sábado, 24 de janeiro de 2015

A VOLATILIDADE DA PALAVRA

Andando pela rua em determinados dias
ou ocupado com alguma tarefa inadiável
chega-nos, de repente, um cabedal de signos;
 palavras soltas pedindo passagem...

Os vocábulos ricocheteiam em nossa cabeça,
reclamam porque não estamos a postos
para ordená-los no papel, no pc, no tablet;
enfim querem vir à luz através de um poema...

Entretanto, no momento adequado, em tese,
 desincumbidos das coisas que nos prendiam,
quando convocamos aqueles vocábulos inquietos,
os mesmos já  batem  à porta de outro poeta...

24 comentários:

  1. Bom dia amigo Dilmar
    A inspiração não conhece o vocábulo tempo. Ela chega e nos toma de assalto, com sofreguidão querendo se espraiar nos versos de um belo poema. Se não aproveitamos o momento ela vai ancorar em outros mares. Tomar vida em outro coração poético. Belo poema como todos que você grande poeta oferece para nosso deleite.
    Um ótimo final de semana
    Um carinhoso abraço

    ResponderEliminar
  2. Amiga Gracita, obrigado pelas palavras e amigas, repletas de carinho.
    Um abração. Tenhas um lindo fim de semana.

    ResponderEliminar
  3. É a pura realidade, querido Dilmar... Tenho no carro e em todos os cantos da casa, caneta e papel para essas frequentes ocasiões rs.
    Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Shirley, obrigado pela visita. Um abração. Tenhas um lindo domingo.

      Eliminar
  4. Isso pode a ti e a outros, a quem o Criador, ao distribuir talentos deu o dom dos versos e das rimas, porque a mim, Ele fez passar longe...
    Que teu fim de semana seja ótimo!
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo JR, obrigado pelas palavras carinhosas.
      Um abraço. Tenhas um ótimo domingo.

      Eliminar
    2. Para complementar, amigo JR, talvez tu não versejes, entretanto, manuseias a palavra com talento nos teus trabalhos de posa. Tens uma boa escrita.
      Um abração.

      Eliminar
  5. Soneto-acróstico
    Aos vocábulos

    Amigo, as palavras nunca foram fiéis
    Se você em destaque não as coloca
    Perde os dedos, muito mais os anéis
    Assim, as domina aquele que se toca.

    Lutar contra a vontade dos cognatos
    Atribuir-lhes qualquer incerto sentido
    Vilipendiar suas conquistas seus atos
    Resulta num texto morto e desabrido.

    Apenas o que querem dizer, respeite
    Seja para elas um mero instrumento
    Verterá então texto que é um deleite.

    Onde você lhes fala que são fomento
    A fim de não chorar o derramado leite
    Morre das ditas a empáfia sem alento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, caro amigo poeta Jair; as palavras; ha, as palavras...
      Quantas vezes eles nos torpedeiam o cérebro, aos borbotões, justamente naqueles momentos em que estamos imbuidos de outro mister, mas quando nos dispusemos a grafá-las, elas desaparecem ou se apresentam soltas, desconexas, distraídas e não encontramos o cimento, a liga para lhes dar o melhor sentido, segundo nosso juiizo. Já em outras vezes, começamos a elaborar o poema, apenas no intuito de escrever alguma coisa, sem maiores esperanças, e eis, que de repente, os vocábulos se ordenam, se alinham, e acabamos funcionando como se fôssemos médiuns psicógrafos...
      Obrigado pela réplica-acróstica.
      Tenhas um grande domingo.

      Eliminar
  6. Adorei o poema!!!


    Bom fim de semana
    Beijo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Cídália, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui de Porto Alegre, sul do Brasil. Tenhas um lindo domingo.

      Eliminar
  7. As palavras perdem-se, batem a outra porta senão atendidas em momento certo.

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pérola, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um lindo domingo.

      Eliminar
  8. Gostei muito deste seu poema, amigo.
    E atrevo-me a levá-lo para o inserir no meu blogue
    plullina.
    Bom fim de semana.
    Um abraço
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Irene, obrigado pela visita de além-mar. Obrigado pela deferência, a qual lisonjeia-me e contenta-me muito.
      Um abração daqui do sul do Brasil. Tenhas um lindo domingo.

      Eliminar
  9. Boa noite Dilmar.
    Meu amigo poeta, acho que só pessoa especial consegue traduzir em lindos poemas assuntos tão interessante como você é capaz. Acho que deve surgir inspiração em vários momentos do dia, por isso meu amigo tenha sempre caneta e papel em suas mãos. Obrigada pela sua amizade, que Deus esteja sempre com você e sua família, um lindo fds para vocês.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  10. Amiga Mirtes, obrigado pelas palavras amabilíssimas e carinhosas para com minha pessoa. Eu também agradeço a Deus por nossa amizade. Um abração daqui do sul do Brasil. Tenhas um domingo abençoado.

    ResponderEliminar
  11. Amigo Dilmar, a palavra é um dom, que nem sempre usamos adequadamente. Ainda bem que existem pessoas como vc que enchem os signos de orgulho, por serem bem utilizados. Muita paz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Denise, obrigado pelas palavras amigas. Um abração. Tenhas uma semana abençoada.

      Eliminar
  12. Gostei da poesia e do blogue, vou passando...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Zulmira, obrigado pela visita. Volte sempre que quiser. A porta está aberta.. Um abraço . Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  13. Respostas
    1. Obrigado, Fernando pela visita de além-mar. Um abraço daqui de Porto Alegre, sul do Brasil. Tenhas uma ótima semana.

      Eliminar