segunda-feira, 29 de maio de 2017

NO MATO SEM CACHORRO

Ah, diante deste escracho,
rio ou choro?
Neste oceano de falcatruas,
onde os safardanas zombam
de quem cultiva a decência,
por conta do foro privilegiado,
e os últimos mandantes gerais
dançam  a  valsa  dos  corruptos,
escorados no manto da impunidade.
Assisto, incrédulo, manifestantes
gritando: queremos eleições já!
A pergunta que não quer calar: para quê?


11 comentários:

  1. Boa tarde Dilmar
    É realmente bem complicado a situação. Estamos no mato sem cachorro. Bem colocado. Mas não podemos perder as esperanças. Uma linda semana. Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga Mirtes, obrigado pela visita. Um abração daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

      Eliminar
  2. Um brado de guerra!

    Pois é, amigo Dilmar, um país sem dono
    Ou melhor, um país com donos alheados
    Onde tantos ladrões ao poder são levados
    E eleitores, impotentes, perdem o sono.

    E os safardanas zombam-nos em segredo
    Num conluio, mefistofélico e antigo
    E trocam figurinhas com vilão amigo
    Com manto do foro especial não têm medo,

    Levanta do leito, ó pátria adormecida!
    Então, chegue a chama ardente neste pavio
    Só a santa revolta aberta é a saída.

    A devassar o sórdido porão sombrio
    O que está em jogo é nossa própria vida
    Que, sem ela, esperança cai no vazio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro amigo poeta Jair, obrigado pela réplica, através deste belo soneto. Um abraço. Tenhas um bom dia.

      Eliminar
  3. Um texto que mostra o seu desconsolo sobre o estado de País.


    Beijo de boa noite

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara amiga poetisa Cidália, obrigado pela visita de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um lindo dia.

      Eliminar
  4. Quem quer já eleições,
    nos corruptos não votar
    mas, eles são aos milhões
    um que corrupto não seja
    não será fácil encontrar
    querem ter tudo de bandeja
    viver no luxo sem trabalhar
    dessa praga Deus nos proteja!

    Tenha uma boa noite caro amigo e ilustre poeta Dilmar, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro poeta amigo Eduardo, obrigado pela visita poética de além-mar. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma ótima semana.

      Eliminar
  5. Amigo Dilmar... to achando que o crime compensa!! Roubam o que dá, corrompem-se um Congresso e arredores e ainda são perdoados e recebem ajuda para mudarem-se para outro país!! Eu não sabia que isso existia!!! Que beleza! Estou emocionada com tanta solidariedade.
    Grande abraço! Belo poema, vai no 'foco'.

    ResponderEliminar
  6. Oi, amigo Dilmar!
    *aplausos*
    Não saberia expressar em versos tanto, com poucas palavras!...
    A coisa aqui tá preta, já diria a canção de Chico...

    Beijos! =)

    ResponderEliminar
  7. Querido amigo, também pergunto "pra quê?" se não temos nenhum representante digno de confiança!
    Muito triste nossa situação!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar