quarta-feira, 17 de agosto de 2016

ERA UMA TARDE

Era uma tarde de agosto e rolava
um vento macio ao encontro
da minha pele hibernada,
e eu era outra vez um neófito
catando lembranças na relva.

Era uma tarde calma e amena
dessas que a gente esquece
do ruido que vem da rua,
quando o silêncio da alma
nos leva lá  para o  oriente.

Era uma tarde de azul celeste
tipo aquelas que guardamos
no rol das boas lembranças
e as coisas esquecidas voltam
como se a gente fosse criança

Era uma linda tarde  dourada
daquelas que a gente esquece
que o mal ainda existe,
porque o mundo pode ser bom,
e só depende de nós, seres errantes.









9 comentários:

  1. Oi, amigo Dilmar,
    O problema é que o mundo pode melhorar bastante, mas depende da sanidade de 7 bilhões de inquilinos e que a cada ano a estimativa é aumentar 77 milhões/ano de novos invasores! Portanto as chances de um mundo como gostaríamos são pequenas...rs

    Gostei muito do começo de cada verso: 'Era uma tarde...' essa repetição dá muita força, além de ficar ótimo! Adorei.

    (...) 'Era uma linda tarde dourada
    daquelas que a gente esquece
    que o mal ainda existe',

    Abraço invernoso - domingo vai esfriar muito por aqui!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Tais, obrigado pelo carinho. Pois é, o inverno volta domingo, mas nada a fazer, pois está dentro do script. Um abração. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  2. Poema lindo e ternurento, me encantei lendo Dilmar...lindíssima inspiração, parabéns!!! abraços, ania..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ania amiga, obrigado por vosso carinho. Um abração. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  3. Como já disse a querida Tais, só depende de nós, e aí é que está o problema, nem todo mundo reflete uma possibilidade de mudança dentro de si, mas o poema, o poema é lindo meu bom amigo Dilmar.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo Jair Machado, obrigado por vossas palavras amigas e carinhosas. Um abração. Tenhas um ótimo fim de semanaç

      Eliminar
  4. A minha tarde

    Era uma tarde aquecida apenas
    Restos dos dias gelados, talvez
    Aliás soprada de brisas serenas.

    Utópica, calma na sua pequenês
    Mas, com perspectivas amenas
    Agora ocupando seu lugar e vez.

    Também pintada de azul celeste
    Assim fluindo sem preocupação
    Resiste o sol que se põe a oeste
    Deixando albores de seu clarão
    Então, de escuridão total se veste.

    ResponderEliminar
  5. Pois é, amigo Dilmar, essas tardes, com o sol caminhando para o poente, dando-nos o presente do vento, pode dar-nos a calma que precisamos para nossas batalhas diárias. O segredo está no olhar.
    Bom final de semana.
    Um abraço.

    ResponderEliminar