quinta-feira, 28 de outubro de 2010

INDIOSINCRASIAS

Felizes, aqueles que vivem
nas aldeias, nos povoados,
nas cidadezinhas perdidas no mapa,
nos pequenos lugarejos
distantes do mundo.

Nesses pequenos paraisos,
como numa colmeia,
vive o indivíduo solidário,
o homem natural
integrado á comunidade.

Em contrapartida,
nos grandes centros,
o homem burocrático
foi engolido
pela solidão profunda,
intrínseca à multidão.

13 comentários:

  1. Em versos, você delineou bem o caos interno dos que habitam as grandes cidades. São um rosto a mais em meio à caravana que passa, na pressa e, até, preguiça de contemplar as pequenas maravilhas ao redor.

    Belobelo!

    ResponderEliminar
  2. Concordo em absoluto, com esta visão.
    O progresso corrompe. O homem individualiza-se, torna-se um ser isolado entre florestas de cimento e solidão.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  3. Belíssima reflexão acerca do que costumam ser as comunidades, hoje!
    Gostaria de colocar minha assinatura ao lado da sua, pois cá estou eu, com saudade do emprestar, do vizinho, uma xíxara de açúcar...
    Cada um de nós virou uma ilha... Embora isso tenha virado chavão, é a realidade: tem de ser repetido.
    Seu poema é uma riqueza, meu querido amigo!
    Abraço forte.

    ResponderEliminar
  4. Amiga Valeria, obrigado pela visita. Volte sempre
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  5. Amiga Lidia, obrigado pela visita. Volte sempre.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  6. Amiga Zelia obrigado pela visita. Não lhe direi: volte sempre, pois tenho a felicidade de contar com a sua constânciia.
    Obrigado

    ResponderEliminar
  7. Me ha gustado mucho leerte aunque, mi portugués, no sea todo lo bueno que se necesita.

    Un saludo

    ResponderEliminar
  8. Siempre encantada de pasar a leerte admirado amigo Dilmar y tus letras sin duda son para pensar y reflexionar.

    Un abrazo y feliz fin de semana.

    ResponderEliminar
  9. Estava comentando com uma amiga de Portugal o quanto é bom poder contar o tempo pelas estações do ano, acampanhando o crescer de uma árvore, a floração que antecede o fruto e o seu amadurecer no pé, dia após dia.
    Como é bom ser natural e ter como relógio as posições do sol.
    Sempre quis viver no mato, na montanha, ao lado de um riacho, num lugar frio.
    As circunstâncias nunca me permitiram isso, mas não perdi as esperanças. Quem sabe...
    Adorei seu poema que me fez lembrar dos meus sonhos.
    Beijokas.

    ResponderEliminar
  10. "Felizes, aqueles que vivem
    nas aldeias, nos povoados,
    nas cidadezinhas perdidas no mapa,
    nos pequenos lugarejos
    distantes do mundo."
    Assino embaixo!!!
    B-Jos.

    ResponderEliminar
  11. Caro amigo,

    Há uma opressão, pressão...Individualidade não é o mesmo que individualismo. Tem um artigo meu que trabalho este tema "Corpo a Corpo", na linha do "Amor Líquido - a fragilidade dos laços Humanos" do sociólogo Zygman Bauman". Acredito que gostará de ler e conhecerá a escritora que também é poetisa.

    Parabéns pelo texto e por fazer eco ao nossos sentimentos.

    Ah, quero te convidar para conhecer meu novo Blog, a ideia partiu da minha pesquisa sobre a poética erótica e encontrei um jeito prazeroso de pesquisar.
    o endereço é: poemasselecionadosannamorim.blogspot.com

    Já postei três do Carlos Drummond. Mas ainda está em construção, ok?

    Beijos e ótimo final de domingo

    ResponderEliminar