terça-feira, 10 de março de 2015

SOMOS PRODUTOS DAQUILO QUE ENGENDRAMOS

A árvore doente por certo
não produzirá bons frutos
assim como a escola ruim.
não formará bons alunos...

Fala-se a toda a hora
sobre a falta de virtude
do político brasileiro,
pelo contrário, elucida-se
a propensão ao vício
e à faculdade corruptiva
como marca registrada
deste segmento específico...

Críticos exaltados exigem
a deposição da camarilha
e a substituição imediata
dos hospedeiros de plantão
pelos suplentes da hora...

Os cargos políticos e públicos
 são preeenchidos por homens
nascidos e formados aqui;
são produtos do caldo de cultura,
da fermentação de princípios inerentes
à surrada Lei de Gerson...

Mas, então, não existe solução
para o descalabro reinante?
Existe! Basta querer! Querer de verdade
Não adiantará criar novas leis, nem prisões
nem pena de morte, nem execução sumária,
nem seitas, filosofias, tratados, religiões...
A solução é individual; está no coração do homem.
Todos nós conseguimos diferenciar o bem do mal,
portanto a questão é tomada de consciência!
Quando o Homem estiver curado, tudo mudará,
mas enquanto a sociedade continuar doente,
não produzirá cidadãos saudáveis...





17 comentários:

  1. Respostas
    1. Amigo JR, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma ótima tarde.

      Eliminar
  2. Tudo depende de nós... Maravilha de poesia.
    Bjusss Dilmar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nádia, obrigado pela visita. Um abração. Tenhas uma linda tarde.

      Eliminar
  3. Acróstico

    Era uma vez um gigante adormecido
    Tudo que lá tinha era sempre melhor
    Aquele povo era esperto, mui sabido
    Porquanto malandragem sabia de cor.

    Os políticos, o contrário do que se diz
    Vinham da mesma formação do povo
    Indicados por aquele povinho tão feliz
    Normal, sob sol tropical nada de novo.

    Hoje, caos visível tornou-se imperioso
    Os esquemas corroem o tal Pindorama
    Brinca com não cega justiça o mafioso
    Unem-se os meliantes na grossa lama.

    No fundo, esse comportamento odioso
    Deixará de brilhar essa espúria chama
    Assim que deixarmos o jeito escabroso.
    !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Jair, obrigado pela réplica-acróstica. Um abração. Tenhas uma boa tarde.

      Eliminar
  4. Meu querido amigo e poeta, ou seria filósofo Dilmar ? Quanta verdade, deveria ser tudo simples, muito simples, e nossas vidas seriam bem melhores...gosto de um analista psicanalítico, o Jung, que diferente de Freud dizia que tudo começa, que nossa vida começa quando tomamos consciência de que existimos, então, por mais que tenhamos uma formação ou deformação que é a educação dada em casa nos dias de hoje, quando tomamos consciência de nossa existência, iniciamos nosso verdadeiro livre arbítrio, como bem disse esta maravilhoso poeta Dilmar, o que se precisa é honestidade conosco mesmos, honestidade, respeito consigo e o próximo. Lembrei de nossa amiga Tais, quanta lucidez meu poeta, quanta lucidez.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo irmão Jair Machado, obrigado pelas palavras elogiosas e carinhosas. Perfeitamente, tudo é questão de consciência e honestidade; a mola mestra do bom caminho. Amigo, tu estás em companhia, pois curtir o Jung não é pouca coisa. Tu estás de parabéns. Um abração. Tenhas uma ótima tarde.

      Eliminar
  5. Amigo, Dilmar, pura verdade. Somos uma sociedade doente em um planeta doente. Estamos a caminho da melhora, de autoconhecimento, de luta contra nossos vícios. Sabemos que nosso planeta caminha para a regeneração e quando isso acontecer, não haverá mais lugar para pessoas que colocam à frente o individual, em detrimento do coletivo. Muita paz!

    ResponderEliminar
  6. Amigo, Dilmar, pura verdade. Somos uma sociedade doente em um planeta doente. Estamos a caminho da melhora, de autoconhecimento, de luta contra nossos vícios. Sabemos que nosso planeta caminha para a regeneração e quando isso acontecer, não haverá mais lugar para pessoas que colocam à frente o individual, em detrimento do coletivo. Muita paz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Denise, obrigado pelo comentário. Um abração. Tenhas um dia abençoado.

      Eliminar
  7. A vergonha social em poesia!
    Existe solução onde existe valores éticos e morais.
    Mas por onde anda ninguém vê. Abraços. Edna.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Edna, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas um lindo dia.

      Eliminar
  8. Oi, Dilmar!
    Precioso texto! Penso assim como você!
    A partir do momento que cada cidadão cumprir com honradez sua parte, as sonhadas mudanças acontecerão.
    Abraço carinhoso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Jossara. Um abração. Tenhas um ótimo dia.

      Eliminar
  9. Boa noite, Dilmar,
    como sempre bons textos e ótimos poemas.
    Lembrei -me de um fato, que vem a calhar agora. Um pai estava trabalhando , e estava com o serviço atrasado, o filho pequeno queria a sua atenção e o chamava sempre:- Pai , pai.
    O pai teve uma ideia, achou um quebra cabeça do mundo e disse ao filho:-
    -Querido monte este quebra cabeça, é o nosso mundo.
    Pensou que assim, passariam algumas horas sem que o menino o perturbasse, mas ledo engano, passado alguns minutos o menino veio lhe trazer o jogo montado.O pai admirado, perguntou-lhe:
    - Filho, como montou tão rápido.?
    - Fácil, pai, do lado de trás havia o homem, assim, consegui montar o homem e o mundo ficou certo.
    Bem, assim, quando arrumamos ou educamos o homem , mudamos o mundo. Desculpe, tanta escrita. Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marli, obrigado pelo comentário. Gostei da historinha. Não há por se desculpar, pois aqui neste espaço todo comentário, breve ou longo, é bem-vindo e recebido com carinho.
      Um abração. Tenhas um lindo dia.

      Eliminar