quarta-feira, 16 de junho de 2010

SÍNTESE

A sabedoria oculta
na boca dos incautos
irrita os tímpanos
inabituados à música
das marés.

Os dogmas eternos
exprimem a substância
do minuto espremido
pela mão do relogoeiro,
cansado, no caminho das pedras.

Neste átimo,
no vazio cósmico
o sempre e o nunca;
síntese das eras,
se encontram
aqui e agora

2 comentários:

  1. Bonito, Dilmar!
    Tudo se resume ao aqui, agora. E ponto.
    Grande abraço!

    ResponderEliminar
  2. Aqui e agora, leio o teu poema e gostei da Síntese.

    Bjinhos

    Céci

    ResponderEliminar