quarta-feira, 8 de outubro de 2014

AH, SE FOSSE VERDADE!

Eu queria escrever um poema
que relatasse as temperaturas amenas
salpicadas de brisa outubrina,
beijando meu rosto no fim da tarde.

Eu queria colocar no papel
loas ao nosso sistema educacional,
elogiando os bons serviços
prestados à juventude,
futura timoeneira
do destino verde-amarelo.

Eu queria exaltar a sensibilidade
dos homens públicos  deste país,
abnegados condutores da bandeira
da equanimidade, mola-mestra do bem comum.

Eu queria escrever um poema elegíaco
sobre nossos programas televisivos,
receptáculos instrutivos e formadores
da capacidade reflexiva do telespectante.

Eu sonhava com um poema decantando
os versos das correntes musicais de agora
criações de nível aceitável, tais quais
as que gente cresceu ouvindo no passado.

Queria dizer tanta coisa,
que preencheria  vários poemas,
mas de repente, a voz da consciência
ficou tocando nos meus ouvidos:
mente pouco, mente menos;
 faze o poema sobre a brisa de outubro
beijando o rosto das pessoas...


22 comentários:

  1. Ah, meu querido amigo Dilmar, também queria bem assim como você, dizer tantas coisas, mas tantas, tudo o que vai na alma, o que é percebido, que poderia também ser percebido por cada ser, cada individuo, portanto...
    Ah, meu amigo, mas foi bom o final, último verso, "...beijando o rosto das pessoas..."!
    Sinto-me beijada no rosto por você e retribuo com muito carinho!

    ResponderEliminar
  2. Obrigado amiga. Obrigado de coração. Ainda bem que o mal-estar é passageiro, logo me recomponho e a felicidade retorna ao respirar a brisa desta terra abençoada.
    Um abração daqui do sul. Sei que terás uma linda tarde.

    ResponderEliminar
  3. Queria e escreveu... e ficou maravilhoso...senti-me como a Ivone, beijdada com carinho. Obrigada, gostei muito.

    Beijinho meu, daqui de Portugal-Aveiro

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Cidália, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma boa tarde/noite.

      Eliminar
  4. Sonhar não paga imposto

    Sonho deste poeta, criar um poema
    Vindo da fímbria dum onirismo vago
    Que fale daquela temperatura amena
    Que no íntimo da minhalma eu trago.

    Queria a qualidade do ensino exaltar
    E do futuro que aguarda a juventude
    Colocar todo político em alto patamar
    Por sua honestidade e grande virtude.

    Ah, nossos bons programas de tevê!
    Os enalteço por todo bem que fazem
    Iluminam nossos caminhos veja você
    E bons exemplos a todos eles trazem.

    Mas minha dura consciência antevê
    Que boas notícias neste país jazem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois amigo Jair, as boas notícias não chegam aqui. Um abração. Tenhas uma boa tarde.

      Eliminar
  5. Eu queria viver todas essas coisas que vc gostaria de escrever. Muita paz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seria reconfortante, se consciência e bom senso florescessem por aqui.
      Obrigado pela visita. Tenhas uma tarde abençoada.

      Eliminar
  6. rsrsrsr... só em sonhos querido.
    Bjusss para ti.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nádia, obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma linda tarde.

      Eliminar
  7. Grandes pensamentos!
    de alegria e felicidade
    alegres contentamentos
    escreves bem de verdade.

    Escreves na actualidade,
    contidas em poemas
    as notícias com humildade
    lidas por gaiatas morenas.

    Lá na praia a branca areia,
    nela batem as ondas a respingar
    deitada estava uma sereia
    ao sol, o seu corpo bronzear!

    Maravilhoso esse poema,
    Dilmar, bem soube rabiscar
    Já estou fugindo do tema
    não me vou mais prolongar.

    Uma boa noite para você amigo Dilmar, um abraço.
    Eduardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Eduardo, obrigado pela visita de além-mar. Um abração daqui do sul do Brasil. Tenhas uma boa tarde.

      Eliminar
  8. Oi Dilmar, a vida é assim, nem sempre escrevemos ou vivemos
    aquilo que queremos. Bela poesia que escreveste que bem retrata
    a alma do poeta. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Nal,obrigado pela visita. Um abração. Tenhas uma boa tarde.

      Eliminar
  9. Eu aqui as 23:14 ainda dessa terça feira
    enquanto vou diagramando um novo
    trabalho venho respirar aqui e consigo
    ver e sentir
    exatamente o que você descreve poeta Dilmar:
    "faze o poema sobre a brisa de outubro
    beijando o rosto das pessoas..."

    Um deliciosa magia.

    Fico muito contente quando
    você vai ler a gente
    la no Espelhando, viu?
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  10. Deixo cumprimentos

    http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  11. Querido amigo Dilmar, você retratou lindamente em versos, de um coração que só um poeta sabe descrever lindas palavras. Como seria bom se tudo fosse verdade, e tudo que queríamos, nos fosse ofertado, se bem que as vezes acho que nem tudo que quero, é tudo o que preciso. Amei o ultimo verso. Beijos de brisas de outubro tão suaves! Belo texto amigo. Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Amigo Dilmar,
    são tantas as coisas que nós almejamos nesta vida, mas tudo, as vezes é tão difícil de ver acontecer. Mesmo assim temos que agradecer pelas outras tantas coisas boas que a vida nos oferece.
    Com carinho, Suzana.

    ResponderEliminar
  13. Dilmar,
    Vá a http://haikaidentro.blogspot.com.br/ que tem um soneto que fiz para você. JAIR.

    ResponderEliminar
  14. Boa noite Dilmar.
    Nem sempre temos o que queremos, mas devemos olhar com amor a brisa a soprar nos nossos rostos, mostrando que a vida ainda é bela. Que essa brisa meu amigo lhe de a paz e tudo o que precisa nesse momento.
    Um lindo fds.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  15. Oi Dilmar!
    Pois sim, esses dias amenos de outubro são inspiradores!
    Quem sabe amenizem nossas frustrações!
    Quem sabe! Enquanto isso, apreciamos a brisa suave!
    Felicidades para você!

    ResponderEliminar
  16. Olá Dilmar,

    É mesmo desolador não poder ressaltar, através de um poema, sonhos concretizados do país que desejávamos e merecíamos ter. Às vezes o desalento nos acomete, mas a esperança sempre nos ilude e caminhamos esperando que tudo mude, embora sem lutar para que tal aconteça. Enquanto sonhamos, aproveitemos dessa brisa de outubro a nos confortar.
    Seu poema é um belo grito de inconformismo

    Ótimos dias.

    Abraço.

    ResponderEliminar