sábado, 19 de abril de 2014

A SOLIDÃO GLOBAL

A aldeia global
produziu o indivíduo moderno ,
um elemento numérico
da engrenagem digital

A aldeia global
democratizou as relações
do homem sem rosto
através da rede virtual

A aldeia global
eliminou as fronteiras,
mas enjaulou a criatura
na solidão existencial

18 comentários:

  1. Bom dia..

    Lindo, gostei de ler.

    Passo para lhe desejar uma Páscoa feliz. com muita paz e amor.

    Beijos
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Cidália, obrigado pela visita. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma ótima semana.

      Eliminar
  2. McLuhan tinha razão

    Um avanço essa tal Aldeia Global
    Congregou o universo numa sala
    Cabo de fibra é o cordão umbilical
    Que agrega homens, mas os cala.

    Portanto, nos tornamos aldeões
    Do mundo, com acesso irrestrito
    Às respostas de todas questões
    Sem convivência que gera atrito.

    Mas não existe almoço de graça
    Uma praga essa aldeia empalma:
    Colocou a comunicação na praça
    E surrupiou do homem sua alma.

    Nossas relações viraram fumaça
    E o poder nos conduz com calma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jair, meu amigo, poeta glosador, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas um bom final de feriadão.

      Eliminar
  3. Verdade. E essa solidão cada dia mais se agiganta... Super real!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Regina, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas um ótimo final de feriadão.

      Eliminar
  4. Meu amigo..
    Hoje venho desejar um feliz Domingo
    e uma abençoada Páscoa para você e toda sua família.
    Abraços.
    Evanir.

    ResponderEliminar
  5. Amiga Evanir, obrigado pela visita. Desejo-te uma feliz páscoa. Tenhas um ótimo final de feriadão.

    ResponderEliminar
  6. Respostas
    1. Amiga Margoh, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Amiga Nádia, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  8. A virtualidade se estendeu tanto que está presente na vida real, nas amizades que se reúnem num bar, num restaurante, numa festa qualquer. Encontramos multidões se comunicando através de um minúsculo aparelhinho com pessoas sem rosto ou com identidade falsa. Parece que o mundo está amedrontado com coisas reais. Quem tem uma resposta para essas atitudes? Não sei o que pensar, só vejo uma solidão crescente.
    Abraços, Dilmar.Uma boa semana após esse enorme feriadão!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, amiga Tais, acabou o feriadão, agora retornamos ao batente.
      Um abraço. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  9. Não é fácil as pessoas estão cada vez mais isoladas, ainda mais com essa era digital, muitos já estão doentes. Eu detesto e não uso internet no celular, eu me conheço rsrrs
    Dilmar q sua Páscoa tenha sido abençoada. boa semana e abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pati, obrigado pela visita a este modesto espaço. Um abraço. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  10. Olá meu querido poeta Dilmar, diria genial este poema, mas não basta só esta palavra, pois conseguiste traduzir em poesia o que percebemos mas negamos até... até porque acabamos necessitando disso. O que aparentemente é uma virtude, acaba por virar defeito, um milhão de amigos virtuais e nenhum real, embora a parte virtual que me cabe, quero que fique só no virtual. Mas é um poema de grande verdade, o que esta nova tecnologia, novas políticas, a globalização, nada mais é que isolamento e solidão, às vezes solidão junto de outros, o que é bem pior....enfim, meu querido poeta, muito há de se refletir sobre tão nobre e verdadeiro poema.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu amigo Jair, obrigado pelo carinho e pela consideração. Um abração. Tenhas uma ótima semana.

      Eliminar