segunda-feira, 19 de setembro de 2016

A VELHO MARTINS

 Tenho a impressão de que a primeira vez que entrei na Martins o Livreiro
era mês de setembro. Ainda lembro que chovia e era uma tarde meio
nublada, pouca fria, mas, que se transformou em pura magia, à medida
que eu viajava pelo universo encantado de livros que eu sabia apenas
o nome, mas nunca os vira antes na minha frente. Eu já era frequentador
da Livraria do Globo, visitante da Feira do Livro, mas nesses locais, naquele
tempo, não era comum  a disposição de livros usados e velhos.



Hoje estou com a sensação
de mergulho às tardes juvenis;
das antigas horas passadas
no  sebo da Rua Riachuelo,
" a Martins o Livreiro",
ao lado da Biblioteca Pública,
acho que a pioneira
no comercio de livros usados
e raros em Porto Alegre.
Lembranças de prazeres
gravados na alma...
o tatear de velhas páginas
e o cheiro emanado das folhas
dos alfarrábios...
algo que palavras não traduzem.








16 comentários:

  1. Sei do cheiro, do conteúdo
    Eu, pois, lá estive também
    Bons livros, um mundo, tudo!
    O que é bom, sebo contém.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Jair, como você esteve lá entende bem meu sentimento. Obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas um bom dia.

      Eliminar
    2. Dilmar,
      Durante o tempo que eu trabalhava numa companhia aérea, quando em POA, ficava hospedado no Grande Hotel, ali bem pertinho da biblioteca pública. Meus passatempos prediletos eram: fazer busca nos sebos do centro, a Velho Martins incluída; comparecer à feira do livro quando esta acontecia ali na Praça da Alfândega; e curtir o Parque da Redenção aos domingos. Gosto muito de POA e, sempre que possível, vou aí comer um churrasco e visitar um amigo em Canoas.

      Eliminar
  2. Bom dia amigo Dilmar
    Maravilhoso, o seu texto e poema. Amei

    Beijinhos
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Cidália, obrigado pelo carinho. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um bom dia.

      Eliminar
  3. Amigos, perdão pela gafe, pela resvalada no texto, pois se chovia, certamente haveria de ter nuvens "chovia e era uma tarde nublada...

    ResponderEliminar
  4. oi Dilmar, entendo bem a sensação pois moro perto do gasômetro e com frequência perambulo pelas livrarias e sebos do centro e me esqueço da vida garimpando relíquias estacionadas nas estantes. *abraços*

    ResponderEliminar
  5. Amiga Rosa, realmente você entende, pois só quem garimpa relíquias pelos sebos compreende tal mister, porque palavas não traduzem nosso sentimento. Morei alguns anos no centro, próximo à Biblioteca pública, mas foi depois daquela tarde chuvosa, já nessa época havia outro sebo de esquina com a Duque, no canto da Praça da Matriz - A Livraria da Dores - e também havia outra, a Aurora, situada na Riachuelo, entre a Duque e a Riachuelo. A partir do fim da década de 70 foram surgindo outras, mas o meu coração ficou com a Martins do Seu Manoel, antigo proprietário, o qual acho que partiu desta existência.
    Obrigado pelo seu depoimento aqui neste modesto espaço. Tenhas um belo 20 de setembro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Corrigindo: a Livraria Aurora ficava na Marechal Floriano, entre a Riachuelo e a Duque.

      Eliminar
  6. Bom recordar um passado que nos traz boas e bela lembranças.
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Élys, obrigado pela visita. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  7. Boa tarde, Dilmar, que belas lembranças !
    Falar em livros é maravilhoso, mas poder garimpar um lugar para encontrá-los é formidável. Gosto até do cheiro que sinto nestes locais. Bela postagem. Abraço!

    ResponderEliminar
  8. há tanto do mundo no mundo
    que me sobra no olhar
    sempre um brotamento
    de instante...


    beijo

    ResponderEliminar
  9. Amigo Dilmar, não há coisa melhor do que passar a tarde numa livraria ou nos Sebos onde descobrimos tesouros! E os balaios da Feira do Livro?? É, Porto Alegre é demais... Conheci bem o Martins Livreiro, a Aurora, os Sebos da Riachuelo e lá da Rua da Praia - que é do mesmo dono da Riachuelo. Achei Sebos na Serra. Um deles ficava dentro de um bonde, muito pitoresco.
    Abraços, amigo! Tema apaixonante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Correção: não era bonde o sebo da Serra, era em dois vagões de TREM - em Canela.

      Eliminar
  10. Gosto de adquirir livros no sebo, até seu cheio é diferente um do outro. Parece que suga fragrância do leitor anterior.. .
    Beijos!

    ResponderEliminar