quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

ANTES DA ALDEIA GLOBAL

Naquele tempo,  gostava
de ouvir o som das palavras,
principalmente das contidas
no universo das proparoxítonas
Muitos daqueles vocábulos
soavam magníficos...
Naquela época, alguns
dos meus prediletos,
se ainda me lembro
eram: clavícula,
ernergúmeno,
farândula,
notívago,
síndrome,
arquétipo,
etc...
Isso foi antes  de Marshall Mcluhan
vaticinar a aldeia global,
porque naquele tempo, havia tempo...
Havia tanto tempo que o PhD de Harvard,
Timothy Leary e seus alunos  faziam
excursões astrais, regadas com LSD...


14 comentários:

  1. Acróstico

    Antes, apenas cada qual no seu quadrado
    Não havia intercâmbio de comunicação
    Tanto aqui como além, nada era misturado
    Eles como nós, donos da verdade então
    Sabido era aquele que ficava calado.

    Depois veio Mcluhan com a aldeia global
    Aonde se espirra aqui e ouve-se no Nepal

    Agora com a internet acabou a ilusão
    Longe alcança, tudo aquilo que aqui se faz
    Desde ideia importante a bolha de sabão
    E, cada um, entender o que o cerca, é capaz
    Inclusive física quântica, pois não!
    Assim, mais podemos saber, se nos apraz.

    Globo uma simples aldeia que nos abriga
    Lugar que parece jardim de nossa casa
    Onda heteziana, esta tão velha amiga
    Brinda-nos com comunicação que arrasa
    Assim, seja para a paz ou para intriga
    Legado de Mcluhan: mundo tabula rasa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo acróstico, meu caro amigo poeta Jair. Um abração. Tenhas uma boa tarde.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Cara amiga Cidália, obrigado pelo carinho. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  3. Pois então, aquele tempo,
    que no tempo havia tempo
    para o que se pretendia fazer,
    a gente sem tempo no tempo
    não o consegue acompanhar
    o tempo no tempo passa a correr
    a gente fica a ver o tempo passar!

    Tenha uma boa noite caro amigo poeta Dilmar, um abraço,
    do amigo de Portugal

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo Eduardo, realmente, hoje o tempo passar a corre, melhor, acho que a voar. Obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  4. Pois é, lembro do tempo antes da internet, e do show das comunicações segundo Marshall Mcluhan - que 30 anos antes já estava vislumbrando a Aldeia Global... Acho que foi um bom tempo aquele, parece tanto tempo... Mas tínhamos criatividade no que inventávamos. Lembras dos telefones que inventávamos de brincadeira, Dilmar? rss Como tínhamos tempo! Hoje quando vejo, quando penso em esticar o tempo, está na hora de dormir...

    Abraço, amigo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Tais, se me lembro! Foi um bom tempo, sim! Obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  5. Palavras proparoxítonas... longas e quase impronunciáveis aos despreparados. Geralmente, de significados difíceis.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Ana, eu gostava do som. Mais remotamente, no tempo de criança, algumas proparoxítonas soavam ao meu ouvido de forma mágica. Mesmo sem saber o significavam me encatavam.
      Obrigado pela visita. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  6. Naquele tempo havia tempo, hoje ficou difícil prolongar o tempo.
    Um abraço.
    ÉLys

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo Élys, a nossa percepção em relação ao tempo mudou. Hoje parece que o ano tem oito meses, o mês, vinte dias, o dia 15 horas, e assim por diante.
      Obrigado pela visita. Um abraço. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Cara amiga Fernanda, obrigado pela visita. Um abraço daqui do sul. Tenhas uma boa noite.

      Eliminar