quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

TEMPO/ESPAÇO

Mais um ano indo embora
para que outro ano venha
 nos conduzir pelo tempo
Mas nossa trajetória ocorre
nos parâmetros do tempo
ou nas lacunas do espaço?


Enfim, seja como for, desejo a todos: amigos conhecidos e desconhecidos;
amigos de toda ordem, aos inimigos se por acaso alguém considerar-se assim,
um feliz e maravilhoso 2016.

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

VERSOS

Naquele tempo,  os versos
andavam em meu redor;
éramos quase íntimos:
deles, eu pouco sabia,
mas de mim sabiam
eles mais da conta...
Apesar da proximidade,
eles guardavam coisas
distante do meu alcance,
segredos que ainda hoje
eu tento decifrá-los...



sábado, 26 de dezembro de 2015

IDEIAS...

Eu ouvia isso quando jovem:
cabelos longos, ideias curtas
e pensava comigo; nada a ver!
Mas os cabelos perderam o viço
rarearam, embranqueceram...
Pois é, por  que era importante
manter as melenas longas?
Isso é cultura ou "curtura"?
Bem, acho que havia pouca
bagagem dentro da gente,
daí a necessidade imperiosa
de compensar a carência,
através de um grito inaudível...

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

É NATAL, MAS...



Pretendia falar só de coisas boas
Nesta véspera de mais um Natal.
Gostaria de poder recitar o canto
de um povo contente e satisfeito
com o nível das coisas públicas,
resultantes de bons governos;
honrados, decentes, honestos.
Gostaria de falar em voz alta:
minha nação é um exemplo
a ser seguido pelos povos.
Entretanto, isto não é possível
porque a decência  foi embora
e credibilidade perdeu o sentido,
para a laia que nos governa.

domingo, 20 de dezembro de 2015

VIDA

O clérico admoestava a clientela
invisível da catedral às moscas:
necessário a brandura de espírito,
sobretudo nestes tempos árduos
de violência bruta por  toda a parte,
quando almas boas são ceifadas,
muitas vezes por motivos torpes.
O sacerdote embriagado com as palavras,
vermelho, reiterava com a voz empostada:
a existência é o grande bem doado pelo pai,
portanto toda a forma de vida é necessária
e imprescindível no projeto da criação...
Mas eis que de repente, no meio da prédica,
o religioso apavora-se, porque algumas abelhas
adentram o recinto, voando em sua direção...
Então, o homem de Deus ordena espavorido:
Meus filhos, matem estas pragas!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

ESSAS CRIATURAS

Poemas são criaturas insubmissas
que não aceitam assim, à revelia,
a ditadura imposta pelo escriba;
transformando-os em marionetes
para regalar-se com os assédios
da galera consumidora de signos
da nossa inculta flor do Lácio.
Falando assim grosso modo
parece que poema tem alma.
Bem, disso certeza não tenho,
mas capricho, ah, isso eles têm!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

A LAMA

Os olhos do mundo assistem atônitos
a lama do rio escorregando na direção
de outros rios, contaminando os vales,
conspurcando tudo  por onde passa,
matando a esperança, a qual era pouca.
A lama, a lama, a lama, a lama, a lama...
a lama soterrando tudo pelo caminho...
Pior que a lama que os olhos veem
é a lama invisível que está à nossa volta,
esta  que denigre o Congresso Nacional,
que impera  neste país há muito tempo,
que governa de norte a sul, de leste a oeste,
que transita nas mentes dos prevaricadores,
nos conglomerados privados sórdidos,
nas cabeça dos espertos-burros ególatras...



terça-feira, 8 de dezembro de 2015

TEMPOS HODIERNOS

No meio tarde, de cheiro de éleo diesel,
da primeira segunda-feira de dezembro
um rapaz conduzia o filho no carrinho,
aos solavancos, pela calçada esquerda,
da  congestionada avenida Farrapos
sentido Humaitá →Centro Histórico.
Dir-se-ia que o homem carregava
no  veículo pontual  dos lactantes,
um saco de batatas ou quem sabe
algum item comprado na ferragem,
pois empurrava o dito protótipo,
distante, manipulando o celular...
concentrado na galáxia digital.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

TEMPOS MODERNOS

A festa estava bombando
mas os pombinhos ansiosos
queriam  que a farra acabasse
porque a noite então seria deles
no  quarto de núpcias do hotel
Mas, paciência, festa de casamento
é assim mesmo, sem hora para acabar
Os convivas enchendo o pandulho,
sem vontade de irem embora...
O casal fugiu pela porta dos fundos...
 Mal adentrando no quarto, ela pergunta
- Tu estas bem? Parece um pouco pálido.
- É. Aborrecido, porque esqueci do tablet!
- Amor, também estou mal, ela disse,
pois acho que perdi o  meu celular!
- Amada, resolveremos  a questão agora,
as lojas dos shoppings ainda estão abertas...


segunda-feira, 30 de novembro de 2015

QUESTÃO DE HÁBITO

Hoje lembrei novamente do velho Raul,
criador de músicas para situações diversas,
mas no  momento,   o assunto em questão
trouxe-me à mente "Agora vou reclamar".
Lembrei, porque estão reivindicando
 coisas além da alçada do reclamante
Estão indignados com a versatilidade climática.
Gritam que setembro choveu mais da média
e outubro exagerou nos vendavais,
que agosto vestiu-se com o calor do verão,
mas em novembro o ar refrescou sobremaneira...
Acho que gastamos energia sem necessidade,
pois quero crer que o autor das demandas, o tempo,
é o executor neutro, que não pensa, não vê e não sabe...

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

COMPRAS.

A moça falida
chamou o consultor
das gentes endividadas
para administrar o problema
que lhe tirava o sono no momento.

A saída encontrada
pelo especialista de plantão:
renegociar as contas pendentes
 quebrar os cartões de crédito
e fugir das compras por um ano.

Acontece que essa menina
um ser assáz compulsivo,
pessoa que todo santo dia,
exercitava o ato de compra
para não morrer de tédio.

Sugestionada pelo especialista,
em face da falta de recursos,
a moça faz, agora, compras simbólicas.
Ela sai das lojas com lágrimas no rosto
após comprar  uma bala de hortelã.



segunda-feira, 23 de novembro de 2015

A PSIQUE

Parece que a psique é uma intrusa
a conduzir o barco pelas enseadas
das águas nebulosas  da existência.
Os arquivos brancos, levianos,
seduzidos por lavagens cerebrais,
escamoteadas sob o lema do terror
lembram a deixa do velho Machado
lá no conto/novela "O Alienista":
a mente humana e as "ilhas de loucura"
Indivíduos se explodindo ao léu
para que o medo subverta tudo
sob o manto da fúria e do ódio.



quarta-feira, 18 de novembro de 2015

FERNANDO PESSOA DIRIA: ASSIM NÃO!

O eminete palestrante
discorreu sobre os esteios
do pensamento humano
desde os pré-socráticos
passando por Platão,
Voltaire, Rosseau,
Nietzsche, Sartre...
e a seleta platéia
permanecia muda...
dir-se-ia: que juventude
tão concentrada
no templo do saber.
O filósofo, já sem voz,
incitou a audiência
às perguntas,entretanto,
o silêncio continuava...
O catedrático desceu
do coreto, caminhou
pelos corredores,
aos berros:
o que vocês estão fazendo aqui?
E a resposta uníssona:
estamos navegando!



segunda-feira, 16 de novembro de 2015

O INQUILINO

Quando as almas pioneiras
desceram neste mundo,
o planeta pensou consigo:
agora tenho companhia.
Partilharei minhas reservas
com o irmão bem-vindo.
Será o fim da solidão
de milhares de séculos
Certamente seremos felizes
dentro das nossas possibilidades.
Mas a terra logo ficou apreensiva
ao perceber a voracidade do inquilino,
devorando uns aos outros.
Pior que era apenas o começo,
porque depois o parasita
alojou-se nas entranhas do hospedeiro
e foi destruindo o pelo, a pele,
a carne e as artérias do anfitrião.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

BOBAGENS

- Boa sorte, meu amigo.
- Tenhas um bom dia,
eis a troca de afetos
entre dois vizinhos,
mas surgiu o terceiro
jogando água no vinho:
hoje é sexta-feira 13,
é bom ter cuidado:
não passar sob escadas,
fugir do gatos pretos
e dos tresmalhados.
Se à sua frente pintar
aquele redemoínho,
assim, vindo do nada,
quem sabe se de repente,
seja talvez o Capiroto?
Ai veio a vizinha
tipo meio desacordada,
falando: então está explicado
o motivo do pesadelo
que tive agorinha mesmo,
digo, enquanto dormia,
quando sonhei com o cabrito!
Nesse ínterim desce o síndico,
falando, assim, desenxabido:
hoje não fico no apartamento!
- Por que?  Perguntaram os quatro
- Então, vocês esqueceram,
que eu moro no décimo terceiro!


quarta-feira, 11 de novembro de 2015

AÇÃO

À medida que envelheço vou ficando chato
porque o mundo me parece fora dos eixos.
Antigamente quando ouvia os reclamos
das pessoas inseridas na faixa etária
na qual me encontro, pensava comigo:
quando ficar maduro, serei diferente!
Foi engano. Estou igual àquela gente
que eu criticava por excesso de zelo.
Pior de tudo que é tempo perdido,
porque não mudaremos o mundo
com palavras, teorias, pensamentos
dissociados de atitude, de ação.

domingo, 8 de novembro de 2015

TEMPO, OBSERVADOR PRIVILEGIADO

É praxe afirmarmos
que determinado indivíduo
foi observador acurado
dos acontecimentos da época
que foi testemunha ocular
de uma fração temporal,
entretanto, nada, comparado
ao observador privilegiado,
por excelência, que tudo vê,
mas guarda consigo
os segredos acumulados:
o "Senhor Tempo"


quinta-feira, 5 de novembro de 2015

OLHA GENTE...

Hoje, abro esta cronica poética
fazendo uma reclamação pública
e prestando uma homenagem
a um jornalista do passado,
o ilustre Sr. Lauro Quadros,
o qual abria seu comentário.
na velha,  Rádio Guaíba,
de segunda à sexta-feira,
com o bordão: "Olha gente!"
Pois, olha gente, o que fizeram
ou estão deixando que façam
com a nossa Rua da Praia!
Cadê a administração desta cidade,
que permite a descaracterização
da nossa rua cartão postal?
Poluição visual e auditiva
imperam nos quarteirões
entre a Dr. Flores e a Rua da Ladeira
detonando o charme de outros tempos.
Nosso alcaide estaria, por acaso, surdo
e os nosso edis cegos?


terça-feira, 3 de novembro de 2015

POIS É!

Naquele tempo quando a prof
chamava a classe ao dever
a gente respondia unissono:
sim, prezada mestra!

Algumas décadas depois
a categoria estava nem ai
e contrafeita respondia:
vê se não enche!

Agora, cada um com seu celular
a navegar pelas rede todo tempo
quando compelidos às falas,
a reação é direta: vai à m...

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

DIA PARA REFLETIR

Finados, dia de lembrar
nossa eternidade relativa,
dia para lembrar de que
não ficaremos para semente,
mas que passaremos somente,
por aqui, tal qual passa o vento..


quarta-feira, 28 de outubro de 2015

O TEMPO E A NOSSA FEIRA

Estamos condicionados à correria dos dias  atuais
de tal modo que já não antegozamos à expectativa
de datas, efemérides, ocorrências  festivas marcantes,
como era  a praxe dos tempos que ficaram no pretérito.

Mal os anos começam e já estamos no mês de março
para em seguida depararmo-nos com  o inverno de julho.
Agosto, setembro, outubro  cruzam o horizonte às carreiras
e mal percebemos se as flores ainda visitam a  primavera.

Pois ontem ao passar em frente à praça da Alfândega
e ver os stands montados para a Feira do Livro
que vai começar no próximo dia trinta de outubro
cheguei a pensar que estava acometido de delírio

Entretanto, o bom da história é que a imagem é real,
eu que pensava que era cedo, fui traído pela ausência
das flores dos jacarandás que acompanham o evento,
pois este ano elas vieram mais cedo e já foram embora.


segunda-feira, 26 de outubro de 2015

QUE PAÍS É ESTE?

Minha esposa se chama Sheila
O nome do meu sobrinho é Michel
Meu compadre assina Alain Delon
Meu colega de trabalho é John Lennon
O fornecedor de materiais do escritório,
onde lavoro meus velhos dias,
tem o épico nome de John Waine.
A coisa não fica apenas por ai,
todo o dia ouço uma coletânea
de nomes ingleses, franceses, italianos...,
mas de gente nascida aqui na terra.
Mesmo sem intenção de praticar bullying,
pergunto:  por que tanta importação?
Temos vergonha de assumirmos o que somos?




sábado, 24 de outubro de 2015

TUDO VIRA EM PIZZA


A pizza não não nasceu no país da bota
como é apregoado por ai,
mas lá no remoto domicílio do faraós.
O povo hebreu também a conhecia,
mas pelo nome de pão de Abraão.
Depois passeou pela Turquia e adjacencias,
e durante as cruzadas desembarcou na Itália,
mas no século dezenove os italianos a revestiram
de cobertura moderna e colorida e a exportaram
para o deleite de outros povos do mundo.
Aqui no Brasil ela é bem tolerada por toda gente,
mas os políticos, de modo geral, a amam demais.
Qualquer dia trocarão o nome do congresso nacional
para o festivo nome de Pizzaria Brasil.


quinta-feira, 22 de outubro de 2015

EU VOS PERGUNTO

Foi dito: meu governo é limpo
não há corrupção no aparelho
e os suspeitos estão na cadeia,
mas suspeitos de quê?

Se a pureza impera no estado
por que tanto alvoroço no ar?
Estaria a mídia, por ventura,
fabricando a boataria?

O que significa a delação premiada?
Seria uma tentativa da desonestidade
criar uma estrutura de lama em torno
dos honestos para desmoralizar a lei?

Mas se não há mácula no sistema,
por qual motivo premiar a delação?
E por outra, seriam os delatores
histriônicos exercitando seus dotes?


segunda-feira, 19 de outubro de 2015

VOLATILIDADE DO TEMPO

Quando morreu o precognicionista
daquele homem do tempo do jornal
este passou a beber em outras fontes
Se os os caminhos que conduzem
aos santos e a Deus são os mesmos
então porque não ousar?
Pois nosso homem da climatologia
agora recebe previsões de São Pedro,
padroeiro do clima/tempo,
através de emails, pela Internet
Mas de repente o santo não dá sinal
levando o jornalista ao desespero e às rezas
Após centenas de orações o santo responde:
agora só me manifesto pelo WatsApp!




terça-feira, 13 de outubro de 2015

CHUVA É BOM, MAS DEMAIS...

Após vários dias escuros
sendo cumprimentado pela chuva
fui surpreendido, hoje de manhã,
pelo sol dando-me bom dia

Mas segundo os meteorologistas
amanhã voltará chover bastante
aqui na região metropolitana
já embaraçada pelas cheias.

Eu amo chuva em condições normais,
mas agora a situação está periclitante.
As águas do Rio Guaíba estão subindo
e com mais caldo poderão transbordar.

A mídia até está remexendo nos arquivos
de duas cheias históricas aqui de Poa:
a de sessenta e 67 e a de quarenta dois.

Por motivos óbvios lembro-me apenas da última
quando o velho Guaíba espraiou pelas ruas adjacentes
criando um clima de filme de dilúvio.

Em quarenta e dois eu ainda não estava aqui, nasci depois,
mas dizem as águas do lago, enfurecidas, invadiram a cidade
que os barcos  conduziam as pessoas pela rua da Praia.

Nota. Aviso aos navegantes: a água já transbordou em alguns locais próximos ao Rio Guaíba (na verdade, nosso rio é um lago, belo lago,  mas é chamado de rio), já transbordou na zona sul, Bairro de Ipanema e arredores, no Cais, partes da Voluntários, etc... No Centro Histórico, na volta do Gasômetro a água já cobriu em espaço considerável.
Não conheci a cheia de quarenta e dois, pois nasci em 52, mas vi alguns vídeos estarrecedores em  que a água tomou boa parte da rua da Praia, aquela parte junto aos quartéis, a  Av. Mauá, Siqueira Campos, 7 de setembro, inclusive a praça da Alfândega, enfim, ali era extensão do rio, naqueles dias.
Pior que alguns sites preveem para 4ª e 5ª feira mais 100 milímetros de chuva aqui para Porto Alegre e proximidades. Imaginem, se a situação já está critica, com mais água, então?








sábado, 10 de outubro de 2015

NÃO ESTAMOS PRONTOS

Agremiações, clubes, seitas separam;
religiões, partidos políticos discriminam;
sistemas modernos excludentes em si mesmos.

As linhas das fronteiras, são tapumes artificiais,
elaboradas  com o fito de seccionar tribos
porque o homem ainda não está pronto.

As aglomerações das cidades grandes
produziram os guetos isolacionistas,
encurralando o ser à solidão das multidões.

Ainda temos de percorrer um longo percurso,
até nos depararmos com o homem consciencioso
o qual vive adormecido dentro de cada um de nós.


quarta-feira, 7 de outubro de 2015

CHUVA, LIMPA NOSSA VERGONHA

A chuva fina descendo das nuvens,
gotículas translúcidas se desprendendo
das folhas das palmeiras centenárias,
as mesmas árvores que acompanharam
as transformações seculares da cidade...
Sob os auspícios do chuvisqueiro
transborda uma torrente de queixas
contra o sistema político-administrativo
extraviado em um mar de corrupção,
incompatível com o processo civilizatório,
mosaico surrealista ao olhar atônito
do cidadão incrédulo não conivente
com a cartilha remendada, enxovalhada
de normas obsoletas, leis refratárias,
incapazes de limpar o modus-operandi
alicerçado na política da troca de favores
entre os amigos do rei - inimigos da pátria -,
que sortearam lotearam, ratearam as fatias
do poder, renovado - entre aspas -
através do faz-de-conta sufragado nas urnas
por meio de bilhetes viciados...
Ainda que troquem todos os nomes, mudem todas as caras
criem novos partidos, mudem o sistema negocial;
tudo mudará, ficando igual, não mudando,
porque a mudança necessária é simples,
mas de uma simplicidade ASSUSTADORA:
a mundança de consciência: a trilha do CARÁTER.

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

GUERRA, INFELIZMENTE ELA AINDA EXISTE

O general, pensador Zun Tzu disse
há muito tempo: "A suprema arte
da gerra é derrotar o inimigo sem luta"
Entretanto, o que temos visto na prática
é a proliferação da luta armada com o objetivo
de dobrar o outro que pensa diferente do agressor.
O poeta-escritor-humanista Hermann Hesse afirma:
A paz não é um estado primitivo, nem uma forma
regulada pelo acordo. A paz é algo que não conhecemos,
que apenas buscamos.
Mas a paz não deve e não pode ser apenas um ideal!



quinta-feira, 1 de outubro de 2015

120 ANOS NÃO PARA QUALQUER UM

Hoje saúdo um ilustre porto-alegrense
nascido em primeiro de outubro de 1985,
ente luminoso dos meus dias juvenis,
portal de conexão com o desconhecido
O velho róseo da Caldas Junior
chegava cedinho na minha casa
para ser folheado, lido, degustado.
Lembro-me da concorrência impressa,
da Última Hora, do Diário de Notícias...
velhos bons jornais daqueles dias,
entretanto não possuiam o glamour
e a credibilidade do Correio do Povo...


terça-feira, 29 de setembro de 2015

JOGO

Já falei  por vezes neste modesto espaço
que quando distraídos em pensamentos
desalinhados em relação à dialética
 dissemos ao léu  que a vida se parece
com um jogo de cartas programadas
para o jogador entrar pelo cano
Mas se perdemos, quem ganha?
Neste caso não haverá vencedores
porque se perdemos ou ganharmos
sempre será em relação a nós mesmos!

sábado, 26 de setembro de 2015

CARLOS SEVERO

O jovem Carlos Severo surpreendeu os incrédulos
que apostam na sistemática degradação moral,
defensores da tese: " O homem é o lobo do homem".

Dizem os pessimistas, aqui e acolá, que a doença
contemporânea da falta de caráter e honestidade
já se transformou em epidemia endêmica e incurável.

Impossível ignorar o quadro de enfermidade geral,
deturpador da consciência dos pacientes instáveis,
que primam pelos caminhos escuros da existência.

Entretanto, erro seria generalizar comportamentos,
lembremos, pois, de um dos vários motes do velho
Nelson Rodrigues: "Toda a unanimidade é burra".

Chegamos, no jovem porto-alegrense,  Carlos Severo,
o qual através de uma  atitude  desapegada e solidária
nos mostra que é possível e salutar caminhar na via reta.



quinta-feira, 24 de setembro de 2015

AS CORES

Eu aprendi que a cor dos cabelos era
preto, branco, castanho, loiro, ruivo,
grisalho, albino, dourado...
Que os olhos eram escuros, castanhos,
claros, mel, da cor do mar...
Mas isso faz tanto tempo,
porque agora existe cabelo azul,
vermelho, amarelo, abacate...
Também criaram as lentes
que produzem olhos transgênicos.

terça-feira, 22 de setembro de 2015

JUVENTUDE


Lembro-me das manhãs de setembro
embaladas na voz da cantora  Vanusa;
 havia sol, havia o perfume inebriante
das flores coloridas daquelas primaveras,
 havia garoa, chuva, neblina naqueles dias,
e não tinha importância porque éramos felizes
éramos felizes e nem sabíamos quer éramos,
 porque talvez a felicidade seja isso mesmo:
uma coisa sem nome, uma leveza de alma,
um estado de espírito entrelaçado  com a
juventude, estação  luz da nossa existência.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

O MUNDO DENTRO DO MUNDO

somos   um pedaço do mundo,
compostos de átomos e moléculas
comuns ao sistema galático
Não somos um mundo paralelo
como por vezes se nos parece,
mas um mundo dentro do universo.
Não somos um corpo estranho
girando em volta da cauda,
à revelia das leis cósmicas.
Somos receptores/transmissores
da energia que propulsiona
o sol, a lua, as estrelas...

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

MATANÇA

A frieza de determinadas almas
impressiona-me sobremaneira.
Parece inverossímel que  haja
indivíduos gélidos, perversos
matando gente  assim por nada
hajam vistas o número de abates
registrado nos últimos meses.
Aqui na região metropolitana
houve mais de mil homicidios
desde janeiro de dois mil e quinze,
números que já não impressionam
porque estamos nos acostumando
a conviver com a guerra civil.





terça-feira, 15 de setembro de 2015

A PROFUNDIDADE DA MENSAGEM AINDA NÃO COMPRRENDIDA

A toda a hora lemos ou  ouvimos
notícias  de mais uma seita na praça,
 propagando o conteúdo  Crístico.

Todo o dia é construído um templo
para a adoração do filho de Deus
entretanto ele é avesso à idolatria.

Jesus  nunca pediu que o aplaudissem,
pelo contrário; foi claro, cristalino,
quando disse: amem uns aos outros.

Cristo não pregou nos templos,
 mas parabolava na viela, na praça,
na rua, na praia, na montanha.

O Mestre nunca falou para  filosofar,
politicar, propagandear, elocubrar.
Disse apenas: transmitam a boa nova.


domingo, 13 de setembro de 2015

IDENTIDADE

Quando pensávamos que o inverno
havia abdicado do seu governo
fomos surpreendido nesta semana
com o retorno das temperaturas baixas.

No momento em que  frio se despede
carregando suas tralhas para outra parte
nós, sulistas, deste país continente,
ficamos com a sensação de excluídos.

Embora, às vezes, pareça ruim
a chuva fria, a geada, o vento
a estética do frio é a nossa marca
identifica o nosso jeito de ser.

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

SUICÍDIOS

O contingente de suicidas tem aumentado sobremaneira
apesar das surradas campanhas (entre aspas) em prol da vida
ao mesmo tempo em que indivíduos de vontade frouxa
são sistematicamente induzidos ao suicídio através da morte lenta.

Em boa hora foram abolidos comerciais de tabaco
que insfestavam as grades televisivas do mundo
entretanto proliferaram os espaços comprados
para convecer os incautos ao consumo do álcool.

De que adianta órgãos governamentais promoverem
campanhas (tímidas) contra as drogas proibidas
enquanto, distraidamente, fecham as pálpebras
e abrem as janelas  do cartel das drogas lícitas?


terça-feira, 8 de setembro de 2015

A PRIMAVERA ANTECIPADA

Este ano a primavera veio em agosto
colorindo as praças e ruas da cidade
como há muito tempo a gente não via.

Nestes tempos de climas alterados
adaptemos- nos ao cardápio do momento,
melhor curtir, sem culpa, o que a casa oferece.

O Ipê lilás que o povo chama de Ipê Roxo
nunca esteve tão lilás como neste ano,
o abre-alas desta primavera precoce.

Talvez as flores murchem em setembro
Talvez o verão se perca no mar do Caribe
e ai teremos flores até as bandas de janeiro...

sábado, 5 de setembro de 2015

IDEOLOGIA

Lembro-me de que no passado, ao tempo
da guerra fria e também da famigerada
ditadura tupiniquim, dita revolução,
cobrava-se a ideologia de todo mundo,
e todas, ou quase todas, cabeças pensantes
proclamavam-se de esquerda até a morte.
Alguns admiradores da direita,
envergonhados desse sentimento
porque reacionário, fora de moda,
mentiam, se passando por esquerdistas
ou diziam que estavam em cima do muro...
Havia um radicalismo fora de propósito
da parte de alguns militantes alucinados,
sectários fanáticos de Stalin, Kruschev,
Mao, Fidel, Che, Gramsci, Prestes,
na observância de tolices, tais como
nunca andar pelas calçadas direitas das ruas...


quinta-feira, 3 de setembro de 2015

BENDITO PIRIGEU

Os filhos do Tio Sam, por demais soberbos,
enciumados com o dito popular
instalado  na língua portuguesa:
"A lua é dos namorados"
procuraram mudar a escrita:
a lua é nossa, fato indubitável
porque lá fincamos nossa bandeira.

Mas nem tudo está perdido
para os enamorados do mundo,
que, nunca, jamais  irão ao planeta lunar,
pois não é que a estrela lua, apaixonada
pela energia dos amantes, navegou
no "Pirigeu" para se aproximar da terra


terça-feira, 1 de setembro de 2015

E A VACA FOI PARA O BREJO

Após décadas de erros administrativos
o tesouro do nosso estado  - RS -quebrou.
Governantes passados contraíram dívidas
a longo prazo, mas esqueceram de pagar
as parcelas dos compromisso acumulados.
Agora, com o caixa falido, a porca torceu o rabo
e o governador parcelou os salários dos servidores
O executivo pede compreensão, paciência:
que os empregados públicos estaduais
empurrem as contas pessoais privadas,
que deem calotes, passem algumas fomes...
e ECONOMIZEM, só não disse como economizar,
aliás, com os bolsos vazios fica fácil fazer economia,
digamos, assim economiza-se de forma compulsória...


 -

domingo, 30 de agosto de 2015

MORADA DA POESIA

Existem tantos blogs interessantes
na vastidão amiga da blogsfera
que dificulta ao visitante afoito
 destacar um, na seara diversa
de informação, lazer e excelência,
excetuando-se um provável melindre
aos blogueiros não decantados
em uma elegia ocasional, ligeira.
Perdoem-me meus camaradas de estrada,
mas o destaque de hoje vai para o simpático
blog "Puxe a cadeira e sente":
sala de visitas da decoração,
da nossa amiga Eva.
Entretanto, é mais que decoração,
há o espírito poético intrínseco
reinante naquele espaço.
Aos amigos e amigas que ainda não tiveram
a sorte de conhecê-lo, sugiro que visitem
e também percebam que a poesia mora lá.







quinta-feira, 27 de agosto de 2015

COMBINANDO CORES

Ela fazia  questão de combinar
as cores, na existência diária,
desde  detalhes mínimos,
até  abrangência mais ampla.
Começou com os tons sobre tons
casando a cor do casaco sobre a blusa
e desta em função da bolsa com a saia,
fechando a cor do cabelo com o sapato.
Depois combinou a tinta da unhas
com o tom dos pelos inferiores do corpo.
 Após a aquisição do carro verde limão,
usava roupas desta cor quando dirigia
o automóvel pelas ruas arborizadas.
Mais á frente, passou também a conectar
a cor das roupas com a cor dos alimentos
e com a pintura interna dos restaurantes
No estágio mais avançado da especialização
designou cores aos dias das semana,
aos prazeres hauridos e aos incômodos
que afligem uma alma mediana
Andava nua, dentro de casa, às segundas-feiras
porque segunda era cinza, cor detestável.
Não abria o consultório às terças,
porque terça era roxa, cor melancólica.
Quarta-feira era dia de sexo e rock'n'roul,
porque 4ª era vermelha, cor do prazer
Quinta-feira, dia de orações, porque lilás,
 cor dos anjos e da simbologia piedosa.
Os finais de semana eram dedicados à meditação,
porque eram dias azuis, cor do sonho
e das viagens astrais...





segunda-feira, 24 de agosto de 2015

MEUS POETAS

Meus amigos sabem
que amo  a poesia,
que não rejeito nada
no planeta dos versos.
Desde cedo,
tenho apreciado muitos,
mas citarei alguns,
nos quais me detive
mais demoradamente:
Já passei por Drummond,
Manuel Bandeira, Vinicius,
Castro Alves, Casemiro,
Goncalves Dias,
Oswald de Andrade,
João Cabral de M Neto,
Menotti del Picchia,
Manuel de Barros,
Carlos Nejar,
Pablo Neruda,
Baudelaire.
mas no pódio
da minha idolatria
há três luminares
que venero
acima da média:
Mário Quintana,
Fernando Pessoa
e Jorge Luis Borges
Em diversos momentos,
desta minha existência
- alegres, tristes ou terríveis -
encontrei, sempre,  na poesia
 o deleite, o carinho, o consolo
A poesia é importante;
o motivo poético,
tem fundamento,
para quem bebe
desta fonte,
nobre por excelência.

sábado, 22 de agosto de 2015

E A CONSCIÊNCIA ?

Até que ponto agimos sob o comando
da nossa consciência?
Por que mentimos a toda a hora
que temos o controle?
Acho que quase nunca percebemos
que estamos a fazer
aquilo que querem que façamos,
que pulamos nas casas numeradas
do tabuleiro do jogo social,
mas  mexemos nas pedras
às ordens do piloto automático.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

AS CARTAS

A primeira carta enviada
era verborrágica, falava
de uma paixão vertiginosa
composta por várias páginas
em papel perfumado.
As outras, que vieram depois,
eram menos extensas,
mas ainda febris,
porém mais-tete-a-tete,
entretanto, não  respondidas.
A menina não acreditava
em tanto pano para  manga,
pensava: é muita devoção,
os homens mentem sempre!
As cartas rarearam, ficaram curtas:
uma página, meia página, dez linhas,
o rapaz ainda escrevia de teimoso.
A derradeira cartada tinha uma frase:
"Te amo",
aquela teve resposta: vem me conhecer
 de perto, estou apaixonada!




terça-feira, 18 de agosto de 2015

PITACO

Por que será que gostamos demais
de dar pitaco
mesmo sabedores da excelência
do livre arbítrio
e ficamos a meter o bedelho onde
não somos convocados
dai que por tantas e tantas vezes
colhemos desnecessidades

domingo, 16 de agosto de 2015

QUE ESTAÇÃO É ESSA?

Mal entrou agosto
na grade do calendário
e os aromas afoitos
fluem dos pomares,
atravessam o espaço
e antecipam a primavera.
A temperatura elevada,
destes dias, induziu
os brotos das laranjeiras
a florirem antes da época.
Acho que o dedo humano
tem mexido além da conta
na estrutura do planeta
e a natureza combalida
tem atravessado o samba
na passarela ecológica.

sábado, 15 de agosto de 2015

NADA?

Às vezes pensamos certas coisas
que parece não ter nada a ver
com nosso histórico de vida.
Mas, então, de onde é que vem
ensejo para se voar  em devaneios
sem prováveis pontos de apoio,
ainda que acreditemos que nada
acontece assim tirado do nada,
porque nada é o que não existe?

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

A DUPLA

Quando olho pelo lado de fora
dos compêndios gramaticais
por vezes fico pensando
que a dupla
substantivo-adjetivo
é  carne e unha;
 o casal perfeito, sem rusgas,
sem resenhas, sem demandas,
entretanto, depois repenso,
que talvez não seja  bem assim.
Também deve existir vaidade na morfologia
O substantivo batendo no peito, orgulhoso:
eu sou o líder, mas, às vezes,  aparece um cara chato
coordenando meu ser, adjetivando meus passos...
Já o adjetivo, se vangloria vaidoso:
sem meu carimbo, ele é um sujeitinho acéfalo,
indivíduo aleatório, inútil sem minha companhia...





terça-feira, 11 de agosto de 2015

SÍNDROME

A busca incessante do conforto;
marca registrada do bem-estar,
 necessidade psíquica introjetada
na mente do indivíduo moderno,
doutrinado na cartilha do comodismo
e na preservação do menor esforço
condicionou o homem atual,
a aspirar,  por tabela ,vantagens,
benesses,  fruição, deleite...,
através da velha tese simplista,
de que veio aqui para ser servido.

sábado, 8 de agosto de 2015

EXECUÇÃO SUMÁRIA

Tanta violência nas ruas,
tantos crimes pela cidade
agoniando a opinião pública
levando o povo a implorar
a implantação da pena de morte,
mas ela já vige na prática
de forma sumaria e à revelia
da ordenação institucionalizada
sob o jugo dos instintos rudes,
hajam vistas os linchamentos
ocorridos  a toda a hora
à sombra da impunidade,
à luz de motivos torpes...

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

A MENINA

A menina feia (entre aspas)
não sabia que certos conceitos
foram determinados à revelia,
que a beleza à luz do filtro social
é inerente à imagem, e a época,
que o olho foi condicionado,
que a indústria dos apelos
produz novas cartilhas
corroboradas pela mídia
padronizada, cartelizada...

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

O FRIO SAIU DE FÉRIAS

Parece que o inverno trocou de roupa.
Acho que ele quer brincar de outono
ou então saiu de férias pela Europa
para um flerte com o verão de lá
enquanto nós esperamos em vão
que ele retorne para completar
o mandato em curso vacante,
mas o frio reclama seu direito
quer governar sobre o sul
enquanto ainda é tempo.
O resto do Brasil acha engraçado
a gente sentir falta do inverno,
mas quem nasceu aqui no pampa
é conservador sobremaneira
e resiste às nuances do clima,
queremos o frio de volta.
Já não bastasse a crise
a esvaziar nossas bolsas
agora a estação escamoteia
e o que acontecerá para a frente,
ah, mas o futuro a Deus pertence!



sábado, 1 de agosto de 2015

AGOSTO

Se minha vó ainda estivesse aqui
certamente teria ficado surpresa
com a entrada atípica de agosto;
sem frio, sem nuvens, com sol
e jeito de primavera precoce.

Ela renegava os atributos negativos
de agosto, mês do cachorro louco,
época da ceifadora de vidas, solta,
sobretudo nos quintais dos idosos,
pois então era linguagem trivial:
os velhos que atravessarem agosto
ganharão mais um ano de vida.

Lembro-me também de que
no livro olhai os lírios do campo
do nosso Erico Verissimo
o Sr. Angelo, pai de Eugênio,
também não gostava do mês nº 8
e dizia: agosto, mês de desgosto.

Enfim, agosto vem chegando
com passos largos, rápidos.
Entremos na dança do tempo,
porque logo será setembro.




terça-feira, 28 de julho de 2015

NÃO TEMOS TEMPO! SERÁ?

Certa feita uma amiga expôs,
em meio a uma discussão acalorada
sobre a disponibilidade do tempo
quando todos afirmavam categóricos
que por mais que se predispusessem
não conseguiam atender  as demandas
relacionadas às visitas pendentes
em circunstâncias dos compromissos
inerentes ao mecanismo da sobrevivência
que sempre se arranja um tempinho
quando intensificamos o interesse
em favor deste, desta ou daquele, daquela ...
Que o tempo é o mesmo para todos,
mas o que difere é o nível de comprometimento
afetivo, emocional, político, esquizofrênico...



domingo, 26 de julho de 2015

SAUDOSO QUINTANA

Julho outra vez,
aliás já vai terminando
mas antes de acabar me lembro
que este é um tempo especial
porque é o mês natalício
do poeta Mario Quintana.
Porém, muitas vezes, esqueço
de que  ele já não vive mais aqui
e fico andando pela rua da Praia
na esperança de vê-lo passar.
E quando algum amigo
pede para eu recobrar a razão
dizendo-me que os mortos não voltam
eu fico  pensando e perguntando:
Mas o Mario Quintana morreu?

quinta-feira, 23 de julho de 2015

CHEIRO DE TERRA MOLHADA

Naquelas tardes, quando o  céu escurecia,
eu aguardava à janela de frente para a rua
as primeiras gotas da precipitação outonal
para degustar o cheiro da terra molhada...

Quando meus olhos veem um nuvem escura
em conjunto com outras, formando um tapete
desencadeador de borrascas vespertinas,
meu espírito reporta-se à época da minha janela...

Sempre que sinto  o cheiro de terra molhada,
um turbilhão de pensamentos vem à tona
e não importa  o que eu  esteja a empreender
porque acabo voltando àquelas tardes...



segunda-feira, 20 de julho de 2015

CURIOSIDADE

Somos, todos, curiosos
em maior ou menor grau.
Acho  que a curiosidade
está inserida na genética
da humanidade.
Quero continuar curioso
em relação ao desconhecido
que produz proveito.
Que minha curiosidade
se mantenha acesa
em relação aos livros
que enriquecem o espírito.
Que minha curiosidade
busque os lugares simples
que tranquilizam a mente
e deem leveza à alma.
Que minha curiosidade
não ultrapasse a margem
da boa convivência.
Que minha curiosidade
não se perca em julgamentos
das coisas que não me dizem respeito.
Que minha curiosidade
seja menos curiosa...

sábado, 18 de julho de 2015

CUSTO BRASIL

Durante muito tempo a mídia identificou
a causa do lento andar desenvolvimentista
da nação pa-tro-pi, no "custo Brasil"
porque segundo aquela casta
gastos relacionados aos setores administrativos
emperravam a máquina laboral...
Que não sejamos tão céticos e críticos,
mas, hoje, quero crer que a causa matriz
do atoleiro no qual a nação adentra,
reside na filosofia do "toma lá, dá cá",
a prática do "dando que se recebe";
modus operandis, subliminarmente,
que agora funciona a céu aberto...





segunda-feira, 13 de julho de 2015

14 DE JULHO

14 de julho não seria o dia da queda da Bastilha
entretanto estabeleceu-se esta data para celebrar
a derrubada daquele símbolo sistemático de poder
esdruxulo, retrógado, desumano e autoritário
que prosperou até mil setecentos e oitenta e nove
ano da eclosão da Revolução Francesa.
a qual trouxe no bojo o glorioso tripé:
Liberdade, Igualdade e Fraternidade...
Passados mais de dois séculos povos, tribos, grupos
mundo a fora ainda sofrem sob o jugo  das Bastilhas...

sábado, 11 de julho de 2015

TUDO PASSA

Quem carregou a poesia que havia
nas ruas da cidade da minha juventude?
Aonde foi parar o brilho dos olhos das meninas,
que dançavam nas páginas do nosso poeta?

Aonde foram as pessoas que se encontravam
a qualquer hora à porta da Galeria Chaves?
Cadê aquela turma da parada obrigatória
sob a marquise do relógio da Casa Masson?

E o charme do cafézinho, apenas um pretexto
para o bate-papo à mesa do Café-Ryan?
E a subida ao segundo andar da Livraria do Globo
para a leitura dos lançamentos editoriais?

Cadê a  patota que discutia com a gente
os lances pitorescos do futebol do fim semana
ali à entrada da Galeria Chaves Barcelos,
enquanto olhávamos as meninas passando na calçada?

E a esticada até a Praça da Alfândega, sentado,
 esperando ansioso, o Mario Quintana passar?
Pois é, até a própria praça já não é a mesma,
hoje com suas árvores de galhos retorcidos...

quinta-feira, 9 de julho de 2015

SAÚDE ESTÁ DOENTE

Há tempos que a saúde brasileira
vinha combalida das pernas, mas,
agora o quadro agravou-se tanto
que a saúde foi internada na UTI.

Vários hospitais fechados, outros quebrados,
redução de leitos em alguns, descaso em outros,
funcionários em greve por falta de pagamentos,
eis o panorama do Sistema Único de Saúde.

Nos periodos eleitoreiros das eleições presidenciais
chove promessas da parte dos caçadores de votos,
inclusive essa turma que hoje ocupa o poder central
gritava ao vento, que tinha a solução para nossas mazelas.

Porém, dizem que de promessas até aquele lugar está cheio,
então o necessitado, o carente, o trabalhador comum, quando doente
terá de se entregar à própria sorte, rezar a todos os santos?
Ou pior, resignar-se e esperar a morte porque não possui recursos?




terça-feira, 7 de julho de 2015

O GAÚCHO PILCHADO NO MUSEU DO LOUVRE

Certa feita, um gaúcho pilchado
desceu de mansinho na cidade luz.
A indumentária do guasca fronteiriço
causou espécie pelas rua de Paris.

Os parisienses  acostumados com forasteiros
perguntavam, entre eles, de onde é que vem
essa figura diferente, fantasiada e colorida
portando adereços os quais nunca vimos?

O gauchito xucro, mas curioso e inquieto,
ocupava o tempo em visitas às casas de artes,
entretanto, um dia turistas confundiram-no
com uma peça do museu do Louvre.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

OS RELÓGIOS

Eu curtia, naquele época, os pôr de sóis.
Acordava cedo e os dias se arrastavam
orquestrados pelos ponteiros preguiçosos
dos relógios que viviam parados no tempo.

De repente, a engrenagem do sistema
começou a acelerar a barca das horas
e foi adulterando o panorama dos dias
pelo tricotar intenso do realismo cotidiano.

Agora, os minutos correm na direção do devir
e nada detém a marcha tirânica dos ponteiros
e o meu quinhão de tempo que parecia infinito
se escoa depressa sob o galope dos poentes.


segunda-feira, 29 de junho de 2015

OUTROS TEMPOS

Ouvi outro dia da boca de uma pessoa
uma surrada expressão, lugar comum,
diante de duas jovens meninas distraídas
trocando carícias no banco da praça,
a boa senhora falou: isto é o fim dos tempos...

Pois, eu, no alto da minha ignorância,
penso que o evento aqui descrito
não significa fim, mas, pelo contrário
pode ser, se permitirmos, o início
dos propalados tempos novos...

Os homos no passado era chamados
de os os invertidos. Velhos tempos!
Quando as preferências minoritárias
tinham de ficar às sombras, escondidas.
Tempos de tolerância zero.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

ECONOMIA DA LÍNGUA

Outro dia um amigo meu me dizia
que o surgimento de novas palavras
não ocorre em face de algum modismo,
mas pela real necessidade de renovação
por que à medida que a carruagem anda
os vocábulos também envelhecem pelo uso,
então um menino que assistia ao monólogo
intrometeu-se à cena e sugeriu ao palestrante
que se falasse pouco e se escrevesse menos
para a conservação perene dos vernáculo...

segunda-feira, 22 de junho de 2015

A COISA EMBAÇADA

Sabem, aqueles clichês salvadores de aparências
abonadores de situações meio embaraçosas,
quando diante do outro ou da outra nos falta
a palavra adequada para quebrar o gelo,
para que não se fique a coçar o rosto,
beliscar, de leve,  a pontinha da orelha,
retirar o bloco de anotações do bolso,
passar os dedos pela tela do celular; mas,
por vezes, tais expedientes não funcionam.
Então falamos: parece que vai chover!
Recebemos a resposta: acho que não,
pois está um dia bonito, com poucas nuvens.
Concordamos: é verdade, mas acho que chove
para o fim da semana, para o fim do mês...
Podemos também enveredar para o futebol,
sobretudo se é segunda ou quinta-feira:
Que bom que ganhamos ontem! (o time do outro perdeu)
Pois é nem tenho acompanhado os jogos da dupla grenal,
ando mais ligado no futebol europeu, no time do Barcelona...
Mas o pior é homem falando de novela com mulher,
quando ela pergunta: viste que beleza o capítulo da novela
de ontem à noite no canal Ypisilone?
O cara, sem graça, disse que viu de vislumbre.
Ela, depressa, com o intuito de ajudar, narra os avanços,
os recuos, os beijos trocados entre os galãs, citando
em cada cena, o nome do ator ou atriz em ação...
Mas o coitado não assiste novelas há trinta anos!




sábado, 20 de junho de 2015

ENFIM INVERNO

Enfim o inverno chegou
abrindo os portões, dando passagem
ao Minuano que se derrama pelo Pampa

Provavelmente será um inverno curto
como tem sido nos últimos tempos;
uns trintas dias de frio no máximo.

Não quero perder a aragem do Minuano
vindo à galope da Patagonia
e atravessado,rapidamente,
o velho Rio Grande.

Às vezes, amigos de outros estados,
perguntam-me o que é o Minuano.
Bem, o Minuano não se define em palavas
Necessário senti-lo na pele....
O Minuano já está amalgamado no nosso espírito,
está integrado à nossa bagagem cultural.





segunda-feira, 15 de junho de 2015

HOJE NÃO TEM POEMA

Eu perguntava no último post, pelo frio que não vinha, pois até parecia que ele havia esquecido da gente. Não haver frio, nesta época do ano, no resto do Brasil é algo natural, em se tratando de um país tropical, porém no sul não, a região mais fria deste país-continente. Agora, 15 de junho, o frio está chegando aqui em Porto Alegre, RS. Pela manhã estava seis graus centígrados, acho que no interior, sobretudo na serra, está mais frio. Nos próximos dias  a temperatura deve cair mais. Está ficando muito bom! Está ficando bom para mim e para meus pares que amam o frio, entretanto, e sempre há um entretanto, o frio traz um problema muito sério para os carentes de moradia razoável, de roupas adequadas. O frio também pode ser mortal para os habitantes da rua...enfim, começo a me arrepender de ter tanto pedido pelo frio...

segunda-feira, 8 de junho de 2015

CADÊ O FRIO?

O veranico de maio
invadiu a área de junho
e a temperatura continua alta.
Até parece que o frio
foi passear lá em Marte
e o outono que era ameno
em temporadas anteriores
agora anda vestido de verão.
Se daqui a duas semanas
quando o outono for embora
ainda continuar assim, quente,
teremos de encomendar o frio
pelas agências do correio
ou através da internet...

sábado, 6 de junho de 2015

CENAS QUOTIDIANAS DE UMA TARDE DE 6ª FEIRA

Eu olhava, da minha janela, a folha caindo
da velha árvore que ainda havia na praça,
 o sol descia o céu na direção do rio,
o sabiá cantava nas moitas lá do morro,
o ruído do  som do carro que cruzava a rua
fazendo propaganda do mercado do bairro
era  uma ponta de agulha nos meus ouvidos...
Meus olhos ainda procuravam a folha,
que a brisa da tarde suspendera acima da grama,
mas minha atenção foi desviada pelos alunos
que compravam embrulhos de maconha
junto à carrocinha de cachorro quente da esquina
em frente ao colégio de primeiro grau.
No minuto seguinte, ao extremo norte da praça
três homens usando toucas ninjas abandonaram um carro
com o alarme disparado e passaram correndo sem olhar para trás.
No momento em que eu pretendia me recolher
para preparar meu chimarrão vespertino
surge na rua vindo do lado do sul gritos e lamentos
de uma mulher levando sanafões, tapas e pontapés,
diante das cenas covardes não me aguentei e desci
no intuito de agir na contenda em favor da mulher agredida,
entretanto fui surpreendido pela vitima do evento,
que mandou-me ficar quieto e não meter o bedelho em briga de família...





quinta-feira, 4 de junho de 2015

CADÊ A MÚSICA DO MEU PAÍS?

Lembro-me saudoso
 daquelas músicas singelas
tocadas outrora nas rádios
lá pelos anos 50, 60 , 70...
que tinham letras elaboradas,
que não eram complexas
mas tinham conteúdo...
Entretanto virou moda
musicas capengas
propagando bobagens,
asneiras, sandices...
Virou hábito nacional
músicas inssossas, bregas,
vazias; cantadas,
preferencialmente,
por intérpretes
fraquíssimos...

E a nossa velha e boa música
foi jogada na lata do lixo histórico.






sábado, 30 de maio de 2015

ENTÃO!

Muita gente boa acredita
que a terra e apenas a terra
possui coeficiente populacional,
que outros planetas
se por ventura existem
são destituídos, aleatórios, vazios...
Seria o mentor das galáxias
uma entidade brincalhona
a plantar mundos inócuos
nos escaninhos das imensidões?




quarta-feira, 27 de maio de 2015

A CHUVA AGUÇA A MEMÓRIA

Nos dias de precipitação climática
minha mente retrocede ao tempo
dos dias chuvosos de antigamente
quando eu viajava pelo mundo
através das páginas mágicas
daqueles livros que abriam
as portas para o sonho.
Era doce palmilhar recantos
fora do alcance dos pés
distante das possibilidades
pecuniárias do incauto leitor,
que mesmo de longe dos palcos
de ocorrências daquelas histórias
sentia o aroma do vento
que arejava aqueles lugares...


segunda-feira, 25 de maio de 2015

A MELHOR SERÁ AQUELA QUE TU SEGUIRES

O gringo entrava ansioso
nas casas convencionadas
e nos templos afins
das seitas tradicionais
peguntando afobado:
qual a melhor religião?

A resposta era  igual:
a católica era a melhor,
a protestante idem,
a universal ibidem,
a mulçumana tri-idem,
a assembleia da mesma forma...

O gringo encucado questionou
com os confucionistas,
com os kardecistas,
com os budistas,
seu inconformismo
com a uniformidade das respostas,
porém os últimos interpelados
confirmaram que os primeiros
estejam corretos,
pelo fato de que
não existe seita ruim,
mas homens que transformam
esta ou aquela congregação
em ferramenta benéfica ou nefasta.


quarta-feira, 20 de maio de 2015

A COR DAS CORES

Eu, que, particularmente,
 gosto dos dias nublados,
leves, tranquilos, amenos,
embalados pela brisa outonal,
rendi-me outro dia
pela maravilha pintada
de anil sobre o céu,
porque não era
um azul qualquer,
mas um azul AZUL!


Eu, que ouço desde sempre
aquele velho chavão:
 os sonhos são azuis,
de  repente, como se estivesse
 incorporando uma entidade
amante da beleza
comecei a recitar
em moto-contínuo:
os sonhos são azuis,
os sonhos são azuis,
os sonhos são azuis...



segunda-feira, 18 de maio de 2015

ÀS VEZES PENSO QUE

Às vezes fico com a impressão de que
o sol, no meio da tarde, enquanto faz seu lanche
se põe a me espiar de solaio
e que as estrelas temporãs, durante o happy hour,
ficam a me olhar,
que os grilhos e os sapos saem das tocas
e cuidam das minhas caretas e trejeitos,
que as árvores e os bichos, curiosos,
me observam o tempo inteiro, mas disfarçam
para que eu não perceba que estou sendo monitorado
e  não me traumatize pensando que perdi a razão.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

À MINHA AMIGA IVONE SATO

Aqui está uma singela homenagem à amiga  Ivone Sato,
administradora dos Blogs "Poemas sem Peias" e "Levitar em Brancas Nuvens"


Existem pessoas
que por onde andam
deixam um rastro de neon.
Existem pessoas
que se recusam
a soletrar a mesmice cotidiana
Existem pessoas que são faróis
a iluminar o caminho
por que passam os amigos
Existem pessoas que são felizes
porque jamais deram guarida
à infelicidade.
Existem pessoas iluminadas
que são radiações de energia positiva
derramada sobre o desânimo do mundo
Existem pessoas que  nunca vimos
à nossa frente,
entretanto, são companhias valorosas,
que nos parece que as conhecemos
há muito tempo.

terça-feira, 12 de maio de 2015

A IDADE, O TEMPO, A VIDA

Tenho mais de sessenta anos
mas às vezes parece que
tenho mais, muito mais;
uns cento e cinquenta talvez,
porque cultivo hábitos
obsoletos, decadentes,
como por exemplo: conduzir
chapéus sobre a cabeça,
usar gravata sobre a camisa,
andar de sapatos nos pés,
ouvir as conversas dos idosos
ainda quando era menos velho,
ler os escritores fora de moda
tipo Machado, Proust,  Dostoewski,
curtir a poesia de Jorge Luis Borges,
Mario Quintana e Fernando Pessoa,
ouvir a musica de Beethoven, Handel,
Havel e seus pares...
Porque sinto saudade de uma vida que não vivi
ou quem sabe de uma existência em outro corpo...


sexta-feira, 8 de maio de 2015

NOVO, VELHO, NOVO , TUDO DE NOVO...

Hábitos modificam-se
costumes alteram-se.
O  novo não perdura
por muito tempo,
porque novo
é apenas um vocábulo.
O desejo de consumo
top de agora
será o restolho
caduco de amanhã.
Moderno é a palavra
inventada para vender
as invenções humanas,
porque a produção
não pode parar
visto que as leis
deste mundo
giram em torno
da ação e do movimento.




terça-feira, 5 de maio de 2015

O HOMEM AINDA NÃO SABE CONVIVER PACIFICAMENTE COM SEU SEMELHANTE

Por vezes, determinados eventos
nos reportam à certas passagens
vivenciadas subjetivamente
lá atrás, em nossa vida pregressa.
Muitas vezes, fatos concretos
confirmam ou contrapõem
teorias guardadas de ouvido
em nosso acervo memorial
Lembro-me neste instante
do meu deslumbramento juvenil
diante desta ou daquela invenção
no campo científico-tecnológico,
o que levava-me a concitar  meu pai:
"que belo momento da civilização!"
Mas meu velho apenas ria, meio irônico.
Eu, desapontado, não entendia
meu entusiasmo não correspondido,
Porém, um dia meu pai me balançou
ao afirmar com todas as letras:
As pessoas enchem a boca com palavra civilização 
como se estivéssemos atingido um momento sublime,
entretanto ainda estamos tão distante de tal estágio
que a palavra ainda soa-me como quimera, utopia...,
os homem não conseguem conviver pacificamente...
pois basta que haja gente reunida para haver tumultos...

Pois, então, domingo, 03 de maio de 2015, dia de Grenal,
 repetiu-se a cena que ocorre costumeiramente 
nos útimos grenais, nos estádios dos dois clubes:
briga da torcida visitante e depredação do patrimônio.
Ainda que a imprensa local venda a ilusão de paz,
destacando a semana inteira a "torcida mista" 
- amigos, familiares, juntos , mas torcendo separados - 
a realidade é diferente, ou seja, estamos muito distantes
do processo CIVILIZATÓRIO!


sexta-feira, 1 de maio de 2015

MUNDO VIRTUAL

Percebo tanta gente, nestes dias
dominados pela virtualidade
 falando mal da internet
como se a era digital
fosse uma praga 
a corroer velhos hábitos
que deveriam ser mantidos
por todo o sempre
Dizem que a internet vicia
- mas todo o excesso vicia,
inclusive, comida, bebida -
que os jovens, as crianças
estão presos à telinha,
mas já estiveram antes
plugados nos jogos de games,
nos antigos aparelhos de tv...
A internet é um achado,
ferramenta maravilhosa
quando bem usada,
mas não é panacéia
nem babá eletrônica
nem casa de tolerância...
O mal não está no objeto,
mas no coração de quem o manuseia.


quarta-feira, 29 de abril de 2015

HOMENAGEM AO BLOG VARANDAS AZUIS

Azul é a minha cor preferida
Azul é uma tonalidade leve
Azul é a cor que me acalma
Azul lembra a minha infância
Azul lava minha alma
Azul, minha pedra turqueza,
o céu despido de nuvens,
oh, cristalina beleza
em noite de abril sem nuvens
ou numa manhã sombreada de anil
de um mês qualquer do ano
e a estação pouco importa,
 e o clima também não altera
meu gosto pela das cores das  cores,
pena que ainda não inventaram
uma rosa na cor  azul,
mas os sonhos, eles,  sim,
podem ser azuis...







terça-feira, 28 de abril de 2015

ANTONIO ABUJAMRA

Poetar para mim significa dizer alguma coisa;
desvencilhar-se de algo em determinado momento,
usando emoção, outras vezes razão, de repente, nem tanto,
ainda que, muitas vezes, após a grafagem na página branca
venha-me a sensação de gari varrendo o quintal da casa,
entretanto, hoje, tenho a sensação boa, de alma leve
mesmo falando de um tema triste que a morte
- sina de quem nasce, já disse o poeta -,
mas, enfim, falo (com emoção) do passamento
do Grande e peculiar  ANTONIO ABUJAMRA,
Artista com A maísculo, ícone a ser lembrado
pelo talento e pelo Ser. Em meio a seara  de mediocridades
este grande cara faz parte do seleto  grupo de "ARTISTAS BRASILEIROS",
distante a quilometros do denominador comum.
Acho que sempre vou lembrar da irônica e intrigante pergunta
que o velho "ABU" fazia aos intrevistados em seu Programa
"Provocações", editado no Canal Cultura:
Queres riqueza ou uma boa morte?
Parece que o mestre ABU teve uma boa morte!





domingo, 26 de abril de 2015

E O PROCESSO CIVILIZATÓRIO ?

Seria muito bom se a mentira
que nos contam há muito tempo
fosse uma afirmação verdadeira
Seria bom se de fato vivêssemos
num mundo civilizado, porque
há uma confusão, um equívoco
um engodo, um sofisma
sobre o processo civilizatório...
Se houve evolução industrial,
avanço tecnológico-científico,
 produção elevada de bens de consumo
em contrapartida ainda estamos
bem aquém de procedimento aceitável
no quesito relacionamento humano,
tanto que em determinados momentos
fica-se com  a impressão de que hordas de bárbaros
transpõem o conceito histórico da praxis temporal
e invadem o quintal do século vinte e um.


quinta-feira, 23 de abril de 2015

O LIVRO, ESTA RELÍQUIA

Agora, pela manhã, passando pelo blog
Haicais Limeriques & Algo Mais,
do meu caro amigo poeta Jair Lopes
(menestrel, lapidador da palavra),
 tive a memória refrescada  pelo excelente
e inteligente post dedicado a Sua Majestade
O" Livro",  amigo inseparável dos amantes
da leitura , do saber  e das curiosidades impressas.

Então, veio-me à mente meus primeiros contatos
com esta fonte inesgotável de  prazer e informação
armazenada na folhas impressas do templo do saber
Retrocedi à época da minha remota infância;
ao cinco ou seis  anos, quando ficava sentado,
boquiaberto, ao lado de meu pai, pedindo silêncio
e lendo as alterações produzidas no rosto do Seu Antônio
à medida que ele ia virando aquelas páginas mágicas...

Estou lembrando de algumas frases
de autores e famosos sobre livros
e no intuito de repartir minha emoção,
as deixo aqui, mas não desejo abusar
da tolerância de vocês, meus amigos:

Cícero: Um casa sem livros é como um corpo sem alma.
Andrew Lang: Um casa com livros é um jardim cheio de flores.
Antonio Cabral Filho: Os livros são meus amigos, sempre abertos para mim
Castro Alves: Oh! bendito o que semeia Livros... livros à mão cheia.
Bill Gates: Meus filhos terão computadores, mas antes terão livros





terça-feira, 21 de abril de 2015

VIVER É MUITO PERIGOSO DIZIA RIOBALDO

Cresci ouvindo dos mais velhos,
que o lugar mais seguro da terra
era, com certeza, a casa da gente.
Mas um amigo meu, sujeito gaiato
vivia dizendo coisa diferente:
lugar seguro, sem sombra de dúvida
onde a paz se perpetua desde sempre
e a vida já não corre perigo
é nas tumbas dos cemintérios...
Pois é, as pessoas dizem tantas coisas!
Voltei a pensar no tema, na semana passada,
quando mais uma criança inocente
morreu dentro da casa dos pais
em consequência dos disparos efetuados
por gente que não respeita a vida (dos outros)

sábado, 18 de abril de 2015

GATOS

Acho que todo mundo sabe
que gatos não se perdem
e sempre voltam pra casa...
Ainda que dono do bichano,
descontente com o animal,
decida se desfazer do mimoso,
largando a criatura  a esmo
em local afastando, distante,
de repente, o bicho volta
célere, antes do homem...

Conta a lenda que um homem malvado
tentava jogar fora, de todas as formas,
o gatinho de estimação dos filhos...
Numa feita conduziu o bicho a uma floresta,
e antes de largá-lo deu varias voltas pelo matagal
na intenção de despistar o caminho de retorno.
Após a execução da tarefa, o cara liga pra casa,
e se exibe vitorioso: quero ver ele voltar,
mas do outro lado da linha, a mulher  fala;
Ah,...ele voltou antes de ti!
O marido, irritado, diz: então põe o gato bocal do telefone,
pois necessito que ele  me ensine o caminho de regresso,
porque estou  perdido no meio do mato!

quarta-feira, 15 de abril de 2015

DIREITOS ESMAGANDO DIREITOS

Nos dias atuais
muita gente protesta
reivindicando direitos,
através de manifestações
ou de demandas cerceadoras
de direitos consagrados
e seculares da cidania...

Parece parodoxal ,
mas na prática é simples.
São as manifestações, procedimentos
atitudes de grupos, sindicatos, associações
sequestrando o direito de ir e vir do indivíduo...

De repente, paralisam (trancam) rodovias
durante horas, na defesa de princípios classistas,
enquanto enfermos, pessoas com consultas médicas
agendadas, ou que necessitam urgência no atendimento
acabam sendo prejudicadas à revelia...

Por mais boa-vontade que se tenha,
por mais equilibrados que sejamos,
chegaremos a conclusão mais obvia:
o egoísmo humano não tem limites



domingo, 12 de abril de 2015

AQUELES DOIS

Dois ilustres desconhecidos
naturais de um país periférico
degustavam um cruzeiro
pelos mares do planeta
quando no meio da viagem
nasceu aquela paquera
através de olhares e trejeitos
como acontecia antigamente
mas num belo dia o navio
naufragou no fim do mundo
e por ironia do destino
escapou com vida apenas,
em torno de uma ilha deserta,
o jovem casal enamorado
Entrelaçados, um no outro,
mentiram reciprocamente
que eram Alain Delon
e Brigitte Bardot
Não havendo ninguém  à volta deles
brincaram de falar entre ambos
como se contassem experiências
a  pessoas desconhecidas;
Briggite falou, sabe Alain:
conheci um carinha famoso
aqui nesta ilha, mas não lhe conta
que estou apaixonada, porque é necessário
que ele perceba a extensão do meu gostar
Na vez de Alain, saiu isso:
Brigitte, não sei te amo, mas te quero
pelas noites, pelas tardes, pelos dias...
mas ainda assim sofro uma pontinha de aborrecimento
porque no mundo ninguém sabe que estou ficando
com a monumental Briggite Bardot.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

LEMBRANÇAS DO TÚNEL

Sob um ataque nostálgico
sinto na epiderme o toque
da velha calça jeans,
azul e desbotada...
Vejo-me através das frestas
da janela da lembrança
numa época  anterior
à velha calça Lee
o fremir da pele
vestida de Brim Coringa,
produto da Alpargatas do Brasil...
Ainda no roteiro do túnel
revejo as meninas
de saias plissadas,
blusas de ballon
e meias americanas...



terça-feira, 7 de abril de 2015

ABRIL

Faz muito tempo
que a palavra abril
causa-me sensação
de bem-estar.

Nos dias infantis
eu associava abril
com a palavra delícia
porque abria a janela
da estação de algumas frutas
Era o tempo das bergamotas,
dos abacaxis, dos araçás...

Abril, palavra musical,
 que rimava com anil,
 com Brasil, com céu
com sul, com sol.
Abril era quase
um ente físico,
objeto táctil,
elemento dúctil,
enfim, nome mágico!

domingo, 5 de abril de 2015

SIM, PODERÍAMOS, SE QUISÉSSEMOS!

Sabemos todos
que as coisas deste mundo
obedecem determinado parâmetros
mais ou menos determinados à priori;
atrelados, por certo, à  mecanismos básicos,
que o nosso entendimento ainda não alcança.

Dai que
o dia sucede a noite,
 as estações seguem seu ciclo
e o entrelaçamento climático compensa
as varições de temperatura, de umidade, pressão...

Nós humanos,
bem que poderíamos
nos adequarmos às premissas
elaboradas para o nosso convívio
durante a  curta vida aqui no planeta,
ou seja, viver em harmonia com os seres
vivos ou inanimados, que nos cercam,
que  estão à nossa volta não por acaso...



segunda-feira, 30 de março de 2015

O TERRENO ESTÁ MINADO

Era uma vez uma terreno
que produzia pedregulhos
e tapumes antepostos
à luz da manhã,
que desabilitava o cidadão
a enxergar a linha do horizonte.
Era duro ver a aridez do terreno
povoado de homens subjugados
à ordem ditada pela baioneta;
sistema baseado na crença
de que determinado ponto de vista
deve prevalecer à revelia
de qualquer projeto aberto.

Era uma vez o retorno à racionalidade:
o estado entregue a homens sensatos;
entretanto, em um pequeno lapso temporal
aqueles homens perderam a vergonha
e partiram para a negociação das outorgas
adquiridas em nome do bem comum,
o qual se transformou em chancela
de espertalhões e maracutaieiros...

Parece que estamos num beco sem saída,
aliás, beco não tem saída  mesmo...
Parece  que deste terreno não saí nenhum coelho...
Ah, se o terreno produzisse caráter!


quinta-feira, 26 de março de 2015

PORTO ALEGRE, 243 ANOS.

Hora de juntar a voz ao coro
e cantar parabéns à aniversariante;
querida e venerada bicentenária...
A jovem filha de Açores atraída
pelo charme do velho Guaíba,
cresceu solene à beira do rio,
estendendo as mangas,
com o passar do tempo,
na direção dos morros.
Cidade sorriso, de braços abertos,
receptiva aos forasteiros,
não ficou parada no tempo,
mas não perdeu a graça
e ainda conserva em alguns bairros
aquele arzinho de província.
Caminhando, distraído, pelas ruas
do Centro Histórico e adjacências
ainda é possível haurir o som mágico
dos passos sonhadores de Mário Quintana.

terça-feira, 24 de março de 2015

TEORIA E AÇÃO

Um dos homens mais religiosos que conheci
era ateu, pelo menos ele imaginava sê-lo.
Quando indagado sobre a seita pessoal
respondia: estou em pecado, não sigo nada.
Quando um sectário juramentado convidava-lhe:
meu amigo, vamos visitar a  casa do senhor
recebia a resposta/pergunta automática:
pra quê!?
Seu João praticava a religião autônoma
sem altar, sem tribuna e sem templo,
consubstanciada através da atitude positiva;
ação solidária direcionada aos necessitados.
Seu João praticava o Religare inconscientemente:
 após a labuta diária de trabalhador assalariado,
assava pães, à noite, em sua residência. Depois
 varava as madrugadas pelas ruas dos bairros pobres
distribuindo os pãezinhos entre os famintos da cidade


sábado, 21 de março de 2015

VERÃO/OUTONO

O verão deu o ar da graça
no último dia de mandato.
Na hora de passar o bastão
ao mensageiro do tempo,
mandou ver calor às pampas
e a nova estação, circunspecta,
fez a abertura regendo Vivaldi.
Bom torcer para que este ano
o outono seja de fato outonal,
porque, via de regra, nos últimos tempos
tem havido uma salada de fruta climática.
Até parece que o patrono das estações
saiu em férias para outro planeta.

quarta-feira, 18 de março de 2015

O COSTUME É UMA SEGUNDA NATUREZA

Nós, humanos, possuímos um cabedal
de desculpas previamente elaboradas
para todas as situações cotidianas
pois raramente assumimos a responsabilidade
de nossas falhas, de nossas idiossincrasias
A pessoas física, o elemento jurídico,
o indivíduo público, o ser político
navegam nas águas da dissimulação
e da desconversação quando cobrados
os acordos firmados em cartório
O prefeito diz que a cidade está às traças
por causa da falta de recursos
O governador fala que o estado não funciona
porque as verbas necessárias estão em Brasília
O presidente da República atribui o galope inflacionário
ao grupo oposicionista que trava o sistema
A mídia vende a ideia de que os escândalos, os roubos públicos
os petrolões prosperam porque não possuímos lei fortes
Diremos em latim por vergonha de dar nomes aos bois:
"Consuetudo altera natura"

segunda-feira, 16 de março de 2015

OUTRA VEZ SEGUNDA-FEIRA

Eu não sei por quê
tanto mau humor estampado
nos rostos das criaturas
às segundas-feiras...
Eu, que até já perdi a conta
das vezes em que fui premiado
com um belo dia de segunda
não consigo compartilhar meu júbilo
com toda a gente à minha volta,
porque as almas ainda sofrem
com a velha síndrome de 2ª feira.

sexta-feira, 13 de março de 2015

POIS, ENTÃO...

Sabemos há tempos, tempos,
que a realidade é sombria,
de modo que não há necessidade
de preencher a telinha da tv
através de uma  pretensa arte
consubstanciada em expedientes
eivados de violência, safadeza,
crimes, vícios de toda a ordem;
em síntese, o lado sórdido da criatura,
 entretanto, me dizem que essa coisa
que o sistema chama de arte,
é nada mais que um espelho real
e que não é legal deixar a sujeira
escondida debaixo do tapete,
porém, penso, que há Arte e arte
e além disso, não percebo algo edificante
nessas histórias contadas em capítulos
sob molde padronizado linearmente,
eis o pão fabricado na antiga Roma
e servido com vinho no circo...

terça-feira, 10 de março de 2015

SOMOS PRODUTOS DAQUILO QUE ENGENDRAMOS

A árvore doente por certo
não produzirá bons frutos
assim como a escola ruim.
não formará bons alunos...

Fala-se a toda a hora
sobre a falta de virtude
do político brasileiro,
pelo contrário, elucida-se
a propensão ao vício
e à faculdade corruptiva
como marca registrada
deste segmento específico...

Críticos exaltados exigem
a deposição da camarilha
e a substituição imediata
dos hospedeiros de plantão
pelos suplentes da hora...

Os cargos políticos e públicos
 são preeenchidos por homens
nascidos e formados aqui;
são produtos do caldo de cultura,
da fermentação de princípios inerentes
à surrada Lei de Gerson...

Mas, então, não existe solução
para o descalabro reinante?
Existe! Basta querer! Querer de verdade
Não adiantará criar novas leis, nem prisões
nem pena de morte, nem execução sumária,
nem seitas, filosofias, tratados, religiões...
A solução é individual; está no coração do homem.
Todos nós conseguimos diferenciar o bem do mal,
portanto a questão é tomada de consciência!
Quando o Homem estiver curado, tudo mudará,
mas enquanto a sociedade continuar doente,
não produzirá cidadãos saudáveis...





sexta-feira, 6 de março de 2015

TRABALHO E TRABALHO

São mesmo interessantes os atributos
característicos das  profissões do mundo
Alguns se equivalem à sacerdócios
concernente ao grau de exigência específica
necessária à investidura exitosa do abnegado
servidor das labutas essenciais e prioritárias,
acopladas à engrenagem funcional urbana.
Já por outro lado, também existem aqueles labores
preenchidos por artistas de áreas diversas
inerentes ao entretenimento das criaturas,
ocupados por cineastas, atores, atrizes, atletas;
estandartes do lazer, cultura e esportes.
Existem ainda aquelas tarefas especiais
em que os investidos privilegiados, as executam
dosando o trabalho em viagens pelo mundo.

quarta-feira, 4 de março de 2015

CONCEITOS

Vejo todo o dia  uma gama de gente insatisfeita
 com a embalagem adquirida nesta existência
como se tudo no mundo perdesse o sentido
quando ausente um corpo perfeito.
Boa aparência é o sonho de consumo
de gregos, troianos e terceiros,
mas os inquietos buscam na farmácia,
na academia, no  bisturi e nos insumos
a fórmula mágica da beleza,
porque ainda não percebem
que beleza e estética são conceitos;
nada mais que conceitos!

segunda-feira, 2 de março de 2015

MATREIRICE

A memória navegando nas lacunas pretéritas
retrocedendo nas areias do tempo-espaço,
vasculhando o bau esquecido no sótão memorial
recupero episódios que me escandalizaram
na época  em que eu assimilava os códigos
que deveriam nortear a vida na norma moral.
Lembro-me da notícia lida no Correio do Povo
lá pelo ano de mil novecentos e sessenta e três:
Tio casa com a sobrinha apesar dos protestos
da família, da igreja, e da comunidade...
Pois então...
Pois não é que expedientes reprováveis
ganharam autonomia dentro do esquemão
chamado jeitinho brasileiro.
Aquele casamento entre tio e sobrinha, nos anos sessenta,
ocorreu em face do instinto animal,
entretanto, hoje acontecem casamentos do tipo
custodiado por homens idosos, solteiros, aposentados
com sobrinhas, empregadas, geralmente, jovens
com o fito de deixar as meninas aposentadas
pelo resto de suas vidas...
Eis o matreirismo tirando partido nas brechas da lei!

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

REMINISCÊNCIAS

Sabe aqueles dias em que estamos a divagar
e de repente vêm à tona reminiscências
relacionadas à nossa remota infância,
eventos pitorescos, hilários, folclóricos;
instantâneos privados do cotidiano familiar.
Tais fragmentos, pequenos flocos de algodão
deslizando no céu azul da lembrança,
formando o tecido da colcha memorial,
levando-me a relatar de imediato, sem constrangimento,
ao primeiro transeunte que encontro pela frente:
Minha mãe em consulta com o oftalmologista,
pergunta, sem preâmbulos, ao especialista dos olhos:
querido, por que sinto dor no meu pé esquerdo?
 E o oculista recomenda-lhe um ortopedista,
mas minha mãe inconformada, rebate de pronto,
ué, então o Senhor não é médico?
Minha vó, certa feita, comendo um sanduíche caseiro
 na calçada, à porta de um restaurante,
quando surpreendida pelo gerente da casa:
a Senhora não pode ingerir alimentos particulares,
à entrada do meu estabelecimento!
E ela, sem pestanejar, com  o dedo na cara do rapaz:
estou usufruindo do meu direito cidadão
de ir e vir, pela via pública, com meus pertences!
Meu primo Zé, que tinha leves distúrbios,
chegando esbaforido, na minha casa:
Tio, tem um homem enforcado ali na esquina.
Então, meu pai vai até a bifurcação da rua
e não percebe nenhuma anormalidade,
mas Zézinho justifica-se, sem perturbação:
o homem ao qual me refiro, morreu enforcado
na esquina  do livro que estou lendo!

Bem, pessoal, por hoje chega de anedotas!





segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

OSCAR

Coisa de que há algumas décadas,
eu aguardava com bastante  ansiedade
o desenrolar da ciranda do Oscar
carrossel de glamour à antiga;
evento de valorização da arte, entre aspas,
entremeado à pirotecnia e às beldades
com seus modelitos ditando moda...
À medida da passagem do tempo,
fui perdendo o interesse pela festa
em consequência da banalização
e da repetição das piadas sem graça...
Já não lembrava do tal de "Oscar",
mas ontem à noite, distraído",
acabei me deparando com a chatice
transmitida através de um canal de tv:
a vulgarização da feira das vaidades,
a entronização das futilidades...



sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

NÃO SOMOS RESPONSÁVEIS

Somos os Joãozinhos  do passo  certo
e em nenhuma hipótese erramos na vida,
portanto se há situações erradas no mundo
não somos nós os mentores de tais situações.

E assim vamos transferindo responsabilidades
qual Macartistas procurando bodes expiatórios,
exigimos que os outros transformem o mundo
porque este foi já foi estragado por eles.

Pensamos de fato que a perfeição está conosco,
entretanto, parados, não pomos a mão na massa;
somos os personagens em carne e osso do Poema Reto,
mesmo que Fernando Pessoa ria da nossa pavonice.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

ENFIM, COMEÇO DE ANO.

Saúdo hoje, 17 de fevereiro, o povo em geral
desejando a todos, de coração, um bom ano;
muita saúde e  sucesso no trabalho e na vida
e paz de espírito para agora e todo o sempre.

Muitos certamente dirão que perdi o juízo
pois aonde que se viu ano novo em fevereiro,
se dois mil e quinze foi parido há mais de mês,
ou seja, lá no dia primeiro de janeiro?

Pois é, mas é que existe o rito da tradição,
a velha síndrome do país do carnaval.
Aqui somente após a folia de momo
começa de fato o ano comercial!

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

O TEMPO DO CORPO

Lamentei a morte dos meus avós;
ah, coitados, tinham que ficar aqui,
pois àquela época eu era imortal.

Os idosos da minha rua partiam,
mas aquilo parecia coisa surrealista,
algo que nunca aconteceria comigo.

Os cléricos que eu conhecia falavam
da necessidade de preparar a alma
porque desconhecemos a nossa hora H.

Quando meus pais embarcaram para o segundo andar
me dei conta da minha transitoriedade,
da minha finitude existencial

Quando meu filho partiu para o mundo espiritual
ative-me àquele preceito que tentava ignorar:
quando nascemos começa nossa contagem regressiva.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

FORNO ALEGRE

"Pois já vai terminando o verão"
cantava o saudoso mestre Cartola,
em alusão à estação do corpo
ante o inverno da existência...
Pois aqui vai findado o verão
que fez meu corpo transpirar
como se eu estivesse lá no trópico,
entretanto vivo em Porto Alegre
onde o verão vem radicalizando
nas últimas temporadas...
Sob a canícula do verão intenso
meus amigos estão brincando,
dizendo que a nossa cidade
deveria trocar o nome
para Forno Alegre.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

O EQUILIBRIO

Pudesse o homem ao fim da jornada
ao analisar seus passos pretéritos
através das veredas da vida
constatar que empregou os dias
consubstanciados no equilíbrio,
concluiria então, por certo,
haver tirado bom proveito da existência...
Entretanto, sabemos que não é fácil
adotar a cartilha da sensatez
e trilhar o caminho retilíneo
proposto pela lúcida consciência,
pois as tentações mundanas
induzem o ser amolecido
a compartilhar as ditas  conveniências
viciadas, distorcidas e oportunistas,
porque ainda somos estagiários,
aliás; com fracos desempenhos,
na universidade deste mundo...

domingo, 8 de fevereiro de 2015

INSPIRAÇÃO

Houve um tempo
em que eu acreditei
que Morfeu sugestionava
versos durante a viagem
do espírito pelo espaço,
mas quando desperto
eu esquecia do ditado.
Determinado a aproveitar
as dicas transmitidas
pelo Senhor do sono
coloquei caneta e papel
ao lado do travesseiro
para anotar as estrofes
recém saídas do forno.
Esperei dias, semanas;
não sei quanto tempo,
mas nada acontecia
 até que enfim, uma manhã,
ao acordar, minha mão
escreveu, teleguiada:
inspiração também tira férias!

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

A NATUREZA

Via de regra, temos dito,
que a natureza é complexa
e ao mesmo tempo fascinante
hajam vistas os quadros incríveis
que ela nos apresenta,
nos maravilhando a todo o instante...
A imprevisibilidade  por vezes espanta,
quando por exemplo, em um dia de sol,
que a meteorologia previa tempo bom,
aparece uma nuvenzinha do nada
e cresce em velocidade impressionante
 se transformando  numa enxurrada atípica.
Ou, então, em meio a um temporal,
eis que de repente, surge o sol enxotando a chuva,
limpando o céu em poucos minutos,
como se há tempo não houvesse chovido...
Ou ainda, naqueles dias de nebulosidade
quando vamos andando, secos,  por um sentido da rua
e a chuva nos acompanha pela outra calçada...







terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

INTERNET

De repente fomos presenteados
com uma ferramenta fabulosa
para além  da nossa expectativa.
Nunca antes imaginávamos
que o futuro viria a nós
trazendo a revolução digital.
Um achado valioso, a Internet,
capaz de conectar o mundo inteiro,
conduzindo a paz, a amizade e o bem;
sem falar na gama de operacionalidades
otimizadora da lide cotidiana,
quando operada racionalmente,
entretanto, pessoas inescrupulosas,
usam-na, muitas vezes, em prol
de seus caprichos, de suas taras,
disseminando o mal em torno delas

domingo, 1 de fevereiro de 2015

A VORACIDADE

Eu era jovem quando disse  em um poema:
"Minha geração passará, assim como
passam os dias, os meses, os anos..."
Hoje, tantos anos depois, estou pensado nisso;
estou pensando naquele chavão tão surrado,
dito a toda a hora, mas tão real:
tudo passa. E nada pode ser feito
para mudar o paradigma.
Somos passageiros da caravana do tempo,
adaptados  ou não à inexorabilidade da existência.




sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

DEPOIS É TARDE

A natureza nos proporciona amiúde
momentos específicos grandiosos,
entretanto em diversas oportunidades
os mesmos passam-nos despercebidos,
porque  distraídos em outros misteres
perdemos espetáculos imperdíveis
sob a justificativa de que estávamos
pressionados por eventos cotidianos:
a fila interminável de acesso
aos guichês das casas lotéricas,
que embaralham aquela fezinha
nos jogos de azar permitidos;
É o programa esportivo, no canal fechado,
informando a provável escalação do time
para a rodada de domingo
A nossa atenção concentrada na  noticia
postada no site de variedades e fuxicos,
falando sobre o implante de unha no pé da atriz,
estrela móvel, da novela da grade  global...
Depois, no dia seguinte, ficamos sabendo,
que um arco-íris no céu, querendo nos ver,
aborrecido e cansado com a nossa ausência,
recolheu as cores e partiu para outro planeta.






quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

AQUELAS FÉRIAS

As férias da minha infância
ocorriam em um velho sítio
distante, no meio do mato,
onde a natureza orquestrava
a sinfonia dos aromas e das cores...
Nos verões daquele tempo,
o mundo se transformava
nas águas brancas do riacho,
que passava atrás da habitação
em meio às árvores centenárias,
que protegiam nossos olhos
dos raios infravermelhos...
Nas manhãs, a gente andava
pelas trilhas abertas do campo
em torno dos açudes e dos morros
por onde os quero-queros
faziam seus alaridos...
Na volta do passeio, eu entrava em transe
dentro das brochuras, retiradas dos caixotes,
ali a minha espera desde o ano anterior...
Pelas páginas encantadas daqueles livros
eu era conduzido pelas mãos de Mario Quintana,
Erico, Alencar, Machado, Dumas, Vitor Hugo...
Eu, esquecido de mim, não ouvia o chamado
para o almoço que estava há tempo na mesa
nem para o doce de abóbora, feito pela avó...
O dia avançava, as horas desciam pela tarde,
mas naqueles dias mágicos, o tempo parava...








segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

PARECIA BONITO!

Quando era criança pensava
que o propalado jeitinho
(nosso jeitinho brasileiro)
fosse um jeito estiloso
de resolver situações
do nosso cotidiano
sem maiores prejuízos
à ordem estabelecida...
Claro que eu não possuía
discernimento adequado
à análise pressuposta
adrede às linhas acima.
Quero dizer que minha inocência
não captava o embróglio;
não sabia ler as entrelinhas
inerentes ao sistema...






sábado, 24 de janeiro de 2015

A VOLATILIDADE DA PALAVRA

Andando pela rua em determinados dias
ou ocupado com alguma tarefa inadiável
chega-nos, de repente, um cabedal de signos;
 palavras soltas pedindo passagem...

Os vocábulos ricocheteiam em nossa cabeça,
reclamam porque não estamos a postos
para ordená-los no papel, no pc, no tablet;
enfim querem vir à luz através de um poema...

Entretanto, no momento adequado, em tese,
 desincumbidos das coisas que nos prendiam,
quando convocamos aqueles vocábulos inquietos,
os mesmos já  batem  à porta de outro poeta...

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

CRONOGRAMA

Nossa vinda para cá não ocorreu por acaso
Não viemos à terra participar de um piquenique
Não estamos aqui para ficar de braços cruzados
Viemos aqui para da cabo da  nossa missão,
entretanto, durante nossa passagem pelo planeta
raramente lembramos de honrar nossos compromissos.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

UM PARA FRENTE, OUTRO PARA TRÁS

Na longa caminhada em direção ao conhecimento
temos andado em círculos através do  percurso,
bebido, muitas vezes, em fontes contaminadas
pelo excesso de idolatria aos ídolos de papel.

Temos crido em preceitos dogmáticos,
engendrados á revelia da racionalidade,
costurados com a linha do sofista;
ferramentas de manutenção do poder.

Temos nos atido em picuinhas ilusórias,
abandonado o foco das prioridades,
embarcado na canoa das crendices;
refutado o princípio das leis naturais.

Temos crido que o mundo surgiu do nada,
que tudo não passa de obra do acaso,
que sem mais nem menos de repente
o nada começou a criar e continua criando.

sábado, 17 de janeiro de 2015

PRECISAMOS EVOLUIR

Se porventura um extra terráqueo
proveniente de outro mundo
relativamente mais adiantado
houvesse descido aqui no planeta
lá pelos anos sessenta ou setenta,
observado a gente  en passant
e hoje de regresso para uma espiada;
 lhe fosse pedido um relatório,
certamente apontaria no laudo
o diagnóstico de um sistema contraditório:
um acentuado avanço tecnológico
em contraste com a miséria espiritual.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

O SOL E A CHUVA

De repente, no meio da tarde,
um nuvem do tamanho de uma agulha
juntou-se a outras semelhantes
e formaram em rápidos minutos
uma tapeçaria escura e densa
sobre a tela azul, imperadora da tarde...

A nuvem convocou a química do tempo;
 veio  o vento, vieram os relâmpagos
 vieram os raios, vieram os trovões,
veio o pavor dos efeitos das tempestades...

Meia hora após o evento vimos o sol
nos espiando de um jeito diferente.
Parece que o Astro-Rei pedia desculpas
por se ter escondido durante a chuva...




sábado, 10 de janeiro de 2015

MARCEL PROUST

Coisa interessante a abstração da arte
a mexer com os sentidos e a intelecção
a nos transportar  para outra realidade,
mas ainda realidade, pois tal signo abrange
tudo em torno e afastado do indivíduo
porque quando nos abstraímos  sobremaneira
da dita realidade objetiva e concreta
não ficaremos por certo desamparados,
pois ainda nos resta a realidade subjetiva...
Tais divagações vieram a ter comigo,
agora quando relia o volume primeiro
da obra Em busca do tempo perdido
do memorável Marcel Proust,
me encontrando fustigado pela canícula,
que assola nosso lendário PA-TRO-PI,
mesmo estando no sul do gigante adormecido,
ainda assim o termômetro confessa 35ºC...
Estava naquela passagem em que o autor nos revela:
"Depois acontecia uma simples variação atmosférica
rica bastante para provocar em mim essa modulação
sem que houvesse a necessidade de aguardar
o retorno de uma estação do ano. Pois muitas vezes
encontramos perdido em uma delas um dia de outra estação..."
Que reconforto, que felicidade para a alma podermos conectar
a aura espiritual e poética de um gênio de tal dimensão...



quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

ÁS VEZES...

Às vezes, fico perguntando-me
coisas tão obvias
que as repostas constrangem
o ato de perguntar,
por exemplo, quando conjecturo:
onde fica a casa de quem não tem casa?
Qual a ideologia do político oposicionista,
crítico ferrenho do situacionista,
que ao virar situação,
governa da forma que combatia do lado de fora do balcão?
Por que  nós batemos no peito, dizendo, somos cristãos,
mas se  alguém, meio suspeito, na rua nos pede um trocado,
não correspondemos e ainda justificamos nossa negativa:
tenha paciência, eu não dou nada para usuários de droga
ou ainda, se o pedido de socorro vem de alguém
que possui um penca de filhos, gritamos ao vento:
que gente sem juízo, parindo que nem rato...

domingo, 4 de janeiro de 2015

EFEMERIDADES

Através de um quadro comparativo
alguém dissertou em aleatória ocasião
que a vida se assemelha por vezes
às nuances do comportamento climático:
Um dia  o sol avassalador sob um céu limpo
vem queimar a pele do indivíduo distraído
mas eis que de repente como que  por encanto
surge abaixo do disco do sol  uma nuvem amiga
acompanhada de uma brisa balsámica
para o refrigério da alma do peregrino...
Assim também muitas vezes a vida
nos revela sua face mais árida
através os desertos existenciais,
entretanto, já cansados e sem esperanças
nos deparamos com um oásis verdejante
à nossa frente, na linha do horizonte...