segunda-feira, 5 de outubro de 2015

GUERRA, INFELIZMENTE ELA AINDA EXISTE

O general, pensador Zun Tzu disse
há muito tempo: "A suprema arte
da gerra é derrotar o inimigo sem luta"
Entretanto, o que temos visto na prática
é a proliferação da luta armada com o objetivo
de dobrar o outro que pensa diferente do agressor.
O poeta-escritor-humanista Hermann Hesse afirma:
A paz não é um estado primitivo, nem uma forma
regulada pelo acordo. A paz é algo que não conhecemos,
que apenas buscamos.
Mas a paz não deve e não pode ser apenas um ideal!



12 comentários:

  1. A Arte da Guerra é uma tradução do Caio Fernando Abreu...não conseguimos nem a paz interior, e estamos cada vez mais distantes de uma paz prática, sem guerras, sem fome, sem violência. Mas não é o que vemos e sentimos todos os dias, caminhamos a passos rápidos para o fim da humanidade. Parece exagero meu ? tomara. Meu querido amigo Dilmar que tua poesia seja mais um grito para trazer paz e salvação para o mundo. Apesar, apesar, acredito que a poesia salvará o mundo.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo Jair, obrigado pela visita. Talvez a poesia não salve, mas ameniza a dor. Um abração. Tenhas uma ótima tarde.

      Eliminar
  2. Guerra

    Guerra é uma imbecilidade suprema
    Uma dramatização burra e sangrenta
    Que à consciência parece um dilema
    Que se desenvolve em câmara lenta.

    Onde matar e ser morto é mero lema
    Que os conceitos humanos arrebenta
    Dando assunto para filme de cinema
    Para certa plateia eletrizada e atenta.

    Ver sangue na tela vira uma obsessão
    De espectadores de batalhas sedentos
    Açulados por mortandade de multidão.

    Essa natureza funesta de tais eventos
    Introduz catarse carregada de emoção
    Nos homens que cultuam sofrimentos.

    ResponderEliminar
  3. Paz

    Eu tiro daqueles tempo idos, lições
    Que o mundo marcaram na história
    Ouço a poesia, os cantos e canções
    Também gritos que anunciam vitória.

    Eu vejo o caminhar da humanidade
    Que erra mas com erro não aprende.
    E enxergo o degradar da sociedade
    Que faz guerra e nunca se arrepende.

    Parar pra pensar é portanto urgente
    Perguntar, chegar queremos aonde?
    Não como faz avestruz simplesmente

    Que vê o perigo e a cabeça esconde.
    Pois se quisermos viver plenamente
    Da paz, compulsório é pegar o bonde.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo, poeta, Jair, obrigado pelos belos poemas. Pegaste o mote e criaste dois belos trabalhos. Um abração. Tenhas uma ótima tarde.

      Eliminar
  4. Amigo Dilmar, infelizmente o homem é de guerra mesmo, não tem jeito, vai sempre existir!
    Amei ler como sempre, é bom refletir sobre tudo, principalmente sobre o que é comum, guerra é comum, que pena, que pena!
    Abraços meu amigo, tenhas uma linda semana!Ah, "sei que terás"!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Prezada amiga Ivone, obrigado pela visita. Um abração. Tenhas, sei que terás, uma linda tarde.

      Eliminar
  5. O ser humano busca , a paz e a felicidade no exterior, porém só a encontrará no âmago do seu ser.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perfeitamente, caro amigo Élys, não procuremos nada fora, porque as coisas de necessitamos estão dentro de nós. Um abração. Tenhas uma ótima tarde.

      Eliminar
  6. Passo para lhe desejar uma noite feliz
    Adorei o texto, como sempre.

    Beijinho

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Boa noite, caro amigo Dilmar! Os seres humanos que fazem as guerras, infelizmente ainda não entenderam, e talvez nunca compreenderão que nas guerras não existe vencedores! Parabéns pelo tema sempre oportuno! Terno abraço, com desejos de uma semana super tranquila!

    ResponderEliminar
  8. Infelizmente o ser humano ainda não atingiu nível consciencial elevado para abolir pensamentos de guerra, poder, dinheiro etc. Estamos evoluindo. Grande abraço.

    ResponderEliminar