terça-feira, 20 de junho de 2017

FRIO NOSSO DE CADA INVERNO

Agora as coisas estão nos lugares:
o frio está chegando devagarinho
cumprindo  função   protocolar.
Seria inadequada sua ausência
no bico do Brasil Meridional,
 à entrada de mais um  inverno,
A gauchada espera do calendário,
a função curricular da estação:
frio para aquecer nossa alma.
Que prossiga com tudo de direito,
frio que nasce ao pé da Patagônia
e traz o minuano para o Rio Grande.
 Inverno meia-boca não tem graça,
pois o inconsciente coletivo daqui
foi plasmado sob  estética do frio.







14 comentários:

  1. Meu amigo, e nós aqui com um calor infernal. Fogos que já mataram 64 pessoas, familias inteiras. :(( Tão triste.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São os contrastes climáticos, cara amiga Cidália. Pois aqui no também ocorrem muitos incêndios nas épocas de estiagem, mas, apesar disso não de haver tantas mortes assim em um único evento. Minha solidariedade com nossos irmão portugueses. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  2. São os fenómenos da natureza,
    que os humanos tentam descontrolar
    estamos sentindo nesta Nação Portuguesa
    a ira do fogo que aqui chegou para matar!

    De tanta gente a vida ter perdido,
    destruição, morte e sofrimento doloroso
    é um inferno como dantes aqui não visto
    ninguém consegue o controlar o fogo!

    Tenha uma boa tarde caro amigo poeta Dilmar, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo Eduardo, realmente, o fogo é algo difícil de controlar, quando ele se alastra em determinados sítios onde existe matéria prima que o alimenta. Estou solidário com vocês, nossos irmãos lusitanos. Um abraço daqui do Brasil. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  3. Frio

    Nesta temperatura que causa arrepio
    Seja de madrugada ou a qualquer hora
    Aquele que comanda esse tempo, o frio
    Imperando do anoitecer até a aurora.

    No quentinho das cobertas até sorrio
    Não abandono a minha cama por ora
    Talvez, apenas quando surgir um estio
    Porque, quem abandona sua cama, chora.

    É preciso sair da cama, mas não tanto
    Pois optar por em casa no ócio me assiste
    Então vou deixando a coisa rolar, portanto

    É o tal inverno mantendo o poder em riste
    O qual, entendo, deve ter algum quebranto
    Mas, sinceramente, isso me deixa triste.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, caro amigo poeta Jair, minha filha também detesta o frio.
      Eu gosto, mas, entendo perfeitamente quem prefere climas mais quentes. Obrigado pelo soneto. Um abração. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  4. Amigo Dilmar, que alegria poder ver que estás tão feliz com a espera do frio de inverno aí pelos seus lados, Sul, amo o Sul, não conheço todo, mas as belas serras daí eu já fui e de carro com meu marido, nossa foi mágico isso, faz cinco anos, precisamos nos aventurar de novo, pois de avião não é a mesma coisa, rsrs, adoro ir de carro, parando para pernoitar até chegar ao destino!
    Amo esse frio que dizes, mas minha família é mesmo de calor intenso, tanto que metade dela estão lá em Manaus, foram faz quatro anos, eu já fui quatro vezes, uma por ano, mas o calor, ai, é de matar, meu marido adora calorão!!!
    Amei ler como sempre, seus versos nos dão lindas lições, aprendo e sinto o carinho com que nos passa ao falar do seu lindo lugar!
    Abraços bem apertados!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que nós que gostamos do lugar onde vivemos, já temos um bom motivo para manter o bom astral, claro que a vida apresenta seus altos e baixos, faz parte da programação, e usando o livre arbítrio vamos nos adequando, ultrapassando, quando possível, aos reveses naturais que surgem pelo caminho.
      Obrigado pelo depoimento e obrigado pelo carinho de sempre. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  5. Dilmar,
    fiquei contente com sua
    presença no Espelhando.
    Adoro ler seus textos,
    esse em especial fala da cidade
    onde minha Irmã Caçula mora
    ha um ano (Rio Grande) e segundo ela:
    é frio mesmo! A carioca e a família
    estão sofrendo por lá.
    Bjins
    Catiaho Alc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, pela visita. Rio Grande a que me referi é o todo o estado do Rio Grande do Sul, que também tem a cidade de Rio, lá bem no sul do estado; é um cidade junto ao mar, onde minha irmã gosta de passar as férias, pois mora em Pelotas que fica daquela cidade. Eu moro em Porto Alegre, que por sinal, não tão frio quanto a maiorias das demais cidades gaúchas, mas mesmo assim ainda é bem frio no inverno, mas eu gosto bastante do inverno, não gosto mesmo é do calor. Quando a temperatura passa de 30 graus, já fico desanimado. Obrigado pela visita. Um abração daqui do sul. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  6. Pois é, amigo... O frio chegou, que maravilha !
    Eu amo o inverno ! E começa amanhã esta nova estação de frio mais intenso.
    Adorei ler teu lindo poema !
    Obrigada pela visita e comentário tão pertinente que acrescentou muito à minha postagem.
    Um abraço forte, Dilmar. Deus o abençoe sempre !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Ilca, estou feliz por saber que gostaste do meu comentário lá no teu espaço. É que a gente se compreende, pois, passamos pelos mesmos eventos, e mesmo, que graças à ajuda dos bons espíritos, vamos tocando a vida , sem queixas, sem recalques, nosso coração é tocado pela saudade eterna dos nossos amados que partiram antes.
      Vamos curtir este inverno que está começando bem bonito. Um abração. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  7. Gostei muito do texto e cada palavra que foi exposta. Sinceramente não gosto muito do inverno hehehehe, mas gostei muito do poema.
    Beijos amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado cara Vanessa. Minha filha também não gosta nada do inverno. Um abração daqui do sul. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar