sexta-feira, 21 de outubro de 2016

DIVAGANDO

Antes de eu usar óculos
achava assaz interessante
a exposição do artefato
nos olhos das criaturas
Quando passei a usá-los
ficava com a impressão
   de que todo mundo
andava usando aquilo.
Perguntava para mim,
que sentimento é este
que governa   o jeito
de eu ver as coisas
tal  como não acontecia
antes da vista curta?
Pois o pensamento serve
para algumas conclusões
ou então para produzir
conceitos esteriotipados
que morrem à luz da razão
ou se perpetuam no tempo
apesar da inconsistência.
Mas o que isso tem a ver
com o fato em si em mesmo;
Talvez divagações. Talvez!
E divagando eu elocubro:
miro-me no espelho alheio
porque não conheço a medida
daquilo que sou ou o que  posso ser.
Quem sabe é por isso que a gente
repara tanto nos defeitos dos outros,
mas carregamos  os mesmos conosco,
entretanto  pensamos que somos melhores.





9 comentários:

  1. Acróstico

    Pois sem espelho retrovisor
    Olho meu entorno e critico
    Invento defeito e onde por
    Sou perfeito, belo e rico
    É, assim esqueço minha dor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, meu caro amigo Jair. Um abraço. Tenhas um bom fim de semana.

      Eliminar
  2. Um texto tão, mas tão verdadeiro. bem verdade no que diz :-)

    Beijo e bom fim de semana.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Cidália, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  3. Eu uso óculos. Como diz a música.
    Muito legal. Essa é a pura verdade. Não nos enxergamos, mas projetamos nosso pior lado no outro.
    Tenha um ótimo fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Anajá, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas um lindo fim de semana.

      Eliminar
  4. Mas que grande confusão,
    em que você se meteu
    quando óculos não usa não
    também assim pensava eu!

    Mas, não penso não,
    que as coisas são diferentes
    não foi fácil a adaptação
    ás progressivas lentes!

    Tropeçava nos degraus das escadas,
    parecia que debaixo dos pés a terra fugia
    mas não me aconteceu nenhuma desgraça
    porque do mesmo tamanho todas as coisa via!

    A elas já me afeiçoei,
    não me causaram nenhum embaraço
    tudo tem sido como eu imaginei
    neste mundo do avesso quase virado?

    Boa tarte e bom fim de semana, caro amigo Dilmar, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro amigo poeta Eduardo, obrigado pela visita poética. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um ótimo fim de semana.

      Eliminar
  5. Bom dia Dilmar.
    Um belo texto, como seria o mundo, se todos se olhas-se primeiro, em profunda avaliação a si mesmo, para depois olhar aos outros. O que acontece geralmente é a prepotência, e se acharem o máximo e apontarem os defeitos dos outros e não se dando conta dos próprios defeitos muitas vezes muito piores dos que os outros. Uma feliz semana meu amigo. Grande abraço

    ResponderEliminar