sábado, 11 de julho de 2015

TUDO PASSA

Quem carregou a poesia que havia
nas ruas da cidade da minha juventude?
Aonde foi parar o brilho dos olhos das meninas,
que dançavam nas páginas do nosso poeta?

Aonde foram as pessoas que se encontravam
a qualquer hora à porta da Galeria Chaves?
Cadê aquela turma da parada obrigatória
sob a marquise do relógio da Casa Masson?

E o charme do cafézinho, apenas um pretexto
para o bate-papo à mesa do Café-Ryan?
E a subida ao segundo andar da Livraria do Globo
para a leitura dos lançamentos editoriais?

Cadê a  patota que discutia com a gente
os lances pitorescos do futebol do fim semana
ali à entrada da Galeria Chaves Barcelos,
enquanto olhávamos as meninas passando na calçada?

E a esticada até a Praça da Alfândega, sentado,
 esperando ansioso, o Mario Quintana passar?
Pois é, até a própria praça já não é a mesma,
hoje com suas árvores de galhos retorcidos...

14 comentários:

  1. Olá, meu caro Dilmar.
    Sim, tudo passa. Seria bom que essas coisas boas que preenchiam a alma não passassem.
    Hoje, resta-nos o consolo das lembranças e a alegria de novas descobertas para preencher a lacuna das passadas. Ainda há muita coisa boa à nossa volta. Quintana foi, mas outros poetas maravilhosos chegaram e continuam a passar.

    abç amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Carmem, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  2. É Verdade.. Cadê?? Tudo muda... até as pessoas... nada é tão gostoso como antigamente.... Algumas coisas para melhor, mas outras, nem por isso!!! Adorei

    Beijo...Bom fim de semana.
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Cidália, que bom que tu gostaste. Obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  3. Soneto-acróstico
    Rememorar

    Às vezes nos açula certa nostalgia
    Andando para trás nossa memória
    Que traz para aqui, para o dia-a-dia
    Um pouco da finda e vivida história.

    E movidos pela inocência que havia
    Logramos restabelecer certa glória
    Em que vivíamos felizes com alegria
    Sendo que felicidade era obrigatória.

    Triste é saber que tudo tem seu fim
    E nesse jogo somos peões apenas
    Mesmo não querendo que seja assim

    Porém recordações então pequenas
    Ordenam uma boa experiência, sim
    São sinônimos de satisfações plenas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Jair, eis a inocência perdida, misto de felicidade e fantasia!
      Éramos felizes com tão pouco!
      Um abração. Tenhas uma ótima semana.

      Eliminar
  4. Amigo Dilmar, quanta saudade né?
    Aqui em Sampa há muitos lugares onde reúnem pessoas para recordarem os "bons tempos", "anos dourados", enfim...
    Há cidadezinhas do interior e as de beira mar também, com bares onde tocam músicas boas e pessoas conversam para matar saudades, isso ainda existe, não é como antigamente em que nossas ruas eram "livres", mas os tempos mudam e é preciso acompanhar para não ficar na saudade.
    Muito boas as suas citações, gosto de ler Mario Quintana!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Ivone, obrigado pela visita. Menos que ainda existem esses cantinhos onde é possível relembrar velhas quimeras. Obrigado pela visita. Um abração. Tenhas, sei que terás, uma linda semana.

      Eliminar
  5. Saudade é lembrar do que foi muito bom!
    É aconchegar o pensamento nas lembranças e suspirar!
    É querer reviver!
    Beijo carinhoso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo carinho, amiga Jossara. Um abração. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  6. Que lindooooo, amigo Dilmar!!! Para quem vive aqui, para quem é gaúcha, nada tão presente, tão poético, tão nosso! Saio daqui comovida, alegre e saudosa... Nada mais como antes! Outros tempos, acredito não deixarão tanta saudade...
    Grande abraço, adorei essa postagem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado amiga Tais. Pois é, tantas coisas que passaram fisicamente, mas ficaram para sempre em nossa memória.
      Um abração. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  7. Boa tarde, Dilmar, onde foram todos e onde estão as coisas tão lindas que aqui ficavam?
    Hoje, nos resta pouca coisa do tempo que foi bom. O bom é que a saudade existe e que ela nos traz a lembrança do que vivemos. Grande abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é cara amiga Marli, hoje nos resta relembrar aqueles belos tempos.
      Um abração. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar