segunda-feira, 25 de outubro de 2010

AS ANDORINHAS

Quando eu era criança
esperava na minha janela,
antes da chuva,
a passagem das andorinhas.
De repente o céu ficava cinzento,
o vento soprava mais forte, vindo do sul
e as andorinhas revoavam na direção da praia,
eu antegozava os primeiros pingos de chuva.
Era questão de tempo e a água descia.
E eu de alma lavada, na minha janela,
esquecia-me do mundo.

Outras vezes, nas manhãs ensolaradas,
as andorinhas faziam o voo de ensaio da chuva
Então, a gente sabia,
que naquele dia iria chover
e mesmo que a metereologia afirmasse o contrário,
sempre acabava chovendo.

Hoje, descendo a rua
da ladeira da vida
ao ouvir as previsões
dos institutos climáticos,
que determinada frente fria
trará chuva,
eu escorado em outra janela
e olhando para o céu,
lembro do passado
e falo com a criança que fui um dia:
"São as andorinhas que trazem chuva!"

6 comentários:

  1. Belíssimo poema, meu querido Dilmar!
    Eram as andorinhas que faziam as previsões meteorológicas: bons tempos!
    Linda maneira você encontrou de nos relatar isso, do jeitinho da sua vivência: os passarinhos revoando na direção da praia, você
    antegozando os pingos da chuva...
    E você, de alma lavada, na sua janela...
    Quanta falta nos faz, meu querido, nesta altura da vida, uma janela assim!
    Bravo, poeta!
    Você enfeitou o meu dia!
    Forte abraço

    ResponderEliminar
  2. Querido amigo,

    Tão singelo e ao mesmo tempo profundo teu texto.
    Ter boas experiências na infância e lembrá-las deve ser reconfortante, mesmo que a vida traga depois dissabores, por vezes, maiores que nossa cálida alma, que então tem que desdobrar-se.
    Teu texto é uma abraço, uma carinho,uma lembrança que não tive e "pego" emprestada.
    Por isso, só posso dizer: obrigada!

    Forte abraço

    ResponderEliminar
  3. Amiga Zélia, fico feliz por você ter gostado deste poema, ele contém um pedacinho da minha alma. Obrigado pela visita. Volte sempre
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  4. Amiga Anna, existem coisas que nos acompanham vida a fora, porque ficam no nosso coração. Que bom que você gostou. Obrigado pela visita. Volte smpre.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  5. Un emotivo poema envuelto en recuerdos y es que como bien dices amigo Dilmar , hay vivencias, momentos... que quedan grabados en el corazón, por siempre.

    Gracias por compartir y aunque me cuesta a veces entender , yo sigo tus pasos...

    Un abrazo para ti

    ResponderEliminar
  6. As letras representam muito. Em alguns momentos, rebeldia, indignação, em outros, mais nossos, um porto seguro, um amparo, um olhar que nos atende e entende.
    .
    Benditas sejam as letras e bendito seja tudo o que elas representam
    .
    Aqui cheguei, aqui voltarei...

    ResponderEliminar