sexta-feira, 5 de agosto de 2016

SAMSARA

Já disseram:
o homem é bom,
nasce puro
mas o meio o corrompe.
O homem é mau
e está condenado
à danação eterna.
Achamos que o ser
nasce com tendências
positivas e negativas,
mas está no comando,
e será um homem
ou um repolho
disse um ateu.
Mas nós sabemos
que a nossa meta
é a santidade,
que será alcançada,
após muitas voltas
na roda de Samsara.





3 comentários:

  1. Olá, Dilmar.
    A roda de Samsara lembra-me o fatalismo do destino anunciado por minha avó - doutorada nos conceitos da espiritualidade e vida sob os mais diversos ângulos que se completavam e, às vezes, debatiam-se numa eterna vontade de explicar tudo o que fosse comportamento da criatura.
    Facto é, que em relação ao nascimento e à morte, na sua essência, nada se pode alterar: poderá ser adiado o seu momento, mas não evitado.
    Em relação a muitas outras vivências, também não faço parte do grupo que defende que "o destino está em nossas mãos", porque dependem de muitos factores e não apenas da escolha do indivíduo.
    Quanto a ser bom ou mau, a justificação da essência humana... dá tanto que pensar e analisar.
    Por hoje, quero crer...
    Mas entre o querer e o ter...
    Santidade como meta - lindo.
    Que se consiga o meio de acelerar as voltas da roda...
    A humanidade tem pressa, meu amigo.

    um abraço fraterno de Portugal

    ResponderEliminar
  2. Bom dia
    Belo poema, como nos habituou!

    Beijo, bom sábado.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Acróstico

    Santidade que busca o vivente
    Além, depois do horizonte está
    Mas no decorrer, homem sente
    Sobre o solo da Terra, mais há
    Assim, na sua busca fremente
    Recorre as mandingas e patuá
    Atrás de um caminho diferente.

    ResponderEliminar