quinta-feira, 23 de julho de 2015

CHEIRO DE TERRA MOLHADA

Naquelas tardes, quando o  céu escurecia,
eu aguardava à janela de frente para a rua
as primeiras gotas da precipitação outonal
para degustar o cheiro da terra molhada...

Quando meus olhos veem um nuvem escura
em conjunto com outras, formando um tapete
desencadeador de borrascas vespertinas,
meu espírito reporta-se à época da minha janela...

Sempre que sinto  o cheiro de terra molhada,
um turbilhão de pensamentos vem à tona
e não importa  o que eu  esteja a empreender
porque acabo voltando àquelas tardes...



10 comentários:

  1. Meu querido poeta e amigo Dilmar, que palavras delicadas e cheias de memórias, boas memórias...gosto do cheiro de terra molhada, mas o que sinto é mais memória afetiva, não um local exato, mas um a tontura boa, um sentimento de paz que me invade:
    "Quando meus olhos veem um nuvem escura
    em conjunto com outras, formando um tapete"
    Como sou apixonado por nuvens, não resisti a estes versos.
    ps.; Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido amigo Jair Machado, também gosto muito de nuvens. Lembro-me de que quando era criança dava nome às nuvens, digo, aos desenhos que eles formavam, sobretudo nos dias chuvosos, quando ficava à janela olhando para o céu encoberto.
      Obrigado pela visita. Um abração. Tenhas um ótimo fim de semana.

      Eliminar
  2. Haha, querido amigo, eu sei o que é esse cheirinho de terra molhada! Sentia quando adolescente, depois nunca mais, tenho saudades!! Nossa mente guarda cheirinhos especiais, não é só a visão que tem o privilégio de nos lembrar de certas coisas. Existe uma flor branca que não sei o nome, mas que só a encontro na época em que vou ao cemitério, cheiro delicado!
    Gosto dos temas que você traz ao blog, dá vontade de relatar tantas coisas!
    Abraços, Dilmar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Prezada amiga Tais, realmente, nossa memória guarda os aromas da infância, os quais ficaram interseccionados a muitos eventos daquela época. E toda vez que somos cutucados por algo relacionado com aquelas memórias é como se caísse a cortina que divide a realidade objetiva da realidade subjetiva.
      Obrigado pelo comentário. Um abraço. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  3. Boa noite amigo.

    É sempre um gosto lê-lo.. Fabuloso poema. Parabéns

    Beijinhos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Cidália, obrigado pela deferência. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  4. O cheiro da terra molhada mexe muito comigo.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Acróstico
    À chuva

    Como era tão intenso aquele cheiro
    Havia nele um quê de odor saudade
    Era como enchesse o planeta inteiro
    Indicando a terra cheia de umidade.

    Regando a terra, a chuva lacrimosa
    Ordenha nuvens demais benfazeja
    Deitando lágrima nessa terra porosa
    Esperemos que assim sempre seja.

    Terra molhada evoca as lembranças
    Enclausuradas no fundo da mente
    Revemos os folguedos das crianças
    Recordamos o bom de antigamente.

    Ah, que saudade da terra molhada
    Meu pensamento se perde por ela
    Os olhos que veem a nuvem opada
    Lá estão lembrando a velha janela.

    Hoje a chuva molha apenas asfalto
    Ali onde terra tempos atrás existia
    Do cheiro anterior, agora só assalto
    Assim nesta vida de alguma alegria.

    ResponderEliminar
  6. Que expressivas palavras de imensa beleza. Uma feliz noite com um maravilhoso domingo.

    ResponderEliminar
  7. Olá Dilmar.
    Cheiro de terra molhada, doce lembranças, como é bom recordar. Um abençoada semana. Beijos.

    ResponderEliminar