quinta-feira, 20 de agosto de 2015

AS CARTAS

A primeira carta enviada
era verborrágica, falava
de uma paixão vertiginosa
composta por várias páginas
em papel perfumado.
As outras, que vieram depois,
eram menos extensas,
mas ainda febris,
porém mais-tete-a-tete,
entretanto, não  respondidas.
A menina não acreditava
em tanto pano para  manga,
pensava: é muita devoção,
os homens mentem sempre!
As cartas rarearam, ficaram curtas:
uma página, meia página, dez linhas,
o rapaz ainda escrevia de teimoso.
A derradeira cartada tinha uma frase:
"Te amo",
aquela teve resposta: vem me conhecer
 de perto, estou apaixonada!




11 comentários:

  1. Tudo acaba, até as cartas, que, até sabia tão bem receber uma carta. um postal..parece que as coisas tinham outro valor.

    Gostei de ler
    Beijinhos, bom fim de semana.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Romântico, doce, saudosista...que lindo Dilmar! Como super romântica que sou, me imaginei na pele dessa menina...querendo e não podendo acreditar...rsrsrs...AMEI!!! abraços, ania...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ania, obrigado pela visita. Um abração. Tenhas um fim de semana azul.

      Eliminar
  3. Oi, Dilmar!
    As trocas de cartas era algo encantador!
    Quando eram de amor, então, mágicas!
    Amei a lembrança!
    Beijo carinhoso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Velho tempos, belos dias, né amiga Jossara! Um abração. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  4. Lindo, pois é, com tantos rebusques a menina nem podia acreditar, aos poucos rarearam tanto o envio quanto o conteúdo, pois o que realmente pesou foi o fato de ele dizer "te amo", pois é, essa frase foi a chave,rsrs!
    Amei ler aqui amigo Dilmar, deixei resposta ao seu comentário!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é querida amiga Ivone, o que vale é simplicidade e a sinceridade. Obrigado pela visita. Um abração. Tenhas, sei que terás, um lindo fim de semana.

      Eliminar
  5. Às vezes um gesto, uma palavra vale mais que mil cartas (eu particularmente gosto de cartas), mas o poema prova, que basta o amor verdadeiros e não adianta convecimentos, seja com cartas ou muito assunto. Gostoi do desenrolar da histórias, muito bonito.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
  6. Acróstico
    A carta

    A carta de amor diz algo nas entrelinhas
    Subjacente ao texto explícito existe mais
    Cavando que de melhor a carta continha
    Acaba encontrando verdades e que tais.

    Racional, lógico é tudo que no texto se lê
    Talvez, somente o dito público e notório
    Assim visando atingir apenas quem a vê
    Sabe-se que por trás existe há repertório.

    Deixe a carta, por um tempo, esquecida
    Então, vá a ela e a descubra novamente
    Agora, certamente na mais justa medida
    A missiva terá uma mensagem diferente.

    Mais séria, com certa revelação incontida
    Onde verdadeira comunicação você sente
    Revelando todo mistério do amor e da vida.

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde Dilmar.
    Um dia recebi uma carta do meu primeiro namorado , ele me dizia , ame quem te ama não que te sorrir , quem te sorrir te engana, quem te ama sofre por ti, nunca esqueci essa frase, seguir meu coraçao, mas sempre soube que ele realmente me amava,mas na época o meu coraçao amava outro. Um carta onde a pessoa se declara é realmente uma correspondência inesquecível. Um lindo fds meu amigo. Um grande abraço.

    ResponderEliminar