domingo, 26 de agosto de 2012

NUA

Ela, inquieta, fumou vários cigarros.
Não estava com saco de passar o dia inteiro
trancada no apartamento, em frente da tv.
Então, desceu a Salgado Filho
na direção do Parque Farroupilha
Mas aquele domingo era diferente
de todos os que ela vivera.
Havia algo estranho no ar
como se alguém houvesse jogado
uma dose alta de hormônios na atmosfera
ou será que era ela que estava diferente,
 já que os homens a comiam com os olhos à sua passagem?
Sentia uma brisa quente a lamber-lhe a pele,
a eriçar-lhe os pelos,
a tremelicar-lhe o corpo,
a malemolenciar-lhe as partes...
De repente, percebeu que não havia colocado
nenhuma peça de roupa sobre o corpo;
 descera à rua do jeito que gostava
de andar dentro de casa: pelada!
Ficou vermelha, ficou mole, ficou branca...
Colocou as mãos sobre os olhos
e voltou correndo para casa.
À altura da esquina da André da Rocha,
acordou com o ruído do escapamento
de uma motocicleta turbinada,
que passava pelo viaduto da Borges de Medeiros...
Bocejou aliviada. Olho o relógio:
três horas da tarde.
Colocaria uma roupa velha sobre o corpo
e daria um giro pela Redenção.

16 comentários:

  1. Ainda bem que foi um sonho.
    Coitada!!!!! rsrsrsrs
    Beijos!!

    ResponderEliminar
  2. Um cenário muito conhecido meu. Cresci tendo a Redenção como pátio para andar de bicicleta.
    Um grande bj querido amigo

    ResponderEliminar
  3. Lindo texto, amigo, igual a todos os que você escreve; meus sinceros parabéns. Obrigado pela força transmitida pelo seu comentário em meu blog. Abraços do amigo Bicho do Mato.

    ResponderEliminar
  4. Olá amigo Dilmar,

    Belo texto, como sempre. A sensação de se descobrir nua na rua é horrível, que alívio ser um sonho...
    Beijo grande.

    ResponderEliminar
  5. Um lindo texto meu amigo. Já pensou se fosse verdade. Parabéns pela maravilhosa tessitura dos versos. Ficou primoroso. Uma linda semana de paz e amor. Um carinhoso abraço
    Gracita

    ResponderEliminar
  6. Dilmar, nossa, muito bem escrito, ainda bem mesmo que fora um sonho, os sonhos são muitas vezes tão "reis" que quando acordamos nos sentimos meio que perdidos!
    Boa semana meu amigo poeta querido!

    ResponderEliminar
  7. Que sonho ...mas gostei do texto lindo
    mesmo, que bom poder escrever coisas
    tão bonitas, e pra vc é só elogios
    Que sua semana seja bela como você
    Abraços
    Rita!!!!!

    ResponderEliminar
  8. Sonhar dá uma sensação de liberdade. Essa então, nem se fala! Ainda bem que foi um sonho!

    Gostei muito do texto! Deixo aqui o desejo de uma semana ricamente abençoada!

    Meu carinho!

    ResponderEliminar
  9. Nua, ser natural
    Para mostrar a beleza escondida
    Lá na praia ser normal
    Ou na cama despida!

    Depois com o roupão
    Para se proteger do frio
    Amor e paixão
    Sem mar nada no rio!

    Ao vestir o roupão
    Com a pressa,
    O roupão caiu ao chão
    Mostrando sua beleza!

    Boa segunda-feira para você,
    amigo Dilmar Gomes,
    um abraço
    Eduardo

    ResponderEliminar
  10. Boa noite meu querido amigo !!!!!
    lendo seu texto me leva a uma viagem imaginaria da qual senti igual um sonho...
    Texto vivo mas sonhador...
    bjsssssssss

    ResponderEliminar
  11. Oi amigo Dilmar
    lindo texto, uma noite boa para você meu lindo amigo. bjs

    ResponderEliminar
  12. Bom te ler e reler,amigo fraterno Gilmar!

    Abraços

    Viva a Vida

    ResponderEliminar
  13. Amei, Dilmar, um dia bem feliz prá ti, um feliz final de semana, será que vai chover? vc sempre sabe..ehehe.Obrigada pela companhia.

    ResponderEliminar
  14. Super diferente esse texto! Na nudez dela que já era tão normal, não pode sentir a diferença do estar vestida. Muito interessante, gostei.

    ResponderEliminar
  15. Que lindo, amigo! Surpreendente ao revelar que tudo não passou de um sonho...que susto tomou a moça!(rs)
    Sempre uma boa surpresa te visitar. Bjs e um lindo final de semana.

    ResponderEliminar