sexta-feira, 7 de setembro de 2012

MORRER DE AMOR

Quem não lembra da história
do Jovem Werter de Goethe,
o qual morreu de overdose de amor?
E tem o fenômeno "Mal do Século"
onde os poetas morriam jovens
em decorrência da paixão.
Eis a arte contextualizada de uma época!

Em outro contexto, agora pouco antes
do advento da internet,
Paula morreu de amor.
Tudo começou quando
Paula trocou por engano o número do telefone
do programa de rádio "Itai dona da noite".
Fernando se fez passar pelo locutor
do programa da garota,
até cantou a música pedida
e continuou cantarolando as músicas
de Roberto Carlos, nas noites seguintes
da vida de Paula.
A voz artificial de Fernando
recitando os hits românticos,
fez transbordar as águas da paixão
que estavam contidas no coração da menina.
Ela passava o tempo sonhando
com o dia de conhecer Fernando.
Pior que ela não sabia da tara do rapaz:
culto ao amor platônico.
Na noite que Fernando disse com todas as letras,
que o amor romântico acaba na hora do conúbio,
Paula ingeriu uma dose letal de comprimidos.

18 comentários:

  1. Morrer de amor. Vale? Tenho dúvidas.
    Bjs querido amigo

    ResponderEliminar
  2. A vida é magnífica para morrer de morrer de amor. Não creio ter sido a melhor saída. Um ótimo final de semana. Abraços com meu carinho.
    Gracita

    ResponderEliminar
  3. Se se morre de amor? Eu com certeza não! A vida vai mais além!
    bjs

    ResponderEliminar
  4. É preciso ter cuidado, paixão é algo arrebatador mesmo, não julgo quem morreu por amar demais,só quem já se apaixonou é que sabe como é...Quem nunca se apaixonou desesperadamente?
    Tem pessoas que são muito frágeis e acabam por colocar na cabeça, que sem aquele alguém não vive, e sobre os poetas que morreram tão jovens,acredito que eles viviam mesmo em um mundo de amor, fora da realidade,bem eu tenho um poeta coração,nas minha poesias expresso o amor fortemente, crio, fantasio, mais sei estar com os pés no chão.
    Gostei do post, amigo.Bjs! Fernanda Oliveira, e quando puder me dê a alegria da sua ilustre visita.

    ResponderEliminar
  5. Eu não morrerei de amor.
    Ninguém é insubstituível. Ninguém.
    beijos!!!!!

    ResponderEliminar
  6. MEU QUERIDO !!!!
    SERÁ QUE MORRER DE AMOR É O MESMO QUE VIVER DE AMOR,SE FOR EU QUERO MORRER SIM DE AMOR !!!!!!
    BJSSSSSSSSSSSSSSS

    ResponderEliminar
  7. Por amor também
    cortei meus pulsos
    e ingeri um comprimido
    que não me matou
    mas me causou profundas
    alucinações
    depois me tornei poeta
    nesse tempo Lia Byron
    Goethe e Alvares de Azevedo
    e pensava que existia
    o Amor.

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderEliminar
  8. Dilmar, querido, viver o amor é o que vale a pena!Só morreria de amor (poeticamente) por tanto vivê-lo...Beijos!!!

    ResponderEliminar
  9. complicado quando o coração não acompanha a realidade, ou agúem faz da realidade uma arma mortal para o coração de alguem
    beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Loucura, loucura, vai entender... Adorei o texto!
    Bom domingo meu amigo.
    Mari.

    ResponderEliminar
  11. Não dá pra acreditar mas acontecia e acontece muito, gostei muito do texto da forma como você o redigiu, beijos Luconi

    ResponderEliminar
  12. S*I*L*E*N*C*I*O ! ! !

    Vim deixar beijos de dia de domingo,rsrsrsrs,e tbm para todos os dias da semana...
    saudadessssssssss

    ResponderEliminar
  13. Bom dia amigo Dilmar. Tenha um dia maravilhoso recheado com as gostosuras da vida... muitos abraços, uma grande dose de carinho e muitos beijinhos para colorir a sua vida e alegrar seu doce coração. Meu beijinho com carinho e muita ternura pra ti
    Gracita

    ResponderEliminar
  14. Oi, Dilmar. Texto triste mas que relata a fragilidade do ser humano.
    Tenha uma semana abençoada!

    ResponderEliminar
  15. Boa tarde, Dilmar!
    Gostaria de partilhar o endereço de um blogue acabado de criar e inteiramente dedicado à promoção da língua portuguesa. No http://portuguesemforma.blogspot.com, para além de ferramentas úteis (como dicionários, enciclopédias e glossários), disponibilizo ainda a análise de situações problemáticas ou geradoras de dúvidas nos utentes da nossa língua. Eis a questão de hoje: glicemia ou glicémia?
    Um abraço lusófono desde Setúbal.
    Prof. António Pereira

    ResponderEliminar
  16. Olá amigo. Trágico, mas real. Grande abraço.

    ResponderEliminar
  17. Nossa... Infelizmente essa é uma visão disseminada pelos mais diversos meios de comunicação... Alguém lembra daquela camisa do Pânico? Um casal estampado na seda e em baixo a frase: "Gamer Over" ... Isso que é passado aos nossos filhos.
    Hoje, o amor Eros tornou-se tao banalizado que esse sentimento é percebido apenas por meio da paixão. Entretanto, o amor Puro é Raro!

    Ótima crítica, Dilmar!

    ResponderEliminar
  18. Fui conhecer o amor na maturidade...e voltei a ser criança.
    Agora não sei como voltar.
    me perdi completamente...
    será que amor mata mesmo...
    não tem cura??
    então estou perdida..
    perdida de amor...
    mas não suporto a idéia de morrer...
    nem de amor....

    Um abraço...
    vera portella

    ResponderEliminar