quarta-feira, 7 de abril de 2010

A CONSTRUÇÃO

Os grãos de areia
o sono da pedra
e o barro das mãos
moldam a parede;
tecitura concreta
de um projeto abstrato.

No esboço em branco
a tarefa não anda
a argamassa some
no buraco do ralo.

No canteiro da obra,
o pedreiro dorme durante o dia.
À noite, ele disputa com os bichos
um espaço no buraco do bueiro.

1 comentário:

  1. Bravo, meu amigo Dilmar! Linda poesia! Tema lindo e tão bem trabalhado! Continue...
    Um abraço

    ResponderEliminar