quinta-feira, 28 de abril de 2011

CABRAL

Pedro ficou encantado
quando chegou aqui.
Imaginou ter desembarcado
na Terra Prometida.

Alvares vendo a beleza nativa
da natureza intocada
e o bailado das índias nuas
teve a certeza de que havia
encontrado o Paraiso.

Cabral embriagado com as coisas brasis,
queria ficar morando aqui
mas o rei de Portugal
planejava outros descobrimentos
para o nosso herói.

Pedro Alvares Cabral, triste,
voltou à Europa,
suspirando a saudade
da terra tropical.

Cabral convenceu o império
da necessidade de uma viagem para a Africa,
mas no meio do caminho
fugiu para o Brasil.

Anos mais tarde,
os emissários da coroa
econtraram o navegante metamorfoseado na Bahia,
mas não reconheceram-no, rosto pintado,
com os cabelos compridos
e dançando um batuque marcado
por um bumbo primitivo,
Cabral era um índio.

Alguns séculos depois,
um povo moreno, banido da pátria
e amordaçado pela estupidez humana,
juntou a ginga do corpo e a alegria do sangue
ao ritmo marcial dançado por Cabral
e mostrou o Samba para o mundo.

19 comentários:

  1. ...seja bem vindo entre as folhagens...Obrigada!!
    deixo bjks doce ♥ e um fim de semana maravilhoso!

    ResponderEliminar
  2. Dilmar querido, simplesmente maravilhoso!
    Um samba do crioulo doido ou são.
    Bjão e lindo fds

    ResponderEliminar
  3. La tierra prometida no existe es solo una ilusión, del que no se siente feliz en la suya.

    ResponderEliminar
  4. Olá, Dilmar

    Primeiro, quero lhe agradecer pelo carinho...

    História, cultura e humor, uma pitada de tudo isso aqui nesse seu poema... Um tempero que aguça o paladar para mais e mais.

    Bjs
    Chris

    ResponderEliminar
  5. Amigo,

    Adorei a forma que contou nossa história.
    Origem, mistura, ginga. Tudo me encantou nesta tua composição.

    Beijos com SAUDADES,

    ResponderEliminar
  6. Andreza, obrigado pela visita. Volte sempre.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  7. Olá amiga Juci, obrigado pela visita.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  8. Fátima, obrigado pela visita.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  9. Querida amiga Ira, obrigado pela visita.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  10. Amiga Savia, obrigado pela visita.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  11. Querida amiga Chris, obrigado pelo seu comentário.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  12. Querida amiga Anna, obrigado pelo seu comentário.
    Um grande abraço. Eu também estava com saudades de ti.

    ResponderEliminar
  13. MEU BOM ESCRIBA E POETA, EM DIA DE CHUVA FROM RIO, VEJO CIDADE LINDA ESSA,LAVADA DE CHAGAS E AVILTES,PERCEBO O MAR, DE VERDE ESMERALDA COR, PERCEBO O CORCOVADO, ENTRE NUVENS,COMO SE NO CÉU ESTIVESSE,DESSA INTERIOR PAZ,ENERGIAS E BRAÇADAS DE GIRASSOIS TE ENVIO,COMO SE FOSSE,POR ANGELICAIS PORTADORES,MENINOS COMO SE FOSSEM!

    VIVA A VIDA

    ResponderEliminar
  14. OLÁ!
    BELA FORMA DE CONTAR
    NOSSA HISTORIA.
    DEMOS DEFEITOS,ALGUNS NÃO
    VALORIZAS ESSA TERRA SAGRADA,
    NEM SEUS HABITANTES,MAS NO GERAL
    COMBINAMOS COM ESSE CENÁRIO BELO

    ResponderEliminar
  15. Dilmar querido, mais uma vez volto pra te agradecer o carinho e saiba que é recíproco.
    Bj

    ResponderEliminar
  16. Olá Dilmar,
    Sua poesia encheu-me de esperança por ainda ver que existem poetas como você que nos trazem lembranças de um tempo que já vai longe em nossas vidas. Parabéns. Suas poesias são ótimas.
    Gostaria que conhecesse meu blog e, gostando, seguisse-me e deixasse um recadinho para mim.
    Beijos, querido.
    Maria Paraguassu.

    ResponderEliminar
  17. Amigo,

    Convido a ler no PALAVRA DE MULHER a postagem sobre o livro do meu amigo Marco Moretti.
    Pena que não moram por acá senão seria uma oportunidade de nos conhecer.

    Beijos com saudades,

    ResponderEliminar