segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

NÓS SOMOS CONSUMISTAS INCOSCIENTES

Reflitam sobre os comerciais
na tv, na internet,
nos outdoors...
Imagens indutoras do nosso tempo.

Mecanismos modernos calibrados
torpedeiam o homem sem trégua...
A caça acossada procura a caverna
com pouca chance de sucesso...

O consumidor exausto embarca
no trem dos paradigmas consumistas
através da cantilena dos marketeiros
e dos parâmetros técnicos da felicidade
metrificados pelo reflexo das aparências.

O homem contemporâneo, engolido
pelo logro ocidental,
bebe a cantilena dos pregoeiros;
a equação custo-benefício,
subproduto da máquina mercantilista.

O dependente entorpecido pela droga cômoda
já não respira sob o signo das tabelas
escritas, rasgadas, reescritas pela concorrência,
catecismo manipulado da satisfação pessoal
atesta o quadro clínico da criatura:
o homem do século vinte e um.

Talvez um dia no futuro
perpasse a angústia pela consciência
do condutor do rebanho:
o medo do estouro da tropa.

9 comentários:

  1. "Talvez um dia no futuro
    perpasse a angústia pela consciência
    do condutor do rebanho:
    o medo do estouro da tropa."

    Já acreditei. Hoje não acredito mais.
    Mas quem sabe eu mudo de novo não é? Até o futuro tem tempo.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  2. Olá amiga Fátima, és bemvinda à minha página. Gostei muito do teu blog. Constato que tu és uma pessoa muito alegre. E, isto é muito bom, pois estamos vivendo num mundo carrancudo.
    Já estou te seguindo. Volte sempre. Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. O Dilmar aborda, nesta bela composição, um tema muito actual e pertinente.
    Não posso deixar de concordar com a sua visão que retrata bem o assédio de que todos somos alvo, sem que haja instrumentos capazes de nos defender e preservar.
    Esperemos que a "exaustão" do consumidor possa levá-lo a ignorar o supérfluo e a concentrar-se na essência.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  4. Dilmar, querido,

    Perfeito!
    Diria eu, o estouro da boiada.
    Obrigada pelo carinho diário.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Um belo poema urbano que nos transforma em consumidores de ilusões.
    Jorge Manuel Brasil Mesquita
    Lisboa, 04/02/2011

    ResponderEliminar
  6. Olá amiga Lídia pela visita ao meu blog e pelo teu comentário.
    Volte sempre, amiga!
    Um abraço e um bom fim de semana para ti.

    ResponderEliminar
  7. Olá amiga Ira. Obrigado pela e obrigado pelo comentário. Um grande abraço e um bom fim de semana para ti.

    ResponderEliminar
  8. Jorge, obrigado pela visita e obrigado pelo comentário. Volte sempre, pois és bemvindo.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar