quinta-feira, 11 de março de 2010

MEU PONTAL



Eu sorvia o meu chimarrão
à sombra da figueira à tarde...
Eu contemplava a lagoa,
lendo os poemas de Neruda
Pensava nas lacunas do texto
de "Vinte sonetos de amor"
e transmutava-me na poeira
das areias do Pontal
e nas pedras de "Isla Negra"
e em todos os pássaros,
 em todas as flores
à volta da praia
porque era primavera
no meu coração.

São lembranças antigas
brotando das paredes 
de um tempo irreversível
de imagens, cinza e tempo.
São os componentes difusos do sonho
invadindo as defesas orgânicas,
plagiando a estrutura do texto
de "Uma canção desesperada"

Sem comentários:

Enviar um comentário