terça-feira, 16 de dezembro de 2014

ERICO VERISSIMO , 17-12-1905 / 28-11-1975

Cresci lendo Erico,
encantado com a fluência
da sua escrita e com o arranjo
das personagens dentro das histórias.

O próprio autor se dizia um contador de histórias,
histórias aparentemente simples à 1ª investida
entretanto à medida da reflexão centrada,
percebe-se que a singeleza é aparente.

Velho Erico, nascido em 1905
Contador de "Caminhos Cruzados",
o drama cotidiano das histórias urbanas;
criador do monumental "Tempo e o Vento",
painel cinematográfico do nosso  Rio Grande.

Envelheço relendo o bom autor de Cruz Alta,
por  vezes ainda cismado com o enredo
do livro  "Olhai os Lírios do Campo",
outras vezes fico  rindo sozinho
com "Incidente em Antares"







10 comentários:

  1. Bom dia Dilmar Goeme
    Belo poema, adorei ler, obrigada

    Tenha um dia feliz, beijo


    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Cidália, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma boa tarde.

      Eliminar
  2. Que lindo, bem lembrado aqui em seus versos que nos faz recordar esse grande escritor, concordo contigo, ler é a melhor forma de se entender a vida, Érico Veríssimo nos ensinou e eu amei ler algumas obras dele!
    Dilmar, admiro a sua criatividade em versos ricos que informa de forma que as pessoas possam não se cansar, pois muita gente nem sequer quer saber de ler, acredito que o brasileiro não tem muito esse hábito.
    Seria muito bom se todos se interessassem em ler, embora os livros seja caros, há bibliotecas que emprestam, eu mesma li muitos livros emprestados assim e tive a sorte de ter uns padrinhos que tinham livraria e eu lia de graça quando podia, em horários fora do escolar, ajudar a tomar conta da livraria!
    Nossa, acho que escrevi demais por aqui, abusei do seu espaço!
    Abraços meu amigo poeta querido!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Ivone, realmente, ler é muito bom e necessário. Hoje está muito fácil ler, apesar de os livros ainda serem caros, pois, muitas vezes, se encontra obras a preços acessíveis nos sebos, além da possibilidade de ler livros de graça ou a preços módicos no celular ou no tablet. Claro que a leitura no livro impresso é mais gostosa, entretanto, somos adaptáveis. Hoje já leio nos aparelhos. Aliás, recentemente li a biografia de Steve Jobs no Celular e estou terminando a releitura de de Demian do Hermann Hesse.
      Amei teu comentário. Obrigado pelo carinho de sempre. Tenhas, sei que terás, um lindo dia.

      Eliminar
  3. Soneto-acróstico
    A Érico

    É Gato preto em campo de neve
    Rodrigo aquele tão certo capitão
    Incidente em Antares, mui breve
    Chico, o conto que muitos lerão.

    O autor Érico, avesso a conselho
    Viaja um dia ao mundo passado
    E percebeu-se diante do espelho
    Rosa Maria no castelo encantado

    Íntimo das letras, esse gaudério
    Sua verve de formidável escritor
    Soltou criação em assunto sério.

    Imagine-se este também tradutor
    Mexendo em contos de mistério
    Ou assunto qualquer pra compor.

    ResponderEliminar
  4. Amigo poeta Jair, obrigado pela réplica poética através deste belo soneto-acróstico.
    Um abraço. Tenhas um bom dia.

    ResponderEliminar
  5. Bom dia Dilmar.
    Interessante eu sempre amei ler, confesso mais romances, passei para a minha filha o mesmo amor pela leitura, hoje eu já não leio tanto, mas ela vai e volta está lendo algo. Ainda não tive a oportunidade da leitura que relata, acabei de anotar.
    Um feliz dia.
    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Mirtes, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas um lindo dia.

      Eliminar
  6. Bela homenagem a este grande escrito Érico, eu na adolescência li os de José de Alencar, ah como gostava dos seus enredos, histórias que me faziam viajar, do Erico infelizmente aos 11 anos o prof. mandou ler Olhai os Lírios do Campo, não gostei de ir ao passado e voltar ao presente, era muito jovem e acabei confundida, mas sem dúvida um grande escritor, abraços Luconi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Luconi, quando criança também viajei nos belos livros do José de Alencar. Um abração. Tenhas um lindo dia.

      Eliminar