quinta-feira, 5 de novembro de 2015

OLHA GENTE...

Hoje, abro esta cronica poética
fazendo uma reclamação pública
e prestando uma homenagem
a um jornalista do passado,
o ilustre Sr. Lauro Quadros,
o qual abria seu comentário.
na velha,  Rádio Guaíba,
de segunda à sexta-feira,
com o bordão: "Olha gente!"
Pois, olha gente, o que fizeram
ou estão deixando que façam
com a nossa Rua da Praia!
Cadê a administração desta cidade,
que permite a descaracterização
da nossa rua cartão postal?
Poluição visual e auditiva
imperam nos quarteirões
entre a Dr. Flores e a Rua da Ladeira
detonando o charme de outros tempos.
Nosso alcaide estaria, por acaso, surdo
e os nosso edis cegos?


16 comentários:

  1. É pena que as autoridades não observam e não tomam nenhuma ação necessária.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Caro amigo Élys, obrigado pela visita. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um ótimo dia.

    ResponderEliminar
  3. Soneto-acróstico
    Rua da Praia pede socorro

    Pela calçada da Rua dos Andradas
    Elas, as gurias, eram pois admiradas
    Lá onde se ia fazer lanche no Rian
    Ali, ponto de encontro toda manhã.

    Rua de grande significado e tradição
    Um logradouro que era traço de união
    Agora esquecida e descaracterizada
    Deixa a boa gente de Poa indignada.

    Administradores nécios sem noção
    Preferem parecer próceres de salão
    Referidos nas colunas dos jornais.

    A Rua da Praia, marco de civilidade
    Ignorada, fica enfeiando esta cidade
    Agora, OLHA GENTE, o que vem mais?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Jair, vejo que conheceste o Centro Histórico de Poa nos bons tempos.Obrigado pela visita. Um abração. Tenhas um ótimo fim de semana.

      Eliminar
  4. Meu bom amigo Dilmar, sou um apaixonado por Porto Alegre, e muito já andei pela nossa Rua da Praia, mas tens razão no que dizes, agora estou no interior, mas vou a Poa, e realmente o excesso nunca é bom, mas a rua da Praia, assim como o resto do centro, me parece que estão abandonados a própria sorte, sem falar na onda de violência, o que torna mais sujo e assustador viver em Porto Alegre, cidade que tanto amo.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo cronista Jair Machado, sei que tu moras na região metropolitana, pois resides em Viamão (eu também morei ai no começo dos anos 70) que na verdade é uma extensão de Poa.
      Um abração. Tenhas um ótimo fim de semana.

      Eliminar
  5. Amigo Dilmar, nem te conto como anda São Paulo, minha cidade está um caos, suja, mal cuidada, o centro histórico de nos envergonhar, quanto que me sentei em frente ao Teatro Municipal, assisti peças lindas por lá, o Museu do Ipiranga está de dar dó, enfim...
    Dá um dorzinha na alma, eu sempre fui muito admiradora da minha Sampa, ainda têm lugares lindos, principalmente os que rodeiam a Capital, mesmo fazendo parte dela, os bairros bem localizados!
    Vamos torcer para que deem a atenção por aí, sei bem como é de querer ver nossa cidade limpa, linda...
    Abraços meu amigo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Prezada amiga Ivone, pois as cidades grandes estão escumlhambadas, descuidadas, sujas, então, quanto mais não se dá em uma megalópole
      nas dimensões de S. Paulo, em que tudo é mega grande.
      Um abração. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  6. Um poema em forma de reclamação, adorei ler, fantástico!!

    Beijinhos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, querida amiga Cidália, pela visita de além-mar. Um abraço daqui de Porto Alegre. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  7. Olho o mapa da cidade
    Como quem examinasse
    A anatomia de um corpo…

    (E nem que fosse o meu corpo!)

    Sinto uma dor infinita
    Das ruas de Porto Alegre
    Onde jamais passarei…

    Há tanta esquina esquisita,
    Tanta nuança de paredes,
    Há tanta moça bonita
    Nas ruas que não andei
    (E há uma rua encantada
    Que nem em sonhos sonhei…)

    Quando eu for, um dia desses,
    Poeira ou folha levada
    No vento da madrugada,
    Serei um pouco do nada
    Invisível, delicioso

    Que faz com que o teu ar
    Pareça mais um olhar,
    Suave mistério amoroso,
    Cidade de meu andar
    (Deste já tão longo andar!)

    E talvez de meu repouso…

    by Mario Quintana

    ps. Carinho respeito e abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo cronista Jair Machado, obrigado por postar esta pérola, como bem define nossa amiga Tais. Um abração. Tenhas um ótimo fim de semana.

      Eliminar
  8. Amigo Dilmar, , você está coberto de razão, essa indignação com a Rua da Praia também se faz minha, está perdendo o romantismo. Sei lá, o que há com nossos prefeitos... a poluição tomou conta mesmo, está 'largada'.
    Mas esse poema magistral de Quintana (deixado pelo nosso amigo Jair) é uma pérola, como adorava a nossa rua mais famosa! Era uma doença dos gaúchos essa rua! Doença no bom sentido, se houver!! rs Também andei por lá e lastimo. E o Cais? Pois é, o coração da cidade está batendo muito lentamente, tomara que não tenha um enfarte fulminante e sem recuperação.
    Grande abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida amiga Tais, a Rua da Praia da nossa juventude era um poema. Acho que o nosso poeta-anjo também tinha esse sentimento.
      Um abração. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  9. Amigo Dilmar, muito interessante seu poema contendo toda a sua indignação,que com certeza, dá voz há muitas pessoas que pensam e sofrem como você. O bom é que possuímos este espaço,onde podemos gritar toda a nossa tristeza, em relação aos fatos que nossos políticos " não enxergam",pois fica mais fácil não ver o que incomoda o povo que grita. Parabéns,pelo poema! Abraço!

    ResponderEliminar
  10. Cara amiga Marli, obrigado pelo comentário. Um abração. Tenhas um lindo domingo.

    ResponderEliminar