quinta-feira, 9 de junho de 2016

AH, MEU DEUS!

Outro dia eu me encontrava entres amigos
alguns da geração afim e outros mais jovens
e rolava o papo da contempoaneidade digital
e diante da minha arrelia ao que julgo excesso
quanto ao comportamento virtualizado de agora
um menino tirou do Youtube  um poema de Drummond
para dizer que eu deveria voltar à pasmaceira de outrora:
tio, tu tens que viver na cidadezinha  do poeta de Itabira!



CIDADEZINHA QUALQUER

Casas entre bananeiras 
mulheres entre laranjeiras 
pomar amor cantar.

Um homem vai devagar. 
Um cachorro vai devagar. 
Um burro vai devagar. 
Devagar... as janelas olham.

Eta vida besta, meu Deus.
Carlos Drummond de Andrade
Depois dessa ducha fria o que poderei dizer?:Talvez eu seja um velho bobo, meu Deus! Ah, nem tudo está perdido , pois alguns meninospelo menos leem poesia através da Internet.,

11 comentários:

  1. Pois é, saudade de outrora!
    Quem não a tem, se ferra
    Mas apenas viver o agora?
    Não tanto ao mar nem a terra!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Jair, obrigado pela visita poética. Um abraço. Tenhas uma ótimo fim de semana.

      Eliminar
  2. kk, não é que a vida seja besta, são certos momentos que temos de atravessar, e alguns até turbulentos, seja na cidadezinha de Drummond ou em Nova York que conforme o espírito também não achamos nada por fazer. Entre a turbulência e a mesmice... prefiro a mesmice!

    Abração, amigo Dilmar! Mas que friooooo! Que é isso? O gaúcho é bagual, mas não precisava exagerar...kk

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Tais, obrigado pela visita. Pois o frio veio com tudo este ano. Menos mal que havia sol no dia de ontem, mas hoje houve essa chuva fininha das 10 horas e neste momento, quase meio-dia, está enfarruscado, nublado e muito frio. Nos últimos dias, nossa parece está com jeito de clima europeu.
      Vamos curtir o frio com sopas quentes, quentão, chimarrão e bom humor. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
    2. Quis dizer: "nossa Poa"
      um abraço.

      Eliminar
  3. Ah, Dilmar.
    Essa foi boa, o menino tem posição e sabe justificá-la com Drummond! Não, nem tudo está perdido ;)

    abç amg

    ResponderEliminar
  4. Belo texto. Parabéns

    Beijos, bom fim de semana.
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Muito bom seu texto, pois é, rsrs nem tudo está perdido, alguns ainda leem poesias através da internet, isso é verdade, minha neta, e alguns dos meus sobrinhos leem poesias, acho muito bom!
    Quanto ao frio que a Tais diz estar por aí, nossa, aqui em Sampa não fazia frio do jeito que está fazendo já faz muito tempo, estou temendo o inverno,rsrs, acho que darei uma subidinha lá em Manaus, meu filho todos os dias me chama no Skype para mostrar seus mergulhos na piscina para se refrescar, lá está bem quente!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar
  6. que bom que algumas coisas não mudam....


    abç Poeta

    ResponderEliminar
  7. Oi, Dilmar!
    Fazer o que né, amigo! Gostamos da vida mansa, conversa franca, olho no olho e poesia!
    Duas de minhas sobrinhas gostam de escrever, dizem ser influencia minha! Tia coruja aqui, fica feliz da vida!
    Beijo carinhoso, feliz fim de semana!

    ResponderEliminar
  8. Dilmar,
    Acho que tu mesmo encontraste a solução para esse dilema da vida digital: Drummond. É isso mesmo, na grande poesia de Drummond sempre encontraremos refúgio e modernidade. Tudo isso junto. E que percam essa riqueza toda quem dele não se aproximar.
    Grande abraço.

    ResponderEliminar