quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

REMINISCÊNCIAS

Sabe aqueles dias em que estamos a divagar
e de repente vêm à tona reminiscências
relacionadas à nossa remota infância,
eventos pitorescos, hilários, folclóricos;
instantâneos privados do cotidiano familiar.
Tais fragmentos, pequenos flocos de algodão
deslizando no céu azul da lembrança,
formando o tecido da colcha memorial,
levando-me a relatar de imediato, sem constrangimento,
ao primeiro transeunte que encontro pela frente:
Minha mãe em consulta com o oftalmologista,
pergunta, sem preâmbulos, ao especialista dos olhos:
querido, por que sinto dor no meu pé esquerdo?
 E o oculista recomenda-lhe um ortopedista,
mas minha mãe inconformada, rebate de pronto,
ué, então o Senhor não é médico?
Minha vó, certa feita, comendo um sanduíche caseiro
 na calçada, à porta de um restaurante,
quando surpreendida pelo gerente da casa:
a Senhora não pode ingerir alimentos particulares,
à entrada do meu estabelecimento!
E ela, sem pestanejar, com  o dedo na cara do rapaz:
estou usufruindo do meu direito cidadão
de ir e vir, pela via pública, com meus pertences!
Meu primo Zé, que tinha leves distúrbios,
chegando esbaforido, na minha casa:
Tio, tem um homem enforcado ali na esquina.
Então, meu pai vai até a bifurcação da rua
e não percebe nenhuma anormalidade,
mas Zézinho justifica-se, sem perturbação:
o homem ao qual me refiro, morreu enforcado
na esquina  do livro que estou lendo!

Bem, pessoal, por hoje chega de anedotas!





17 comentários:

  1. Soneto-acróstico
    Lembranças

    Recordação é corrente que move moinho
    Encontro do presente real com o passado
    Mimetizando aquilo que pode ser maninho
    Invertendo seguir natural que nos foi dado.

    Nenhuma vida há sem outra já acontecida
    Identidade daquele que aqui e agora está
    Se consubstancia pela sua pregressa vida,
    Conhecer passado melhor alicerce que há.

    Ênfase no tempo que já está incorporado
    Nos fornecerá uma ótima visão dum futuro
    Com poder de mudar o que estiver errado

    Inclusive pode tornar o espírito mais puro
    Assim, aqueles que vivem ao nosso lado
    Sentem que podem viver num porto seguro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Jair, obrigado pela réplica-acróstica. Um abração. Tenhas um ótimo fim de semana.

      Eliminar
  2. Texto lindo
    É sempre bom lembrar coisas da nossa criancice, e nem só. Eram tempos muito mais tranquilos e saudáveis ... Gostei de ler

    Beijos e um bom fim de semana.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela visita. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Amigo JR, obrigado pela visita. Um abração. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  4. Amigo Dilmar, que lindo poder ler por aqui, teus textos/poemas são ricos, esse então é bem hilário, adorei, me lembrei das prosas dos meus avós paterno, os materno nem os conheci, morreram jovens!
    Meu avô então,nossa, me contava coisas que hoje rio ao me lembrar.
    Amo poder me lembrar, acho até que nossa mente fica mais apurada quando se trata da nossa infância, o engraçado é que meu marido, que o conheci ainda criança, eu e ele, fez parte de minha vida desde então, pois a mãe dele morreu quando ele ainda era pequeno, assim ele como amigo do meu irmão, vivia indo brincar lá em casa, hoje lembramos juntos de tudo e rimos de tantas coisas!
    Amei ler aqui, ri da pergunta ao oftalmo sobre a dor no pé, ainda estou rindo, só você para trazer essa leveza!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Ivone, obrigado pelo comentário. Eu acho que as lembranças infantis perduram por toda uma existência. Tenhas, sei que terás, uma linda semana.

      Eliminar
  5. A nossa mente nos leva por caminhos nem sempre esperados ou desejados.

    Valeu o humor!

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pérola, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  6. Gostei do ortopedista,
    do sanduíche
    e do enforcado.

    Aliás, gosto sempre dos teu escritos.

    abração;.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Louraini, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  7. Relembrar eventos sempre rendem bons textos, gostei do termo colcha memorial rs
    Bom fim de semana Dilmar, abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isa, obrigado pela visita. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  8. Querido amigo lamento tanto em não poder estar passando por aqui tantas vezes quanto eu gostaria, pois adoro ler-te. Seus textos sempre memoráveis e inspiradores, e este de hoje me fez rir e lembrar da minha vózinha que já era tão brava quanto a sua e sabia colocar qualquer um em seu devido lugar, fazendo valer seus direitos. Gostei muito do que sua mãe disse ao médico, pois ela estava certa. Médicos são médicos, portanto estudam todas as especialidades, mas enfim!!!
    Só sei que é muito bom recordar. Bjos e uma ótima semana

    ResponderEliminar
  9. Oi!! Histórias, lembranças que nos fazem sorrir, que nos trazem saudades.
    Tenha lindos dias.Bjs

    ResponderEliminar
  10. meu amigo gostei muito do seu texto com pitadas de saudade.
    Um feliz final de semana abraços.
    Evanir..

    ResponderEliminar