sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

PSICODÉLICO

Outro dia, lembrei-me daquele cara
embrigando-se nas águas
de Joplin, Hendrix, Morrison...
sonhando e bebendo
Baudelaire, Hesse e Pessoa,
colhendo pelo caminho
os cogumelos de Castaneda...

Ainda me lembro que ele recitava
o verso de um cantor de época:
"Não vim aqui para ser feliz"
então, explicava-me:
nascera para "curtir todas"
estar na "crista da onda"
Dizia-me que viver
não significava, apenas, estar presente
no intervalo delimitado
entre o nascimento e a morte.

Hoje fiquei sabendo
que há muitos anos, ele partiu.
Lamentei num primeiro instante
a brevidade daquela existência.
Depois absorvi o choque
e fiquei pensando no paradigma filosófico
que o meu amigo adotara
o que me levou a questionar
o meu modo de vida
tão comedido, regrado, insosso
e até pensei na "Carolina" do Chico Buarque
e a angústia falou ao meu coração:
"A vida passa lá fora".

13 comentários:

  1. Dilmar, querido,

    As coisas externas só podem vibrar, se houver vida dentro, na alma. Como bem disse Lispector: Tudo acontece no lado de dentro, acho q é mais ou menos isso.

    Bjão e bom fds

    ResponderEliminar
  2. Ah, Dilmar, meu querido amigo, grande poeta Realmente, é grande mistério, a vida...
    O tempo tem passado tão depressa, não?
    Penso que, na sua corrida, ele faz levantar poeira, que nos turva a visão...
    Também tenho feito reflexões, acerca do existir, tão insosso...
    Bem, deixemos para lá: é Natal...
    Lindíssimos, como sempre, os seus versos!
    Enorme abraço!

    ResponderEliminar
  3. Caras amigas, obrigado pela visita e pelos comentários.
    Um grande abraço a vocês.

    ResponderEliminar
  4. Como disse pra Ira, viver a vida é aprender a ser limitado, mas jamais contido...
    A angústia é matéria prima do poeta e
    seus versos são água que mata a sede da alma.
    Beijokas e um lindo e proveitoso domingo, meu querido.

    ResponderEliminar
  5. Amiga Lua, estou agradecido pela visita e pelo seu comentario.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  6. Dilmar...

    A vida só pode ser um intervalo entre o nascimento e a morte quando as pessoas desconhecem qual o propósito de estarmos aqui neste mundo...

    Para isso, é necessário conhecer o verdadeiro siginificado do natal. O que é lembrado... Quem nasceu e para quê Ele veio ao mundo.

    Assim, quando perdemos alguém ou quando ouvimos que algum amigo ou conhecido já não está entre nós, temos de ter bons sentimentos, boas lembranças e reconhecer Jesus Cristo como único salvador.

    FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO!

    Bjs!
    Chris

    ResponderEliminar
  7. Ola´amiga Chris, obrigado pela visita e pelo comentário. Realmente, é necessário entender o sentido do Natal, compreender que Cristo veio nos mostrar o caminho.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  8. "Dizia-me que viver
    não significava, apenas, estar presente
    no intervalo delimitado
    entre o nascimento e a morte."

    Estar presente, vivendo de forma intensa e comedida. Digamos que não é fácil. Encontrar o equilíbrio dá um trabalhão!

    Um beijo

    ResponderEliminar
  9. Olá amiga Lídia. Obrigado pela visita e pelo comentário.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  10. Olá, Savia. Obrigado pela visita
    Desejo um feliz Natal para você.

    ResponderEliminar
  11. Belo poema, amigo.

    O tempo que passa
    e deixa rastros ao passar...

    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  12. A vida passa e deixa nomes como Joplin, Morrison, Pessoa, Hesse, Baudelaire...Apesar das vidas conturbadas, suas cruzes foram só suas, mas a luz por eles irradiada estão aí no balcão gratuito da Cultura para todos (que quiserem, naturalmente)....Parabéns!

    ResponderEliminar