quinta-feira, 7 de julho de 2016

AO MESTRE COM CARINHO

Tive um sobressalto
na   primeira     vez
em que vi o Mário
andando pela rua
porque até então
os poetas viviam
em   um    altar,
sobretudo
Quintana,
que era mais
que um poeta,
mas a própria poesia.


11 comentários:

  1. Existem pessoas muito carismáticas que a nós não parecem humanos. E nossa admiração é tamanha que os endeusamos. Com certeza Mario Quintana é um deles. Muita paz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Denise, Mario Quintana era um anjo!
      Obrigado pela visita. Um abraço daqui do sul do Brasil.

      Eliminar
  2. Pois é, Dilmar, encontrei muitos, mas quem eu sempre quis encontrar, ver se existia de fato, era Quintana... Comecei a gostar de poesia com ele, poemas que estavam muito perto, dizia dos nossos costumes e tudo tão nosso. Mas acho que se o visse, eu ficaria gaga, sem voz. Era um filósofo com tanta simplicidade que não parecia filósofo...É o nosso poetinha maior! A própria poesia.
    Abraço!

    ResponderEliminar
  3. Cara amiga Tais, os poetas deveriam ser assim como era o Mario; a simplicidade e a delicadeza fazendo poesia.
    Obrigado pela visita. Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Grande Poeta! Mário Quintana. Adorei

    Beijo, bom fim de semana

    Coisas de Uma Vida 172

    ResponderEliminar
  5. Lindo poetar por aqui, mas amigo Dilmar, poeta que é poeta é pura poesia, pois a poesia é a simplicidade plena, é a que atinge a alma sempre!
    Alma, espírito, poesia, vida...
    Abraços apertados e é maravilhoso ter podido ver o poeta que te encantou e nos encantou também!

    ResponderEliminar
  6. Venho aqui para elogiar,
    esse seu primeiro sobressalto
    para longe não o deixa abalar
    nas solas rotas dum velho sapato!

    Porque o poeta desceu do altar,
    pelas ruas continua vagueando
    para quem lê os seus poemas alegrar
    versos de amor o poeta escreve imaginando.

    Parabéns poeta Dilmar,
    continua seus poemas escrevendo
    não venho aqui com você manga
    estou sim as verdades dizendo!

    Bom fim de semana, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  7. Vim navegar em sua 'Colher de poesia', pitada é pouco. Dizer que aqui é uma pitada de poesia é ser humilde com certeza.

    Obrigado por retornar ao blog com seus comentários.
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Soneto-acróstico
    Para Dilmar

    Poeta espontâneo e meridional
    Orgulhoso do sul de Quintana
    Repudia a composição formal
    Deixa seu recado, não engana.

    Infenso a modismos e escolas
    Livres os seus versos pois são
    Mete academicismo na sacola.
    Assina obra com muita paixão

    Rigorosidade na métrica e rima
    Garante que não são qualidade
    Outros que o façam, aproxima,
    Mesmo faltando com a verdade.

    Eu o tenho na mais alta estima,
    Seus poemas são de potestade.

    ResponderEliminar
  9. Autenticidade

    Era um poeta em crise existencial
    Que se vê como pássaro no quintal
    E renega o que sua mente encana.
    Como ser nobre sem ser Quintana?

    Colorar em palavras de aquarela
    Sem parecer a fabulosa Florbela?
    Escrever sem nunca se locupletar
    Como sempre o fez Ferreira Gullar?

    E lhe vêm os passarinhos então
    Que estes tantos outros imitarão
    Mesmo que estejam em revoada

    E não lhes acode imitar ninguém
    Porque canto natural as aves tem
    E pelo canto não nos cobram nada.

    ResponderEliminar