A minha Lista de blogues

domingo, 4 de janeiro de 2015

EFEMERIDADES

Através de um quadro comparativo
alguém dissertou em aleatória ocasião
que a vida se assemelha por vezes
às nuances do comportamento climático:
Um dia  o sol avassalador sob um céu limpo
vem queimar a pele do indivíduo distraído
mas eis que de repente como que  por encanto
surge abaixo do disco do sol  uma nuvem amiga
acompanhada de uma brisa balsámica
para o refrigério da alma do peregrino...
Assim também muitas vezes a vida
nos revela sua face mais árida
através os desertos existenciais,
entretanto, já cansados e sem esperanças
nos deparamos com um oásis verdejante
à nossa frente, na linha do horizonte...

20 comentários:

  1. Soneto-acróstico

    Assim, as vezes na nossa vida
    Sob aquele sol que brilha então
    Encaramos um óbice sem saída
    Ficamos extáticos em confusão.

    E na nuvem reparamos pouco
    Mas a providência certamente
    Espera não sejamos moucos
    Retém aquele sol inclemente.

    Imunes ao calor que aquecia
    Devemos entender a analogia
    Agora nasceu nova esperança.

    Deixemos tudo seguir o rumo
    E da vida bebamos o sumo
    Sem o qual ninguém avança.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo poeta Jair, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma ótima tarde.

      Eliminar
  2. Bela comparação amigo Dilmar. A vida é bem assim ora estamos tristes minutos depois a alegria chega com euforia. Por ser efêmeros é que esses momentos são tão valiosos.
    Um abraço e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Gracita, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  3. Amigo Dilmar,
    entro aqui sabendo que vou ler maravilhas.
    Poema da vida de forma suave, encantadora. Amo!...
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Nidja, obrigado pelo carinho. Um abraço. Tenhas uma linda tarde.

      Eliminar
  4. Bom dia

    Belo texto, gostei de ler

    Beijinho e uma excelente semana.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Cidália, obrigado pela visita vinda de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma boa tarde.

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Fernando, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma boa tarde.

      Eliminar
  6. Bela reflexão poética; fui levado à reflexão...
    Aproveito e deixo-lhe os meus votos de felicidade expressando o desejo de que, neste Novo Ano que agora nasce, almejes as tuas mais profundas aspirações.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Jr, obrigado pelo carinho. Um abração. Tenhas uma ótima tarde.

      Eliminar
  7. Caro Dilmar,
    Faz muito sentido.Muito boa essa analogia.
    Que este ano o sol nos sorria, que andamos necessitados ;)

    Abç amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Carmem, obrigado pelo comentário. Um abração. Tenhas uma linda tarde.

      Eliminar
  8. Atravesso um deserto embora prefira o morno da praia na primavera.

    Nunca é como desejamos ou pensamos, quase nunca.

    Que aproveitemos tudo: da neve ao escaldão. Não se sabe o que vem por aí.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Pérola, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda tarde.

      Eliminar
  9. É isso amigo. Uma constante alternância
    Sempre a vida a nos surpreender.
    Desejo muito que se encontre bem.
    Um abraço
    Irene Alves.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Irene, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda tarde.

      Eliminar
  10. Cá estou eu, em mais um árido deserto. Estou cansado. Tenho 22 anos e, por vezes, parece que não tenho mais tempo. Ainda bem que, como acontece com o clima, depois de uma longa secura, a chuva vem. Um dia ela vem beijar a aridez...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alysson, tu és jovem e certamente tens uma linda trajetória pela frente. Um abração daqui do sul do Brasil. Tenhas um ótimo 2015.

      Eliminar