
bem antigamente.
Por que cai neve somente
na região da Serra?
Pois outro dia ouvi
de uma boa senhora,
religiosa,  fanática:
quando veio à tona
o tema do inverno:
não somos contemplados
pela pelo filetes brancos
porque eles não estão
na agenda de Deus!

quinta-feira, 14 de julho de 2016

LEMBRANDO MARCEL PROUST

Quando passo pela Rua da Praia,
nessas nossas tardes chuvosas,
pela frente do prédio onde ficava
a saudosa Livraria do Globo,
ainda sinto vontade de subir
direto ao segundo andar,
sentar-me à mesa de leitura
e saborear, sem pressa,
as páginas de Proust
com uma chícara de chá,
mastigando uma madeleine...

terça-feira, 12 de julho de 2016

ESSAS LETRINHAS...

Eu tricotava um poema
 durante a madrugada
quando o sono debandou
feito um pássaro caprichoso
na direção da Cochinchina
deixando-me a ver navios,
digo os riscos aleatórios
na folha branca de celulose,
mas, de repente o alfabeto
ficou compactado,
insubmisso,
tipo um novelo de letras
girando à minha volta;
tão perto dos olhos,
tão longe das mãos...
Pensava num soneto,
num quarteto,
num terceto,
num verso livre;
em qualquer coisa
simples, banal...
mas as letras
continuavam
enoveladas...


sábado, 9 de julho de 2016

AO MESTRE COM CARINHO - II

Foi numa Feira do Livro,
dos meus verdes anos,
a vez em que estive
na frente dele.
A um passo do mestre
faltou-me coragem
para dirigir-lhe a palavra.
As perguntas elaboradas
para aquele momento
ficaram trancadas...
Com a boca seca,
mudo e trêmulo,
estiquei a mão
que segurava
"A Rua dos Cataventos",
balbuciando:
por favor, um autógrafo.
Então, o poeta abriu
aquele sorriso tímido
e disse: menino, hoje
não o meu dia de autógrafo,
mas os pedidos dos meus leitores
são ordens para mim!


quinta-feira, 7 de julho de 2016

AO MESTRE COM CARINHO

Tive um sobressalto
na   primeira     vez
em que vi o Mário
andando pela rua
porque até então
os poetas viviam
em   um    altar,
sobretudo
Quintana,
que era mais
que um poeta,
mas a própria poesia.


segunda-feira, 4 de julho de 2016

NÃO SABEMOS NADA

Primeira metade do ano já era
A segunda parcela é espectativa
ignoramos os eventos futuros
não temos  bolas de cristais à mão
e mesmo  que as tivéssemos talvez
nos fossem de pouca valia
porque não  temos permissão
para ver nossos passos à frente
daquilo que dizemos "o agora"
tal como ainda nos é negado
um passeio por outros planetas
nesta atual existência...

quarta-feira, 29 de junho de 2016

POR ANDA VOCÊ

O poeta disse que
havia uma pedra
no meio do caminho,
mas prosseguimos
de mãos dadas
e cantemos
o tempo presente,
mas a festa acabou
e o riso não veio
e agora Josè?
Mas o poeta
contornou as pedras
aparou as arestas
e quando escureceu
acendeu uma vela
e quando fecharam a rua
foi pelo atalho...
Mas a lide é dura,
existência é curta,
e o tempo não pára
e o poeta fez-se de morto...
Mas você não morre,
você é duro,
se perpetua na nossa memória
Você ausente/presente
ri dos nossos versos
zomba dos nossos medos...
Ah, poeta, tu disseste
o mundo é grande,
o mar é grande,
 o amor é grande...
e se teu nome fosse Raimundo...
Não foi necessário,
 tu tinhas a solução,
 a rima, tanta coisa
tu eras completo,
enfim, um poeta
grande, grande, grande...
Mas a pedra está
no meio do caminho.
Ela é renitente,
ela é surda,
ela é doida,
ela rouba,
ela mente,
ela corrompe...
E agora, Drummond?




es

sexta-feira, 24 de junho de 2016

PARAFRASEANDO

 Pensando naquele sucesso
do cantor Belchior,
dos anos setenta,
que dizia, no meio da música:
" Não me peça que lhe faça
uma canção como se deve,
limpa, suave, muito leve",
sou tentando à paráfrase
e digo que acho difícil
escrever uma linha arejada,
um verso suave,
um poema limpo
imune à pestilencia
que paira ao entorno
Está difícil respirar
o ar denso, poluído,
contaminado,
corrompido...
Ele dizia,
eu sou  um rapaz latino-americano,
sem dinheiro no banco.....
Poderia dizer agora,
sou um sobrevivente
de um país desmoralizado
que sucumbiu ao comando
da caterva dos larápios...


terça-feira, 21 de junho de 2016

AH, ESTE HOMEM!

Fala-se que
que a tv é uma praga
e a internet uma overdose,
o que em determinada escala
parece ser verdade.
Fala-se mal da política
a tal ponto que a contrapartida
é a louvação da anarquia
o que até é compreensível
em face da leva corrupta
que açambarcou o sistema.
Mas se pensarmos um pouquinho
chegaremos a conclusão,
aparentemente singela,
de   que   somos  nós,
a   doença   moderna
que   está  por    trás,
das coisas.....

sexta-feira, 17 de junho de 2016

E DE REPENTE...

A humanidade sonhou
com o futuro, montado
num   cavalo    digital.
Esperou para embarcar
no tapete magico, voar
pelo  espaço   dourado,
sem tirar  pés  e  mãos
da aldeia globalizada,
Ai veio uma carroça
composta de  válvulas
de   chips,   de   bits
e perfurava cartões
e acumulava dados
em rolos, em fitas,
em disketes, hds...
De repente tio Bill
olhou  o ambiente
e arejou tudo....
Não havia necessidade
de conhecer  muito
era só abrir janelas....
Num passe de mágica,
mister Jobs  enfiou
o computador no celular
e ai a vida virou um circo
sem pão, sem vinho, mas
com mãos nervosas...
que  nunca  cansam,
se agitam desesperadas,
o tempo inteiro, talvez
por medo de que os dedos
morram amanhã...









terça-feira, 14 de junho de 2016

AQUI E AGORA

Alguém já me disse que
que o passado o persegue
e todas tentativas de fuga
resultam sempre infrutíferas
Quando busca o horizonte
mesmo de forma consciente
vê o pretérito ao seu encalço.
Imagino  que são miragens
a perseguir-nos - incautos -
por que o passado ficou
junto à poeira no espaço.
Por mais que tentemos
retroceder no tempo
certamente, ficaremos
neste instante, o presente,
porque estamos pregados
no aqui e o no agora.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

AH, MEU DEUS!

Outro dia eu me encontrava entres amigos
alguns da geração afim e outros mais jovens
e rolava o papo da contempoaneidade digital
e diante da minha arrelia ao que julgo excesso
quanto ao comportamento virtualizado de agora
um menino tirou do Youtube  um poema de Drummond
para dizer que eu deveria voltar à pasmaceira de outrora:
tio, tu tens que viver na cidadezinha  do poeta de Itabira!



CIDADEZINHA QUALQUER

Casas entre bananeiras 
mulheres entre laranjeiras 
pomar amor cantar.

Um homem vai devagar. 
Um cachorro vai devagar. 
Um burro vai devagar. 
Devagar... as janelas olham.

Eta vida besta, meu Deus.
Carlos Drummond de Andrade
Depois dessa ducha fria o que poderei dizer?:Talvez eu seja um velho bobo, meu Deus! Ah, nem tudo está perdido , pois alguns meninospelo menos leem poesia através da Internet.,

segunda-feira, 6 de junho de 2016

POIS ENTÃO

Tenho  dito  tantas vezes:
novamente segunda-feira,
de outra   ótima    semana
o que tem me contemplado
algumas divertidas críticas.
Alguns amigos replicam:
vem depressa sexta-feira
porque segunda lembra
retorno á labuta diária
de uma jornada cheia,
de  uma vida corrida.
Não  tenho     ressentimento
a qualquer dia do calendário,
porque a vida não tira férias
e  no  fundo tudo   depende
do nosso estado de espírito.

terça-feira, 31 de maio de 2016

TUDO SE TRANSFORMA

É do conhecimento humano
que tudo se transforma
neste mundo.
Portanto, nada mais natural, porém,
 algumas transformações chocam
quando não acompanhamos
 a gradualidade das mesmas,
sobretudo as mudanças de pele,
o fenecer da beleza física,
a força imponderável da velhice
habitando a casa que outrora
foi morada do viço juvenil
Confuso, pensando nessas coisas
ao ver, outro dia, uma foto atual
da Senhora Brigitte Ane-Marie Bardot
perguntei-me: cadê a encantável BB?

quarta-feira, 25 de maio de 2016

NÃO QUIS DIZER QUE A VIDA IMITA A ARTE

Diz a tradição judaica
que a divindade mandou
o patriarca ir embora
procurar outro rumo,
sem olhar para trás,
porque aquela cidade
precisava ser destruída
por causa dos impios
que infestavam o pedaço
e o patriarca era o único
habitante justo no lugar.
Se a divindade andasse
nos dias que correm
a vasculhar os políticos
e muita gente boa
de um determinado país
ao sul da América
e quisesse adotar a medida
similar à do sermão,
certamente aqui não ficaria
pedra sobre pedra.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

ENTÃO É OUTONO

Enquanto o inverno não vem
curtimos um outono atípico
de temperaturas bem abaixo
da média normal da estação
O inverno agora antencipado
enxotou o veranico de maio,
e aquele calorzinho esperado
por quem tem medo de frio
foi substituído sem  aviso
pelo vento lá da Argentina
que aqui dizemos Minuano.
Minuano, vento gelado e manhoso,
desfazendo os penteados da moças
e gelando os pescoço dos vaidosos
avessos aos cachecóis por vergonha
de passar por frouxos e menos guapos.
Mas o frio que não tem nada a ver com isso,
com certeza, fica dando risada da nossa cara.

quarta-feira, 18 de maio de 2016

PASSAGEM

Não sei se a planta
sabe que envelhece.
Talvez o animal saiba
que um dia parte desta
O homem sabe que morre,
mas via de regra não percebe
o transformar diário do móvel.
O homem vê o cão esclerosar,
a casa ficar velha, a companheira
submeter-se  à influência do  tempo,
mas ele que não tinha olhos para si,
de repente percebe que ficou velho.


segunda-feira, 16 de maio de 2016

FRIO

Segunda-feira fria e ventosa
alguém poderia achar ruim,
mas aqui no sul é diferente,
aqui o frio é a segunda pele.
Porto Alegre sob o frio,
nada mais natural.
Casacos, mantas, chapéus
desfilam com naturalidade
neste dia de meio de maio
a um mês antes do inverno,
o qual pela mostra promete












sexta-feira, 13 de maio de 2016

SEXTA-FEIRA, 13

Disseram-me hoje pela manhã
para eu ficar muito ligado
com as coisas à minha volta
porque é sexta-feira, treze.
Por via das dúvidas,
miro o provérbio espanhol:
"yo no creo en   bruxas,
pero que las hay, las hay".

Cuidado ao atravessar a rua
para não ser atropelado pela inflação.
Cuidado com os canais televisivos
que não querem que eu leia nada,
sobretudo a rede Globo
querendo empurrar suas novelas
o dia inteiro, todo o dia.
Cuidando também com os canais esportivos
transmitindo futebol padrão "full-time"
Cuidado com o  Bill Gates
querendo sabotar meus miolos.
Cuidado com a indústria automotiva
que não quer que eu ande a pé
Cuidado com a realidade brasileira
que não quer que eu sonhe...


terça-feira, 10 de maio de 2016

O CHAPÉU

Olhando para trás,
lá no começo da estrada,
surgem lembranças
de coisas vividas ou pensadas,
tipo aquela cronica de jornal
lida no Correio do Povo
há uns cinquenta anos:
"Em consequência da poluição
todos os homens serão carecas
no início do século vinte e um!
Meu pai, que já naquela época
pouco cabelo possuía, zombava:
é um problema solucionável,
através de um chá infalível!
- mas que chá é esse, perguntei.
- ora, ora; o velho CHÁ-PÉU!



sexta-feira, 6 de maio de 2016

TRIÂNGULOS

Minha atração pelos números
foi embora nos primeiros anos
quando as figuras geométricas
ocuparam  o espaço imaginário.
Mas o namoro com a geometria
também arrefeceu com o  tempo.
Polígonos, quadrados, retângulos
acabaram perdendo o  encanto,
porém sobrou  o triângulo...
Triângulo, trilátero; um mistério
mexendo com as mentes de Euclides,
Pitágoras, Pascal...
Nada entendo  de triângulos,
mas os nomes, as definições,
são poéticas....
Triângulos equiláteros, isósceles,
 escalenos; triângulos acutângulos.
os senos, os cossenos, os catetos,
a hipotenusa, a bissetriz...
Ângulos rasos, agudos, obtusos,
complementares, suplementares,
adjacentes...tudo muito poético.





quarta-feira, 4 de maio de 2016

CIDADE DOS SONHOS, TU AINDA EXISTE?

Gosto das cidades pequenas
com casas brancas pitadas
das ruas limpas, singelas,
com flores nas calçadas

Gosto das cidades tímidas
com suas alamedas e ruelas
das pessoas ao fim da tarde
olhando o mundo pela janela

Gosto das cidades distantes
da esperteza de toda a parte
onde  ainda reina a cortesia
e a amizade é moeda de troca

Gosto das cidades simples
onde quase nada acontece
talvez eu ainda viva assim
talvez em outra existência.

segunda-feira, 2 de maio de 2016

PERVERSÃO

Bom seria que a pexa
que sempre utilizamos
para autodenominarmos
"povo bom e hospitaleiro"
fosse realidade...
entretanto, a perversidade
anda solta....
hajam vistas alguns
números estatísticos
alarmantes:
uma pessoa assassinada
a cada nove minutos;
um roubo de automóvel
a cada dez minutos;
uma mulher agredida
a cada cinco minutos...

quinta-feira, 28 de abril de 2016

INVERNO PRECOCE

Regularidade climática
não é premissa neste país
de rupturas bruscas
em que as estações,
por tantas vezes,
invadem o  espaço
umas das outras.
É abril, mas o inverno
adentrou na casa do outono,
trazendo consigo todos
os instrumentos de trabalho
 É engraçado, alguns viventes
xingando o inverno prematuro,
ente que provavelmente ignora
a própria existência.




terça-feira, 26 de abril de 2016

CONTRASSENSO

Apesar da evolução tecnológica
atingida  nas últimas décadas
a moral não andou pari  passu
Sob à égide dos valores espúrios,
o tintilar das moedas  falsas
e a tentativa de subversão semântica,
há um sofista em cada esquina,
jogando palavras vazias ao vento.
Vivesse Sócrates aqui, agora,
o príncipe da busca da verdade,
tomaria sicuta, mas por vergonha
do cinismo  prevaricante.

sábado, 23 de abril de 2016

PEDALANDO

Do alto da minha falta de saber
pensava que o Supremo T. Federal
fosse o órgão máxima da justiça
em terras tupiniquins, entretanto,
a Senhora Presidente da república
se diz intérprete e guardiã da lei.
Então, a nossa nobre presidente
defenestrou do livro dos códigos
o artigo 36 da Lei de Responsabilidade Fiscal,
porque este define que pedalada fiscal é crime.
Daí a afirmação solene de Sua Excelência:
"Não cometi nenhuma falta grave"


sexta-feira, 22 de abril de 2016

ESTADO DE ESPÍRITO

O que define genericamente
os arquétipos alegria e tristeza
senão o estado de espírito
experimentado pelo vivente
pelas veredas da  travessia
num determinado momento?


segunda-feira, 18 de abril de 2016

SE CORRER O BICHO PEGA, SE FICAR O BICHO COME!

Abacateiro produz abacates
Dinheiro não dá em árvore
Vaca bipolar não dá leite
Políticos não vêm da lua.
Acho que não há solução
para os problema criados
pela camarilha raivosa
que governava até ontem.
O presente é nebuloso,
 o poço mostra o fundo
outra camarilha sucede
a troupe  que desgovernava
Sai o farrapo entra o roto
e tudo continua como dantes
no quartel de Abrantes.
Apesar da troca de turno
trocaram apenas os nomes
porque a turma da safadeza
continuará a roer o osso.
Mas a esperança não morre
talvez num futuro distante
em todos estado federativos
criem-se repúblicas de Curitiba
e os "Moros" não fiquem de mão atadas.
Mas nada acontece por acaso
e por hora é o que temos.
Talvez nas próximas existências
encontremos a casa menos suja.


quarta-feira, 13 de abril de 2016

MAS, BAH!

Eu sou um cara esquecido,
que mal lembra das coisas
que aconteceram ontem.
O que ainda guardo
são pedaços de sonhos
gestados nas madrugadas.
O último foi engraçado,
melhor, surreal, fabuloso,
deixou-me feliz no sono
e desassossegado depois,
inquietando-me até agora.
Então era um país parecido
com o nosso, com gente
parecida conosco, agindo
de forma diferente...
Não havia chave na portas
das casas desse povo
nem trancas nos carros
nem grades nem muros
nem cercas nem tapumes
e não havia presídios
nem polícia nem roubo
nem normas nem lei
porque não havia desordem,
mas como sou esquecido
deslembro o nome do lugar.



segunda-feira, 11 de abril de 2016

FIM

Por que eleger o fim
em detrimento do meio?
por que o amanhã
é mais importante  que o hoje?
por que sacralizar sexta-feira
e excomungar a segunda?
A humanidade corre
pelo fim do dia,
pelo fim de semana,
pelo fim do mês,
pelo fim do ano,
entretanto, todos querem
frear o fim da vida.


sexta-feira, 8 de abril de 2016

AONDE FORAM PARAR NOSSAS COISAS?

Outro dia, em meio a um papo, com
componentes da minha faixa etária,
um garotinho entrou, perguntando:
de que  mundo vocês vêm?
Boaquiabertos,  nos entreolhamos,
 sem atinar nenhuma resposta.
Quando, por fim, nos recobramos
o menino já  andava longe
porque falávamos de coisas
estúpidas aos ouvidos juvenis,
ferramentas  agora descartáveis
que alicerçaram nossa formação.
A velocidade febril transformadora
das tralhas tecnológica das últimas décadas
dão psicologicamente aos anos 50, 60 e 70
uma conotação arcaica e inútil...



quarta-feira, 6 de abril de 2016

GOLPE?

A primeira mandatária geral
esbravejou altissonante:
Não haverá golpe!
Cara Senhora Presidente,
Vossa excelência é autora
do golpe perpetrado contra
nós, cidadãos brasileiros,
porque nos desgoverna
tal qual todos vossos
antecessores, mestres
na arte de dissimular..




segunda-feira, 4 de abril de 2016

E O MUNDO NÃO ACABOU

Era alto verão de 1962,
eu tinha pouco mais de 10 dez anos,
li  no "Correio do Povo":
Cientista hindu diz que o mundo vai acabar,
com certeza, ainda neste mês de fevereiro,
porque os planetas ficarão alinhados com a terra
e um choque de proporção absurda será inevitável...

Meu pai me tranquilizava:
guri, isso é besteira,
fosse um estudioso americano,
inglês, francês ou russo, vá lá,
até se poderia considerar, mas
em se tratando de pesquisador
de um país do terceiro mundo...

Minha vó, que era meio religiosa,
teve a ideia de reunir a família
e vizinhos para rezar um terço
ou então encomendar uma missa,
mas decidiu por uma janta no dia
anterior à pretensa catástrofe
sob esta justificativa:
se a coisa acabar mesmo,
a gente não morre  com fome!

quinta-feira, 31 de março de 2016

ABRIL

É outra vez abril.
Eu novamente
me encanto
com a musicalidade
desta pequena palavra
A-B-R-I-L.

O charme de abril
está no teu nome
delicado e poético
A-B-R-I-L

Teu nome rima
com céu,
com azul,
com mel,
com anil,
A-B-R-I-L

Abril,
há quem diga
que tu rimas,
mas disso
não tem certeza,
com Brasil.

quarta-feira, 30 de março de 2016

CRIANÇAS...

O menino perguntou:
Pai, é verdade que
plantando se colhe?
-Sim. Isto é certo.
- Então vamos plantar aqui em casa?
- Não dá. Falta espaço,
não temos sítio, não temos horta
e o nosso quintal é de pedra.
- Mas eu acho que  a gente pode
plantar um pé de feijão num vaso.
- Feijão a gente compra no mercado.
- Mesmo assim não seria legal
plantar e ver o feijãozinho crescer?
- Filho, no caso de se plantar
teria que ser algo difícil de se obter.
- Ah, pai, já sei, então vou plantar
um pé vergonha,  outro de caráter
e um pé de honestidade.

segunda-feira, 28 de março de 2016

O TEMPO

Este ser invisível, o tempo,
vai passando
e a gente rodando com ele.
Não vemos o rosto do tempo
se transformar em outro
como acontece conosco...

Às vezes fico pensando,
que o tempo é uma ficção,
que a nossa vida é mensurada
através das lacunas do espaço.
Acho  que o tempo transcende
a imaginação dos poetas.

sábado, 26 de março de 2016

ANIVERSARIO DE PORTO ALEGRE - 244 ANOS

Moro numa cidade velha,
que às vezes  parece nova,
outras vezes parece outra.
Às vezes parece antiga
menos antigas que outras
que se tornaram velhas,
mas querem ser modernas,
entretanto minha cidade,
que há pouco era província
tem um jeito diferente
das cidades que eu conheço.
Ela mora lado  ao do rio,
o  qual dizem  que um lago,
composto por quatro braços;
que eu chamo de estuário,
e o seria  se não houvesse
uma lagoa entre o lago e o mar,
entre o rio e o mar para quem
ainda não assimilou a ideia
e reitera que o nosso lago é um rio.
Este rio, este lago, este processo
de água doce, trouxe os açorianos,
lá no século dezoito,
para o entorno do Gasometro
onde engendraram a Porto Alegre.
Então ela desceu as curvas do rio
para o lado do sul,  para o lado norte,
 depois desgarrou para os lados de Viamão...

quinta-feira, 24 de março de 2016

MEU RIO

Minha cidade namora um rio
minha cidade sonha com o lago
minha cidade bebe a água do estuário
Minha cidade nasceu ao lado do rio,
enrugou a pele dos braços do lago,
faz xixi na foz do estuário.
 A cidade cresceu ouvindo a balada do rio,
poluiu sem piedade a orla do lago,
escondeu com um muro
a cabeça do estuário.
Construíram uma ponte feia
sobre as pernas do lago.
Permitiram às barcaças velhas
embaçarem a vista do estuário.
Querem plantar um shopping
à beira do cais do porto.
Rio, lago, estuário;
isso parece loucura,
tantos nomes para a mesma água.
É que de repente perceberam
que o rio não é rio, mas um lago,
mas quem o conheceu como rio
não quer chamá-lo de outra coisa.

segunda-feira, 21 de março de 2016

O NOVO, AH POIS É... O NOVO...

Eu não teria  nada contra o paradigma
esquerdizante do mundo, desde que
essa nova visão fragmentada das coisas
não fizesse o nivelamento por baixo,
que também não trouxesse no bojo
o afrouxamento dos hábitos e costumes
e a negação dos valores universais.

Creio que a distensão  radical do sistema
ampliará o universo do analfabetismo funcional,
haja vista o descaso acadêmico pelo alto saber.
As ditas normas arejadas enfiaram os pés pelas mãos
e esqueceram  que o conhecimento clássico nunca envelhece.

quinta-feira, 17 de março de 2016

SE FÔSSEMOS BONS!

As inverdades, as quais ouço
 desde sempre, constrangem-me:
"brasileiro, um  povo bom",
porque bondade é um luxo
inacessível aos espíritos fracos.
Bondade, apanágio dos santos
e destes ainda estamos distantes
quilômetros luzes...
Para atingir a bondade é necessário
e obrigatório, no mínimo do mínimo,
assimilar os  estágios intermediários
da solidariedade, da ética e da honestidade...

.

quarta-feira, 16 de março de 2016

NEM TUDO QUE RELUZ...

Ainda que nos digam
que venceremos esse jogo
creio que a eventual vitória
será uma vitória de Pirro.

Mil passeatas não terão
a capacidade de transformar
gente de caráter mesquinho
em pessoas de conduta retilínea.

Queremos curar a doença através do sintoma
quando deveríamos debelar a causa do mal.
Já nos iludimos procurando remédios complexos,
entretanto a prescrição é extremamente simples.

Mas o caminho da simplicidade
é o que há de mais difícil nesta terra,
porque nos miramos em espelhos opacos,
ao invés de buscar o brilho  da centelha divina.

segunda-feira, 14 de março de 2016

PORTO ALEGRE DOS MEUS DESENCANTOS

A tristeza fica deste lado da cidade
em contraste com a alegria, ali
no outro lado da cidade vizinha
e o rio, no meio, seccionando
dois estados de espíritos;
dois bairros distintos...

Velha cidade, fundada por Católicos,
daí os nomes de santos por toda parte
Algumas ruas, alamedas e praças
reverenciam  nomes estranhos
de personagens enterrados no tempo.

Este lugar já foi aprazível
e era chamado de cidade sorriso
mas isso faz tempo, tanto tempo,
que nem sei  se houve aquele tempo...

sexta-feira, 11 de março de 2016

O CAPETA

Meus amigos, minhas amigas, não levem estes  post
muito a sério , pois não pretendo ferir suscetibilidades.
Não tomem o texto ao pé da letra, pois trata-se apenas
de licença poética.



Reza a tradição, a lenda, que:
no começo tudo era correto
e havia somente o bom Deus.
Os  seres também  eram ótimos.
Mas um dia as boas  criaturas
quiseram conhecer o outro lado
e criaram o imperador  do mal,
e nomearam-no "O Renegado"´
Mas acharam que era pouco,
então inventaram codinomes:
diabo, capeta,  coisa-ruim,
cão,  capiroto, chifrudo, demo,
danado, dos quintos, excomungado,
satanás, tinhoso, satã, satanás...
Depois transformaram-no em deus,
deus das trevas...fundaram um império
e transferiram o inferno à dita criatura.

terça-feira, 8 de março de 2016

INTELIGÊNCIA

Segundo alguns dicionários,  a palavra
inteligência é a capacidade individual
de leitura de termo não explicitado
em situações contextuais ou não
ou conjunto de faculdades mentais
- raciocínio, juízo, imaginação, etc... -

Capacidades as quais se depreende
inerentes aos adultos em graus diversos,
ou  em crianças a partir de determinado ponto,
entretanto, às vezes, somos surpreendidos
por pirralhos com capacidade cognitiva
a nos deixar, digamos,... admirados...

Pois outro dia, proclamei um velho amigo
contemporâneo, da minha turma, de jovem
e o netinho ao ouvir aquilo, mais  que depressa,
disse: ele, da tua idade, te chamando de jovem
é porque  não quer passar por homem velho

quinta-feira, 3 de março de 2016

POIS ENTÃO!

Gente, março chegou!
Acho que ontem era janeiro
e nem vi fevereiro passar!
Façam alguma coisa para deter o tempo,
pois ele parece um trem descarrilhado!
Já me disseram que as pessoas bem idosas
não se preocupam com o andar da carruagem
porque raciocinam assim, deste jeito:
Ah, na contagem regressiva estamos no lucro
e cada dia a mais na nossa conta é bônus!



sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

CONDUTA MORAL

O   discurso dos progressistas vende
a filosofia de um mundo melhor;
sugere que a acomodação das melancias
ocorrerá com subida do proletariado
na rampa do poder;entretanto
depreende-se através do canto das sereias
que os valores clássicos escorrerão pelo ralo da história.

Mesmo que o mundo melhor
pareça, às vezes, apenas um conceito
ele existe e está ao alcance da  mão,
mas precisamos transmutar nossos hábitos
para adentrarmos no universo prometido.

O mundo melhor não está atrelado
a nenhuma religião, a nenhum partido,
a nenhum slogan ou sistema filosófico,
mas à  mudança de conduta,
diretamente relacionado com
a postura moral  retilínea.


quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

HORÁRIO DE VERÃO

Outro dia cheguei a pensar
que havia acabado o verão,
pois foi justamente quando
terminou o horário de verão.

Engraçado esse horário alternativo
que tem vigorado nos últimos anos:
começa cedo, no meio da primavera
e vai embora antes do verão terminar.

E não é só isso que encabula a gente,
pois tem estados isentos do sistema;
nesse tipo de filtro rotativo, arbitrário,
como se dentro do país outro país houvesse.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

ANIVERSÁRIO DA MINHA CASA - 244 ANOS

Moro numa cidade velha,
que às vezes parece nova
outras vezes parece outra.
Às vezes parece antiga,
menos antiga que as outras
que se tornaram velhas,
mas querem ser modernas,
entretanto minha cidade,
que há pouco era província
 tem um jeito diferente
das outras que eu conheço.
Ela mora ao lado do rio,
que na verdade é um lago,
que recebe quatro braços;
que eu chamo de estuário,
e o seria, sim, se não houvesse
uma lagoa entre o lago e o mar,
entre o rio e o mar para quem
ainda não assimilou a ideia
e reitera que o nosso lago é rio.
Esse rio, esse lago,  esse processo
de água doce, trouxe os açorianos
para perto do Gasometro, ali
onde engendraram Porto Alegre;
então ela desceu devagar as curvas
do rio, a orla do lago para o sul,
para o norte e depois desgarrou
 para os lados de Viamão





O TEMPO

Este ser invisível, o tempo,
vai passando
e a gente rodando com ele.
Não vemos o rosto do tempo
se transformar em outro
como acontece conosco...

Às vezes fico pensando,
que o tempo é uma ficção,
que a nossa vida é mensurada
através das lacunas do espaço.
Acho  que o tempo transcende
a imaginação dos poetas.

QUANDO A GUERRA VAI ACABAR ?

Tantas coisas que chocam o forasteiro
neste nosso país desgovernado
já não mexem nais conosco,
porque nos habituamos,
com o desleixo,
com o descaso,
com o roubo,
com o crime.

Acho que estamos
em estado letárgico
e já não esboçamos
nenhuma reação
diante das mazelas.
Parece que o crime
virou banalidade.

Nas poucas vezes em
que nos manifestamos,
tomamos as dores
dos arruaceiros,
dos baderneiros,
dos parasitas.

Se refletíssemos por cinco minutos,
certamente nos daríamos conta
de que não está tudo bem,
hajam  vistas os números
de pessoas assassinadas
a cada ano que passa.

Duas, três, cinco, dez
mortes diárias nas cidades
grandes e médias
acumulam o somatório
de mais de cinquenta mil
assassinatos por ano.
São baixas  de guerra,
mas os governantes,
políticos, autoridades
e a grande mídia
encaram essa chacina
como se fossem
números estatísticos



sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

TALVEZ

Talvez você pense que todas ideias envelheceram
que todas as sinfonias já foram compostas
que todas as músicas já foram criadas
que todos os livros já foram escritos
que não há mais nada para ser dito
que todas as músicas já foram ouvidas
que todas as árias perderam o sentido
que todos leitores estão de ressaca
que viramos analfabetos funcionais

ou................................................

Que tudo pode ser reinventado
que o novo é o aqui e o agora
que o passado é uma palavra
que o futuro é uma miragem,
o  tempo talvez um delírio
e a arte, uma licença poética.




quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

SEGREDOS II

Meu amigo contou-me outro dia
que em visita  à família no interior,
a mãe confidenciou: meu irmão
está doente, atestado de morte,
mas não comenta com os outros
para não preocupar os parentes...
Meu amigo é daquelas famílias
grandes, componentes próximos,
natural, nas cidades pequenas...
E a cada visita, no final o pedido
de tios, primos, sobrinhos, afins:
falo por obrigação do parentesco
para ficar entre nós, em segredo,
o João está com os dias contados...
Por fim, na visita ao velho João,
ouviu isso da boca do  doente:
meu sobrinho, te contarei um segredo!
- que está doente, meu tio?
- guri esperto, leu no meu rosto,
pois os daqui, inocentes, coitados,
ainda não sabem de nada!

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

SEGREDOS

Até que ponto conseguirá um vivente
ser mantenedor de algum segredo,
deixar algo quieto sem revelá-lo,
de repente, quem sabe, por uma existência?

Se alguém te contar algo
 e pedir que mantenhas secreto,
 será que tinha o desejo do oculto
ou queria que tu desses com os dentes?

sábado, 13 de fevereiro de 2016

A VERDADE

Eu gostava de ouvir os experts,
os esclarecidos, os doutos, os sábios;
gente com conhecimento das coisas,
porque meu quinhão de certezas é estreito

Mas de repente me enxotaram do sarau,
porque aqueles nobres senhores estudados
não permitiram que a minha ignorância
questionasse a verdade suprema dos alfarrábios

Acho que não existe o dono da verdade
E a verdade também pode ser uma utopia
Talvez o pretenso conhecimento a respeito
seja apenas interpretação pessoal do tema.


quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

ETA, SOMOS BRASILEIROS

Mais um carnaval que passou
Mais um ano que começa
Agora que a festa acabou
é hora de sacudir o esqueleto

É hora de retirar a poeira dos olhos
Apanhar o velho paletó do armário
Esquecer a canseira de não fazer nada
Arregaçar as mangas e ir à batalha.

Hora de pagar o colégio da prole
Comprar os cadernos da escola pública
Refinanciar as pendências das férias,
pois somos brasileiros e gastamos antecipados.

Hora de empurrar com a barriga
as parcelas dos cartões atrasados.
Começar agora, meio sem jeito,
a contagem regressiva para o Natal.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

AJAMOS POIS

Seria inútil, certamente, pedir
à Inteligência primordial,
criadora dos mundos,
a retida dos nossos defeitos,
porque a limpeza da nossa casa
é tarefa pessoal e intransferível.
Ainda que leiamos a vida inteira
o livro, a palavra a revelação
objetivando o nirvana
será perda de tempo
se não praticarmos
a mudança de atitude
corregedora dos hábitos
arraigados pelas eras.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

ARAÇÁ

Hoje, vi numa rua desta cidade
uma árvore carregada de frutos
que maturarão no futuro próximo,
mas passarão despercebidos
das pessoas muito ocupadas
que passam sempre por aqui
porque elas não têm tempo
para se encantarem à toa
com essas coisas simples
naturais de outras épocas
quando a vida escorria lenta
e até o  tempo às vezes parava,
olhando o espaço em torno,
ficava contando pra a gente
histórias como esta  que vos falo...


terça-feira, 26 de janeiro de 2016

VIOLÊNCIA SEM FIM

Apesar de as autoridades governamentais
nos chamarem de alarmistas toda a vez
que nos queixamos da violência diária
a qual tomou conta da nossa cidade,
de outras cidades, deste nosso estado,
de outros estados; enfim, deste país...
seria atitude de insana leviandade
não lamentar esta grade de miséria.
Estamos dentro de uma guerra civil
onde são assassinadas 50  mil pessoas
por ano...eis as últimas estatísticas...
Lembro-me  que há cinquenta anos
ocorriam sete ou oito assassinatos
em média por mês aqui neste estado.
Pois  neste último  fim de semana,
de sexta-feira a domingo, ocorreram
trinta assassinatos aqui no R G do Sul...

sábado, 23 de janeiro de 2016

PRECISAMOS EXERCITAR A CONSCIÊNCIA

Dizem que a razão da bagunça
reinante no continente brasilis
reside na ausência de leis
adequadas às circunstâncias
do modus operandi nativo
onde todos miram na vantagem
e se dizem eternos injustiçados;
o rico porque paga muito imposto,
o pobre porque ganha pouco,
o vagabundo porque o enxotam,
o ladrão porque o perseguem,
 os eleitores porque foram enganados,
entretanto nunca deixam de votar...
Minha gente, leis as temos,
 o que nos falta na verdade não falta.
Precisamos apenas exercitar a consciência...
Se por ventura fôssemos conscenciosos
seríamos honestos, dignos, solidários...
Uma vez no comando dessa virtude
não haveria mais desvios de conduta.





quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

VIDA

Quando uma vida é ceifada por motivos torpes
a raça humana desce um degrau na escala
que deveria conduzi-la na direção das estrelas.

Quando uma vida  é assassinada estupidamente
por mãos, ditas humanas, de indivíduos belicosos
regredimos alguns quilômetros na escalada evolutiva

Quando um homem encontra motivos para matar,
é porque, com certeza, ainda não aprendeu nada:
um ser às cegas, à mercê de uma mente distorcida.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

À MEMÓRIA DE RODRIGO

Meu filho faria hoje trinta anos
Meu filho faz trinta anos hoje
Eu abraçaria meu filho agora
Eu  estou abraçando meu filho
Meu filho partiu faz tempo
Meu filho está aqui dentro
 onde nós carregamos
os amados que partem antes.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

OS CRAQUES

Minha geração viu o futebol romântico
época do ouro do balé sincronizado,
no velho reinado da arte pela arte.
quando Pelé, Garrincha , Didi,
Tostão, Gerson, Rivelino
bailavam pelos gramados...
Os craques não acabaram
hajam vistas os últimos ídolos:
Ronaldinho, Cristiano, Messi
encantando  as plateias do mundo
Mas, então, o que mudou?
A fôrma é a mesma, mas
mudou a forma, a grana
a mídia;enfim, ...o futebol
dos astros vai parar  em Hollywood



terça-feira, 12 de janeiro de 2016

NAQUELE TEMPO

Houve tempo em que a poesia
coçava-me  a ponta dos dedos
quando esquecia de conduzir
o lápis e o bloco de rascunho,
daí então por vezes riscava
as estrofes febris na areia...
Os transeuntes despreocupados
passando ao lado das garatujas,
acho que pensavam consigo:
um louco passou por aqui!

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

POIS ENTÃO

A natureza anda mesmo alterada:
seja em virtude da ação humana
ou  por alguma razão filosófica
por nós ainda não compreendida.
Verdade que as estações agora
alternam periodos  incoercitivos
com a norma antes estabilizada
e a tabela do padrão climático
foi para as bandas da imprevisão.
Antes, sabíamos  que as flores
brotavam aqui no sul da América
no início do mês de setembro
e partiam lá pelo fim de outubro
Pois no último ano a primavera
teve o ensaio florido em julho
mas quando ela veio de fato
as flores já tinham ido embora.
Entretanto no mês de dezembro
alguns jacarandás floriram
e outras espécies também
vestiram flores temporãs...

domingo, 3 de janeiro de 2016

A REDE

Fazendo um exercício mental inútil
imaginemos à época do passamento
dimensional do filósofo Mcluhan,
se o pensador canadense houvesse
passado por congelamento....
e despertado agora na segunda
década do século vinte e um,
qual seria a reação do pai
da teoria da Aldeia Global
vendo o mundo conectado
através da grande rede?