quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

O SOL E A CHUVA

De repente, no meio da tarde,
um nuvem do tamanho de uma agulha
juntou-se a outras semelhantes
e formaram em rápidos minutos
uma tapeçaria escura e densa
sobre a tela azul, imperadora da tarde...

A nuvem convocou a química do tempo;
 veio  o vento, vieram os relâmpagos
 vieram os raios, vieram os trovões,
veio o pavor dos efeitos das tempestades...

Meia hora após o evento vimos o sol
nos espiando de um jeito diferente.
Parece que o Astro-Rei pedia desculpas
por se ter escondido durante a chuva...




20 comentários:

  1. Boa tarde, Dilmar, o sol com certeza, ficou sem graça em nos abandonar.
    Quantas nuvens cobrem nossos olhos e corações, mas a luz volta com toda a força para que possamos olhar o azul do céu sem empecilhos. Tenha uma linda tarde. Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marli, obrigado pela visita e obrigado pelo comentário. Um abraço. Tenhas uma linda tarde.

      Eliminar
  2. Soneto-acróstico
    À chuva

    A chuva, talvez o sol ao contrário
    Ponteia quando este se esconde
    Óbice de nuvens são seu calvário
    Sabe-se lá estão indo para onde.

    Ou se tem dia ensolarado ou não
    Se chove é porque sol assim quis
    Onde está apenas uma indagação
    Lá talvez ele seja bem mais feliz.

    Assim o sol nem desculpa pede
    Conhece a chuva, esta é teimosa
    Haverá chuva se o sol se quede.

    Uma chuva nunca será uma rosa
    Vai caindo e por vezes se excede
    Ainda assim sempre é corajosa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Jair, não me canso de ler teus acrósticos, e este esta bem especial.
      ps. Carinho respeito eabraço.

      Eliminar
    2. Amigo poeta Jair, obrigado pelo réplica através de belo soneto-acróstico.
      Um abraço.
      Neste exato momento, 16:57, está caindo um toró aqui em Poa.

      Eliminar
  3. Meu mui estimado poeta e amigo Dilmar, amo nuvens, mesmo as de tempestades...tua retórica metafórica é linda, pois transformas em beleza algo que realmente assusta, e estamos a viver quase todos os dias nos últimos tempos, o Sol escaldante e chuvas apavorantes...momentos de metamorfose no céu, em que o Sol e banido de nossas visões, e como que arrependido ele volta por entre as nuvens para dizer que não nos abandonou. Muito lindo meu poeta, muito.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido Jair Machado, parece que este verão vai ser assim; ora o sol violento, ora os torós contundentes. Obrigado pelo carinho de sempre. Um abraço. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  4. Fabuloso texto! Amei... O tempo é mesmo assim

    Beijos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado amiga Cidália. Um abraço daqui de Porto Alegre, sul do Brasil. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Dilmar, as nuvens negras são assustadoras, mas acredite, as vejo com um olhar deslumbrante com tanta beleza que há na "brabeza" da natureza, aqui em Sampa então, embora nem sempre as chuvas caiam onde é preciso, mas pelo menos aliviam o calor, bem como dissestes em outro poema, calor canicular!
      Abraços meu amigo sempre querido!

      Eliminar
  6. Realmente, amiga Ivone, as nuvens escuras, densas possuem um certo encanto, um certo mistério. Pois no meu tempo de criança amava ficar à janela, nos dias chuvosos, contemplando o formato das nuvens, observando a maneira como umas sobrepunham-se às outros. Aquilo representava-me um espetáculo grandioso!
    Um abração. Tenhas, se que terás, um lindo dia.

    ResponderEliminar
  7. Un bonito poema nos dejas, Dilmar: Con lluvia o sol y nubes, la inspiración te regala su gracia su fortuna.
    Enhorabuena. Es preciosa me ha encantado.
    Un beso azul en vuelo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Marina, obrigado pela visita. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  8. A natureza e suas manifestações sempre belas, ainda que por vezes nos assustem...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Branca, obrigado pela visita. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  9. a natureza em versos...
    oportunos também.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Ingrid, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar