segunda-feira, 24 de abril de 2017

PALAVRAS

Às vezes, ainda lembro
de um episódio antigo
que me causou espécie
durante algum tempo.
Havia um cidadão,
leitor de almanaques,
que vivia a recitar
frases espirituosas...
E eis que , um pérola
dita pela criatura
causou-me o efeito
de náusea mal resolvida
Mas o rei tempo é um bálsamo:
esponja das angústias da existência;
 um rio que corre para o infinito
serenando as inquietudes da  alma...
Hoje quando relembro do adágio:
a morte é um momento poético
penso que se reencontrasse
o mentor daquele discurso
talvez lhe dissesse isso:
saberemos se a morte é bela
no momento da nossa passagem!

24 comentários:

  1. Limerique

    Lá fora uma extraordinária lida
    Que apenas a morte mostra saída
    Temos que vive-la portanto
    Até nosso derradeiro canto
    Pois não se escapa vivo dessa vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Jair, obrigado pelo comentário poético. Um abraço. Tenhas uma boa tarde.

      Eliminar
  2. Olá Dilmar.
    É meu amigo a morte é o fim ou o começo de uma nova vida ? Seja uma linda viagem ou não ? Só um dia sabermos, por enquanto vamos vivendo apreendendo e amando ate o dia que encontraremos a resposta. Eu espero a resposta com paciência não tenho menor pressa rsrs. Uma linda semana meu amigo. Grande abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é cara, brava, guerreira, amiga Mirtes, para mim a morte não é fim, mas passagem para outro plano; agora não sei se há poesia no momento, isso vamos saber quando ocorrer nossa passagem. Se por poética, melhor, né?
      Um abraço daqui do sul. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  3. Como sempre!!Belo poema! Adorei ler

    Beijos e uma excelente semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, cara amiga Cidália, pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  4. De que a morte seja bela,
    disso tenho muitas duvidas
    ai se eu pudesse fugir dela
    como correm as águas turvas!

    Tenha uma boa noite caro amigo poeta Dilmar, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, meu caro poeta amigo Eduardo, é pouco provável que haja poesia na morte, mas, saberemos quando chegar nossa hora.

      Eliminar
  5. Meu bom amigo e poeta Dilmar, taí um tema que gosto (que mórbido rs), existe poesia na morte, na poesia...mas quando se deixa de respirar, onde está a poesia nisso ? Desenvolve com maestria, algo que poderia se dizer pronto, no entanto, acabamos de destruir uma frase pronta, eterna, como algo digno de se passar adiante num almanaque. Sempre muito bom teus poemas e o que eles nos provocam, me provocam. Sempre bom estar por aqui.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Jair Machado, obrigado pelo comentário e obrigado pelo carinho. Um abraço. Tenhas uma ótima semana.

      Eliminar
  6. A morte é o maior mistério e sempre será. Ninguém volta para contar. E o mais curioso, é que é a porta para uma nova vida, para o paraíso, e para uma vida eterna, só que ninguém quer ir!!
    Isso me deixa encucada...rss
    Uma ótima semana, Dilmar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, cara amiga Tais, mesmo aqueles que dizem que já poderiam ir, porque já viveram tudo e agora estão cansados, quando a "dita cuja" lhes acena, mudam o discurso: ah, queríamos ficar mais um pouco...
      Obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma ótima semana outonal.

      Eliminar
  7. Ah meu amigo eu acredito que ela será bela ou não dependendo de cada um, a amiga Tais disse certo Ninguém quer ir, mas acredito não ser medo, mas sim, apego a seu mundo, as pessoas que ama, abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perfeito, cara amiga Luconi, estamos por demais apegados à matéria, porque ainda somos pouco evoluídos. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  8. Amigo Dilmar, li uma vez um texto em que se dizia que quando a morte chega já não estamos mais presente, tão natural que é, mas, como estamos ainda em plena saúde física e mental, nem sonhos queremos pensar nela, sei que a cada ano que passa mais próximos ficamos dessa "dama temida", mas pra que ficar focando nisso né mesmo?
    Mas acho que a frase é mesmo fascinante, eu acho que seja mesmo um momento poético, um momento único, tanto quando ao nascermos, quando nascemos temos um momento único, só nosso, assim é com a morte!!!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara, sábia, amiga espiritualizada Ivone, somente pessoas espiritualizadas são capazes de analisar este tema de maneira tranquila e serena como tu fazes.
      Um abraço daqui do sul. Tenhas, sei que terás, uma linda semana.

      Eliminar
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, a poesia está presente em tantos momentos e, por vezes, tão individual!...
      A morte é mero termo... Há vidas, pós vidas e, que, vividas do melhor modo, vamos com vivências plenas...

      Linda captura poética!

      Boa noite!
      Beijos =)

      Eliminar
    2. Cara Nadine, a morte é passagem. Obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas um bom dia.

      Eliminar
  10. Oi, amigo Dilmar!
    Poesia na morte, vai saber!
    Espero demorar muito para descobrir!
    Amo viver, bem sei que morrer é inevitável, mas não vou mentir,...eta, certeza que me desagrada!
    Beijo carinhosos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente, cara amiga Jossara, a passagem desta existência assusta e, acho que todos, queremos uma existência longa. Obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas um lindo dia.

      Eliminar
  11. Vivemos, hoje, na Terra, esta linda escola.
    Um dia daqui sairemos para continuarmos em outra dimensão, com tudo que aqui plantamos como espíritos eternos que somos. Algum dia aqui poderemos retornar para uma nova vivência, mas só o futuro nos mostrará.
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perfeito, meu caro amigo Élys, sabemos da multiplicidade ds existências, mas ignoramos o processo da passagem, porque não nos é dado lembrar das nossas passagens anteriores

      Eliminar
  12. Boa tarde amigo Dilmar
    há um semear enfim
    colher no momento certo eu diria.
    Amei o texto!
    A vida é um belo poema
    viver é poesia.

    Beijo querido

    ResponderEliminar