domingo, 8 de fevereiro de 2015

INSPIRAÇÃO

Houve um tempo
em que eu acreditei
que Morfeu sugestionava
versos durante a viagem
do espírito pelo espaço,
mas quando desperto
eu esquecia do ditado.
Determinado a aproveitar
as dicas transmitidas
pelo Senhor do sono
coloquei caneta e papel
ao lado do travesseiro
para anotar as estrofes
recém saídas do forno.
Esperei dias, semanas;
não sei quanto tempo,
mas nada acontecia
 até que enfim, uma manhã,
ao acordar, minha mão
escreveu, teleguiada:
inspiração também tira férias!

18 comentários:

  1. Oi Dilmar!
    Verdade! Inspiração por vezes some, desaparece!
    Eu, além do bloquinho na mesa de cabeceira, tenho um na bolsa, outro na varanda e por aí vai...a gente nunca sabe quando ela poderá aparecer!
    Felicidades para você!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Jossara, obrigado pela visita. Eu carrego sempre papel, caneta ou lápis. Não gosto de escrever no celular. Até já acostumei ler livros no celular, mas escrever ainda não. Quando estou em casa ou aonde haja computador ou notbook, se pintar alguma coisa, digito o poema na hora, mas em trânsito, os apetrechos referidos acima me salvam.
      Um abraço. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  2. Texto maravilhoso, loool Gostei muito

    Beijo
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Cidália, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  3. Vamos convir que ele também merece«férias» mesmo assim não faz tanta falta,
    o blogue continua, gostei, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Zulmira, obrigado pela visita. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  4. É verdade...
    Acho que a minha está de recesso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  5. Amigo Dilmar, sei como é isso, muitas vezes nem sei o que escrever, mas sempre sentimos uma "ansiedade", sem escrever não dá para viver,rsrs!
    Quanto ao Morfeu, esse deus dos sonhos que por sinal já escrevi um poema sobre ele, não anda dando tanta trela para nós, simples mortais,rsrs, sendo assim o jeito é contar com a sorte da boa inspiração para que não nos abandone de vez!
    Amei ler, sempre consegues nos cativar, ainda bem que sua inspiração voltou das férias, mas nem percebi a ausência dela, pois para mim, aqui sempre estás inspirado!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Ivone, obrigado pelo comentário. Lembro-me do teu poema sobre o Morfeu, do qual gostei bastante.
      Um abração. Tenhas, sei que terás, uma linda semana.

      Eliminar
  6. Caro amigo, gostei por demais do texto, e concordo com você que tem dias que nos falta inspiração. Creio que devido aos dias atuais que estamos vivendo, essa corrida alucinada e muitos afazeres, selecionamos muitas informações, por outro lado a rotina do dia a dia nos deixa sem ideias, o que não é o seu caso, pois confesso que gosto muito de ler seus textos e poemas e sempre saio daqui inspirada e motivada. Belo texto. Beijinhos, ótima semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo carinho, amiga Josy. Um abração. Tenhas um lindo dia.

      Eliminar
  7. Olá meu caro Dilmar,
    esta sua "Inspiração" está soberba, a sério. Excelente, descreve bem o que aquele que escreve conhece bem.
    Acredite que já me aconteceu, não raras vezes, despertar com texto inteiro ali, automático, e que da mesma forma automática se "desintegra nas nuvens" mal tento "rebobinar". E nunca mais me "regressa". Parece loucura, mas é verdade.

    Abç amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é amiga Carmem, muitas vezes nos acontecem coisas interessantes, sobretudo, quando estamos ocupados com alguma tarefa inadiável, então desce um texto pronto, mas quando desincumbidos da ocupação que nos prendia, que vamos transcrever o ditado, o mesmo foi deletado.
      Um abração. Tenhas um lindo dia.

      Eliminar
  8. Soneto-acróstico
    Ao sonho

    Claro que quando a alma voa no espaço
    Ouve dos arcanjos judiciosos conselhos
    No mais não precisa de régua e compasso
    Sente que tudo sabe por trás do espelho.

    Em sonhos vêm vontade e alumbramento
    Logo convertidos em uma obra qualquer
    Há sempre inspiração nalgum momento.
    Onde haverá por trás romance e mulher.

    E o poeta em busca de alguma inspiração
    Sonha e desse sonho uma criação ele faz
    Outra não a fonte que lhe facilita a missão.

    Nenhum poeta sem sonhar será pois capaz
    Habitualmente vate sabe o que sonhos são
    Onde ele habita, produz e sente-se em paz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo poeta Jair, obrigado pela réplica-acróstica. Um abração. Tenhas um ótimo dia.

      Eliminar
  9. Olá, amigo Dilmar, também penso nisso, muitas vezes nada acontece. Fico olhando para a tela branca meio abobalhada. Já pensei como devem viver em agonia certos jornalistas que conhecemos que escrevem crônicas 2, 3 vezes por semana ou alguns todos os dias em jornais. Como conseguem? Já li alguns deles escrevendo sobre esse assunto. Falta tudo, dá um branco. Realmente deve ser algo meio enlouquecedor.
    Grande abraço, amigo.

    ResponderEliminar
  10. Amiga Tais, obrigado pela visita. Também acho que deve ser meio enlouquecedor ter de produzir cronicas sob encomenda.
    Um abração. Tenhas uma boa tarde.

    ResponderEliminar