quinta-feira, 21 de agosto de 2014

VENTOS DA MINHA ALDEIA

Amo os dias de ventos tranquilos
aqueles que arejam o espírito.
Vento gerado no sul da América
atravessa, pântanos, rios e pampas;
ganha o nome de minuano no caminho
e por fim lava minha alma.

Criança, eu já gostava dos dias ventosos,
pensava que o vento  girava a vida,
mas quando o vento saia de férias,
parecia-me que o mundo parava!

30 comentários:

  1. Isto não é um pitada de poee. Linda, Soniasia , çe uma tsunami po~etico certament

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bondade sua, Sônia! Muito obrigado. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda sexta-feira.

      Eliminar
  2. O Minuano tem o seu valor!
    Um grande bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Abração, amioga Gisa. Tenhas uma linda sexta-feira.

      Eliminar
  3. Amigo Dilmar, quando fui ao Sul há dois anos atrás, foi em comecinho de janeiro, aqui em Sampa estava bem calor, aí peguei esse vento que você diz aqui, o Minuano, as serras gaúchas me deram um prazer incrível, amei conhecer, estou até pensando em voltar, meu marido adora calor, eu adoro frio, rs, é uma dificuldade sair em viagens com ele, imagine só que em Manaus eu precisava ligar o ar condicionado depois que ele dormia, o calor de lá é infernal, ele adorou, nem penso em voltar!
    Amei ler aqui meu amigo, seus poemas muito me ensinam, sabia dos ventos, mas ler aqui teve um sentido muito melhor!
    Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é amiga Ivone, a serra gaúcha tem aquele ar gostoso que a gente não encontra nas cidades grandes. O Rio Grande do Sul é conhecido por ser a terra do chimarrão, da bombacha, do churrasco e do Minuano. A bombacha não me atrai. Nunca a usei, mas chimarrão, churrasco e Minuano é tudo de bom. Um abração, querida. Tenhas, sei que terás, uma linda sexta-feira.

      Eliminar
  4. Vendo o vento

    Existe vento que varre a sujeira
    E outros que amenizam o clima
    E mesmo quando não se queira
    Vento mais afasta que aproxima.

    Mas no sul tem aquele Minuano
    Que arrasta o frio da Argentina
    Nesta época, entra ano sai ano
    Ventar um vento ventoso é rotina.

    Portanto, o vento que venta aqui
    Assim não mais importuna tanto
    Pois um vento indiferente em si
    Acostuma o vivente um quanto.

    E agora acostumar eu consegui
    E o Minuano não causa espanto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Poeta Jair, obrigado pela visita poética. Um abração daqui da terra do Minuano. Tenhas uma ótima sexta-feira.

      Eliminar
  5. Maravilhosa e sensível poesia, adorei

    Beijinho
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Cidália, obrigado pela visita. Um abraço daqui da terra do Minuano. Tenhas um linda sexta-feira.

      Eliminar
  6. Não gostos dos dias ventosos,
    gosto da brisa perfumada
    gosto dos dias maravilhosos
    gosto do cheiro da terra molhada!

    O seu poema gostei de ler,
    das palavras bem escritas
    sem pânico a vida bem viver
    as verdades sejam sempre ditas!

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Eduardo, obrigado pela visita poética. Um abraço daqui da terra do Minuano. Tenhas uma ótima sexta-feira.

      Eliminar
  7. Olá Dilmar, você sabe tão bem "poetar", que até o vento ganha bela melodia com suas palavras. Sou franca, não sou apreciadora de vento, talvez pelo trauma que o vento norte me deixou, mal o conheci. Não sei se já foram apresentados: o vento norte que invade aqui este pedaço da península Ibérica, e açoita quem cá habita no litoral, além de ferocidade cortante é gelado demais, que nos regela até os ossos. Mas vamos convivendo com ele, embora não de bom grado.
    Eu gosto da brisa, daquela suave, que não levanta saia, nem tira cabelos do lugar.
    E gosto do seu poema, em que se sente sua verdadeira ligação ao vento da terra, onde o minuano até lhe lava a alma - lindo demais.
    abço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carmem, obrigado pelas amáveis palavras vindas de além-mar. Tens razão, a sensação trazida pela brisa é boa demais. Um abração daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda sexta-feira.

      Eliminar
  8. Olá Dilmar
    As tuas sonoras palavras ressoaram aqui como o sibilar do vento que tu descreves lindamente.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Gracita, obrigado pelo carinho. Um abraço daqui da terra do Minuano. Tenhas uma linda sexta-feira.

      Eliminar
  9. Boa noite Dilmar.
    Nada como sentir o vento natural para nós refrescar, é algo muito bom. O artificial como o ar condicionado não me agrada, mas quebra o galho. Não sei quando o bom Deus me permitira lhe visitar novamente, mas lhe desejo um lindo final de semana.
    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Mirtes, obrigado pela visita. Um abração daqui da terra do Minuano. Tenhas uma sexta-feira abençoada.

      Eliminar
  10. Boa noite Dilmar!
    Eu acreditava que os ventos eram portadores de todas as vozes do mundo. Sempre que eu ficava sozinha em algum lugar do campo, sentia a presença dos ventos que chegavam trazendo canções que eu desconhecia, inspirações poéticas e eu cria que eram as vozes de antepassados, que os ventos traziam, para alegrar a minha alma. Os xamãs acreditam nas vozes dos ventos, como acreditam que todas as coisas possuem vida.
    Amei a sua passagem em meu blog, aliás, em meu humilde blog, porque o seu é de um homem que sabe dizer as palavras certas da forma certa.
    Seus textos são encantadores, amigo. Obrigada, mais uma vez.
    Tenha uma noite abençoada!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Sandra, o vento tem essa coisa meio mágica que faz tanto bem à nossa alma. Obrigado por todo o carinho proporcionado. Um abração. Tenhas uma linda sexta-feira.

      Eliminar
  11. OI DILMAR!
    NÃO SEI PORQUÊ, MAS ENCONTRO INSPIRAÇÃO NO VENTO, NUNCA PAREI PARA PENSAR SOBRE ISSO, MAS LENDO TEU LINDO TEXTO, SOBRE ELE, ME DEI CONTA DISSO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar

  12. Olá, Dilmar

    Nada melhor que os deslumbros, da nossa Aldeia.
    Gostei muito. Parabéns
    E bom fim de semana.
    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo José, obrigado pela visita. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma ótima semana.

      Eliminar
  13. Ventos de infância, tempos de saudade.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Pérola, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  14. Dilmar, vc que sempre fala das coisas da vida, nesse poema, toda a sua ternura se faz presente. Lindo! Muita paz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado amiga Denise, obrigado pelo carinho. Um abraço. Tenhas uma semana abençoada.

      Eliminar
  15. Viajei contigo nas asas desse vento de belas recordações,amigo!!! Sua inspiração toca também a alma! Obrigada por ser meu amigo e por me permitir adentrar nesse paraíso de palavras, pensamentos e versos de céu estrelado. Uma semana abençoada lhe desejo, Dilmar! beijos!!!! Bom dia!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Aparecida, obrigado pelo carinho proporcionado. Um abração daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  16. Bom dia querido amigo, você pode não acreditar mas se tem um sonho em minha vida, esse sonho é conhecer o Sul, em especial Gramado. Não tive ainda a oportunidade, e todas as vezes que tive sempre deu algo errado que me impedia de ir. Já ouvi falar maravilhas de Gramado, dizem que é um dos pontos turísticos mais lindos do Sul. As serras gaúchas são mesmo especiais, pelo tradicional churrasco, as famosas vinícolas e chocolates. Quem sabe até o final do ano ainda consiga realizar essa viagem! A poesia como sempre inspiradora e linda. Bjos

    ResponderEliminar