sábado, 10 de setembro de 2016

SONHO, FICÇÃO, FANTASIA?

As palavras espaço e tempo
mais que melodiosas e musicais
também dão panos para mangas...

Sem esse binômio não teríamos
os minutos, os dias, as horas,
os anos, os séculos, os milênios...

Na ausência dessas medidas
andaríamos em círculos cegos
fluindo à margem da História.

Sem calendário,  sem idade
sem tempo, que diferença faria
o passado, o presente, o futuro?


10 comentários:

  1. Amigo Dilmar, é isso, acho que estou querendo não mais entrar nessa de calendário, rsrs, pelo menos em se tratando de idade!
    Ontem, amanhã, só servem mesmo para nos estressar, mas que fazer sem essas contagens? Ah, nem sei porque inventaram o tempo!!!
    Abraços amigo e tenhas um lindo domingo, pois o sábado já está indo no tempo,rsrs!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Ivone, obrigado pela amável visita.Um abração. Tenhas, sei que terás, uma linda semana.

      Eliminar
  2. Fantasias me fizeram num sonho,
    depenada da cama voar?
    por ninguém as mãos no fogo ponho
    porque se podem queimar!

    Para depois das nuvens cair na terra,
    da terra pelas nuvens a água foi levada
    porquanto, uns no mundo semeiam a guerra
    outros colhem a desgraça por ela causada!

    Bom fim de semana amigo Dilmar, um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Eduardo, obrigado pela visita poética. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma ótima semana.

      Eliminar
  3. Tempo

    São inimigas ou camaradas as horas?
    Enquanto eu permaneço aqui sentado
    Então se nada faço, existem demoras
    Ou o tempo é meu inimigo descarado?

    Contra correr do tempo existe escora?
    Se você nada faz, quem fica cansado?
    Quando relógio manda tempo embora
    Um tic-tac parece continuar a seu lado.

    O tempo é presente não passa ao largo
    Está dentro de nós mas ainda nos rodeia
    Inexorável, segue e não admite letargo.

    Numa ampulheta sempre escoa a areia
    E meu tempo, não comprimo ou alargo
    Sequer mesmo com adrenalina na veia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Jair, sei que este é um tema que te é caro, e além disso não possuo a tua desenvoltura na lapidação da palavra, portanto esta réplica poética complementa com ganhos meu singelo poema.
      Obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma ótima semana.

      Eliminar
  4. Fantástico poema. Parabéns

    Beijinhos e um bom Domingo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Pois está aí algo que estou me exercitando para ignorar. Tempo é estressante. Que saudável seria descartarmos um pouco esse tempo e vivermos mais despreocupados, na medida do tempo disponível de cada um. Utopia? Em parte, depois consegue-se, sim. É só deixar os apressados passarem...Criarmos anticorpos contra a ansiedade e esse tempo.
    Abraços primaveris!

    ResponderEliminar