A minha Lista de blogues

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

MEU VOTO

Quando, por descuido,
perdi meu voto,
um político inescrupuloso
o encontrou e se elegeu com ele.

Injuriado, reclamei na justiça
mas, o Tribunal foi taxativo:
voto achado não é voto roubado
portanto, doravante seja mais cautoloso
com seus pertences.

De outra feita, plantei meu voto
num terreno aparentemente fértil
mas veio a interpérie
e a semente estiolada
não frutificou.

Eu tenho andando ansioso,
nos últimos dias,
à medida que se aproxima
a data do pleito
e a responsabilidade bate
à minha porta.

Mas ontem recebi uma carta do meu voto
a qual resumirei em algumas linhas:
"Meu carrasco, estou fugindo para fora do teu alcance,
cansei de ser escravo do teu desejo.
Tu nunca me consultaste,
sempre me empurraste
para onde bem quiseste,
mas agora chega"

8 comentários:

  1. Dilmar, querido amigo...
    Belo poema!
    Está difícil, heim...
    Nunca tive tanta dificuldade para resolver... Deus meu!
    Olha que sou do tempo do golpe de 64; olhe que minha família( inclusive meu pai) sofreu perseguição, teve gente presa, etc, etc... Pois ainda assim, parece que não aprendi como se vota... Afff!
    Grande abraço!!!

    ResponderEliminar
  2. Amiga, obrigado pela visita e pelas palavras carinhosas. Pois é... a questão do voto... As pessoas que me lêem vão pensar que eu sou um velho renegado, de mal com a vida e com o mundo. Mas não é isso. O problema é que o homem, aqui na terra, ainda está num nível evolutivo muito baixo. Num futuro, talvez ainda distante, quando os espíritos e a terra estiverem num nível evolutivo elevado, votar será uma formalidade quase desnecessária, pois as pessoas estarão imbuidas de um espírito solidário e preocupadas com o bem comum, ao contrário de hoje, que, com raras exceções, a preocupação é o bem pessoal. Nesse tempo, distante de nós, a mentira, o orgulho, a ganância e a vaidade não farão parte desse planeta.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  3. Acho que a questão além de aprender a votar, é a qualidade dos políticos que se apresentam. Dá um medo danado votar... serão mais 4 anos de desmandos se não acertarmos... enfim, dessa vez vou de Marina mesmo sabendo que ela não tem chance de ser eleita. Quero ter a satisfação de votar nessa mulher!
    Apareça sempre no Chocolate. Seus comentários valem um post.
    Beijokas.

    ResponderEliminar
  4. Lua, obrigado pela visita.
    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  5. Olá Meu Bom poeta Dilmar:

    A respeito de comentário em post mio,até então,vivamos,entre dilmas e barrancos!

    te abraço ,escriba da alma!


    viva la vida

    ResponderEliminar
  6. Olá Dilmar,

    De blog em blog te encontrei, estou com a mesma ansiedade, a respeito das eleições.
    Mas oque mais me chamou a atenção foi teu perfil, me tocou profundamente. Deve ser porque compartilho a perda de ente querido e depois de longo e tenebroso caminho, a poesia foi uma das portas mais bonitas que abri.

    Beijos,
    Fátima

    ResponderEliminar
  7. Politicamente poético, sabe mesmo o que escreve hem! Parabéns!

    ResponderEliminar