quarta-feira, 18 de novembro de 2015

FERNANDO PESSOA DIRIA: ASSIM NÃO!

O eminete palestrante
discorreu sobre os esteios
do pensamento humano
desde os pré-socráticos
passando por Platão,
Voltaire, Rosseau,
Nietzsche, Sartre...
e a seleta platéia
permanecia muda...
dir-se-ia: que juventude
tão concentrada
no templo do saber.
O filósofo, já sem voz,
incitou a audiência
às perguntas,entretanto,
o silêncio continuava...
O catedrático desceu
do coreto, caminhou
pelos corredores,
aos berros:
o que vocês estão fazendo aqui?
E a resposta uníssona:
estamos navegando!



16 comentários:

  1. Amigo Dilmar, muito bem colocados os versos, nossa, seria engraçado se não fosse trágico, pois é, hoje em dia é assim, todos "navegam", virou vício, acho que um vício maligno, pois doença não é nada bom!
    Tenho medo disso e não quero nem saber, tenho celular e até o esqueço.
    Abraços meu amigo, sempre com boas postagens!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Ivone, obrigado pelo comentário. Um abração. Tenhas uma linda quinta-feira.

      Eliminar
  2. Universo paralelo

    Internet, amigo, é mundo fictício
    Um Matrix que controla a mente
    Aquele que navega desdo início
    Acaba se tornando dependente

    Ela mesmerizou o adolescente
    Esse prisioneiro de seu edifício
    Que não sabe mais o que sente
    Catatônico à beira do precipício

    Então absorto no mundo virtual
    Ele não sabe quanto este é cruel
    Nos exames escolares leva pau

    E continua a esse universo fiel.
    Um mundo de vastidão universal
    Que tem profundidade de papel.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Jair, obrigado pela bela visita póetica. Um abração. Tenhas uma ótima 5ª feira.

      Eliminar
  3. Brilhante texto!

    Beijos de boa noite
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Cidália, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  4. Perfeito meu caro amigo e poeta Dilmar...lendo o poema me perguntava para onde iria, então ao chegar no final, sinto o soco na boca do estômago, a mais cruel realidade...nós já começamos a deevoluir, pois nossos jovens estão caminhando de cabeça baixa, curvados, logo estarão se arrastando ao chão...o efeito nocivo da internet, quando nos imbecializa mesmo quando estamos vivendo nossa vida real.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro amigo Jair Machado, a internet é uma ferramenta poderosa e útil, cabe-nos usá-la com sabedoria.
      Um abração. Tenhas uma boa tarde/noite

      Eliminar
  5. Os filósofos ficariam perplexos! Não entenderiam nada, ficariam na completa obscuridade. Mas que é ridículo ver as pessoas em todos os lugares 'navegando', ah é! Nos hospitais, na rua, laboratórios, pontos de ônibus, calçadas, teatros, qualquer lugar, só não vi ainda em igrejas, templos etc. É o pior dos vícios, depois daqueles... E esse vício todos aceitam!!!!!! Não entendo.
    Abraços, amigo Dilmar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida amiga Tai, às vezes fico imaginando a seguinte cena: um casal no dia das núpcias, saem da festa e vão para o quarto do hotel, e cada um pega o celular e ficam a navegar...
      Obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma boa tarde.

      Eliminar
    2. Tais, peço escusas pelo erro de concordância, pois conjuguei mal o verbo ir.

      Eliminar
    3. Nem te preocupes, Dilmar, todos nós cometemos esses errinhos, apertamos o botão 'clicar' e quando nos damos conta, já foi! Não dá tempo de trazer!!. Mas gostei do casal, fiquei imaginando...rss
      Abraços, um ótimo fim de semana.

      Eliminar
  6. Nem me fale, Dilmar... Não suporto ver pessoas nas salas de espera, na rua, em casa, em todo lugar, com o celular nas mãos. E os fones de ouvido, nas ruas?
    Socorro, não aguento!!!
    Beijo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Shirley, obrigado pela visita. Um abração. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  7. Fernando Pessoa,
    poeta português
    se voltasse cá outra vez
    gastaria de ver Lisboa,
    para ouvir cantar o fado
    na Mouraria e Madragoa
    e tão também no Bairro Alto,
    Nas vielas de Alfama
    em noites ou não de luar
    porque a verdade não engana
    mas, a mentira atraiçoar!

    Amigo Dilmar, tenha uma boa noite, um abraço.
    Eduardo.

    ResponderEliminar