terça-feira, 8 de agosto de 2017

EXISTÊNCIA

Quando estamos velhos
já não temos mais dúvidas
de que esta existência
com certeza,um dia acaba;
ainda que a quiséssemos
sorve-la eternamente.
Aquilo que aparentava,
 para o jovem que fomos,
uma probabilidade remota, aconteceu:
o tempo da contagem regressiva!

13 comentários:

  1. Existência

    A existência muitas vezes me surpreende
    Vivo, portanto, como, porque, onde e quando
    Aos indiferentes compêndios, perguntando
    Mas, nada! Enigmas próprios de duende.

    Sequer sei o que nossa vidinha pretende
    Se alguma treta medonha está aprontando
    Enquanto inocente, eu aqui poetando
    E soluções milagrosas por ai se vende.

    Contudo, por esta vida sou deslumbrado
    Mesmo porque, não há como deixar de lado
    Vamos juntos, penando ou não ao final.

    Porquanto nosso destino nos quer assim
    Eu por ela, mas ela não vive sem mim
    E, quando um de nós se for, o outro babau!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Jair, obrigado pelo acróstico. Um abraço. Tenhas um ótimo dia.

      Eliminar
  2. Obrigado pelo carinho, cara amiga Cidália. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda tarde.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Pois, eu quanto a isso não tenho dúvidas,
    de que não há mais verdade do que essa
    inventem-se ou não se inventem desculpas
    porque é que de lá chegar há tanta pressa?

    Tenha um bom dia caro amigo poeta Dilmar,
    tudo o que tem princípio, fim também terá
    não adianta contra a força da natureza lutar
    porque, vencê-la jamais alguém o conseguirá!

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro amigo poeta Eduardo, obrigado pela visita poética. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  5. Meu amigo Dilmar, quando eu era jovem me cuidava pensando na velhice, acho que sempre me ative ao fato de ver bem à frente do meu tempo, assim eu me imaginava bem do jeito que me vejo hoje.
    Não sinto ainda que eu esteja na contagem regressiva, rsrs,ainda sonho em chegar aos noventa anos!!!
    Abraços apertados meu amigo, vamos indo, quem sabe ainda estaremos conversando por aqui daqui uns trinta anos?!

    ResponderEliminar
  6. Quem sabe, cara, sábia e otimista amiga Ivone se essa premissa não se concretiza e gente esteja conversando daqui a trinta anos? Tudo é possível! Obrigado pelo comentário alto astral. Um abração daqui do sul. Tenhas, sei que terás, uma boa noite.

    ResponderEliminar
  7. Meu caríssimo amigo e poeta Dilmar, venho de nosso amigo Jair Lopes, onde celebra a eternidade, mas completo meu comentário de lá aqui neste teu poema tão eu, tão real. Ao contrário da eternidade, sabemos ser seres findos, e invocarei o poeta Vinicius novamente, para que saibamos que somos infinitos enquanto duramos não foi bem isso que Vinicius de Moraes disse em verso e prosa, mas é por aí...querido amigo sempre agradável e esclarecedor navegar por teu blog.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu bom amigo Jair Machado, obrigado pelo comentário e obrigado pelo carinho. Um abração. Tenhas um ótimo dia.

      Eliminar
  8. me encanta tu blog
    te mando el mio por si quieres visitarlo

    http://anna-historias.blogspot.com.es

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anna, obrigado pelo carinho. Um abraço daqui do sul do Brasil.

      Eliminar