segunda-feira, 3 de outubro de 2016

AQUELE MENINO

Estou procurando
o cara forte e atlético
que habitava meu corpo.
Cadê aquele moço vibrante,
repleto de juventude eterna?
Quando procuro o menino que fui
encontro uma criança velha!

15 comentários:

  1. Acróstico

    Agora que estamos com estes anos
    Questionamos como foi a juventude
    Um jovem vibrante e modos insanos
    Excessivo, contrário à quietude
    Lúcido, mas que cometia enganos
    Enquanto andava com atitude.

    Mas a idade implacável aí está
    E o tal menino que era, já não é
    Não adianta pensar que voltará
    Imagem de menino que tinha fé
    Nada do que fora jamais será
    O que sabemos: vida não dá ré.

    ResponderEliminar
  2. Perfeito, meu caro amigo Jair, pois então, a vida não dá ré!
    um abraço. Tenhas uma ótima semana.

    ResponderEliminar
  3. Meu querido amigo... Assim estamos todos. Também me procura. Mas apenas encontro rugas e chatices, lool


    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Cidália, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  4. Caro amigo Dilmar, assim é a vida. O tempo passa e nem nos damos conta.
    Um abraço, Elys

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Élys, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma ótima semana.

      Eliminar
  5. Pode ser que me dirás que vou contra a normalidade, mas acho minha vida agora muito boa, olho para trás e vejo que tudo valeu, sendo assim é bom aproveitar o que resta e espero que muito ainda.
    Amigo Dilmar, tens muito pela frente, aproveite e nem olhe muito para trás, eis o meu bom palpite,rsrs, pois conselhos eu nunca dou, nem adiantaria, cada qual tem sua forma de ver a Vida!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Ivone, são pequenos devaneios, mas, menos mal, que são bem passageiros. Obrigado pela visita. Tenhas, sei que terás, uma linda semana.

      Eliminar
  6. Devia antes ter pensado nisso,
    para que com essa surpresa
    não tivesse sido surpreendido
    por ser realidade, não é desfeita!

    Estima esse velho, que já foi moço,
    porque é mesmo assim a vida
    peste grisalha em Portugal, é estorvo
    para alguma escumalha da política!

    Boa tarde amigo Dilmar, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo Eduardo, obrigado pela visita poética. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma ótima semana.

      Eliminar
  7. Um lindo poema relebrando com saudades velhos tempos. Também procuro uma menina cheia de sonhos onde a fe era inabalável e hoje sou acho uma mulher perdida no mundo triste.

    ResponderEliminar
  8. Um lindo poema relebrando com saudades velhos tempos. Também procuro uma menina cheia de sonhos onde a fe era inabalável e hoje sou acho uma mulher perdida no mundo triste.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara, brava, guerreira, amiga Mirtes, nós, humanos, em determinados momentos de nossas vidas passamos por momentos difíceis; alguns mais, outros menos, entretanto, tais momentos, são passagens, travessias, portais; condutores para uma vida melhor.
      Um abração. Tenhas uma ótima semana.

      Eliminar
  9. Que lindo, é a nossa realidade, mas adoro saber que a criança em nós continua! Teu poema me lembrou 'Retrato' - de Cecília Meireles, lindo, real, sensível. O brabo, Dilmar, é quando a criança nos deixa. O resto, é o resto. O vigor, a beleza física tem vida curta. Contudo, o lindo mesmo é o espírito.
    Abraços! Boa semana.

    ResponderEliminar
  10. Acho que o tempo guardou para não perder de vista.
    Beijos!

    ResponderEliminar