sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

A BREVIDADE DA VIDA

A minha geração passará
como também passarão
as gerações subsequentes
assim como passam os dias,
os anos, os séculos, os milênios...
E ficará apenas
a área de transferência
onde armazenamos os sonhos
para ser recuperados
e vividos à posteriori...
Mas a vida é exígua
tal como um sopro no abismo
e o homem, um eterno aprendiz
na arte de viver,
que no ocaso da existência
solicita ao árbitro do jogo
uma compensação de tempo
para retornar àquela área de transferência
como se fosse possível
reverter as leis físicas,
resgatar o elixir da juventude...
Mas o tempo concedido
é menor que o delírio criativo de Proust:
Albertine já morreu
e o caminho de Germantes não existe...

1 comentário:

  1. Assim forma-se o círculo da vida. As pessoas deixam suas histórias na História. 100 anos pode ser muito ou pouco.

    ResponderEliminar