quinta-feira, 1 de outubro de 2015

120 ANOS NÃO PARA QUALQUER UM

Hoje saúdo um ilustre porto-alegrense
nascido em primeiro de outubro de 1985,
ente luminoso dos meus dias juvenis,
portal de conexão com o desconhecido
O velho róseo da Caldas Junior
chegava cedinho na minha casa
para ser folheado, lido, degustado.
Lembro-me da concorrência impressa,
da Última Hora, do Diário de Notícias...
velhos bons jornais daqueles dias,
entretanto não possuiam o glamour
e a credibilidade do Correio do Povo...


17 comentários:

  1. Respostas
    1. Cara amiga Margoh, obrigado pela visita. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  2. Boa tarde, Dilmar, o que é bom vem para ficar.
    Merecida homenagem, com seu rico texto.
    A valorização da cultura deve ser cultivada, e com pequenos gestos vamos ganhando espaço ! Parabéns! Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário. Um abraço. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  3. Olá Dilmar. Voltando aos blogs e sempre com admiração de seus textos. Grande abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Maria Lacerda, obrigado pela viista. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um lindo dia.

      Eliminar
  4. Soneto-acróstico
    Correio do Povo

    Onde um jornal impresso era o bicho
    Correio do Povo mandava muito bem
    O mais vibrante, mantinha seu nicho
    Representava tudo que dizia também.

    Reler notícias editadas com capricho
    E degustar cada linha indo muito além
    Inclusive não dizer, pro Correio me lixo
    O que lê de mentira nunca será refém.

    Dito isso, meu querido companheiro
    O que se esperava, o que se queira
    Palavra ver que conduz ao sendeiro.

    O jornal que é uma mídia verdadeira
    Vende-se, não se vende por dinheiro
    O que quer é defenestrar toda asneira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Jair, obrigado por este belo soneto-acróstico. Um abraço. Tenhas um ótimo fim de semana.

      Eliminar
  5. Linda homenagem, que bom poder ter o que comemorar, realmente, 120 anos não é para qualquer um!
    Abraços meu amigo poeta querido, obrigada sempre pelo seu carinho lá no meu espaço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Ivone, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas, sei que terás, um lindo domingo.

      Eliminar
  6. Bela homenagem meu querido amigo e poeta Dilmar...quando fui morar em Porto Alegre a primeira providência foi assinar o Correio, durante cinco anos que vivi na capital meus passos eram guiados pelo Correio do Povo.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Jair, obrigado pela visita. Pena que hoje o Correio está bem distante do Correio do nosso tempo. Um abração. Tenhas um ótimo domingo.

      Eliminar
  7. Oi, amigo Dilmar, tenho o maior carinho pelo Correio do Povo,. Envio pra você a primeira edição (1 de outubro de 1895). Gosto dele pela 'imparcialidade'... Um dos poucos! Ótima homenagem.

    http://www.correiodopovo.com.br/Impresso/?Ano=117&Numero=25&Caderno=8&Noticia=351833

    Grande abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado, cara amiga Tais. Correio do Povo e a velha Radio Guaíba faziam a dobradinha perfeita, uma escola de comunicadores.
      Um abraço. Tenhas um domingo maravilhoso.

      Eliminar
  8. 120 anos de vida,
    não é para qualquer um
    depois da mocidade perdida
    recuperá-la não consegue nenhum.

    Tudo o que tem princípio,
    também terá fim
    não há nada a fazer contra isso
    porque tem mesmo que ser assim
    só se morre depois de ter nascido?

    Tristezas não pagam dividas,
    não adianta mais disso falar
    falamos antes de alegrias
    tenha uma boa noite amigo Dilmar,

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro amigo Eduardo, obrigado pela visita poética de além-mar. Um abração daqui do sul do Brasil. Tenhas um belo domingo.

      Eliminar